Pular para o conteúdo principal

Translate this Page

Hesbollah: A milícia contratada por Assad para destruir população que rejeitou seu regime

14 de Março de 2011. Um grupo de alunos de ensino médio em Daraya escreveu no muro da escola que Al-Assad seria o próximo dos líderes a serem derrubados durante a "Primavera Árabe". Alertados, agentes do Serviço Secreto Sírio imediatamente sitiam o prédio e apreendem os adolescentes que vão de 10 a 15 anos de idade. Eles são conduzidos para um prédio da inteligência antes mesmo que seus pais fiquem sabendo - CONTINUE LENDO:

"Battle of Yarmouk (2015) map" by BlueHypercane761 - Own work. Licensed under CC BY-SA 4.0 via Commons -
Via Wikipedia.com
Por Saulo Valley - O Observador do Mundo - Rio de Janeiro, 28 de Novembro de 2015 - 16:23 GMT-3

Após a prisão dos cerca de 15 menores, todos são levados para a sala de interrogatórios e apesar da idade não são liberados para voltar pra casa. A absurda detenção levou cerca de pais e mães a buscar ajuda de algumas pessoas ligadas à política e destacados escritores para pedir a libertação dos estudantes.

Mas o regime de punho de ferro proíbe qualquer tipo de argumentação popular e com a lei do silêncio imposta, ativistas políticos tentaram fazer uma singela manifestação usando cartazes com mensagens diante do prédio do Ministério da Justiça na capital Damasco.

يريدون اخماد نظام دي بشار هو وقتك


Os 40 manifestantes eram familiares e amigos solidários dos meninos detidos. Mas Bashar Al-Assad ordenou que forças de segurança fossem ao local e expulsassem violentamente a pequena multidão, sob pena de encaramento. A resistência dos manifestantes que imploravam a soltura dos 15 adolescentes levou a polícia síria a usar de grande violência, arrastando mulheres pelos cabelos, debaixo de espancamento com cacetetes.

Após a prisão violenta dos manifestantes várias manifestações solidárias aos presos eclodiram nas cidades e vilarejos do país. Entre as regiões: Hama e Homs. Daraya, Alepo e Latakya. Após uma tentativa sempre violenta e desesperada do regime para silenciar a população que clamava por um governo mais justo, Assad ordenou a contratação de uma tribo especializada em crimes e torturas com armas brancas. Os "Shabihas" se tornaram a linha de frente das forças de segurança da Síria para silenciar e matar a todos os que rejeitavam as regras impostas pelo clã Assad.

Mas ao ver tamanha crueldade nas ordens de Assad (entre elas a execução de todos os opositores e seus familiares), muitos soldados se recusaram a matar as crianças e suas mães e avós. Mas a Lei de Emergência vigente desde 1948 tornava a recusa em fuzilamento. Por esta razão, ao se recusar a matar civis inofensivos pelo menos 600 soldados conseguiram escapar da morte e começaram a perseguir outros executores.

Para não envolver o governo no genocídio, Bashar Al-Assad contratou o Hezbollah para continuar avançando sobre os rebelados ao regime. Mas após Assad ordenar a perseguição e morte de todos os soldados desertores, estes se organizaram e oficializaram a formação de um exército rebelde batizado de FSA (Free Syrian Army), conhecido como "Exército Livre". E foi com ajuda de diversos países ocidentais, entre eles os EUA, que o FSA começo a frustrar as ações do Hesbollah, chegando em 2013 a morrer uma média de 100 militantes por dia. E foi com a decisão do FSA de perseguir o Hesbollah desde a origem, que a guerra da Síria ultrapassou suas fronteiras. Os rebeldes se espalharam pelo Líbano atrás dos terroristas que matavam mulheres, crianças e lutadores oposicionistas a Assad.

Quando a Rússia começou a equipar os helicópteros do regime sírio, as chuvas de barris de TNT se tornaram um pesadelo para todos os que ainda resistiam abandonar tudo o que possuíam e escapar da guerra. Nesta época o Hesbollah anunciou o fim das negociações com Assad. Foi neste tempo que a milícia se uniu aos rebeldes palestinos em Gaza na disputa contra o governo israelense. Mas muitas outras milícias jihadistas e mercenárias começaram a entrar no país, com interesse de tirar vantagem da crise. Esmagados em grande número e com a liderança minada e dividida, pelo menos mais de 40 milícias se tornaram conhecidas no país e se uniram ao FSA para derrotar os Assad, inicialmente. Mas ao expulsar as forças pró-regime das vilas e cidades, as milícias passaram a tentar estabelecer um novo governo local, independente e a explorar a população.

Após a chegada do ISIS na região, as ideologias e razões para justificar a batalha estavam misturadas. Neste último ano, as forças conjuntas ocidentais e orientais iniciaram uma caçada ao Estado Islâmico. Agora, mediante seu recuo forçado, o Hesbollah retorna reclamando seu direito de ser visto como a milícia predominante na Síria. Há 10 dias o líder Hassan Nasrallar avisou que o Hesbollah ingressou numa  guerra decisiva nas terras de Assad, e que a presença da milícia na região será "maior que nunca".

Após descobrir seus planos de matar o primeiro ministro israelense, a Arábia Saudita impôs nesta sexta sansões contra os principais líderes da milícia. O reino saudita já listou 12 principais financiadores do Hesbollah, entre eles o Irã.

presidente Lula recebe o presidente da República Árabe Síria, Bashar al-Assad, no Itamaraty.
Agência Brasil Author Roosewelt Pinheiro/ABr - Creative Commons via Wikipedia
Apesar de cruel, sanguinário e ditador, Bashar Al-Assad tem apoio silencioso do atual governo brasileiro e ainda é parceiro comercial. Por esta razão mesmo com mais de 300 assassinatos por semana, por ordem de Assad, o governo brasileiro nunca pronunciou uma palavra sequer em condenação à repressão da oposição ao regime,que mantém um único partido no poder. O também sanguinário partido Ba'ath é oriundo do Iraque no período de Saddam Russein no poder.

A Síria também foi recebida como parceiro do Brics no ano de 2013, do qual recebe ajuda financeira para esmagar a oposição. O "B.R.I.C.S." é formado por países que se dizem "economias emergentes" como a Rússia, China, Índia, Africa do Sul... (Será?)

Postagens mais visitadas deste blog

A implantação e queda do comunismo socialista e o "Decálogo de Lenin"

O "Decálogo de Lenin" é um resumo do pensamento da implantação do comunismo de modo mais "social". Escrito por um brasileiro de Sorocaba, a obra, por incrível que pareça descreve exatamente a tragédia que o Brasil vive hoje sob a luz do Partido dos Trabalhadores - CONTINUE LENDO:

A "Revolução Bolivariana" era ainda um sonho de Chávez de unificar toda a América Latina sob seu comando. Ele pretendia instalar um regime comunista duro, com maior apelo social mas que culminava no empobrecimento de todas as camadas abaixo dele, e o enriquecimento exclusivo do Estado militarizado e de seus líderes.   Para isto Chávez contava com militantes de esquerda em todo o território latino, e depois do fracasso dos anos 60, finalmente nas últimas duas décadas, conseguiu colocar seus "agentes laranja" no poder em diversos países, entre eles Brasil e Argentina.

Quando o Brasil aderiu ao "Comunismo Socialista", por meio da comemorada ascensão de Luis Ináci…

A nova vida do Advogado Ércio Quaresma ex-defensor do Bruno Goleiro.

Ele subiu ao topo. Tornou-se um dos defensores mais admirados no cenário jurídico. Por um contrato milionário, foi defensor do Bruno, Goleiro do Flamengo, no caso do assassinato de sua namorada Elisa Samúdio, até que foi pego se drogando em uma cracolândia na região metropolitana de Belo Horizonte.


Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 25 de Novembro de 2011 - 07h26min.
O Dr. Ércio Quaresma foi professor de Direito na UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais). Durante mais de 20 anos de carreira, cometeu deslizes não muito comuns, em se tratando de pessoas do seu nível e de sua formação; Por outro lado foi realizou defesas espantosas, dignas de meste. Se especializou na defesa de acusados de crimes hediondos por assassinato em 1º Grau obtendo bons resultados quase sempre. Isto porque em alguns casos o criminoso era indefensável, digno de toda culpabilidade e nada mais lhe restaria a não ser a pena máxima.

Mesmo assim sua experiência na defesa de criminosos praticamente condenados foi ex…

Aliaa Magda ElMahdy nua é desejada, perseguida, processada, linchada e morta. Um símbolo?

Ela nem se considerava bonita, muito menos sexy. Decidiu se expor como forma de denunciar de modo marcante, o abuso sexual que as mulheres egípcias sofrem, espancamentos e indiscriminação, mas no campo da religião, Aliaa Magda é tida como um monstro.


Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 03 de Dezembro de 2011 - 06h50min.
 De adolescente a mulher. De ativista a símbolo sexual. Sua decisão de mostrar sua foto numa numa página de blog chocou o Egito, a comunidade islâmica e o mundo árabe. Adquiriu admiração de muitas mulheres que nunca tiveram coragem para fazer o mesmo, embora tivessem desejo. Seu blog atualmente registra mais de 4.400.000 visitantes embora a impacto inicial tenha passado, sua nudez lhe rendeu muita popularidade e muitos problemas. Aliaa saiu do "Blogger" para as ruas:


Nas ruas foi odiada. Foi linchada, ficando bastante machucada. Mais tarde os linchadores descobriram que haviam espancado a moça errada. Não era Aliaa. O ódio da comunidade islâmica lhe rendeu ameaç…

Tecnologia: Conheça "Psiphon" cryptograma que fura bloqueios de acessos à internet contra ditaduras.

O Psiphon é o programa de código aberto desenvolvido para ser distribuído livremente para permitir que países, cujos governos censuram o uso da internet e monitoram ligações feitas com o Skype não consigam detectar a conexão.


Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 23 de Novembro de 2011 - 07h54min.

Tudo começou quando o Jornalista Ivan Watson da CNN recebeu uma ligação de um jovem ativista sírio de pseudo Musaab al Hussaini via Skype. Além de denunciar a situação no seu país em tempo real, ele descreveu o grau de libertação que o anti-tracker Psiphon lhe proporcionou:



A empresa
A Psiphon Inc. é uma empresa de software que decidiu investir num sistema que pudesse ser adaptado a diferentes situações no mundo. Ele pode ser adaptado de acordo com cada tecnologia de bloqueio e de vigilância utilizado pelos governos, regimes, ditaduras e reinos  no mundo, bastando que desenvolvedores estejam inclinados a utilizar seu código fonte como base da programação.
"Nós da Psiphon acreditamos que a Inter…

Nigéria: Menina de 13 anos escrava sexual de 550 homens.

Um alerta para os pais: A menina "A" tinha 13 anos quando sua tia pediu aos seus pais autorização para levá-la de Akuda, no estado de Akwa Ibom para outra cidade, sob a promessa de que receberia melhor tratamento e teria melhores condições de estudo..
Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 18 de Janeiro de 2012 - 10h17min.
Segundo a fonte nigeriana "PM News", a menina contou para a polícia que após seus pais terem autorizado a sua ida para o estado nigeriano de Lagos com sua tia, esta mesma a levou para um hotel. Lá  acriança contou que ganhou uma mini-saia, vestidos do tipo "tubo" e um quarto. De acordo com o testemunho da menina ainda, sua tia conhecida apenas como "vitória", teria ensinado como se comportar com os homens.
Até então a menina contou que não entendia o que estava acontecendo "até que começaram a chegar os homens". A fonte citando a menina disse que  ela percebeu que cada uma das outras meninas levavam seus "fregueses&qu…

Brasileiros e sírios levam arte às crianças refugiadas colorindo cenários de guerra

Uma iniciativa que merece muitos aplausos levou um grupo de jovens artistas de rua brasileiros, a se encontrar com artistas e ativistas de diversos países em conflito armado. Eles tentam transformar campos de refugiados em escola viva de pura arte em cenário de muitas cores! - Continue lendo:


Por Saulo Valley - O Observador do Mundo - Rio de aneiro 24 de Abril de 2017

"Magic Caravan" é um projeto social criado em 2013 e a ONG Al Caravan atua na Síria , Líbano, Turquia e Alemanha, ajudando a dar um futuro melhor para crianças e adolescentes sentenciadas a viver em campos de refugiados e campos de concentração ainda remanescentes na Alemanha.

Na Síria, o grupo ajuda crianças das regiões mais intensas do país, cujas áreas residenciais e rurais são constantemente bombardeadas pelo regime sírio, milícias islâmicas, Rússia e países ocidentais. Possui pequenos centros de educação em lugares considerados "redutos rebeldes" como Aleppo, Daara, Homs, Latakya, Damasco e Idlib…