terça-feira, julho 22, 2014

Ucrânia: Rússia é pressionada pela derrubada do Boeing em Donbass

O mundo se volta contra Putin no momento em que o avião comercial da Malásia Airlines foi derrubado no leste da Ucrânia. O ataque levou os Estados Unidos a acreditar piamente que a Rússia tem fornecido armas anti-aéreas para os separatistas que lutam contra a estabilização da Ucrânia. SAIBA MAIS:

Por Saulo Valley - O Observador do Mundo - Rio de Janeiro, 22 de Julho de 2014 - 08:56 GMT-3

Forças pró-Rússia foram apontadas pela "Resistência da Informação" da Ucrânia, como tendo tomado diversas posições estratégicas mantidas pelas forças da ATO. De acordo com a fonte, citando aqui o especialista em informações militares da Ucrânia Dmitry Tymchuk, que disse que a batalha contra as milícias tem sido "extremamente difíceis", devido a "desesperada resistência, tentando um contra-ataque," além de ofensivas para "romper a segurança a qualquer custo". A autoridade citou ainda as regiões de Donetsk, Lugansk, Krasnodon, Gorlovka, Makeyevka" e as áreas fronteiriças como principais focos dos confrontos entre ATO e milícias russas separatistas.

Enquanto isto a União Européia tem pressionado a Rússia a voltar atrás, na tentativa de impedir o acesso das autoridades internacionais, bem como equipes de resgates e perícia, aos destroços do Boeing 777 que transportava 298 passageiros. Citando o "G1" que disse que entre as vítimas haviam "154 holandeses, 43 malaios, 27 australianos, 12 indonésios, 9 britânicos, 4 alemães, 4 belgas, 3 filipinos e 1 canadense". Além dos 15 tripulantes malaios, ainda haviam outros 41 passageiros que não foram identificados. De acordo com as autoridades malasianas, o Boeing viajava a 33 mil pés de altitude, o que reforçou a suspeita de que os terroristas estavam equipados com mísseis "SAM" (terra-ar).

Autoridades holandesas se preparam para enviar tropas do exército para a região leste da Ucrânia, visando ajudar a restaurar a ordem no país depois que ficou clara a participação russa na crise, após a queda do avião malasiano. Alemanha, França e Grã-bretanha foram citadas hoje pela mídia européia como tendo enviado ultimatos para que Putin permita o acesso das equipes de resgate ao Boeing.

Há poucas horas a ATO divulgou um mapa com atualizações de hoje sobre a crise instaurada no Leste da Ucrânia, bem como a exata localização do Boeing derrubado. Segundo diversas fontes, não há sobreviventes entre os ocupantes do voo.

ATO - Divulga situação no Leste da Ucrânia hoje - Imagem distribuída pela ATO

Artigo em Destaque

Julian Assange periga ser extraditado para os EUA

O fantasma da extradição de Julian Assange volta a assombrar e podemos dizer que processar e condenar o fundador da Ong Wikileaks pelo cr...

Leia também: