terça-feira, agosto 25, 2015

Segurança: Os prós e contras de se reagir a assaltos - Saulo Valley Notícias

O crescimento da violência urbana vem sendo visível e as notícias de assaltos frustrados pelas vítimas vêm crescendo. Por outro lado crescem também as mortes de pessoas que tentaram reagir.  Existe um momento certo para esta súbita resposta a assaltantes que chegam (quase que do nada) para lhe saquear? LEIA MAIS:

Por Saulo Valley - O Observador do Mundo - Rio de Janeiro, 25 de Agosto de 2015 - 16:31 GMT-3

A violência urbana está aí! Basta abrir os olhos pela manhã para estar sujeito a algum incidente violento. No caso de assaltos muita gente pensa e planeja reagir quando atacado. Muitos foram bem-sucedidos e muitos mais ainda morreram antes de se dar conta que não valia a pena relutar. Então fica a pergunta:

Mediante toda sensação de impotência, revolta e prejuízo coroada com a impunidade que beneficia o assaltante, quando é o momento certo para reagir?

Elemento surpresa

Nos treinamentos militares pelos muitos dos quais este escritor aqui já passou, o "Elemento Surpresa" se faz uma poderosa arma. Quando o combate se faz iminente, há de se convir a vantagem está no lado de quem consegue surpreender o adversário.

Sim. O fator surpresa pode mudar toda uma cadeia de reações e desativar as reações programadas. Esta estratégia não é nova, e diga-se de passagem a maioria dos assaltantes são especialistas em "surgir do nada" ou oferecer um elemento novo que possa dar-lhe a vantagem durante o ataque.

Eu saí do carro e quando eu olhei o bandido já estava com a arma na cabeça dele pedindo a chave. Fonte: Jornal Folha da Vitória
Houve um caso recente que uma pessoa reagiu tomando a faca de um assaltante logo assim que ele anunciou as palavrinhas malditas: "passa tudo, rápido!". Mais que rápido a vítima tomou a faca do bandido, mas o meliante enfiou a outra mão no short e retirou uma pistola e obrigou o bravo transeunte a ceder e entregar seus pertencer, inclusive a faca. Este tipo de ação não é novidade mas constitui um grande risco à integridade e quem reage.

Da mesma forma também, no mês de Maio de 2014 a mídia divulgou um vídeo de dois assaltantes que entraram numa oficina mecânica e no momento do assalto um deles foi surpreendido por um dos clientes que estava armado e o matou. em seguida foram atrás do outro.

Na imagem o assaltante armado está no meio dos clientes da oficina e o policial (atrás dele)
saca a arma após entregar seus pertences.
Domínio sobre a arma que escolheu

Há casos em que a vítima até reage e toma a arma do bandido, mas ele sequer sabe aonde se encontra a trava de segurança. Nesta situação o bandido dominado pelo ódio e a raiva de ter corrido o risco de morrer, recupera a arma e mata a vítima.

Nesta madrugada, em Santa Bárbara D'oeste (São Paulo), um empresário estava com sua moto e foi rendido por dois elementos. 1 menor e 1 adulto com uma máscara ninja e uma arma calibre 12 carregada. De acordo com as fontes, o motoqueiro reagiu usando seu próprio capacete e os bandidos saíram correndo, voltaram para o carro que usavam na ação e fugiram. A polícia foi acionada e os elementos foram presos por "tentativa de assalto".

Há 5 dias um homem (que aguardava sua esposa sair do trabalho num supermercado) decidiu encarar os dois bandidos que pediam as chaves de seu veículo. Mas luta corporal não era seu forte e os bandidos acabaram levando vantagem e o mataram e fugiram. O caso está sendo investigado pela Delegacia de Polícia Civil de Canoas.

Equilíbrio emocional

O equilíbrio emocional é um fator poderoso na difícil situação. Na prática quem estiver emocionalmente mais equilibrado vence a disputa, já que pensa com maior sensatez.

Estado Psicológico

Há pessoas que quando se imaginam reagindo a um assalto, pensam em cenas "iguais aos filmes do cinema". Mas se esquecem que a maioria dos mocinhos não são tão fortes quanto parecem e os "atores bandidos" foram pagos para perder as lutas e fingir ser mais fracos!

A maioria dos assaltantes utiliza uma quantidade pequena ou gigante de entorpecentes, antes de sair para uma "parada". Eles até podem estar de "cara limpa" mas podem estar também em grande agonia causada pela abstinência, o que os tornam ainda mais perigosos. São pessoas treinadas dentro dos núcleos de crime. Estudam as diversas situações, lendo jornais, assistindo programas jornalísticos ligados à segurança, documentários e praticam muito em simuladores (video-games). Vivem assistindo a filmes de terror dos mais sanguinários e pouco se importam quando vêem corpos ensanguentados. Estão psicologicamente adaptados. Este fator pesa muito contra uma pessoa caseira, pacata e sem qualquer experiência na área da segurança.

Dentro de certos bailes funks e em certas reuniões os aspirantes a bandidos vivenciam diversas situações. Em companhia de bandidos veteranos, eles assistem pessoas serem mortas (muitos deles "x9") e bandidos de oposição ou milicianos. Acabam convivendo com todo tipo de degradação moral. São psicologicamente treinados para quando sair para as ruas, já saírem para dar o famoso "bote certo". Estão movidos pelo ódio da vida, das pessoas bem sucedidas, das pessoas bonitas, das pessoas que vivem em condições inversas às deles... São ensinados que a vida não vale nada e que enquanto se está vivo na vida do crime, "é preciso se dar bem" e, enfim chegam prontos para matar e morrer.

Eles avaliam os riscos baseados nos valores em jogo. Se um bandido se arrisca por 50 reais.. É o que ele acha que vale! E você que reage por 50 reais, quanto vale?

Quando um policial reage a um assalto, ele o faz ainda dividido entre desativar o criminoso, se defender e proteger as pessoas ao redor. Ele não avalia os valores, mas sabe que foi treinado para impedir o que está em andamento naquele momento. O fator psicológico que move um policial a reagir, é bem diferente do fator de uma pessoa comum. Ele se sente obrigado a defender pessoas. Também é motivado pelo ódio aos bandidos, e é forçado por questões de sobrevivência, uma vez que se for identificado, ou sua arma descoberta, fatalmente será executado. Ele não tem para onde correr!

No caso do vídeo comentado da foto acima, observe que o policial sacou a arma mas não atirou imediatamente. Ele procurou um ângulo que ao disparar, não atingisse o rapaz que estava com a camisa vermelha levantada.

A razão certa

 Resumindo: Reagir a assaltos não é algo para ser praticado livremente por aí por qualquer um, e muito menos incentivado. Este texto é uma forma de mostrar diversos pontos que se tornam decisivos diante destes alarmantes acontecimentos. Serve para alertar às pessoas que mesmo sem ter sido assaltadas, já estão pré dispostas a reagir. Também visa mostrar que quem faz assim, precisa de mais do que coragem para lutar com um bandido armado e sair ileso.

Há também o fator de que policiais, milicianos, bandidos e assassinos contratados enfrentam: Todos em comum têm sua cota de pesadelos, inquietação, perturbação mental e tortura psicológica após matar uma pessoa. Para que ela consiga superar isto ela precisará fazer isto não só uma, nem duas nem três... Muitas vezes, e mesmo assim suas almas não descansam, nem seus espíritos relaxam em paz. Por esta razão, quem mata deve saber que no dia seguinte, ele pode estar implorando para morrer, num inferno emocional de onde ninguém o poderá salvar pelo resto de sua vida!

Será que um relógio, um celular ou mesmo um automóvel, vale o preço? Antes de reagir pense se o que você está perdendo não pode ser facilmente recuperado...

Segurança Pública em crise

Por outro lado o Governo Federal, o Estado e o Município, têm juntamente obrigação de oferecer proteção para a população, que não tem qualquer obrigação de se especializar em segurança para auto-proteção. Mas estas operações policiais nas comunidades, não passam de propaganda política (quando não antecipam grandes eventos de nível internacional). Então as autoridades precisam acordar que o tempo está se esgotando e enquanto as polícias estão nos morros, os bandidos estão nas cidades, nos centros comerciais, nos shoppings, nos bancos e nas grandes autovias. Falta estratégia e motivação ideológica para dar tanta sensação de proteção à população, ao ponto de fazer com que sempre pensem na polícia, quando precisarem de proteção. Mas isto não acontece. Se as coisas continuarem assim, estas autoridades fazendo vistas grossas, cada pessoa vai acabar portando um tipo de arma. Já ví pessoas carregando suas próprias armas brancas ou não, na expectativa de revidar a um assalto surpresa qualquer... Mas esta situação é preocupante, e reflete que a violência cresce no país, não só no eixo polícia-bandido, mas entre as pessoas comuns. Brigas, agressões e até mortes entre pessoas de mesmo nível. É uma violência implantada pela mídia, pela crise financeira, pelo desespero do desemprego, pela ganância, pela inveja e pela desvalorização dos valores que mantinham as pessoas mais controladas. Tudo isto ainda alimentado pelos escandalosos crimes políticos contra os cofres públicos. Se nosso líderes estão roubando nossos bancos e nossas estruturas, outros bandidos menores se inspiram para roubar nossas contas bancárias, nossas carteiras e nossos bens!

Acorda Brasil ou isto aqui vai se tornar uma China na idade média!

Artigo em Destaque

Pra quem reclamar quando autoridades estão ligadas aos criminosos?

Quando você se vê atingido por uma autoridade usurpadora do teu próprio direito, a quem reclamar, quando você sabe que a autoridade máxima ...

Leia também: