quinta-feira, maio 14, 2015

Porque jovens talentos desperdiçam grandes oportunidades?

De muitos fatores que levam jovens talentosos a desperdiçar grandes oportunidades profissionais, podemos destacar os mais graves - SAIBA MAIS:

"Alimente-nos!" Foto cortesia de Ed Yourdon - Creative Commons
Por Saulo Valley - O Observador do Mundo - Rio de Janeiro, de Maio de 2015 - 09:05 GMT-3

O futuro de todas as crianças, adolescentes e jovens está diretamente ligado à questão da oportunidade. Desde a oportunidade de nascer num lar estável, até as oportunidades oferecidas por apoiadores, patrocinadores e administradores. Neste exato momento há milhares de jovens buscando uma oportunidade de sair de casa e se tornar independente, ou de fazer uma faculdade, ou de ingressar no mercado de trabalho.. E muitos destes jovens até conseguem encontrar algumas portas abertas que podem fazer com que alavanquem para o sucesso profissional e pessoal. Mas a quantidade destes jovens que literalmente perde estas oportunidades..

Todo jovem quando começa a se afirmar sempre tem suas motivações. À começar pela influência dos amigos, a influência dos familiares e até a pessoa que pretende construir uma família. Estas influências podem em sua maioria consistir em poderosos impulsos para o sucesso. Salvo quando estas influências exercem pressão no sentido oposto. Neste caso a maioria dos jovens fica isolada com seu sonho de se tornar alguém.

A formação familiar

Mas se todo adolescente ou jovem de ambos os sexos necessita desesperadamente de oportunidade, há de se levar em conta que muitas destas chances são perdidas por má qualidade da formação familiar.

Muitos casamentos já começam falidos. Filhos sem pai ou mãe. Filhos excessivamente mimados ou sem qualquer tipo de cuidado ou orientação paterna. Estes fatores são geradores de caos e sofrimento futuro (quando não por toda vida) para estes jovens. Por esta razão uma família compreensiva, comunicativa e participativa ajuda a preparar o jovem para enfrentar seu futuro na "era da independência financeira".

A relação social

Entre os amigos da escola ou da vizinhança os adolescentes e jovens vão ensaiando uma vida social de sucesso. O primeiro estágio é sempre da admiração e do reconhecimento dos perfis e dos valores de cada membro desta coletividade que pode ser muito pequena ou gigante. Esta etapa começa na infância desde os primeiros contatos na escola até por volta dos 10 anos de idade.  Com o reconhecimento destas personalidades os jovens costumam traçar o perfil de suas própria comunidade. É daí em diante que ele começará a selecionar e reduzir seu núcleo de relacionamentos com base nos interesses.

"Apprenticeship" by Repro. of painting by (Louis-?)Emile Adan (1839-1937), Licensed under Public Domain via Wikimedia Commons
A pressão externa

Mas chegando na casa dos 17 anos o prazer começa a evoluir para o estágio das obrigações e a cobranças afloram no seio familiar, na relação de amizade, no amor e a sociedade entra em cena impondo tradições e regras de postura e sucesso. Vemos que normalmente as correntes de pressão são pelo menos 4:

1) A família que teme que seus jovens caiam para o mundo das drogas ou da vadiagem.
2) Os amigos que não aceitam que os jovens obedeçam as regras impostas pelos pais ou avós ou a sociedade como um todo.
3) O relacionamento amoroso que depende do seu sucesso para se estabelecer como "vida à dois".
4) A sociedade que se baseia em padrões de sucessos anteriores para enquadrar estes novatos.

O jogo da simulação

No meio desta perturbadora avalanche de cobranças o jovem tem dois comportamentos comuns:

1) Se inspira no sucesso de um ou dois de seus familiares para se referenciar.
2) Procura se desvincular de qualquer experiência que sua família tenha vivido.
3) Começa a simular um impressionante sucesso para silenciar a cobrança de todos os lados.

A simulação de sucesso é uma forma muito comum do jovem tentar conquistar respeito geral. Por esta razão muitos acabam na vida do crime. Eles são capazes de viver vidas duplas, levando para a vida pública apenas a imagem de sucesso financeiro (a parte feia eles vão se esforçar para esconder).

No seio familiar, muitos destes jovens tentam silenciar a pressão fingindo que estão estudando ou trabalhando fora. É comum que mais tarde seus responsáveis descubram que o jovem estava "cumprindo horário" que seria de estudo ou trabalho se divertindo com amigos ou par romântico.

No trabalho muitos destes jovens simulam pertencer a famílias estáveis e bem sucedidas. Simulam ter boa formação e até fingem maturidade. Ainda rebuscam o português e impostam a voz para parecer mais adultos.

Sob uma máscara de sucesso no trabalho, não demora muito mais que 3 meses para a fantasia desmoronar e toda mentira começa a vir à superfície. Quer no relacionamento amoroso, em casa, na escola ou no emprego, estes jovens enfrentam crises ainda pior que a pressão generalizada. É quando todo o esforço que fizeram para se tornar respeitados começa a virar fumaça. Os problemas se agravam e em pouco tempo já se pode ver que estes jovens estão fora do ambiente de trabalho, fora de casa, isolados em grupos minúsculos de pessoas igualmente desacreditadas.

O desafio é de todos

Para o jovem que tenta se impor o desafio é que ele busque o caminho do trabalho dedicado, nos estudos e na inspiração nos homens de sucesso presentes em nosso meio social. Desafiador que tenham coragem para enfrentar o mundo real do trabalho e da responsabilidade dos compromissos com horário e contas à pagar, além da manutenção do cumprimento de suas próprias promessas. Desafiador para eles olhar para homens poderosos e suas riquezas e lindas mulheres sem achar que tudo isto se conquista facilmente. Sem grandes esforços e estudo.  

Então o maior desafio é mesmo achar uma forma de fazer com que todo jovem, que vive este drama ainda nos primeiros estágios, seja identificado e orientado. É preciso que a sociedade comece a reunir exemplos e tornar públicas estas histórias de fracasso e sucesso de muitos deles. Assim podem servir de referência e ajudá-los a tomar decisões certas nas horas certas, antes que o pior lhes aconteça.

Tag: oportunidade, mercado de trabalho, emprego, desemprego, jovem, adolescentes, família, Saulo Valley, O Observador do Mundo, crise, sociedade, 

Artigo em Destaque

EDITORIAL - O Brasil é perfeito para quem não teme o trabalho honesto

Temos que combater os esforços da mídia paga, que visa fazer as pessoas amarem mais o mal que o bem. Se você concorda leia, comente e compa...

Leia também: