sábado, março 29, 2014

Rússia concentra 33.000 soldados no Leste e Sudoeste da Ucrânia - 29-03-2014

Os preparativos para a invasão da Ucrânia estão quase concluídos e as pressões estão crescendo na região ucraniana de língua russa. Milhares de soldados e várias centenas de veículos blindados, tanques e caminhões estão distribuídos entre 3 regiões que facilitam o cerco ao país, usando a Criméia como base de apoio: Veja os gráficos.

Por Saulo Valley "O Observador do Mundo" - Rio de Janeiro, 29 de Março de 2014 - 08:36 GMT-3


À partir da Criméia o regime russo está mobilizando suas forças, seguindo um padrão de concentração de tropas e material bélico pesado, como tanques e mísseis de médio alcance. À partir da "Resistência da Informação" um relatório sobre as posições russas foi organizado no mapa. A informações são seguras e reais.


  1.    O relatório destaca que às margens da fronteira ucraniana que margeia a cidade de Dotnetsk, 10 mil soldados, 720 blindados, 140 sistemas de artilharia, 45 sistemas de múltiplos lançamentos de mísseis e 230 helicópteros de combate estão acumulados na fronteira à partir da direção de Chernigov ao Norte de da capital Kyev, até Dotnetsk ao Leste.
  2. No Sul, a Criméia já acumula 22 mil tropas russas, 340 blindados, 110 sistemas de artlharia, 25 sistemas de mísseis MRLse 30 aeronaves e helicópteros.
  3. AO Sudoeste a região de Transnítria está sendo abastecida com a disseminação de 1600 soldados, sendo a metade das forças especiais, um limite de 2000 milicianos cossacos, 7500 soldados das Forças Armadas da Transnítria, cerca de 60 blindados, 100 sistemas de artilharia, 80 sistemas de mísseis tipo MRL e 6 helicópteros.
  4. De Krasnodar (Rússia) pelo menos 10 soldados estão aguardando ordens.


Mapa da distribuição das forças russas ao longo da fronteira ucraniana até 29-03-2014 - Fonte: "Resistência da Informação" da Ucrânia.
No lado ucraniano o esforço de se preparar, apesar da infinita superioridade russa. Citando a agência UA112 que publicou que em um declaração á agência "Shuster Live", o presidente da defesa da Bielo-rússia disse que não entende porque a Criméia foi entregue à Rússia sem qualquer resistência. Em outras palavras ele acrescentou: "A Criméia não pertencia mesmo à Ucrânia. A falta de reação ucraniana só confirmou que a Rússia estava certa em buscar o que lhe pertence". Durante sua entrevista a autoridade acrescentou: "Se fosse em meu país, nenhum pedaço de terra seria tomado sem luta!"

Enquanto a corrida presidencial continua no país, o governo russo tenta se infiltrar ao máximo neste contexto afirmando que o candidato à presidência que representa a oposição, teria ido "se consultar" com Putin. A ex-ministra Yulia Tymoshenko anunciou ontem sua candidatura à corrida presidencial. Há este pensamento de que "quando a corrupção em um país está fora de controle, a melhor opção é sempre eleger uma mulher". Ela não resolverá todos os problemas, mas devolverá a estabilidade necessária para o país sair da estagnação. É uma realidade vista no Brasil, na Argentina e na Qatar.

quinta-feira, março 27, 2014

Corrupção na política ucraniana quase vendeu o país para a Rússia, junto com a Criméia.

A Ucrânia está juntando os caquinhos do que restou de sua Marinha. Mais caquética ainda se encontra a política nacional. Enquanto as forças russas aumentam a pressão na fronteira de Dotnetsk, o país se divide em quatro tarefas simultaneamente urgentes: Restruturar a economia, Restaurar as Forças Armadas e as defesas do país, Evitar mais ações separatistas russas e restruturar a política nacional mediante a tamanha corrupção que deixou o governo nas mãos de seu pior "inimigo".

#RedCardRussia promo free use.
COPA DO MUNDO
Uma campanha de protestos batizada de "Red Card" (Cartão Vermelho) começou neste dia 27 de Março na Ucrania, pedido à FIFA que congele a participação da delegação russa até que remova suas tropas das fronteiras do país.

   A corrupção ´predominante na Ucrânia tem sido a causa de praticamente todas as atuais crises que o país atravessa. Corrupção política que tem levado a administração nacional à beira da falência, se não fosse o socorro dos Estados Unidos e da União Européia. Mesmo assim, a "Caça aos Marajás" tem sido uma realidade do atual governo que precisa correr para impedir que o país seja vítima de uma ameaçadora intervenção estrangeira. Em entrevista para a TV ucraniana 112UA, o ex-chefe da Inteligência Mykola Malomuzh, disse que a invasão russa está sendo esperada para "estes dias". Disse também que para evitar a invasão seria necessário o país se manter firme nas metas traçadas e descreveu a comparando com um acontecimento "depois da curva". Disse ainda que a inteligência já conhece todos os passos russos ao longo da fronteira do país e que Putin "deverá atacar a ucraniana russa."  Disse ainda as fontes que "Tudo será decidido nos próximos dias" e acrescentou que "o mais grave na história da Ucrânia a partir do momento da sua independência." estaria para acontecer, dentro deste contexto:


Rússia inicia exercícios na fronteira da Ucrânia com Geórgia em Abkhazia

Serviços de inteligência da Ucrânia, ativistas e a Resistência da Informação informaram sobre os exercícios militares russos "em larga escala" próximo à fronteira ucraniana com a cidade de Abkhazia na Geórgia. Veja o vídeo e saiba mais:


Kremlin.ru [CC-BY-3.0 (http://creativecommons.org/licenses/by/3.0)], via Wikimedia Commons
Por Saulo Valley "O Observador do Mundo" - Rio de Janeiro, 26-03-2014 as 23:33 GMT-3


Enquanto os exercícios aconteciam, a Rússia movimentava uma grande quantidade de equipamentos pesados por via férrea.


Citando a "Resistência da Informação" que disse que há 3 dias uma grande quantidade de tropas e equipamentos russos estavam sendo distribuídos nas fronteiras ucranianas na altura de Oblast de Briansk e em Rostov, mas estes começaram a ser movidos. Forças ucranianas estão atentas para a possibilidade de tentativa russa de invadir a Ucrânia pela região de Dotnetsk.

Video: Um grupo armado surge na Criméia anunciando ataques independentes aparentemente contra as forças russas. Seria o terrorismo sendo inaugurado há 10 dias do referendo? Especialistas da Criméia duvidam da veracidade desta suposta organização guerrilheira anunciada.

quarta-feira, março 26, 2014

COMUNISMO: O Brasil é um país comunista ou só a presidenta Dilma?

A política do governo Dilma é acima de tudo comunista. Isto não é novidade, dado seu histórico de vida, em continuação ao governo Lula. Mas a forma como o atual governo lidera as relações exteriores do nosso país, estamos nos colocando no grupo dos estados que se destacam por serem comunistas e ditaduras cada vez mais unidas no BRICS. O BRICS é o bloco de países comunistas liderados por Rússia, China, Índia, Brasil, África do Sul entre outros também comunistas e inimigos políticos declarados da América do Norte.

Líderes do BRICS -  "Dilma sempre destacando o vermelho" - By Roberto Stuckert Filho/PR (Agência Brasil) [CC-BY-3.0-br (http://creativecommons.org/licenses/by/3.0/br/deed.en)], via Wikimedia Commons

Por Saulo Valley "O Observador do Mundo" - Rio de Janeiro, 26 de Março de 2014 as 09:58 - GMT-3
Atualização: 10:36

Ao contrário do que se poderia esperar, o Brasil tem sido guiado pelo novo governo, para o caminho do comunismo. A cor vermelha da bandeira petista se misturando ao tradicional blazer que veste a presidenta Dilma às bandeiras da Rússia, China e por aí vai...   Este é um caminho estranho, já que o país mal conseguiu desfrutar da libertação de cerca de meia década livre da ditadura militar. A liberdade democrática que o país vive já é instável por sí só, e tende a ser esmagada pela nova ordem que busca levar o país ao velho e tenebroso militarismo. Foi por esta razão que inesperado protesto pró-militarismo aconteceu nesta última semana em diversos estados.

Se a corrupção não pode ser vencida no regime democrático, em que os ataques aos cofres públicos são praticados à luz do dia, diante de todos, como acham que acontece a corrupção no mundo militar onde só tem acesso à informação as altas patentes do Estado Maior?

Militarismo e Comunismo são a mesma coisa? Claro que não, mas estão ligeiramente ligados. No caso dos países latinos ainda mais. A questão da experiência de vida da Presidenta Dilma tem levado a influenciar a forma como o Brasil caminha seus próximos passos rumo ao futuro de paz ou de guerra. A liberdade de expressão vem sendo atacada por radicais neo-nazistas e comunistas vestidos de anarquistas liberais que visam desequilibrar o que está já inseguro. Neste caso a política nacional, que aliás já está um lixo. Uma corrupção desenfreada e de profundas raízes, agora não encontra um justo sequer para servir de pilar, ou referência para a formação de um novo e mais justo governo. No desespero e na falta de opções, há quem tenha a volta do militarismo como uma carta na manga. Mas quem sabe esta estratégia do Governo Dilma de "Transparência Brasil" não seja também uma arma para expôr a nudez da política nacional e provar pra opinião pública que o comunismo associado ao militarismo seja a melhor alternativa para o país?

São apenas suposições e imagino que você ainda não havia reparado a forma como o Brasil se mostra no mundo exterior, que não corresponde à nossa realidade no interior. Afinal somos comunistas ou não? Que característica do povo brasileiro mais se assemelha com a cultura do comunismo?
E se nossa imagem no exterior é vendida como um país comunista, em que momento, a vontade do Brasil foi consultada? É esta a imagem que você quer para o seu país?

Um Brasil associado à Rússia, China, Iran, Iraque, Coréia do Norte, entre outros de forma tão profunda ao ponto de formar um único bloco. O Bloco Vermelho.

By User:(지금은) 소년시대 (File:BlankMap-World-v4-Borders.png (User:Wiz9999)) [CC-BY-SA-3.0 (http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)], via Wikimedia Commons

terça-feira, março 25, 2014

Tropas russas intensificam cerco militar à fronteira ucraniana que tenta juntar os cacos do exército dizimado

Militares ucranianos denunciam que a Rússia tem aumentado sistematicamente a densidade militar ao longo da fronteira ucraniana, um dia depois de 7 soldados russos terem sido presos após invasão ilegal no país.


Ukraine, US, NATO and Partnership for Peace member nations kick off Exercise Rapid Trident 2011 - Wikipédia CC

Por Saulo Valley "O Observador do Mundo" - Rio de Janeiro, 25-03-2014 GMT-3

   O governo da Ucrânia tem se mobilizado para proteger suas fronteiras e se preparar para o próximo passo de Putin. Kyev já tem certeza de que Putin quer invadir a Ucrânia mas não sabe ao certo o método que ele empregará para tal. Há um racha nas opiniões. Há um grupo que acredita que Putin vai invadir a Ucrânia com intenção de dividir o país, iniciando o ataque a partir do leste, principalmente a região de Donetsk. Mas há quem espere pelo pior. Para esta outra metade da opinião pública ucraniana, Putin pretende tomar Kyev.

   De qualquer forma invasão é invasão e nossos contatos na Criméia e Ucrânia, citando aqui também o grupo "Resistência da Informação" continuam apreensivos quanto aos movimentos russos na região.

   Para o governo ucraniano o momento é ainda de completa indecisão, uma vez que o país não estava preparado militarmente para enfrentar um adversário do porte da Rússia. Aliás, se não forem os EUA, Coréia do Norte, China e Iran, que país teria tal condição?

   A tensão na região da Criméia está longe de baixar. Neste dia 25 de Março, é o limite estabelecido por Putin para a evacuação dos militares ucranianos da região. À partir de amanhã, estes remanescente poderão ser violentamente atacados por forças russas e sua milícia de Sebastopol.

   Ucrânia insegura e de baixa proatividade, não consegue se desenrolar no terreno. Tropeçando em corrupção política e militar, tem levado Tenyukh, o Ministro da Defesa do país a renunciar ao cargo neste dia.   Em seu lugar Mykhailo Koval, um ex-ministro da Defesa que havia sido retirado do cargo por acusações de corrupção. Oficiais militares ucranianos sugerem que o governo declare "Lei-de-Emergência" mas Kyev resiste. Na prática, nem os militares atuam, nem os políticos. O país está literalmente desarticulado.

   Completamente sucateada e dizimada ainda mais com a ocupação da Criméia, e apreensão de grande parte de seu aparato militar na região, o governo tenta encontrar meios de se "organizar para enfrentar a iminente invasão russa"...  impossível. Até o momento Kyev não anunciou nenhum plano efetivo de evacuação dos militares e seus familiares da Criméia. O Comandante Julius Manchur continua em isolamento, em poder das forças especiais russas, após ter sido sequestrado durante ataque à sua Base (Belbek) há dois dias. O vídeo a seguir mostra o moemnto em que as forças russas tentaram retirar a bandeira da Ucrânia da Base Aérea Militar de Belbek, mas seus militares formaram um escudo humano para evitar que russos hasteassem a bandeira russa em substituição (o que significaria a rendição da tropa ucraniana para a Federação Russa).


   Mesmo assim, Kyev se mantém fiel ao propósito de fazer a sua parte, enquanto a comunidade internacional corre para tentar bloquear o próximo movimento russo contra a vizinha Ucrânia. Mas Putin tem muitas cartas na manga e age livremente. No momento enquanto ele aguarda as tropas ucranianas se desenrolar, segue minando suas estruturas políticas, com generosas ofertas de suborno, além de enviar espiões todos os meios possíveis à região. As forças da Ucrânia têm se esforçado para detectar os infiltrados nestes últimos dias. Mesmo assim, só tem sido capaz de detectar alguns militares invasores.

domingo, março 23, 2014

Estratégia do falso referendo da Criméia levou 300 para as ruas da Ucrânia e Veneza 89% votaram "sim"

Uma nova tendência ou a nova arma de invasão russa? O referendo forjado da Criméia teve 123% dos votos à favor e foi considerado ilegal por toda comunidade internacional. Em seguida a famosa cidade italiana de Veneza tem 89% dos votos pela independência da região e neste Sábado, mais de 300 manifestantes separatistas saíram às ruas da Ucrânia clamando por um referendo pela anexação do país à Federação Russa.

Por Saulo Valley "O Observador do Mundo" - Rio de Janeiro, 23 de Março de 2014 - 09:26 GMT-3
Atualização: 11:57

Mas a coluna de manifestantes pró-rússia acabou se deparando com outra massa de manifestantes. Mais de 3000 ucranianos que haviam saído em solidariedade ao seu país. Citando a "Resistência da Informação" que disse que as forças policiais de mais de 500 homens precisaram organizar um cordão humano de isolamento para impedir o confronto das duas massas.  Desta vez não foi relatado grandes incidentes, que a polícia não pudesse resolver de forma preventiva.

Silenciosa e buscando se recompor, as forças militares da Ucrânia começam a dar sinais de vida, levando para as ruas uma coluna de tanques que foram vistos na região de Sumy, que faz fronteira com a Rússia.

Cmdt Julius Manchur (Belbek)
Enquanto isto as tropas russas insatisfeitas com a demora da transição militar têm intensificado os ataques aos quartéis, apoiados pela milícia "Autodefesa de Sebastopol". Citando o site oficial da base aérea ucraniana de Belbek, na Criméia, que disse que as forças russas foram até o local dar um "ultimato". O prazo de 1 hora para evacuação do complexo, caso contrário eles seriam expulsos pelo uso da força. A fonte revelou durante a ocupação que o "Ministério da Defesa da Ucrânia" teria dado ordens para que as forças ucranianas defendessem o quartel. A Base Aérea de Belbek era a última unidade militar ucraniana a não ceder para a invasão russa. Como o Comandante Julius Manchur não assinou o contrato de adesão à Federação Russa, milicianos russos e soldados sem identificação apoiados por 6 blindados iniciaram a invasão. Um dos blindados foram usados para derrubar os portões da entrada principal da base neste sábado.


Após a invasão russa, as imagens registradas pelas câmeras de segurança foram confiscadas e imagens gravadas dois dias antes (dia 21) passaram a rodar no lugar da gravação que era transmitida ao vivo pelo site da base . Deste os primeiros dias da ocupação acompanhamos as transmissões da base Belbek. Agora não será mais possível porque se tornou uma unidade militar da Federação Russa. O Comandante Julius Manchur já estava trabalhando na evacuação da base aérea, de acordo com a informação deixada no próprio site da base Belbek. Preocupado com seus homens, em sua última gravação para o  youtube,  declarou que "ele e sua esposa seriam os últimos a deixar Belbek". Mas não teve este tempo. A forças russas invadiram o complexo, expulsaram os militares ucranianos e sequestraram o comandante. De acordo com o site oficial da base aérea, atualizações publicadas disseram que o comandante Julius Manchur teria ligado para sua esposa dizendo: "Eu fiu capturado. Estou em Bauman Street. "

Em Veneza, quem mais comemorou os resultados do referendo foi o governo russo e sua agência manipuladora de notícias RT News:


sábado, março 22, 2014

Criméia e a difícil realidade dos militares ucranianos ilhados pelo novo governo.

Após o referendo de 15 de Março, as forças armadas da ucrânia na Península da Criméia se viu abandonada e no meio de um mar de indecisões e variáveis, foram privados de defender suas fronteiras e seus quartéis. Agora eles precisam deixar para trás toda vida que construíram por amor à bandeira nacional ucraniana, ou servir ao exército invasor sob novo juramento de total devoção...

Bandeira da Ucrânia

Por Saulo Valley "O Observador do Mundo" e "Resistência da Informação da Ucrânia"
Rio de Janeiro, 22-03-2014 GMT-3

Algumas unidades militares da Ucrânia na Criméia não resistiram à invasão e seus militares a abandonaram logo no início da volumosa ocupação russa. Com tanto poderio militar, (inclusive com 1 única bateria de mísseis com capacidade para apagar a Península da Criméia do mapa) e sem ordens do Estado Maior da Ucrânia... Bom muitos cruzaram a fronteira e foram para o continente. Mas há aqueles que decidiram ficar. Mas para isto teriam que se alistar nas forças armadas da Federação Russa, as forças de ocupação. Debaixo desta realidade, é que citando a ONG "Resistência da Informação da Ucrânia" que disse que a 36 Brigada decidiu pela rescisão de contrato com o Ministério de Defesa da Ucrânia e assinou o contrato com as Forças Armadas da Federação Russa na Criméia. Dos 400 militares, 205 decidiram-se pela Ucrânia e se inscreveram no processo de retirada deles e de suas famílias da região.  Transição esta que para todos os ucranianos na Criméia não tem como ser imediata. Como disse o Coronel da reserva Dmitry Tymchuk nesta manhã de sábado, será necessário um mutirão envolvendo uma variedade de órgãos do governo ucraniano, de áreas diferentes. Eles precisarão de ter a garantia de segurança do governo russo para deixar a região, o desbloqueio das estradas, documentação de todos os extraídos e suas novas instalações na Ucrânia. Ruim para os militares que deixam suas bases, ruim para seus filhos que deixam suas escolas e suas amizades. Ruim para toda população ucraniana na Criméia que pensava que com o apoio ao novo governo, a vida seria mais fácil e no entanto praticamente estão sendo expulsos por muita pressão psicológica e ameaças.

Para o governo russo, 200 milicianos na sua porta te intimidando a deixar a região (após arrombar sua porta) se constitui uma forma de "diálogo" e uma forma de se resolver as questões de forma "pacífica". Isto tem sido verificado nas publicações onde a nova gestão da Criméia trata de forma "amável" o assunto em suas publicações em jornais e web sites. Mas as forças de invasão estão com pressa para assentar a nova administração da Península. Resta saber se Putin vai dar tempo para a administração ucraniana retirar seu povo com vida.

sexta-feira, março 21, 2014

Criméia: Assassinato, sequestro e tortura de militares e ativistas ucranianos

   A guerra de inteligência na Criméia já começou. Com o regime russo no controle da Criméia, uma nova fase é instaurada na região e serviços de inteligência começam a trabalhar para proteger os interesses russos na região ocupada. Para isto, o uso de força e a violência será uma atividade constante e sem limites. Militares ucranianos sequestrados e mantidos em cativeiro foram libertados 24 horas depois. Cheios de hematomas, traumas físicos e psicológicos. Dois ativistas foram torturados à tiros nas mãos e nos pés. O horror da violência russa está apenas começando.

Por Saulo Valley - O Observador do Mundo - Atualizado em 21-03-2014 as 07:24 GMT-3

   O Sequestro do Almirante Sergei Haiduk terminou nesta quinta-feira. De acordo com o grupo "Resistência da Informação", o chefe da Base Naval ucraniana na Criméia e outros dois militares foram mantidos em isolamentos dentro da própria base naval, durante a confusão armada com a invasão de mais de 200 milicianos apoiados por um número grande de mulheres (escudos-humanos) e forças especiais à paisana. O site independente "Ukranian Policy" denunciou que os reféns sofreram privações de alimento, utilização de banheiro e torturas. A fonte disse que dois dos reféns libertados estão hospitalizados com tiros nãos mãos e nos pés. O Almirante Haiduk foi tratado com mais "leveza" por causa da idade avançada mas relatou que sofreu torturas psicológicas tendo sofrido interrogatórios por 2 dias de detenção em intervalos de médios de 10 minutos.

By Mstyslav Chernov/Unframe/http://www.unframe.com/ (Own work) [CC-BY-SA-3.0 (http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)], via Wikimedia Commons
Observe a foto anterior e a foto a seguir. O que há de similar nestes homens é que eles usam ataduras brancas numa das mãos ou no ante-braço. Esta é uma prática de snipers russos. A foto de cima foi tirada durante a violenta matança de manifestantes e policiais durante os protestos de Fevereiro em Kyev. A foto à seguir foi tirada no dia 16 de Março na Criméia. Soldados russos recém-chegados aguardando a ordem para começar o derramamento de sangue na região (apontaram militares da antiga cúpula das Forças Armadas ucranianas na Criméia). 

Franco-atiradores russos um dia após o referendo da Criméia - foto de Maxim Muzyka
   A promessa de uma vida tranquila e amistosa entre as diferentes etnias já está sendo quebrada. Apenas o idioma russo está sendo permitido pelo novo governo da Criméia. Milícias batizadas de "Grupos de Autodefesa de Sebastopol" já arrombaram portões e portas de quartéis ucranianos, antes que os militares remanescentes tivessem oportunidade para deixar a região. Menos de 3 dias após o referendo falsificado em favor da Rússia e militares, jornalistas e ativistas começaram a ser perseguidos e pressionados. No terceiro dia já haviam relatos de mortes e sequestros. Hoje é o quarto dia e os relatórios não foram mais suaves. Enquanto o Ministério da Defesa da Ucrânia busca uma forma de retirar seus militares, as estradas continuam interditadas. Sem rumo, muitos oficiais já desertaram das forças armadas ucranianas e se alistaram nas forças russas. Não há como deixar a Criméia com facilidade. Por outro lado, a maioria dos militares tinham suas vidas estabilizadas na região, como famílias, escola para seus filhos, círculo de amizades entre outras atividades. Pra piorar a situação, o banco foi interditado e confiscado. Logo reabrirá com outro nome e nova administração. Estas pessoas ficaram sem o repasse do dinheiro ucraniano. O mesmo se dará aos prédios militares, emissoras de TV, rádio e prédios governamentais da administração anterior. A nova ordem deverá trazer pesadelo e angústia para os que ficaram.

O povo da Criméia já sente falta do tempo que a convivência entre as diversas etnias era tranquila. 50 anos de ótimo relacionamento num país onde a multiplicidade de etnias é tão natural quanto no Brasil.

Nesta manhã o Coronel reformado do exército ucraniano na Criméia Dmitry Tymchuk desabafou:

"Meus amigos russos de etnia, servem com honra e dignidade, e posicionam-se como cidadãos da Ucrânia e nunca na minha vida que ouvi deles qualquer oposição ao povo russo. Sim, e eu próprio, como todo o resto dos meus amigos e conhecidos, nunca temos feito tais diferenças por etnia. A Ucrânia é multinacional. Claro, o mesmo parecer, tem uma maioria absoluta dos cidadãos da Ucrânia, com poucas exceções.
Mas mestiços de Putin insiste neste tema, e tenta realmente criar um conflito nacional. Por um lado, esta é outra prova de que mesquinhez, baixezas vem de certos habitantes do Kremlin e todos os seus lacaios."
Tymchuk destacou nesta manhã de sexta que o Hospital da Marinha da Ucrânia na Criméia já foi assumido pela Federação Russa que exibe um "inventário de posse" e a equipe médica anterior permanece trabalhando no local. O mesmo deverá acontecer com a emissora de rádio e TV "Bleeze" que pertencia as Forças Armadas da Ucrania, anunciou a nova administração regional.

  O vídeo a seguir foi produzido por um cinegrafista que está desaparecido desde o dia 16 de Março. A informação foi divulgada pela ONG "Euromaidan". Este vídeo mostra a tranquila convivência entre soldados russos e ucranianos:


Para não ficar fácil, o regime russo deverá transformar a pacífica Criméia num pesadelo de violência. A gangue importada da Rússia já está abrindo vagas para quaisquer civis e com apoio do governo local que anunciou que "todo cidadão tem o direito de proteger a si mesmo", retirando a responsabilidade do estado e armando a população, o que fortalecerá o comércio de armas e acessórios militares.Os militares ucranianos na Criméia denunciam que as incursões russas nos quartéis da gestão anterior estão sendo facilitadas porque a milícia de Sevastopol estaria se utilizando de civis (inscritos por empolgação) como escudos humanos. Os militares apontam um número surpreendente de mulheres misturadas à gangue. A milícia de "defesa própria" ou "auto-defesa" já passa de 200 militantes e estão sendo aceitos homens e mulheres interessados. Com o crescimento do separatismo, logo começarão os ataques suicidas, como os muçulmanos já prometeram às vésperas do referendo de 15 de Março.

Outras fontes:

Ukrainian Hostages Beaten, Tortured

segunda-feira, março 17, 2014

Bombeiros em Ato Público dia 19 de Março na Rua da Lapa 120 - Hora de voltar pras ruas

Depois de dura campanha por melhorias salariais... 5% de reajuste anual que foi conquistado à duras penas em 2011 apenas para os ativos... Aqui estão eles de volta. Desta vez os Inativos.  ASSISTA AO VíDEO:

Por Saulo Valley -  O Observador do Mundo - Rio de Janeiro, 17 de Março de 2014 as 02:06 GMT-3
Atualização: 02:44

Os Guarda-Vidas inativos. Todos juntos por melhores salários, em rejeição à gorjetas e gratificações e é assim que a vida evolui. Eles já estão prontos para a batalha versão 2014. Estaremos atualizando as informações e trazendo notícias frescas e relevantes a respeito.  - Saulo Valley Notícias está entre os escritores que mais rápido obtém informações detalhadas no mundo! Fique com a gente.

domingo, março 16, 2014

Criméia e as primeiras imagens do referendo - 16-03-2014 Saulo Valley Notícias

O referendo da Criméia foi imposto pelo regime russo que intenciona assumir o controle da região que até 1954 estava sob controle da antiga União Soviética até chegar às mãos da Ucrânia por simples consentimento da Rússia na ocasião.  A ocupação aconteceu à partir da a controversa crise política no país da Ucrânia, que vinha provocando um violento confronto entre partidários do governo e oposição. Esta guerra entre manifestantes resultou de dezenas de mortes e a Rússia enviou um gigante número de tropas para a ocupação da Criméia, dissolveu o parlamento, que 3 dias depois declarou independência e no dia seguinte anunciou o referendo, estando completamente dominada por forças russas até o momento na condição de invasoras. O referendo deste domingo decidirá se a Criméia permanece sob o controle da Ucrânia ou se retorna para a guarda da Federação Russa.

No vídeo a mesa de votação de número 9 na cidade de Alushta:


A tranquilidade está sendo mantida pela farta artilharia das forças russas, que aproveitam o ensejo para marchar para no sentido de cercar as fronteiras ao Norte, Leste e Sul daUcrânia deixando um claro sinal de que após o referendo Kyev deverá ser o próximo alvo.

Vídeo: Uma coluna de pára-quedistas russos com bandeira ucraniana perto smt. Pokrovske


Apesar do esforço da ONU para impedir a invasão russa, nem mesmo com a margem de votos de 13 contra 1 para neutralizar o referendo, foi possível impedir que por força bruta militar a população tenha sido obrigada a decidir, o que já está feito. A Rússia vetou a decisão do Conselho de Segurança da ONU, que numa sessão de emergência invalidaria o referendo já neste sábado dia 15.

Vídeo: Acontece agora um comício pró-russo em Kharkov:


Tudo certo neste referendo: Além da bruta cobertura armada, comício massivo pró-rússia acontecendo no momento do referendo, fora a propaganda colada nos postes:


Atualização 09:17:

Apesar da entrada de mais de 400 jornalistas internacionais ter sido registrada em Simferopol entre sexta e sábado, até o momento a maioria dos jornalistas permanecem proibidos de cobrir livremente o referendo. E tem proibição até para o transporte de máquinas fotográficas, disseram testemunhas oculares que trabalham nesta área da organização do referendo.

Fique conosco, estamos cobrindo os acontecimentos da Ucrânia e Criméia em tempo real - continua...

sábado, março 15, 2014

ONU: Conselho de Segurança invalida referendo da Criméia e Rússia veta 15-03-2014

Em reunião de emergência convocada para julgar a legalidade do referendo da Criméia, dos 15 estados-membros, 13 votaram em favor do veto do referendo. Mas a China se absteve e a Rússia vetou. Só com  o veto da Rússia a decisão do Conselho de Segurança é que ficou invalidado.

Desde o dia 1 de Março,o Conselho de Segurança já convocou 6 reuniões de emergência para buscar uma solução pacífica para a crise na Ucrânia. Mesmo assim, o estatuto do Conselho de Segurança exige unanimidade no voto dos estados-membros para aprovação de uma resolução. Com mais esta tentativa sem aparentes resultados positivos, a comunidade internacional segue na busca por uma solução que não exija o uso da força, o que significaria correr o risco de uma terceira guerra mundial. A própria decisão da China de se abster ao veto, já representa sua total aliança para com a Rússia que compartilha sua ideologia comunista.




Moscow: 10 Mil russos, ucranianos e artistas em rally contra invasão iminente da Ucrânia

10 mil manifestantes e ativistas foram às ruas de Moscow neste sábado para condenar o que já se mostram os preparativos para a invasão ao território da Ucrânia. Milhares de pessoas em Moscow pedindo "PAZ" e a desistência do governo de Putin da ocupação da Criméia e a intervenção da Ucrânia.

Enquanto isto na quinta-feira na reunião de emergência do Conselho de Segurança das Nações Unidas, 13 países votaram contra o referendo na Criméia, enquanto a China se absteve do voto e a Rússia vetou, disse a equipe de jornalismo da ONU.




Em resposta aos protestos anti-guerra que começaram nesta sexta na capital russa, pelo menos 20 manifestantes já foram presos pela polícia russa.





Venezuela: Manifestantes oposicionistas enviam mensagem para Presidenta Dilma

Por uma única imagem, manifestantes da oposição venezuelana resumiram a história de luta de Dilma Roussef até chegar à presidência da nação brasileira. A imagem tem o título:

"Dedicated to Dilma Rousseff, president of Brazil."
(Dedicado para Dilma, presidenta do Brasil)

Imagem divulgada por "PRAYFORVZLA" no Tumblr
#Venezuela #prayforvenezuela #prayforvzla #photos #fotos #Dilma Rousseff#Brazil

Criméia: Franco-atirador russo caminha pelas ruas com a "ferramenta de trabalho" na véspera do referendo.

Vazamento: Cédula de votação com a propaganda russa para influenciar resultado a seu favor - Foto Hacker Ucraniano
Hoje dia 15 de Março aniversário da Revolução Síria e véspera do referendo que decidirá se a Península da Criméia deverá continuar sendo território da Ucrânia ou da Federação Russa. Os preparativos para este domingo já estão na fase final, incluindo a chegada de cédulas já marcadas vindas da gráfica na Rússia, frotas de ônibus trazendo "eleitores" também da Federação Rússa e snipers!


   Na Criméia neste sábado o cenário é o mesmo do início da crise Síria. Agora os tanques começam a circular pelas ruas da Península espalhando medo e apreensão para toda a população civil, com a chegada de tanques, mísseis de alcance de 70 Km e artilharia pesada.


Uma grande quantidade de armamento pesado está também sendo transportado por via férrea:

quinta-feira, março 13, 2014

Dotnetks: 3 mortos e 50 feridos em confrontos entre pró-rússia e pró-ucrânia nesta quinta.

Manifestação violenta em mais um clash entre manifestantes pró e anti-rússia deixa 3 mortos e pelo menos 50 feridos nesta quinta-feira em Dotnetsk no Norte da Ucrânia. CONTINUE LENDO:

Por Saulo Valley "O Observador do Mundo" e "Resistência da Informação" 
Rio de Janeiro, 13-03-2014 as 22:03 GMT-3

À três dia do referendo forçado que decidirá se a Península da Criméia continuará sendo território ucraniano ou uma federação russa, as tensões crescem com acalorados pró-rússia buscando silenciar os pró-ucranianos. Os russos em maioria absoluta (até porque o governo russo tem se encarregado de despejar tártaros-russos, bielo-russos, ukranianos-russo entre outras etnias para favorecer sua política de intervenção da Ucrânia).

No vídeo um pequeno grupo de manifestantes pró-ucrânia recém chegado ao local é espremido por uma multidão de pró-russia exaltados contra um ônibus já lotado. A violenta reação dos russos foi minimizada com a intervenção policial que formou um cordão de isolamento para impedir que os manifestantes fossem todos mortos. Mesmo assim, os encurralados eram atacados com bombas de gás lacrimogêneo e outros objetos descartáveis. A maioria russa era separatista.


Sobre o referendo russo na Criméia, oficiais ucranianos na Criméia obtiveram a informação de que separatistas estarão no dia 16 de Março descredenciando o acesso de jornalistas na cobertura do evento, tão cheio de militares armados que parecerá um "baile num clube de oficiais."

No fim dos protestos, o resgate de uma das vítimas foi registrado:



O Ministério dos Negócios Estrangeiros da Rússia enviou um comunicado de imprensa condenando a violência e solicitando o "desamamento dos manifestantes"...

continua

quarta-feira, março 12, 2014

Ucrânia: Guerra cibernética e ataques virtuais são destaques das novas ações russas.

A exemplo do que aconteceu na Síria, a guerra cibernética russa está no ar, inclusive com a clonagem do canal do "Anonymous Ukrania". Tudo para confundir e tirar as pessoas do foco de apoiar o governo da Ucrânia. A guerra no campo virtual que já começou desde o início das manifestações, agora ganham força como estratégia de combate, que além de minar os sites operacionais do governo ucraniano e seus importantes funcionários, também visa atrapalhar as atividades militares neste campo.

Campanhas pró-ucrânia estão sendo sabotadas nas redes sociais. A multiplicação de perfis falsos de Twitter e Facebook com falsas declarações, a disseminação de páginas de internet e blogs com mensagens difamatórias contra Ucrânia e distorções com bases em informações verídicas.

Gerador de Energia da Base Aérea de Balbek (ocupada) em chamas por volta das 03:30 desta madrugada
O bloqueio de mídia e internet na Ucrânia e Criméia já é facilmente percebido, além dos ataques físicos aos equipamentos que correspondem à área da computação como nesta noite o gerador da Base aérea de Belbek na Criméia foi sabotado, interrompendo o serviço de vigilância eletrônica da base militar que apesar de estar sob controle dos russos, estes convivem com as tropas locais.

Invasão da Ucrânia

Lentamente as forças russas (cada vez mais organizadas na Criméia) vão ocupando regiões mais próximas da fronteira da Ucrânia. Nesta quarta, uma grande quantidade de blindados russos, equipamentos pesados e uma quantidade contínua de soldados chegaram no centro da cidade costeira de Kerch, a região da Criméia mais próxima da Rússia, cujo acesso de um país para o outro é muito favorável e fácil. Do lado da Criméia fica o Pôrto de Kech. Do outro lado da Baía, o Pôrto russo de Caucasus.

)


segunda-feira, março 10, 2014

Criméia: Expectativa ruim para o referendo armado para 16 de Março sob invasão militar - Atualizações

A estratégia russa está longe de ser revelada. Silenciosamente milhares de soldados de verde ou de camuflado trazendo máquinas similares às máquinas ucranianas. Eles ocupam as bases militares e quando não confiscam as máquinas do local, substituem por outras iguais. "Tudo para parecer que está tudo normal, ou para criar confusão no momento da esperada reação ucraniana"?

Por Saulo Valley - O Observador do Mundo - Rio de Janeiro, 10 de Março de 2014 as 14:11 GMT-3

Soldados da Unidade A-2355 testemunharam uma das mais difíceis situações que um militar pode passar em seu domicílio. Topas russas marcharam em direção ao quartel mas ordens superiores eram para "não disparar e para ficaram dentro dos alojamentos". Quando os russos chegaram no portão principal da unidade, os guardas não sabiam o que fazer. Eles ordenavam que o portão fosse aberto, enquanto que a função da guarda do portão das armas é impedir o acesso de estranhos, muito mais de invasores internacionais. Usando a frente do caminhão os russos forçaram o portão para derrubá-lo e os soldados ucranianos correram para criar um cordão (escoras humanas) atrás do portão para sensibilizar os invasores. Depois de muita gritaria, ameaças de tiroteio e troca de ofensas, os soldados russos decidiram pular o muro do quartel e abriram por conta própria a unidade. Os guardas do quartel foram ordenados pelos russos que entrassem para o alojamento que ninguém seria machucado.


Eles disseram que só queriam as armas dos ucranianos para não serem surpreendidos quando menos esperassem. Mas que os soldados nativos podem ficar ou ir pra Ucrânia!

   A crise da Criméia poderia ser chamada de "A Guerra da Criméia" só não é porque uma das partes envolvidas se mantém recuada e a população experimentada em outras batalhas passadas violentas na região alertam: "O CENÁRIO É O MESMO DA GUERRA DA GEÓRGIA. TODOS DIZEM E FAZEM AS MESMAS COISAS"


De acordo com o Ministério da Defesa da Ucrânia, o silêncio do governo ucraniano para a invasão russa está seriamente ligado ao passado. Para ser mais exato, todas as batalhas travadas na região da Criméia só provocaram derramamento de sangue para os dois lados sem que sobrasse quase ninguém para contar a história. Estas são histórias dramáticas que deixaram o povo da Criméia traumatizado demais, juntamente com o povo ucraniano, que espera que a situação seja resolvida no modo mais pacífico possível.

Video: (Em russo) Soldado russo infiltrado na Criméia conta que foi convencido que a Ucrânia havia sido ocupada por terroristas neo-nazistas e por esta razão está na Criméia por "auto-defesa":


A maioria das pessoas e soldados russos que apoiam a invasão russa o fazem com base na propaganda de Moscow de que Kyev foi ocupada por políticos "radicais extremistas neo-nazistas" que vão tornar a vida da população (já traumatizada da segunda grande guerra) em um grande pesadelo. Por esta razão as manifestações à favor da Rússia são maiores, até que o povo descubra que fora enganado, não haverá mais chances de retornar, já que Putin deverá isolar o país sob um regime militar comunista e punhos de ferro.

Como já disse antes toda reação da Ucrânia está baseada na seguinte questão:

"Quanto sangue será derramado e o que isto contribuirá para a Ucrânia?"

A tensão ucraniana está concentrada na Criméia e nas suas fronteiras. A disseminação de soldados russos e a certeza de traição ao povo russo por parte de políticos e 1 militar local, o Comandante Avtobata que vive embriagado, é acusado de "abrir a porta da frente" da Criméia para os russos entrarem. Apontado até o momento como único militar traidor nas forças ucranianas, e que teria vendido a Criméia para Putin. Em um vídeo exposto no Youtube, o militar confessa sua traição. Segundo ele a razão para literalmente vender o país, é que sua família esta sendo ameaçada por forças russas infiltradas.



Numa rede social, anexada a foto do navio americano encontrei esta mensagem:

"O governo russo saúda a chegada do destroyer americano USS Truxtun (anti-mísseis) a se juntar com o USS Bush na baía Negra."

A situação está "calma" porque nenhum confronto é esperado até 16 de Março. Logo após o referendo a situação poderá ficar muito ruim para o povo da Criméia, mas pode piorar ainda mais na relação Rússia - Ucrânia.

Só pra você ajustar o seu relógio, a guerra costuma acontecer ao anoitecer. Agora são 15:34 GMT-3 e na Criméia são exatos 20: 40

continua

domingo, março 09, 2014

Ucranianos vão às ruas protestar contra os mais de 150 mil soldados na invasão russa

Neste Domingo ucranianos se organizaram em passeata em formação de coluna, encobrindo toda a coluna com duas faixas com as cores da bandeira nacional. A manifestação acontece enquanto blindados e outras viaturas militares russas começam a usar estradas federais ucranianas e à poucos minutos a CNN na TV noticiou que já há  na Criméia 150 mil soldados invasores.






A populosas manifestações retornam e neste vídeo manifestantes tátaros da criméia e russos erguem suas bandeiras em desacordo. O cinegrafista disse que uma minoria islâmica que vive na Ucrânia está "assustada com as conversas separatistas".

Ucrânia: O atirador era o mesmo: Autópsia e balística de manifestantes e policiais mortos revela.

O governo anterior já não atendia às necessidades do país e a corrupção era efervescente. Um chamado levante revolucionário se deu em nome da grande esperança popular por mudanças e o fim da corrupção, mas as investigações revelam que os atiradores eram contratados para inflamar os dois lados da luta política CONTINUE LENDO:

Um dos mais ativos franco-atiradores que tornou em guerra a manifestação política ucraniana em Kyev
Por Saulo Valley - O Observador do Mundo - Rio de Janeiro, 09 Mar 2014 - 06:40 GMT-3
Atualização: 16:42

O Ministério Público abriu uma investigação para descobrir a quem representavam os snipers espalhados e estrategicamente posicionados durante as manifestações em Kyev. Os primeiros resultados já mostraram que os atiradores (Um deles já está preso) não pertenciam a nenhum dos lados da batalha política que eclodiu nos últimos meses e serviu como desculpa para a invasão russa à Criméia e possivelmente na Ucrânia. Estes atiradores sem face foram tão convincentes que forçaram as autoridades a desintegrar um destacamento de polícia inteiro por medo de motim e por acreditar que eles estavam atirando nos manifestantes para enfraquecer sua luta por reformas. Hoje está tudo muito claro de que a orquestração assumida de Putin se deu início muito antes da atual crise. Relatos de agências noticiosas e (isto faz parte das anotações da equipe do Ministério Público que investiga o caso) que pelo menos 10.000 muçulmanos estavam envolvidos nas violentas manifestações e gritavam "Isto aqui é Ucrânia e não Rússia!" e também "Alahu Akbar" que quer dizer "Deus é Grande".

De acordo com as investigações, os manifestantes mortos em sua maioria eram simples ativistas sem nenhuma posição de liderança. Todos foram mortos por tiros perfeitos e letais, que não tivessem qualquer chance de sobreviver.

Manobras perigosas

As investigações revelam que o "novo e revolucionário" governo na verdade agiu de forma truculenta e maldosa, subornando políticos poderosos e influentes e ameaçando militares e suas famílias. Tudo isto fica muito claro como sendo parte de uma gigante orquestração russa para abalar as estruturas do país, dividir e confundir as opiniões.  Na Ucrânia, a manifestação armada de pró-russos pedindo a chegada da intervenção russa vem para deixar o mundo estarrecido diante de tamanha violência que agora parece ser com legal consentimento popular, mas esta não é a verdadeira verdade. 

Subdivisões da divisão

A verdadeira verdade é que a política ucraniana está sozinha nesta luta e que os militares não estão apoiando, apenas assistindo ou acompanhando de perto. Está muito claro de que a política do país está severamente comprometida por inúmeros agentes pró-russia infiltrados por todas as estruturas do país, e que isto vem para deixar o atual governo completamente sem força de reação mediante a invasão russa. Desejar repelir Putin é pedir para ser morto pelos seus próprios "joios". Esta é a realidade que cresce e se mostra clara mediante os fatos investigados. 

Inflitrados

A Situação anda mesmo difícil e até mesmo os militares que estão ao lado da Ucrânia precisam saber com quem compartilham suas idéias. Qualquer um pode ser pró-russia e denunciar para as tropas invasoras. No meio dos que protestam  contra invasão há também os que torcem pela concretização da invasão russa. E ela está acontecendo. Soldados russos estão chegando na Criméia, vestindo uniformes das forças ucranianas e ocupando os postos de vigilância nas fronteiras, aeroportos, e outras bases militares. Relatos de moradores locais e militares reformados ligados ao grupo (Resistência da Informação) contam que acontecem revistas a passageiros que chegam de trem na região, e outros relatos também comprovam que as visitas e revistas nas residências começam a acontecer, forçando por meio de ameaças as famílias a se tornarem ou se declararem "pró-rússia".   Por esta razão, a calorosa manifestação de "boas vindas" ao regime usurpador russo se deu neste sábado em Kyev.

No seio militar ucraniano

O sentimento de patriotismo das tropas ucranianas na Criméia se mistura à frustração de ter recebido ordens para não reagir à invasão e o sentimento de ter sido traído por militares que se venderam e passaram para o lado russo. O baixo moral ainda pode ser mudado mas os poucos remanescentes soldados ucranianos originais não receberam qualquer suporte do governo para lutar. Enquanto isto assistem novos destacamentos russos chegando em dezenas de veículos militares e sem demonstrar qualquer sentimento de respeito por aqueles que se viram vendidos por seu próprio governo.

Breaking news: Drone sobrevoa novas instalações russas na Criméia e especialistas militares afirmam: "É uma estrutura para guerra de grande porte".


Estratégia russa para a Década

A colonização russa está em pleno andamento e promete atacar a todos os países onde a influência americana e européia se mostra eficaz. Decidida a superar suas próprias crises e ganhar a maior parte dos mercados do globo, a Rússia tem atraído para si antigos e históricos aliados dos Estados Unidos como o Brasil e arqui-inimigos, como a Venezuela e o Irã. Apoiado pela China que divide o mesmo sonho de abraçar o mundo com a chama ainda viva do comunismo em suas veias, tem sido vista como aliado inseparável para toda e qualquer colonização. A declaração russa sobre a "guerra moderna" em Janeiro de 2013 com a posse do novo ministro da Defesa, Serguei Shoigu visa conter o crescimento da influência americana nas regiões onde a Rússia antes influenciava e a prevenção contra invasões internacionais. Este plano de defesa  apresentado na ocasião e publicado pela agência "Voice of Russia", apontava como alerta de perigo para a integridade russa países vizinhos e incidentes em escala pequena e regional "no máximo", acrescentou. A declaração do novo ministro na ocasião coincidia com a violenta crise que a Síria estava vivendo já há menos de 60 dias do segundo aniversário da guerra civil no país. Crise esta que acontece sob os olhares e estratégias russas em apoio ao presidente Bashar Al-Assad. Onde oficiais da Guarda Republicana Russa estiveram presentes e ativos desde os 3 primeiros meses de manifestação popular contra o atual regime. Na apresentação de seu "Plano de Defesa", o novo ministro então fala sobre "as experiências da Rússia com a primavera árabe":

"Antes de atacar um país é necessário para desestabilizar a situação no país para criar um impasse civil. É melhor lutar com mãos de outra pessoa, porque as perdas entre os próprios militares são muito caros para a reputação e o orçamento." Disse.

Estas poucas linhas já demonstram o que realmente aconteceu na Ucrânia e como as coisas chegaram a este ponto tão angustiante. Daqui pra frente resta saber qual será o próximo país alvo das ações neo-nazistas de Putin.

Veja a assustadora invasão russa de carros militares e BMPs blindados gravado há 2 dias na Criméia:



A guerra silenciosa: Forças russas agora seguem para solo ucraniano.



título ref: http://sputnikipogrom.com/russia/ua/9741/estonian-knockdown/

sábado, março 08, 2014

Silêncio: Russia invade espaço aéreo ucraniano com aviões e helicópteros e toma bases militares ucranianas

A força de ocupação russa na Criméia agora corresponde a 50% do total de soldados da Ucrânia. Com a ocupação de toda a Criméia em andamento e a disseminação sem precedentes de militares russos por todas as regiões vizinhas, a Ucrânia precisa decidir se luta ou fica alheia à invasão iminente. Vale a pena ressaltar que antes de iniciar a operação de invasão da Criméia, Putin havia se consultado do o governo chinês, que supostamente seria sua força de apoio caso outros países decidam socorrer a Ucrânia como os Estados Unidos e a União Européia estão avisando.


Por Saulo Valley  - O Observador do Mundo - Rio de Janeiro, 08-Mar-2014 as 21:09 GMT-3
Atualização: 21:36

Invasão aérea russa - Cortesia Wikipedia Creative commons
Há uma informação segura de que uma pequena tropa da OSCE tentou entrar da Criméia mas foi repelida por forças russas nesta sexta. Com a invasão russa na Criméia, governo ucraniano ordenou que suas tropas ficassem nos quartéis, mas forças russas nesta sexta e sábado invadiram todas as unidades militares e expulsaram seus ocupantes. Há agora o temor de que a Rússia inicie uma limpeza étnica nas regiões já ocupadas. Com isto milhares de famílias se encontram completamente indefesas mediante esta dramática e surpreendente invasão armada. Há informações seguras de que as tropas ucranianas na Criméia teriam recebido uma mensagem de Kyev para ficar em alerta para serem acionados à qualquer momento mas a Rússia continua agindo de modo rápido e silencioso para literalmente sufocar as forças ucranianas neste momento. Nossas fontes agora na Criméia perto da fronteira ucraniana informaram.

Contatos na região da Criméia disseram que paraquedistas russos foram vistos chegando na Baía de kazachya em Sebastopol neste sábado, e que surpreendentemente pouco tempo depois estavam vestidos com uniformes do exército ucraniano, embarcaram em veículos militares ucranianos e seguiram em direção a região de Teodósia.

Uma fonte militar disse que Putin realizou uma inspeção na tropa que enviou para a Criméia. Nestes vídeos vários helicópteros militares russos invadem o espaço aéreo ucraniano nesta sexta e sábado:



Criméia ocupada, quartéis sendo esvaziados e população triste protesta ocupação russa

O clima na Criméia é de angústia e temor. A tensão corrente na região é cada vez maior, com relatos da chegada de número cada vez maior de tropas russas e, tropas de elites, armamentos cada vez mais pesados e navios transportando centenas de veículos militares nas últimas 48 horas. CONTINUE LENDO


Tanques russos na guerra da Geórgia - Cortesia Wikipedia sob Creative Commons 3.0
Por Saulo Valley - O Observador do Mundo - Rio de Janeiro, 08-Mar-2014 - 12:13 GMT-3
Atualização: 13:37

No dia Internacional da Mulher as mulheres da Criméia saíram às ruas para protestar a ocupação russa (Ver video a seguir) mas contatos locais informaram que logo após as manifestações de apoio à Ucrânia, um comboio russo de exatos 87 veículos passou no local em direção a Smiferopol.



   Relatórios enviados por contatos nossos na Criméia ocupada revelam que mais de 200 carros militares russos seguiram em comboio da Chechênia em direção ao porto da Criméia. O sentimento de traição é muito grande no momento. Os ucranianos e locais se sentem magoados pelos russos que estão por toda parte e muitos deles foram notados atuando em favor da ocupação de Putin. Uma relação que agora se torna perigosa, já que russos, tártaros e ucranianos sempre compartilharam os mesmos espaços e informações. Clima tenso e incerteza e militares ucranianos na Criméia reclamam a "falta de informação ou direção" da parte de Kyev. Momento de indecisão e insegurança enquanto que os quartéis estão sendo esvaziados de soldados locais e sendo substituídos por tropas russas. O "silêncio e a inatividade político-militar" da Ucrânia com relação à Criméia é o que mais se comenta na região, no sentido das forças ucranianas na Criméia não saberem como se proceder em meio à ocupação estrangeira. Isto soa meio que como um "consentimento" da parte da Ucrânia, assim chegam a pensar os militares locais que treinaram pesado a vida inteira para defender a pátria contra invasão inimiga.

   Ao contrário do que parece, na Criméia o clima é muito tenso. Neste sábado um cinegrafista amador registou soldado russo usando máscara ninja executando a tiros o ucraniano Alexei Tamrazova um piloto de corridas, quando ia entrar em seu carro de passeio estacionado perto de um centro de recrutamento em Simferopol.

O vídeo a seguir mostra a base militar ucraniana de Saki na Criméia, sendo esvaziada e seu equipamento recolhido (supostamente por ordens da Ucrânia).


   Com relação ao referendo, na Criméia sabe-se que não é outra coisa senão uma imposição de Putin. Já as agências de notícias da Europa disseram ontem que o governo da Ucrânia "não vai reconhecer os resultados do referendo" que foi marcado para o dia 16 de Março 2014.

ATUALIZAÇÃO: 14:46

Observadores voluntários informaram que forças russas usando metralhadoras AK47 dispararam contra uma aeronave militar ucraniana que sobrevoava a região numa altitude menor que 1 Km. Militares e ativistas informaram também que não houve feridos. O site ucraniano "Censor.net" disse que tropas russas invadiram um quartel derrubando o portão principal e explodindo o comando. Fica aqui registrada a hostilidade crescente das forças de ocupação para com as forças locais. A mesma fonte disse ainda que em consulta com um especialista que disse que a Ucrânia tem o direito e deve processar a Rússia em pelo menos 30 Milhões de Dólares por danos materiais a estadas, prédios militares, equipamentos públicos e de empresa privadas como empresas de telefonia, e aeroportos.  De acordo com com o especialista que a agência não citou o nome, os 47 estados membros da União Européia que estão em desacordo com a intervenção russa, devem endossar o documento de representação legal contra o governo de Putin.

quinta-feira, março 06, 2014

ONU confirma: Homens armados repelem enviado especial à Criméia

O enviado especial da Onu para assuntos da Ucrânia, especialista em Direitos Humanos Robert Serry, foi para a região com a missão de observar a situação da crise na Ucrânia "no terreno". Segundo o assessor sênior da Secretaria Geral da ONU Jan Eliasson, homens armados abordaram  o especialista enviado fora do âmbito da sede naval principal, que o aconselharam a ir para a Criméia e retornar para o aeroporto. CONTINUE LENDO:

Dr. Robert Harry Serry - foto: Domínio Público via Wikipédia
Por Saulo Valley - O Observador do Mundo - Rio de Janeiro, 06 de Março de 2014 - 09:16 GMT-3

Robert Harry Serry é coordenador especial da ONU para processo de paz no Oriente Médio e tem vasta carreira diplomática, sendo ele natural de Holanda. Atuou como Secretário-geral para assuntos de crise e operações da NATO/OTAN e também foi embaixador da Holanda em Kyev.

   Tudo isto e muito mais dentro desta pessoa aparentemente simples que chegou na Ucrânia com importante missão de avaliar a forma como os Direitos Humanos são respeitados no desenvolvimento desta assustadora crise política, econômica e armada até os dentes.

A Crise energética

   Ainda respirando ares de intervenção militar, a Rússia cresce nos arredores do país, enquanto a comunidade internacional busca criar meios para retirar das mãos da Rússia parte desta "legalidade" que dá a Putin tanta força para invadir a Ucrânia. O primeiro passo está na área da energia. A crise envolve assuntos ligados ao petróleo e a dívida da Ucrânia para com a Rússia é grande. Por esta razão os Estados Unidos da América e a União Européia se propuseram a emprestar uma grande quantia de recursos ao longo dos próximos dois anos que ajudarão o país a quitar sua dívida com seu pretendente a invasor.  Só a União Européia prometeu algo em torno de 1 bilhões de Euros

   A crise Política

Com a violenta crise que levou o país a vivenciar uma verdadeira batalha sangrenta entre manifestantes, neonazistas partidários, pró-russia e pró-ucrânia, o ministério público pediu nesta quinta que no referendo marcado para o dia 16 de Março seja votado a cessão da Criméia para a Rússia. Com esta medida, a Criméia seria uma "Federação Russa". Citando a agência "Metrô" como fonte que disse que Putin já foi informado desta proposta do parlamento ucraniano mas ainda não teria apresentado sua opinião. Por outro lado esta proposta pode acalorar ainda mais as discussões no país, com uma população formada por 58% de russos que imigraram para a região em 1954, contra 36% de nativos ucranianos e tártaros da Criméia.

   As Sansões Internacionais

Com a iminente invasão da Ucrânia, os Estados Unidos e a União Européia anunciaram um pacote de sanções contra a Rússia que reagiu bloqueando todos os ativos que pertencem tanto aos EUA quanto à UE.
Com relação à Ucrânia, a União Européia nesta quinta vai bloquear as contas de 18 pessoas da Ucrânia acusadas de desviar fundos públicos e segundo a fonte "Interfax" a decisão será publicada em diário oficial nesta sexta.

Crise Moral

   A ícone do telejornal russo RTNews nos Estados Unidos, Liz Wahl se demitiu durante uma reportagem sobre a invasão russa à Ucrânia. Ela fez isto ao vivo durante uma transmissão. Segundo a jornalista anunciou, que não faria parte de uma agência de notícias "que encobre as ações de Putin." Ela chamou a ocupação russa de "imoral":

Síria: Boatos da morte do filho do Coronel Sírio Riad Asaad na Turquia persistem

  Um boato ainda não confirmado da morte do filho do Coronel Riad Alassaad, fundador do FSA (Exército Sírio Livre). Segundo corre a informação pelas redes sociais ligadas e pessoas do Oriente Médio, o rapaz teria sofrido um acidente automotivo uma estrada de Stambul a Ankara, na Turquia.  Nenhuma agência internacional tem comentado a respeito, apenas alguns sites independentes e blogs no meio árabe. CONTINUE LENDO:

Ucrânia: Igrejas pedem socorro e orações pelo fim da invasão Russa.

Um pool de igrejas cristãs e judaicas de diversas denominações religiosas publicou um comunicado de imprensa pedindo as orações de todo o povo ucraniano. A mensagem desesperada foi assinada por diversas autoridades eclesiásticas do país e pede ao governo russo para desistir de "interferir nos assuntos internos do país."

Igreja Ortodoxa de Kyev - Foto cortesia de habier lópez
Por Saulo Valley - O Observador do Mundo - Rio de Janeiro, 06 de Março de 2014 - 06:32 GMT-3

 A declaração divulgada em 01 de Março pede a desistência do governo russo de ocupar a Ucrânia e mais ainda a mensagem pede à comunidade internacional, citando em destaque a União Européia, aos Estados Unidos, à Grã Bretanha, as Nações Unidas e à OSCE...

Para saber mais CONTINUE LENDO.

Artigo em Destaque

EDITORIAL - O Brasil é perfeito para quem não teme o trabalho honesto

Temos que combater os esforços da mídia paga, que visa fazer as pessoas amarem mais o mal que o bem. Se você concorda leia, comente e compa...

Leia também: