terça-feira, fevereiro 17, 2015

Rodoviária Novo Rio: O que mudou e o que não mudou na segurança

Rodoviária Novo Rio continua perigosa e os acessos à rodoviária continuam confusos, porque quem chega na cidade ( mesmo quem está acostumado) não consegue encontrar os pontos de ônibus.

By André Sampaio (Own work) [CC BY-SA 3.0 (http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)], via Wikimedia Commons
Por Saulo Valley - O Observador do Mundo - Rio de Janeiro, 17 de Fevereiro de 2015 - 18:09 GMT-3
Atualização:  18/02/2015 09:25
Atualização:  14/05/2015 18:36

Pra piorar, os funcionários do controle do tráfego não sabem absolutamente nada a respeito das linhas que atendem à região. A solução imediata ainda é a utilização dos táxis, até porquê funcionários da prefeitura no local já confirmaram que a insegurança anda solta na região e apesar do aumento do policiamento os assaltos não estão sendo completamente evitados.  Percorremos a região e percebemos vários elementos suspeitos procurando uma oportunidade para atacar viajantes.

"Malandro quando desce, é pra roubar!" disse o funcionário do controle do tráfego ao Saulo Valley Notícias.

O policiamento foi reforçado em todos pontos que "O observador do Mundo" destacou no blog " saulovalley.blogspot.com ". Mas a região ainda sofre muitas modificações e as principais vias de acesso estão cercadas por prédios abandonados ou em ruínas, o que transforma o lugar num cenário de filme de terror.

Quem precisa ir para Jacarepaguá ainda precisa caminhar com suas malas mais de 700 metros até a  passarela da antiga Estação Férrea da Leopoldina. O trecho é muito longo, o policiamento da rodoviária não atinge esta parte da Avenida Francisco Bicalho e o pessoal do trânsito apontou como região mais perigosa para pedestres.

Todo cuidado ainda é muito pouco.

Atualização:  18/02/2015 09:25

Cerca de 2 horas após ter escrito este artigo voltamos à Rodoviária Novo Rio para acompanhar uma pessoa que tinha que viajar. Como a maioria das agências bancárias estavam fechadas, deixamos para retirar dinheiro nos caixas eletrônicos de lá. Como já era de se esperar, no momento que íamos inserir o cartão de saque na máquina, surgiu um rapaz falando em voz alta que era uma emergência e que eu não deveria inserir o cartão. Aguardando a próxima atitude dele todos ao redor ficaram paralisados e atentos.
O cara entrou na frente da gente e começou a utilizar o caixa para supostamente fazer um saque. Nenhum dos seguranças da rodoviária se aproximou e pareciam nem olhar embora os caixas eletrônicos fiquem a cerca de 5 metros de um deles. Assumi o controle da situação sabendo que o estranho tinha intenção  clara de provocar uma confusão. Me dirigi ao caixa eletrônico do lado e ele não ficou satisfeito e começou a sacudir o meu ombro no momento que eu fazia o saque. Ninguém interferiu. Os guardas permaneceram em suas posições e não observaram o que estava acontecendo. Estive a ponto de reagir, mas sabia que ele estava tentando me levar para um nível de estresse que produzisse o resultado que ele esperava. Continuei a operação até acabar e o cara saiu pedindo desculpas. Saquei o dinheiro. Coloquei no bolso e observei o elemento indo embora. Sem que eu tivesse dado uma palavra sequer..

Se num local lotado daquele, os caixas eletrônicos não são protegidos por seguranças, agora pensem se fosse um idoso naquele momento? Teria até largado o cartão na máquina devido ao susto que ele tentou me aplicar. Com certeza não estava sozinho. Cadê a maldita segurança, senhor Beltrame?

Atualização:  14/05/2015 18:36
Ainda sem fiscalização os táxis piratas atuam na região da rodoviária, abordando viajantes recém-chegados com seus veículos sem taxímetros e tabelas falsificadas que não mostram a quilometragem, apenas o preço que a corrida para cada bairro custa. Exemplo:
Freguesia: 141,50Madureira: 222,50Centro: 80,00 (e assim vai)

Artigo em Destaque

EDITORIAL - O Brasil é perfeito para quem não teme o trabalho honesto

Temos que combater os esforços da mídia paga, que visa fazer as pessoas amarem mais o mal que o bem. Se você concorda leia, comente e compa...

Leia também: