sexta-feira, agosto 29, 2014

Índia: Violência de estupro e morte de "Nirbhaya" se reproduz desastrosamente como febre.

No dia 16 de Dezembro de 2012 a jovem Jyoti Singh Pandey (Nirbhaya) de 23 anos foi vítima do mais trágico estupro que se teve notícias na Índia. Com a internação da vítima que acabou não resistindo pela falência múltipla dos órgãos, uma incontável multidão saiu para as ruas do país para pedir o fim dos abusos contra as mulheres indianas. Mas com o passar de quase dois anos quase nada mudou. Aliás, mudou sim: Aumentou muito o índice de estupros seguidos de morte por agressões, torturas e outras atrocidades similares à violência que matou "Nirbhaya".

 O site "DNAÍndia" publicou um caso de estupro hediondo praticado contra uma menina de apenas 5 anos, que teria acontecido nesta quarta-feira 28/08 na região de Kandivli. De acordo com a fonte o criminoso além de cometer todas as violências que queria, ainda utilizou um cabo de vassoura para inserir na genitália da menina. A criança foi atendida num hospital local mas com a gravidade de seu estado foi transferida para o Hospital Nair, localizado na região de Mumbai Central por volta das 11:30 da manhã. De acordo com laudo médico, cerca de 30 cm de madeira foi inserido violentamente no corpo da criança, destruindo muitos órgãos internos, inclusive com a mutilação do aparelho digestivo da vítima, que está sendo mantida sedada e alimentada por via intravenosa. Apesar de o criminoso ter sido flagrado por câmeras de segurança, sua identidade ter sido revelada e todos os procedimentos legais terem sido cumpridos, a polícia ainda não prendeu o criminoso que está alegadamente "foragido", e segundo a fonte, a mãe da vítima reconheceu o rosto do estuprador como sendo um morador do mesmo bairro que a família da menina.

   Seria um fenômeno derivado de que? Tem indiano que não aguenta mais esta situação. Mas porque há tantos indianos transformando o violento estupro de "Nirbhaya" numa grande sensação? Ao invés de combate, incentivo? Isto explica a ideia infame do fotógrafo "Raj Shetye" de fazer um ensaio fotográfico de moda usando uma alusão ao estupro de "Nirbhaya" como tema. Modelo do sexo feminino vestida com roupas parecidas com as roupas que a vítima usava, enquanto que outros modelos do sexo masculino faziam a reconstituição do ato violento, exibindo uma determinada marca de roupa...

  Às portas de completar 2 anos a tragédia de "Nirbhaya" ainda é polêmica em todos os meios da sociedade indiana. No último dia 22 o Ministro do Turismo Arun Jaitley teria declarado que "o pequeno incidente de Nirbhaya em 16 de Dezembro divulgado no exterior tem causado prejuízos de bilhões de dólares ao turismo nacional." Ele se esqueceu de mencionar que a menina foi a vítima de número 600 só naquele ano, e dias depois de seu falecimento já corpos de mulheres estavam sendo encontrados nas valas do país, principalmente nos arredores de Nova Dhéli. O terror se estendeu também para turistas do sexo feminino e até masculino! A loucura cresceu tanto que a Índia passou a exportar estupradores que atacavam em bando!

   O caso que ficou conhecido como "Dheli Rape" (O Estupro de Nova Dhéli) está longe de ser encerrado além de continuar a levantar polêmicas e ironias, num país onde abuso sexual se pratica pelo menos 1 à cada novo minuto e as autoridades ainda minimizam. Quem ou o quê poderia parar esta trágica cultura?

Tags: índia, Nova Délhi, Nirbhaya, Dheli Rape, Jyoti Singh Pandey, abuso contra mulheres, VIOLÊNCIA SEXUAL, estupro coletivo, justiça, crime, Saulo Valley, O Observador do Mundo, 

Artigo em Destaque

Pra quem reclamar quando autoridades estão ligadas aos criminosos?

Quando você se vê atingido por uma autoridade usurpadora do teu próprio direito, a quem reclamar, quando você sabe que a autoridade máxima ...

Leia também: