quarta-feira, agosto 27, 2014

Legisladores americanos querem votar ataque maciço ao terror ISIS/ISIL na Síria

  A batalha árabe parece ter agora um novo elemento: A intervenção americana, em socorro do povo da Síria parece agora querer ganhar grandes proporções.  Há especialistas americanos que dizem que "a única forma de deter o avanço sanguinário do ISIS, é criando uma grande guerra", contra ele:

Por Saulo Valley - O Observador do Mundo - Rio de Janeiro, 27 de Agosto de 2014

Insurgentes iraquianos precursores do ISIS - Iraqi insurgents with guns CC BY-SA 2.5  foto: Menendj

O Presidente Barack Obama tem se mostrado sob intensa pressão política. O que deverá causar uma verdadeira contradição à sua própria proposta de governo. Foi Obama quem prometeu trazer os jovens combatentes americanos de volta para suas famílias, depois de 10 anos de "guerra ao Terror" no Iraque. Esta promessa foi cumprida quando o presidente mais poderoso do planeta buscava sua re-eleição para o mandato. Agora, já com metade de seu segundo mandato em andamento, se vê diante da possibilidade de enviar uma enxurrada de jovens americanos para a guerra no Oriente Médio "em defesa dos interesses da América". Atualmente a milícia americana "Blackwater" veste a camisa do governo de Obama em batalhas de morte na Síria contra o ISIS. Um vídeo publicado no Youtube mostra uma sequência de vídeos de atiradores do ISIS em carros de passeio executando jovens americanos que ocupam diversos automóveis em missões e ocasiões distintas. Guerra declarada também aos "Blackwaters". Sim, os Blackwaters serviram em missões americanas no Iraque contra o ex-ditador Saddam Hussein. Eles também enfrentaram acusações de matar mais de 66.000 civis durante a operação "Guerra ao Terror",  gerada  à partir do ataque terrorista às "Torres Gêmeas" (World Trade Center) que matou 2.880 civis americanos em 11 de Setembro de 2001. George Bush era o Presidente da República na ocasião.

   Com o surgimento do ISIS/ISIL, agora há sérias ameaças para esta promessa de Obama de se manter longe de enviar jovens americanos para lutar no exterior. Toda esta pressão armada ou real, pode ter fundo de interesse muito maior que o aparente. Depois de uma volumosa propaganda internacional alegando que "o ISIS foi criado e treinado pela CIA", nesta semana outro ponto negro na santidade americana chama atenção dos observadores:  O jovem americano de nascença "Douglas MacAuthur", foi executado na Síria apontado de fazer parte da milícia islâmica ISIS. O corpo de Douglas foi encontrado amarrado a uma cruz de madeira, que é símbolo do cristianismo.


   Enquanto o mundo globalizado quebra a cabeça para entender o crescimento explosivo do ISIS, notícias de horríveis massacres produzidos pela organização tem permeado toda a internet. Desde a perseguição aos cristãos, aos muçulmanos, jihadistas das milícias Nusra e Alqaeda que antes eram associados...

   Estranhas mudanças radicais estratégicas do ISIS têm causado espanto em todo mundo e até o momento não ficou muito clara a sua verdadeira proposta. Enquanto espalha terror e conquista o ódio mortal do mundo ocidental e oriental, o ISIS é apontado como a milícia islâmica mais rica do planeta...  Boato ou não, a mortandade está solta pelo Oriente Médio e pessoas de todas as raças e credos estão mostrando elevado grau de reprovação à bárbaras atuações do grupo. Exemplo disto é a ativista feminista Aalia Magda El Mahdy, que no último sábado pousou para a foto mais escandalosa de sua jovem carreira de atacar sozinha o machismo das religiões e das sociedades repressoras, bem como... o ISIS. Para isto, a jovem egípcia de 23 anos acredita que a exposição de sua própria nudez seja a mais poderosa das armas contra os princípios islâmicos. Desta vez ela ousou um pouco mais se mostrando despejando sangue menstrual sobre a bandeira do ISIS.

Tudo isto porque Aalia defende a liberdade religiosa no oriente médio, e é combatente ativa e assídua da "Sharia", regime islâmico que tem sido utilizado há 1400 anos para regulamentar o comportamento da sociedade árabe em quase todos os países do Oriente Médio. Em uma de suas exposições fotográficas, Aalia aparece numa diante de uma mesquita usando ainda uma cópia falsa do Corão para cobrir sua genitália. Em seu corpo mostrava a seguinte descrição: "Sharia não é Constituição!"

Artigo em Destaque

EDITORIAL - O Brasil é perfeito para quem não teme o trabalho honesto

Temos que combater os esforços da mídia paga, que visa fazer as pessoas amarem mais o mal que o bem. Se você concorda leia, comente e compa...

Leia também: