sexta-feira, fevereiro 10, 2017

Brasil - O governo que protege criminosos e castiga militares e trabalhadores

Uma rápida comparação das vantagens e desvantagens que a vida no Brasil oferece pra quem faz opção de viver do crime ou da honestidade - Continue lendo

PCC oferece vantagens para criminosos - Snapshot
Por Saulo Valley - O Observador do Mundo - Rio de Janeiro, 10 de Janeiro de 2017

O Brasil é o país da corrupção e da lavagem de dinheiro. O dinheiro lavado a nível nacional não é pouco e não está restrito ao âmbito governamental. A constante crise política neste país vem em consequência dos esquemas de corrupção que vão sendo orquestrados e adaptados para superar as ações da Polícia Federal e do Ministério Público, e no topo da cadeia está sentado o Presidente da República, que trabalha para defender, blindar e livrar seus comparsas.

Os crimes de colarinho branco chegaram ao cúmulo de ser investigados pelos próprios criminosos de outros crimes de colarinho branco, que transformam as CPIs em esquemas financeiros que limpam as fichas dos suspeitos do alto escalão do governo e condenam apenas seus motoristas, assessores e secretárias. Temos que conviver com um presidente da república que nomeia para Ministro do Supremo Tribunal Federal uma personalidade toda enrolada com diversos incidentes que denigrem sua reputação, inclusive o fato de ter prestado serviço para a facção PCC.

O Governo Federal conta ainda com a ajuda do Supremo Tribunal Federal para blindar autoridades no topo da cadeia alimentar dos tubarões da política nacional, para que nunca sejam alcançados pelos nem tão longos braços da Lei, que eles mesmos redigem, sempre deixando uma brecha para suas próprias escapadas de emergência.

Enquanto os políticos corruptos somam a maioria da cúpula dos três poderes, o crime organizado se propaga velozmente.

Graças à constituição, o bandido tem mais de uma chance para se aperfeiçoar na prática do crime.
O bandido que é preso logo é liberado enquanto a investigação prossegue. Enquanto isto ele vai cometendo novos crimes, ao ponto de acumular sucessivas (dezenas) prisões e liberações. Quando finalmente é retirado das ruas, o criminoso (já muito experiente) parece receber um tipo de promoção. Uma vez no presídio, ele vai exercer todo seu poder de comando de dentro da prisão, como se este local fosse transformado numa espécie de "quartel general do crime". Esta base de comando é normalmente de elevada segurança e quase impenetrável, como uma casamata. Se não morrer o criminoso pode ser preso e se for preso, ele viverá ainda melhor!

Cercadas de seguranças uniformizados, armados e pagos pelos governos, as prisões são utilizadas como postos de comando de todo crime que é praticado nas ruas, como acontece nos quartéis. Ali estes homens (cada vez mais poderosos) ganham de graça comida, água, roupas, alojamento, proteção policial e até direito de adquirir novas regalias, além de mulheres, armas, drogas e bebidas, entre outros mimos, como redução de pena, indultos, habeas-corpus, tornozeleiras eletrônicas, detenção em regime de semi-aberto, etc.

Já o policial não tem as mesmas vantagens:

O policial não ganha pra correr risco de morte. Pelo salário que recebe só vale a pena ficar nos quartéis ou passear nas viaturas sem prender ninguém! Quem gostaria de morrer por ganhar um salário de três mil reais?  Padrão de vida À nível de pobreza mantém corajosos chefes de família e sua casa, sabendo que por este mísero rendimento familiar, ele poderá acabar morto.

O policial honesto não tem as chances que o criminoso tem. Ele sai pra trabalhar e se não morrer, tem a chance de voltar a trabalhar  no dia seguinte, e se não morrer... retorna no outro. Se morrer, nem ele nem seus familiares terão mordomias, água, comida, riquezas, segurança, casas fortemente protegidas mantidas pelo governo como os bandidos hoje possuem. Se o policial morrer ele deixa de exercer sua função. Mas o bandido não pode ser morto porque a lei o protege, até quando este mata o policial, que vai para o outro lado sem qualquer reconhecimento deste sistema corrupto e criminoso.

A Polícia que vive em constante desvantagem ainda tem que atender aos pedidos desesperados de uma população mal agradecida e pouco participativa. Quando um policial morre tem gente que dá graças a Deus. Quando um bandido morre seus familiares correm para protestar, incendiar ônibus e estes ainda recebem toda atenção de organizações de Direitos Humanos especializadas na proteção de bandidos. Estas ONGs recebem recursos do Governo Federal e até mesmo da ONU.


O Brasil é o único país que mantém políticos como Maria do Rosário que luta pelo fim da polícia, mas nunca um político se levantou pra organizar uma luta nacional contra o crime organizado!

Sem receber salários em dia, com as contas acumuladas, vivendo de donativos e esmolas, a polícia ainda tenta fazer frente contra o crime altamente ativo, organizado, equipado, protegido por recursos federais (que nunca chegam atrasados) enquanto criminosos ganham carros em sorteios pela Loteria Federal oferecidos pelo tráfico, o policial mal consegue se descolar para o trabalho, e em dias de folga ele ainda pode ser morto sem pena e sem dó! Já ouviu falar que um bandido foi morto no seu dia de folga? Sem falar que militar não pode fazer greve, mas pode ficar sem pagamento, pode passar fome, pode ficar esmolando e se humilhando pra conseguir sobreviver.

O que o Brasil pensa à respeito? Que solução a sociedade vai buscar para que nossa segurança seja mais garantida que os riscos que corremos todos?

Até quando aceitaremos esta absurda inversão de valores defendidas pelo próprio governo que mantemos com nosso suor e lágrimas?

Tags: corrupção, política, crime organizado, facção, polícia, segurança pública, policial militar, traficante, Saulo Valley, O Observador do Mundo,

Artigo em Destaque

Julian Assange periga ser extraditado para os EUA

O fantasma da extradição de Julian Assange volta a assombrar e podemos dizer que processar e condenar o fundador da Ong Wikileaks pelo cr...

Leia também: