domingo, março 31, 2013

ÍNDIA: Nova lei anti-estupro ainda mostra baixa eficiência.

A constituição indiana foi estabelecida no dia 1º de Abril de 1937. Hoje 76 anos depois, não havia uma lei que inibisse o estupro e mesmo o anúncio da nova lei, não empolgou ativistas nem aumentou a sensação de segurança.


Protesto indiano contra estupro - Foto cortesia de "prachatai"(Creative Commom)
 Por Saulo Valley - O Observador do Mundo - Rio, 31 de Março de 2013 - 06:53 GMT-3
Atualização: 08:35

   Os especialistas indianos criticam a nova lei e segundo eles, abre espaço para mais abusos sexuais.  O estabelecimento da idade mínima permitida de 18 para a prática do sexo, criou uma feroz zona de desconforto para jovens que praticam sexo à partir dos 15 e isto acontece no mundo inteiro. Significa que o casal de adolescente que concordar com a relação sexual, deverá ser preso, julgado e punido. Como se o sistema judiciário não estivesse abarrotado de processos de abusos cometidos nos últimos 20 anos...    Pra piorar, as delegacias mal conseguem investigar os reais casos de estupros e abusos sexuais, agora terão que se multiplicar em casos de sexo consensual proibido por lei. Isso sem levar em conta que já era uma cultura popular arranjar casamentos entre adolescentes, de acordo com os interesses das famílias interligadas.

As mulheres indianas precisam de uma lei que as protejam e a nova constituição tem sido chamada de "lei pró-mulheres"
(Licença Creative Common)
Jyoti Singh Pandey
mais conhecida como "Nirbhaya"
Familia Aguarda julgamento justo
para punir os 6 estupradores.
   A nova lei entrou em vigor no dia 21 de Março deste ano. Desde então, os acusados de estupro se condenados poderão pegar penas que vão de 10 anos (se praticado por militares) até 20 anos se houver vítima fatal. Os especialistas em legislação reclamam o fato de que abusos cometidos contra homens ou dentro da relação conjugal não foram previstos pela nova lei.

   O que é mais comum em países em desenvolvimento é que muitas pessoas que cometem crimes leves recebem condenações pesadas e para os crimes hediondos quase sempre acontece o contrário. O governo da Índia decidiu não elevar os casos de estupro com a morte da vítima à pena de morte, como o caso "Nirbhaya". Ainda há o problema de ser excessivamente fácil e cultural que policiais e membros do judiciário sejam comprados e manipulados para atender os interesses de uma das partes envolvidas em cada nova questão que se apresenta.

   A nova lei é uma tentativa para silenciar a mídia internacional e cessar os clamores por justiça por parte da população que vive de manifestação em manifestação.


Cultura de abusos

   Na Índia os rapazes saem em grupos para cometer estupros como no ocidente os rapazes se reúnem para um futebol de fim de semana. O site "The Guardian" publicou um artigo que mostra que os rapazes indianos tendem a estuprar meninas que se mostram sexy.

Turismo na Índia

   Uma notícia boa é que começa à partir desta data, o julgamento dos seis acusados de estuprar a turista suíça na frente do marido no último dia 15 de Março.

   A notícia ruim para a Índia é que com o recente caso de estupro da turista suíça, já foi certificado que o turismo feminino estrangeiro ao país caiu entre 25% e 35%. Publicou o site britânico "telegraph".

sábado, março 30, 2013

Nigéria nega Habeas Corpus para terroristas e cristãos são caçados e mortos.

   A crise política na Nigéria avança a níveis elevados e deixa um número incontável de vítimas inocentes: Cristãos e políticos e autoridades ligadas ao governo nigeriano são os principais alvos do grupo terrorista Boko Haram que tem alcançado destaque na mídia internacional pelas crueldades praticadas também no Congo e no Máli simultaneamente.


Incêndio provocado supostamente pela explosão do ônibus que matou cerca de 25 cristãos am Kano.
Por Saulo Valley -O Observador do Mundo - Rio, 30 de Março de 2013 - 08:27 GMT-3

   A intenção do terrorismo é sempre a manutenção da instabilidade política e social de um país. Deixar pessoas inseguras diante da inação das autoridades e provocar conflitos religiosos. Um ataque suicida que provocou a morte de 25 cristãos num ônibus em Kano, provocou a ira do governo que luta para bloquear as ações da "seita" Boko Haram. A perseguição aos indefesos católicos e protestantes vem como meio de pressionar o governo nigeriano a libertar os 5 terroristas-membros presos nas últimas semanas, em consequência do atentado em Kano. Desde o incidente até agora já foram registradas 75 mortes de cristãos em consequência das tentativas do Boko Haram de provocar o caos, simulando um conflito religioso. Mas a comunidade cristã tem se mostrado imóvel, enquanto os Haram continuam atacando em diversas localidades, em especial no norte do país.

Jihadista do Boko Haram no Máli - Autor desconhecido
   O predidente nigeriano Jonathan negou oficialmente o pedido de Habeas Corpus para os membros presos do Boko Haram, o que tem elevado a tensão no país nas últimas horas.  O usuário do twitter "NND" (Nigéria New Desk) disse que oposição ao presidente Jonathan tem acusado de "falsa perseguição" ao grupo terrorista, alegando que não tem havido prisões e acusando a mídia de sectária.

Bandeira da Jihad Islâmica utilizada pelo Boko Haram. Creative Commons Canguru.

   Islã não quer ligação com Boko Haram

   O governador do Estado do Níger, Bambagida Laiyu disse nesta sexta que "o Islã não deve ser associado ao Boko Haram". O pronunciamento que aconteceu no Reino Unido, num seminário de 3 dias entre Líderes do Islã. Citando o site "citizensplatform" que citou a autoridade como dizendo:

"...Não é justo que as atividades de Boko Haram foram muitas vezes ligados ao Islã, mesmo quando as ações da seita nega os princípios básicos do Islã ".

   Laiyu disse ainda que não cabe ao povo islâmico "atacar outras religiões em nome do Jihad". O líder orientou que os país devem educar seus filhos dentro dos princípios "morais e religiosos" do Islã, de modo que evitem "extremismos e práticas religiosas egocêntricas".

   Discurso de Páscoa

   Mediante a crise, o presidente Jonathan discursou para uma grande massa de cristãos em comemoração à Páscoa. Em seu discurso ele pediu a união de todo o povo e a confiança nas forças armadas e nas forças de segurança do país, afirmando:

"Eu garanto a todos os nigerianos que nossas agências de segurança, forças armadas e vão continuar a cumprir totalmente nossas responsabilidades constitucionais"
   A mensagem de Páscoa trouxe um apelo de paz e de unidade entre os povos, religiões e o governo nigeriano, como uma forma de somar forças contra a tentativa do inimigo número 1 do Estado, Boko Haram, de tentar usurpar o poder, promovendo o caos e o genocídio.

"Exorto-vos a continuar a exibir moderação e compreensão em face de provocações aparentes."
    Ao encerrar seu discurso, o presidente Jonathan Boa-sorte orou pela multidão. Parte do discurso pode ser encontrada aqui: "citizensplatform"

   Apesar dos esforços do presidente, há um clima de divisão de posições dentro do goveno, e há ainda denúncias que uma grande maioria das autoridades nigeriana pertence à suposta seita radical que usa o islamismo como base para agregar membros fanáticos e extremistas.

Tensão nos cultos

   A    Intercessão presidencial pela paz soou em contraste ao alerta enviado pela polícia nigeriana, que mostrou que se faz necessário orar e vigiar ao mesmo tempo.  Um alerta enviado nesta última sexta-feira para os cristãos de todo o país, para que evitem carregar celulares e outros aparelhos eletrônicos para os templos. De acordo com o "nigerianbulletin" a polícia tem alertado para novos atentados do Boko Haram contra religiosos e acredita que membros da suposta seita deverão se infiltrar no meio dos fiéis portando celulares e outros mecanismos que estartam explosões. As autoridades pediram aos líderes religiosos, bem como os cristãos que fiquem em estado de alerta, no caso de surgirem estranhos no meio da igreja, cujas intenções podem ser as piores possíveis. O alerta tornou-se ainda maior para a região Sudoeste, depois que as autoridades encontraram bombas em alguns edifícios no estado de Lagos.

   Atualmente o Boko Haram é acusado de demolir pelo menos 50 templos católicos no país, nos últimos meses.

BREAKING NEWS: Jerusalém Ocupada: Repressão militar deixa 1 manifestante hospitalizado

Acontecendo agora - Um grupo de pouco mais de duas dezenas de manifestantes palestinos saiu para protestar em Qalândia, na Jerusalém Ocupada. Pelo menos 15 soldados israelenses foram acionados para dispersar a manifestação. 


Tropas se mobilizam para impedir manifestação pelo "LandDay" - Foto: 
Por Saulo Valley - O Observador do Mundo - Rio, 30 de Março de 2013 - 07:02 GMT-3
Atualização: 10:39

   A polícia chegou lançando bombas de gás lacrimogêneo para impedir a pequena manifestação tida como pacífica. A tradicional manifestação acontece desde 1976 quando 6 manifestantes palestinos foram mortos pelas forças de segurança israelense. A passeata ficou conhecida como "O dia da Terra" (LandDay) e começou há cerca de 1 hora com a chegada de forças policiais de choque e muitos jornalistas, mas faltou a multidão. De acordo com a tradição era esperado confronto entre os manifestantes e as forças policiais, mas o poucos manifestantes que ousaram comparecer não chegaram ao número de 30.

Cerca de 20 manifestantes são reprimidos pror soldados em Qalandia "LandDay" - Foto: 
   Mesmo assim as forças de segurança lançaram granadas de gás lacrimogêneo e feriram um manifestante que foi levado rapidamente para o hospital mais próximo.

Video: Soldados israelenses tentam impedir que jornalistas cubram a repressão aos manifestantes. Jornalistas também são alvos de granadas de gás lacrimogêneo.


Pelo twitter uma usuária disse que houve "violento confronto" entre as partes mas não foi possível confirmar.


Outra usuária informou que havia 1 jornalista ferido na repressão aos manifestantes.

Atualizações - 10:43

   Recentes atualizações rvelam que pelo menos 15 manifestantes palestinos foram feridos durante confronto com as forças de segurança israelenses.  Confrontos com as tropas israelenses têm sifo informados nas regiões de Jayyous, Qalandia e Bethlehem. Apenas 1 ferido por tiro foi reportado até agora no acampamento de Qalandia.

quinta-feira, março 28, 2013

Damasco: Aeroporto Internacional em chamas - Avião iraniano carregado de armas abatido

A crise síria tem chegado a patamares jamais imaginado por nenhum sírio, independente do lado. A violência tomou as ruas e grupos rivais digladiam enquanto que as milícias que apoiam o FSA estão mais unidos, curdos, xiitas e sunitas renovam alianças para o fim do regime de Assad.


Uma fonte síria enviou a foto dos destroços do boeing iraniano em chamas. Foto: d_arj
Por Saulo Valley - O Observador do Mundo - Rio, 28 de Março de 2013 - 06:14
Atualização: 08:37

   Um avião iraniano foi derrubado na noite passada quanto tentava reabastecer em Damasco. Segundo ativistas, o  avião transportava uma grande quantidade de armas, mas foi derrubado pela oposição e caiu no Aeroporto de Damasco, o que provocou um dramático incêndio. Há cerca de 50 minutos a administração do Aeroporto disse que:

 "O Aeroporto Internacional de Damasco está operando normalmente, para pousos de decolagens de aeronaves também. Tudo continua normal e natural."
Além disso, os rebeldes estão se utilizando de morteiros para atacar outro aeroporto. A base aérea militar de Neirab em Aleppo.

Desgaste

   Enquanto a crise no Aeroporto é empurrada há duas semanas, os rebeldes confessam que estão encontrando mais facilidade para vencer a resistência síria e que estão tomando pontos estratégicos, aeroportos, cidades e vilas com muito mais facilidade, devido ao enfraquecimento do regime e a dificuldade cada vez maior de se dividir em inúmeros pontos de tensão e missões paralelas.

   E as missões paralelas do regime sírio estão provocando desgaste de sua imagem no cenário internacional. A recepção calorosa do líder representante da Coalizão Nacional por parte dos estados-membros da Liga Árabe, deixou o mundo perplexo. Mais perplexo ainda foi o mundo ficou com a decisão de vários países árabes de iniciarem as conversações com a oposição síria. Esta atitude levou o Qatar a reabrir a embaixada síria, mas para receber seu novo hóspede: A Oposição Síria.

   Bashar Al-Assad tem se esforçado para renovar suas reservas militares. Num desses esforços pediu ajuda aos países que compõem o BRICS. Inicialmente o encontro que aconteceu no último dia 26 ainda não demonstrou qualquer efeito. Mas já há notícias de que a África teria negado ajuda ao regime de Assad. Basta ver como as coisas estão caminhando para perceber que o único líder que ousaria dar total apoio ao regime seria o falecido Hugo Chávez, por questão de vingança pessoal. A Birmânia e o Sudão têm sido colocados entre os países que estão enviando armas para o regime.

Armas Químicas

   A Síria concedeu acesso à equipe de investigação da ONU que fará um relatório sobre o uso de armas químicas no confronto entre o regime e os rebeldes, por outro lado há fontes reclamando que missão da ONU não obteve um "acesso ilimitado", conforme foi solicitado pelo Secretário Geral Ban Ki-moon, tudo isto porque apesar do regime sírio ter solicitado a investigação, ele mesmo tem o hábito de forjar as provas, já que a oposição não possui dinheiro nem para comprar remédios, muito menos para armas químicas, que o regime sírio mantém toneladas em estoque.

Crise no Golã

   A ONU tem se mostrado preocupada com a crise que há muito atravessa fronteiras vizinhas e além dos conflitos diários na capital libanesa de Trípoli e suas fronteiras, há ainda o continuado fornecimento de armas da parte do regime sírio para o Hezbollah, fomentando a crise nas colinas do Golã. Israel tem pedido atenção internacional e Ban-Kimoon enviou uma mensagem sobre a renovada crise envolvendo Israel.

Governos provisórios rebeldes
 
   Com a expansão das áreas de controle pela oposição ao ditador Bashar Al-Assad, os governos interinos e as comissões administrativas formadas por civis voluntários crescem. Esta sensação de que a paz está chegando é uma realidade, mas por outro lado, o regime sírio busca tornar este novo governo algo tenebroso, provocando conflitos familiares isolados e ainda há informações de que depois do Coronel Riad Al-Asaad, outros líderes serão atacados. Uma fonte disse que os membros destas comissões populares das aldeias, vilas e cidades sob o controle militar do FSA, serão alvos de ataques pelo regime. Uma outra fonte acredita que o regime sírio tem negociado com o grupo terrorista PKD-S para atacar o grupo terrorista curdo PYD, que tem bases no curdistão iraquiano.

   Uma fonte árabe disse há pouco que o Conselho do Golfo decidiu apoiar o lado rebelde da crise síria, e que além de apoio político, o FSA receberá armas. Não confirmado ainda.

Bombardeios e ataques aéreos em áreas residenciais

   A violência síria tem sido elevada com a utilização sistemática de aeronaves de combate MiG que lançam mísseis e bombas sobre as habitações, ainda helicópteros que despejam barris de TNT. Mísses SCUD lançados à partir do solo, foguetes, foguetes de ombro, armas de artilharia anti-aérea utilizada contra residências, morteiros, tanques e até bombas caseiras.

   Neste momento os bombardeios são intensos no combate do regime contra a oposição em Aleppo, na região rual de Damasco, na província de Daara sofrem as cidades de Jaseem e Dael. Chovem também foguetes em Palmyra, em Homs.  Tiroteio pesado nas cidades de Alqasir em Homs, Deir Al-Azour. Em Hama sangrento tiroteio é relatado e a morte de pelo menos 60 pessoas nesta manhã de quinta.

   Uma denúncia recém-chegada acusa o regime sírio de pulverizar inseticidas e pesticidas sobre a cidade de Aleppo há pouco.

Intervenção da NATO

   A notícia de que o No-Fly_Zone ou o escudo anti-misseis que a NATO intencionava implantar na fronteira turca com a Síria foi suspenso entristeceu os rebeldes que tinham grande expectativa no fim dos bombardeios sobre a população, bem como suas bases instaladas em seus próprios redutos.

Crianças no conflito

   A ONU já havia enviado uma comissão de avaliação da situação das crianças militarizadas sendo utilizadas nos fronts de ambos os lados. Mas sem a permissão do regime, não há como ter acesso aos principais locais de tensão, onde por exemplo, este menino de 7 anos é militante rebelde.

   Conversando com um pai que postou uma foto de seu filho de cerca de 5 anos sentado no cano do canhão de um tanque sírio, ele me disse que as crianças estudam, mas depois das atividades escolares, precisam acompanhar seus pais, que não sabem onde deixá-los e por medidas de segurança acabam carregando a criança para o front... Lá fatalmente aprenderão tudo sobre guerra e seus dramas.

   Video: Um grupo de crianças é organizado de modo a simular um grupo de desertores das fileiras do exército sírio, em declaração de oposição a Bashar Al-Assad. Um brincadeira que é comum num ambiente de guerra onde todos são afetados sem exceção. Também revela que a comunidade internacional está brincando com o tempo, que para estas crianças está se esgotando. Logo estarão mentalmente militarizadas e sem recuperação.

segunda-feira, março 25, 2013

Riad Alassad, chefe do FSA sofre atentado e sobrevive.

Fundador e membro do comando do FSA (Free Syrian Army), o Coronel Riad Alasaad foi o primeiro oficial superior a desertar das fileiras do regime sírio, quando se viu obrigado a assistir as atrocidades que os soldados sírios eram forçados a cometer contra civis indefesos, durante a revolta popular contra o governo sírio que já passa de 2 anos.


Por Saulo Valley - O Observador do Mundo - Rio, 25 de Março de 2013 - 11:43 GMT-3
Atualização: 12:41

   Uma bomba instalada debaixo do assento do veículo ocupado pelo coronel Riad Alasaad, foi responsável por impedir que chegasse numa reunião de cúpula onde continuaria seu trabalho de articulação sobre a implantação do novo governo da síria, nos locais controlados pelas forças rebeldes, das quais é líder-fundador.   No início da manhã, havia boatos de sua morte se espalhando pela internet.  

Imagem do banco do veículo onde o Coronel Asaad estava sentado.
   No incidente que aconteceu na noite deste domingo, e o militar foi submetido a procedimentos cirúrgicos que fontes íntimas do FSA dizem ter retirado uma de suas pernas, enquanto agências de notícias afirmam que a autoridade perdeu apenas o pé.


   Mas o certo sobre tudo é que o Coronel comandante do FSA sobreviveu ao atentado e que apresenta sinais estáveis de saúde, apesar do ferimento. Riad Alasaad está agora sendo atendido num hospital no Sul da Turquia e goza de relativa boa saúde, dentro do possível. A informação foi confirmada na última hora pelo Alto Comando do Exército Livre.

Egito será governado pela Irmandade Muçulmana ou pelo secularismo?

 Duas correntes vêm ganhando força no Egito desde o início da revolta contra o regime do ex-presidente Hosni Mubarack: A Irmandade Muçulmana tem se esforçado para se manter no governo do país, ao passo que a multidão de secularistas cresce com influência clara de Israel e Turquia, o que tende a levar o país a novos confrontos nas praças públicas egípcias à cada novo dia de impasse sustentado.

Movimento 16 de Fevereiro de 2011 - contra ditadura Mubbarack
Por Saulo Valley - O Observador do Mundo - Rio, 24 de Março de 2013 - 12:43 GMT-3

   Neste fim de semana, violentos confrontos aconteceram e as tensões entre os secularistas e os pró-irmandade estão ainda muito vivas. a rejeição popular à irmandade muçulmana não é um caso novo. Desde as manifestações anti-Mubarack entre 2010 e 2011, que manifestantes gritavam que a irmandade muçulmana havia levado diversos países islâmicos à falência e ao derramamento de sangue, com o aumento do terrorismo e dos conflitos sectários por onde passou.

   A verdade é que a renúncia de Hosni Mubarack do poder em 13 de Fevereiro de 2011, não veio no sentido de beneficiar o país. Com seu pedido de demissão, foi possível assegurar maiores privilégios, maior imunidade e ainda garantir que membros ativos de seu governo (agora desmantelado), fariam parte do novo governo por meio de infiltrações e simulações de mudança de posição.

Aliaa Magda El-Mahdy em protesto anti-Mubarack
  Na verdade Mubarack teria deixado uma grande maldição sobre o Egito, que só poderá ser quebrada se a cúpula que assumir o governo, estiver mesmo interessada em conduzir o país a uma nova fase de transformações no sentido da democracia e da liberdade religiosa; entre outras liberdades garantidas pelos Direitos Humanos defendidos (em tese) pelas Nações Unidas.

   Desde a renúncia de Mubarack ficou claro que o Egito viveria de violentos confrontos políticos em violentos confrontos políticos.  Tudo relacionado ao difícil exercício de garantir que todas as tribos egípcias tenham direito a pelo menos, 1 representante no poder e que independente desta questão, que todas as famílias sejam protegidas por leis iguais e recursos distribuídos de modo comum.

Aliaa Magda El-Mahdy tornou-se símbolo da anarquia religiosa,
sexual e política no mundo árabe e da luta pelo secularismo no país.
   Na tentativa de retirar o regime militar do poder, a oposição egípcia se acalmou para receber o novo governo, liderado atualmente por Mohamed Morsi. Meses depois, fanáticos oposicionistas retornariam às praças públicas em novos protestos no sentido de assegurar que o governo retorne para as mãos daqueles que antes compunham a cúpula do regime de Mubarack.

   Além dos pró-Mubarak, o egito enfrenta uma forte corrente secular que visa um país de maiores liberdades religiosas e sexuais (o que se torna literalmente um movimento anti-Islâmico). Por esta razão, Aliaa Magda El Mahdy teria se expressado de forma tão escandalosa em sua exposição nua em seu blog, que na primeira semana de inaugurado alcançou a marca de 5 milhões de acessos e rapidamente chegou aos 33 milhões de visualizações ainda em novembro de 2011...  Aalia se destinou a escrever contra o islamismo tradicional extremista e outras tradições árabes e egípcias, revelando seu ódio completo pelo sistema machista, ela conquistou a simpatia de feministas, gays e ateus dentro e fora do mundo árabe. Tornou-se uma personalidade pública odiada pelo mundo islâmico.

   Enquanto o julgamento de Mubarack se arrasta para dar lugar a inúmeros acordos nos bastidores da política nacional, novos movimentos tendem a ser projetados para as ruas no sentido de anarquizar o governo recém formado. É neste período frágil que os grupos de oposição se tornarão mais agressivos na tentativa de minar as estruturas ainda pouco sólidas da liderança nacional.

  Diga-se de passagem, o Egípcio é um povo fanático por política nacional, e fica monitorando as agendas políticas do país como quem monitora as corridas de cavalo, após ter feito volumosas apostas.
  Então já dá pra acreditar que o período de tensão e protestos acalorados não chegarão ao fim tão fácilmente.

Atualização 25-03-13 as 10:44 GMT-3


  •    Neste momento há intensos confrontos em diversas praças do Egito, com mais de 120 feridos. A polícia se utiliza de gás lacrimogênio e balas de borracha.
  •  Agências locais revelam que ativistas de oposição estão sendo intimados pelas autoridades egípcias para responder sobre os violentos confrontos e há ainda uma acusação de ter incendiado um dos prédios onde funcionava um gabinete político da Irmandade Muçulmana durante os protestos de sábado.
  • O Sindicato de Jornalismo do Egito decidiu criar uniformes especiais para que os profissionais de mídia possam trabalhar na cobertura dos habituais confrontos no país.
  • Só no sábado último mais de 200 pessoas se feriram nos confrontos que se espalharam nas principais praças do Egito.



domingo, março 24, 2013

Vaticano: Papa quer se unir ao islamismo e demais religiões

O Papa Francisco iniciou seu mandato conclamando a todas as religiões que criem vínculos com a Igreja Católica Apostólica Romana. Em suas mensagens, o papa pede o respeito a todas as religiões e diz estar de braços abertos para receber a todos os grupos religiosos no planeta, entre eles o Islã.

Ciudad del Vaticano - Vaticano- Roma - Italia - By Veronidae (Own work) [CC-BY-SA-3.0 (http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)], via Wikimedia Commons
Por Saulo Valley - O Observador do Mundo - Rio, 24 de Março de 2013 - 07:09 GMT-3

   Foi em 2006 que o então Papa Bento XVI cometeu um grande erro, ao afirmar que Mohammad, o profeta de Allah, só havia ensinado "coisas más e desumanas". Obviamente num momento de revolta em resposta a uma sequência de atentados terroristas que se espalhavam vorazmente a mortandade na época. Na verdade a crítica do Papa Bento XVI foi direcionada à prática do JIHAD, como arma política ou forma de punir a todos quantos não professam a fé islâmica. O papa tentou recontar a história do imperador bizantino Manuel II Paleólogo, do século 14. A autoridade do Vaticano disse ter aprendido o idioma persa e a verdade sobre a fundação do cristianismo e o islamismo. Em dado momento disse:

"Mostre-me o que Maomé trouxe de novo, e lá você encontrará apenas coisas más e desumanas, como sua ordem para difundir pela espada a fé que ele pregava"

   O Jornalista Ian Fisher, fez a cobertura desta fala de Bento XVI para o "The New York Times" e disse em seu artigo:

"E ele usou linguagem aberta. Uma interpretações que poderiam inflamar os muçulmanos, em um momento de alta tensão entre as religiões e três meses antes de sua viagem agendada para a Turquia."

   A mídia global se mostrou chocada com a declaração que aconteceu no final da primeira quinzena de Setembro em 2006, como havia dito antes.  Especialistas buscaram avaliar os efeitos deste discurso no cenário internacional, mas felizmente todos entenderam que o Papa estava criticando a falta de comunicação entre a fé Islâmica e o Ocidente, na ocasião. Ânimos acalmados e restou apenas a sensação de fracasso na tentativa do Vaticano de aproximar as religiões no ano que havia sido decretado como "O Ano do Ecumenismo". Na época apenas a Igreja Ortodoxa se manifestou favorável ao movimento proposto pelo Vaticano e chegou a celebrar esta adesão em um evento cujo líder maior estava ao lado do Papa numa mesma manifestação pública de fé. Lembrando que o slogan que o Vaticano usou se referia a "Todos os rebanhos liderados por um só pastor", e este pastor seria o próprio Papa. A igreja protestante não aderiu à proposta de entregar seu rebanho à liderança do Papa. É claro que apesar da relação de amizade proposta por Roma, o Islã jamais entregará seu rebanho para ser liderado pelo Vaticano.

Não ao sectarismo e à intolerância religiosa

   Ao menos a proposta poderia ser pensada no sentido de encerrar aos ataques a religiosos não-islâmicos na África, na Ásia e esporadicamente no Oriente Médio. O Papa Dom João Paulo II foi quem mais se esforçou para "fundir" as religiões, mas Bento XVI foi citado como tendo jogado todo o esforço do Vaticano por "ladeira abaixo". Don Francisco vem com uma proposta clara de fazer a igreja católica reviver os momentos áureos vividos na era Paulo II, quando além de ter melhor relação com as demais religiões, visitava países e comunidades carentes, como o Morro do Vidigal, no Rio de Janeiro.

   Apesar de que unir todas as religiões se mostra uma ilusão muito maior que um sonho papal, a tolerância religiosa deve ser pregada com a mesma naturalidade que a tolerância racial, e desportiva. Quem gostaria de ser proibido de torcer pelo seu time de futebol favorito, ou de ter o mulher ou o homem do tipo que mais lhe atrai? Coisas da diversidade humana! Porque nós nunca seremos iguais. A prova disto é que há subdivisões no catolicismo, subdivisões no islamismo, no protestantismo, umbandismo, hinduísmo e todas as outras demais religiões no planeta!

   Não há razões para se utilizar do fanatismo de certas pessoas que num momento de desequilíbrio ou fraqueza se deixam induzir a extremos enquanto seus líderes nem de perto acompanham seus excessivos esforços. Um velho ditado católico diz: "Faça o que eu digo, não o que eu faço". Faz alusão à hipocrisia pregada por muitos líderes religiosos que ensinam e exigem atitudes extremas de seus fiéis, enquanto se esquivam de praticar o que pregam, ou acabam impondo pela ênfase na exploração do medo da "vingança divina", da "morte eterna" e do "fogo do inferno".

   Um congresso considerado por líderes de várias comunidades árabes, com sectário está sendo realizado neste Domingo (24) na cidade do Cairo, no Egito para discutir sobre os "opositores da seita alawita". Rifaat Al-asaad é o organizador deste evento que promete incendiar pessoas em todo o Oriente médio e possivelmente os árabes no resto do mundo. A proposta  do evento é discutir o destino dos Alawitas, se os Sunitas assumirem o governo da Síria. Uma questão que só tende a elevar o grau de violência e crise que a Síria atravessa hoje. Como já temos dito aqui em vários artigos, o regime sírio está tentando provar ou provocar uma guerra sectária entre tribos e religiões, como última alternativa (além do sacrifício de todo o povo sunita) a fim de impedir uma intervenção do Conselho de Segurança. O intrigante é que apesar de o encontro mencionar que Assad não detém 100% do apoio dos Alawitas, a revolução síria diz que:

"A maioria dos participantes da conferência nunca fez parte da oposição ao sistema Issarawa. Não há uma menção sequer de suas passagens, e não há qualquer abordagem à história sobre nenhum deles!"

   Uma tentativa de revolução independente? De acordo com membros da revolução síria, "a maioria dos participantes são ex-jornalistas do governo sírio, ex-membros do regime, além de alguns professores universitários remanescentes de Latakyia e membros do Partido Ba'ath antes afiliado no escritório que funcionava na cidade síria de Homs."

   Na Nigéria continua a perseguição aos católicos e protestantes, com demolição de templos, mortandade de fiéis na luta pelo controle político/religioso absoluto por parte da seita radical islâmica Boko Haram. Isto também se repete no Sudão, na luta entre os países Azerbaijão e Armênia, na perseguição aos monges budistas do Tibet e ainda no Egito a guerra entre Mussulmanos e Coptas. Tudo isto em detrimento do controle político dos povos alcançados pelas religiões mais influentes.

sábado, março 23, 2013

Seita radical terrorista Boko Haram provoca o caos na Nigéria

A seita radical islâmica Boko Haram é responsável pelo ataque suicida num ônibus de luxo na cidade de Kano no dia 18 de Março que matou pelo menos 25 cristãos ( agências acreditam que tenha chegado a 60 vítimas) e deixou outras 85 pessoas feridas. 

Foto por celular enviada por internauta - Uso livre
Por Saulo Valley - O Observador do Mundo - Rio de Janeiro, 23 de Março de 2013 - 06:35 GM-3

   Nesta sexta-feira, um grupamento de pelo menos 100 soldados do exército saiu em missão de busca de esconderijos de membros do Boko Haram. Citando o "Naji" como fonte, que disse que as tropas militares encontraram um membro do grupo terrorista que tem declarado guerra aos cristãos, destruindo igrejas e matando fiéis, além de autoridades políticas e militares na intenção de usurpar o governo da Nigéria. Na casa ocupada pelos supostos terroristas, soldados teriam encontrado uma bomba congelada num refrigerador escondido no teto da residência. A casa localizada no bairro de Ljor, teria sido alugada há 3 meses. Nela apenas um casal era visto como morador, e que apesar de não sair para trabalhar, vizinhos teriam comentado que exibia roupas, calçados, celulares e notebooks caros. Além da bomba as autoridades afirmam ter apreendido fuzis AK 47 e munição. Novas fontes disseram que a casa foi alugada com pagamento adiantado para os próximos por 9 anos.

   Últimos relatórios publicados pela "Naij" disseram que cerca de 500 estrangeiros suspeitos de pertencer a esta organização terrorista, foram presos em operações de busca em todo o estado de Lagos, desde a explosão do ônibus na última segunda. O incidente, que chocou o país, parece ter sido também responsável pela morte de uma celebridade nigeriana, que não teria resistido ao choque da notícia; O escritor veterano Chinua Achebe. A fonte disse que a celebridade teria ligações parentescas com algumas das vítimas dos últimos ataques de Boko Haram, em especial no incidente do ônibus.

   Mas a busca por terroristas do Boko Haram não parece ser tão simples na Nigéria. De acordo com os comentários no país, pelo menos 89% dos policiais em Kano, fazem parte da seita. Há boatos que até o atual presidente nigeriano é membro da seita. As autoridades policiais que prenderam esta grande quantidade de suspeitos, entre eles a fonte citou jovens e crianças, bem como mulheres, que de acordo como disseram as fontes seriam malianos, chadianos e malasianos, que teriam entrado no país ilegalmente.

   Mas Boko Haram já foi muito mais adiante. O grupo anunciou que tem em seu poder, reféns franceses que sequestrou na República de Camarões, quando passeavam de férias. Os reféns são um casal e seus 4 filhos de idades que vão de 4 a 12 anos. Um vídeo transmitido nesta sexta, pelo canal de TV francês "iTele", apresentava um terrorista do sexo masculino e exibia a família ao lado, um pouco mais ao fundo e declarou:

"Nós afirmamos que não vamos libertar esses reféns franceses, enquanto os nossos membros são detidos na Nigéria e Camarões", disse ele. "A força não vai funcionar em libertá-los. Estamos prontos para nos defender", citado pelo "dailytimes".
O refém adulto é Tanguy Moulin-Fournier e foi sequestrado juntamente com sua família em 19 de fevereiro deste ano.


Em outra publicação no "DailyTimes" os terroristas teriam dito que o sequestro da família era uma mensagem para os governos da Nigéria, Camarões e França. O grupo anunciou que não pede resgate pela família, apenas a troca entre os reféns e os 5 suspeitos presos na Nigéria e em Camarões.

Controvérsia ou medo?

   Pra piorar a situação, o "nigerianbulletin" publicou uma nota que comissário de polícia de Lagos, Umar Manko, disse que não tinha qualquer informação de operação de prisão de membros do Boko Haram, que agora são contados 5. De acordo com a fonte que citou também o "TheDailyPost" que o comissário teria dito que além de não ter tido qualquer informação a respeito desta suposta operação, disse que nenhum oficial sob seu comando teria participado dela.

   Autoridades estrangeiras acreditam que os reféns já podem ter sido executados. Enquanto que o governo da Nigéria estuda a anistia dos terroristas presos, como parte da exigência feita pelo líder do Haram. Há novas suspeitas de que agentes de saúde que participavam da campanha de vacinação contra a poliomelite na sexta dia 15, teriam sido alvejados por membros do Boko Haram. Muitos agentes foram recebidos em hospitais em Kano em estados graves com ferimentos à bala na cabeça. Já há informações pelo menos 9 agentes mortos e além de agentes de saúde, postos de saúde também foram atacados por grupos de homens armados que executaram vários profissionais de saúde do estado. Há também informações não muito detalhadas de novas explosões ocorrendo nesta manhã de sábado em Kano, mas não deixaram vítimas inocentes. A polícia tem feito blitz por toda cidade e tem detectado carros equipados com bombas e terroristas portando explosivos, o que tem gerado uma série de tiroteios neste dia. Maiores detalhes em breve atualização.

Leia mais: Nigéria: Bomba mata pelo menos 25 mas pode ter chegado a 60 pessoas e dezenas de feridos

sexta-feira, março 22, 2013

Síria: Regime pode estar por trás da matança de líderes religiosos

Pelo menos 5 líderes religiosos foram mortos recentemente. Depois do alegado uso de armas químicas, inicia-se uma tentativa de forçar a crise síria para a guerra sectária, depois de 2 anos de unidade religiosa, política e tribal no lado da oposição.

Por Saulo Valley - O Observador do Mundo - Rio, 22 de Março de 2013 - 06:54 GMT-3
Atualização - 09:58

    A revolução síria, pra quem não sabe começou nas mesquitas. Mesmo com a lei de emergência em vigor por 48 anos, o povo sírio rebelado, se reunia nas mesquitas para orar nos horários normais determinados pela fé islâmica. Às 09:00 da manhã de todas as mesquitas sírias, saiam todos os fiéis juntos em marcha, pedindo o fim da ditadura, da corrupção e da repressão.  O regime sírio começou a usar balas de borracha e gás lacrimogêneo e balas de verdade para intimidar os manifestantes.



   Snipers foram disseminados nos telhados dos prédios governamentais e mesmo assim, morrendo um a um, eles continuavam se encontrando nas mesquitas e saindo em manifestações no final das orações. O que levou o regime sírio a bombardear as torres e telhados das mesquitas, até chegar ao ponto de enviar tanques e blindados para as entradas dos templos a fim de impedir que os manifestantes saíssem juntos dos templos.

 É claro que isto não os impediu de saírem em demonstrações, mesmo quando para intimidá-los, o regime sírio iniciou a suspensão do fornecimento de serviços básicos como energia elétrica, água, coleta de lixo, distribuição de alimentos no atacado e no varejo e pasmem: serviços hospitalares. Principalmente se o paciente foi ferido pelos atiradores das forças de segurança.



O caos instaurado pelo fato de que o povo sírio decidiu que não queria mais suportar o atual regime, no poder há cerca de 49 anos. Atiradores nos telhados dos hospitais, principalmente o Hospital Nacional de Homs, impediam a chegada de pacientes vivos, após terem sido atingidos nas manifestações.

   Para virar o jogo, o regime sírio começou a comprar autoridades religiosas, que pregavam contra a revolução durante as palestras e também nos alto-falantes instalados nas fachadas.

Tanques foram instalados nas portas das mesquitas com os canos dos canhões apontados para a porta de saída, mas não demorou dois meses já com cerca de 7 meses de passeatas pedindo o fim do regime, que o exército passou a atirar dentro dos templos enquanto as pessoas oravam, para garantir que não sairiam dali em manifestações.

O prédio no centro da foto no lado direito, é o Hospital de Homs, que foi praticamente demolido por bombardeio no início de Abril de 2012.


   Um marco destes acontecimentos foi a morte do menino Mohammad Nassar (13) em Dezembro de 2011. Ele foi atingido dentro da mesquita em Homs, quando o regime sírio bombardeou a construção enquanto os fiéis estavam orando no lado de dentro do prédio. Este foi o primeiro bombardeio a uma mesquita síria, mas logo se tornou uma rotina.  Assad havia percebido que a força e a persistência da revolução estava nas autoridades religiosas, então iniciou ataque a cléricos, pastores, bispos, e por diante.


   A estratégia do regime é desde o início, a de camuflar suas próprias ações consideradas inaceitáveis crimes de guerra e contra a humanidade, genocídio e abuso de autoridade, corrupção e indução do sectarismo. Para isto, os rebeldes precisam ser transformados em terrorista a qualquer custo, e se for preciso, até mesmo os seus deverão ser sacrificados, em prol de suas estratégias. Não importa se soldados, se autoridades religiosas, ou meros simpatizantes.

   Por conhecer as artimanhas do regime, que forja manifestações pró-assad, simula ataques terroristas contra seus próprios prédios em regiões controladas pelo exército regular, os rebeldes, por sua vez nunca utilizam bombas em prédios e alvos não-militares.
    Desde o início da revolução o FSA tem se limitado a destruir tanques, comboios militares e atacar prédios do governo. Uma regra que nunca abriu mão de cumprir, justamente para evitar ligação com terror, por outro lado: O regime sírio destruiu a todos os hospitais, estádios, residências, mesquitas, muitas escolas, padarias e parques públicos instalados nos redutos de oposição.  Uma das gafes do regime sírio é que sempre que ele simula um ataque terrorista, a agência do governo anuncia antes que todas as agências do mundo tenham conhecimento. Antes mesmo dos rebeldes ficarem sabendo. O cinegrafista da TV estatal já estava no local do incidente.

Video: Clerico pró-assad foi morto nesta quinta-feira por atentado com bomba em sua mesquita em Damasco. Além dele, outras 42 pessoas morreram e 110 feridos foram relatados pelos dois lados. 



   Todos sabem que podem ser mortos pelo regime, se houver algum significado favorável à manutenção de Assad no poder. A autoridade a seguir poderá ser a próxima vítima. Pro-assads têm reclamado de seus discursos acalorados, pedindo aqueda do regime.

quinta-feira, março 21, 2013

Síria pede que uso de armas químicas seja investigado pela ONU.


   O Secretário Geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon anunciou o início das investigações independentes sobre o alegado uso de armas químicas na Síria. De acordo com a ONU a investigação foi um "pedido formal" enviado pelo regime sírio.  Em um comunicado de imprensa que aconteceu nesta quinta em Nova York, Ki-moon disse:

"A missão de investigação é de olhar para o incidente específico trazido à minha atenção por parte do governo sírio", disse o secretário-geral , disse a jornalistas em Nova York esta manhã.

  Em outras palavras: A ONU investigará os arquivos e provas enviados pelo regime sírio... 
   A CNN tem informado neste dia que técnicos americanos disseram que "não houve uso de armas químicas na Sìria". A pré-análise veio por meio do estudo do vídeo que está sendo divulgado em nossa página, no artigo publicado nesta Quarta com o título:  "Síria abre mão da legitimidade usando armas químicas - 25 mortos". Os técnicos e médicos que analisaram o vídeo disseram que "o paciente não apresenta sintomas de uma vítima de armas químicas e que o local também não apresentava qualquer estrutura para atender a pacientes feridos com este tipo de arma."

   ...Investigação detalhada mesmo é a que o Secretário Geral prometeu começar o mais rápido possível, assim o regime ganhará mais tempo matando, como o caso de um ataque à bomba que matou pelo menos 42 pessoas e deixou mais de 85 feridos em uma mesquita sunita em Damasco. Entre os mortos estava o clérico Sheik Al-bouti, que era apoiador do regime. Na internet o regime sírio condenou o ataque e culpou os rebeldes ao passo que os rebeldes apontaram o regime como responsável pelo atentado terrorista, que causou mais uma tragédia no país. A Coalizão Nacional condenou o ataque e pediu que os culpados sejam responsabilizados. Comando do FSA e AL-NUSRA negaram participação no ataque.

   Este ataque vem numa época em que o FSA tem lutado para a libertação dos templos ora transformados em postos avançados pelo regime. Depois da "batalha dos Aeroportos", os rebeldes iniciaram uma violenta luta para tomar o controle das mesquitas há pelo menos 2 semanas.

  Conflito sectário

   À fim de escapar de uma iminente intervenção da NATO, o regime sírio busca criar o caos. Insiste em simular ataques terroristas, empregando gangues estrangeiras sem bandeiras do Iraque, do Líbano entre outros. O regime sírio tem insistido dede o início da revolução síria, em provar que está sendo atacado por grupos isolados, independentes e que há guerra sectário em seu território, mas por inúmeras vezes, estas alegações foram derrubadas. Há poucas horas a agência independente pró-rebelde conhecida como "SNN" disse que um violento confronto entre famílias acontece agora, com mortes e feridos para os dois lados.

"Adduwailia | 21 de março de 2013 - Um número de vítimas e feridos são relatados após violentos confrontos entre as famílias do distrito."



NO-FLY-ZONE: NATO e regime SÍRIO começam a movimentação de Mísseis e Anti-mísseis.

Com a crescente movimentação em torno da incursão da NATO na crise síria, como consequência das denúncias de uso de armas químicas pelo regime sírio na cidade de Aleppo entre os dias 19 e 20 de Março, o regime sírio envia baterias de mísseis para proteger seus depósitos de Armas Químicas.

Anders Fogh Rasmussen - Secretário Geral da NATO - Cortesia "Texas Military Forces"
Por Saulo Valley  O Observador do Mundo - Rio, 21 de Março de 2013 - 07:58 GMT-3

   Em preparação para a implantação do NO-FLY-ZONE na Sìria, a NATO/OTAN anunciou que usará a mesma sequência de procedimentos usados na intervenção da Líbia. O Atlântico anunciou a implantação de baterias de mísseis Patriot ao longo da fronteira síria com a Turquia, com objetivo de impedir o lançamento de mísseis pelo regime. Em entrevista à "Reuters", citado pela 'RT News", O Secretário Geral da OTAN, Anders Fogh Rasmussen disse que a NATO/OTAN não tem intenção de interferir nas negociações da União Européia sobre a questão de fornecer armas para a oposição ao regime sírio.

NATO-2002-Summit - Domínio Público
   De acordo com os relatórios publicados pela mídia internacional, a decisão de implantar o NO-FLY-ZONE na Síria veio com a aprovação de 28 estados-membros do Conselho de Segurança, revelado nesta segunda dia 18.

  A Síria tem sido reportada como movimentando mísseis estratégicos pelo país. A agência rebelde de notícias "Ugarit", da Síria revelou que Damasco enviou mísseis balísticos medindo cerca de 12 metros de comprimento e dois mísseis SCUD para a base militar em Al Qutaifah, O local é a base militar do Batalhão 155, e segundo observadores locais, os mísseis teriam sido levados a partir da base militar de Nasiriyah, onde o regime mantém um de seus principais depósitos de armas químicas e biológicas, ainda um cento de pesquisa e desenvolvimento de armas.

Manual da Guerra Moderna

   Outro anúncio feito pela NATO/OTAN é que foi decidido pelo Atlântico que todo e qualquer ataque hacker realizado por civis a objetivos militares e hospitais entre outros alvos considerados estratégicos, bem será identificado como "ataque hostil" bem como os hackers que o executaram o ataque serão, à partir de agora interpretados como alvos militares - "huffingtonpost" De acordo com a fonte, o "Manual da Cyberwar" foi resultado de um estudo de 3 anos com ajuda de mais de 20 advogados, a Cruz Vermelha e o Cyber Comando dos Estados Unidos.

Video: Anúncio de invasão hacker nos arquivos digitais da NATO e da inteligência ucraniana.

Síria abre mão da legitimidade usando armas químicas - 25 mortos

O dia foi de maior desespero e tristeza que os 730 dias de revolução completados no último dia 15. Ataque por foguetes com cargas químicas e a destruição de bairros completos por bombardeio sem qualquer distinção entre inimigos e a sociedade civil. Crimes graves que provocaram repulsa da parte da comunidade internacional.


Al Kisweh na região rural de Damasco - Fábrica em chamas após bombardeio sírio - 20-03-2013
Por Saulo Valley -O Observador do Mundo - Rio, 20 de Março de 2013 - 22:59 GMT-3
Atualização 21 de Março de 2013 - 19:44

Denúncias de uso de armas químicas por parte do regime sírio se espalharam na internet em sinal do desespero e pavor que a população síria vive agora. O crescente aumento da violência que vem sempre em consequência da melhoria técnica e do avanço das forças rebeldes, o que leva o regime sírio a ordenar ataques contra a população civil, nos locais considerados redutos rebeldes. Este alegado ataque com armas químicas deixou 25 mortos e pelo menos 100 feridos, disseram as duas partes rivais.

Vídeo: Médico descreve as condições das vítimas de ataque químico em Ataibeh e quais são as suas  necessidades:


A agência de notícias oficial do governo, a "SANA", responsabilizou os rebeldes pelo uso indiscriminado de foguetes com ogivas químicas, o que alías o regime vinha fazendo há dois dias, mas o ataque só foi informado nesta quarta.

Video: Daraya - Damasco - Forças do regime destrói bairro completo.


Video: Damasco: Uma pequena fábrica em chamas em consequência de bombardeio do regime sírio.


Na última terça os rebeldes informaram que utilizaram morteiros para atacar o palácio presidencial. Por falar em presidencial, nesta quarta o presidente Bashar Al-Assad fez um passeio surpresa pelo Centro Educacional em Damasco. No último domingo, Asma Assad, a esposa de Bashar esteve com seus filhos no centro de Damasco concedendo autógrafos e arrecadando fundos para ajudar mães de soldados mortos na luta contra oposição. Ver Foto


   Ministro britânico Willian Hague disse em seu twitter:
"O Reino Unido tem conhecimento de relatos alegando o uso de armas químicas na # Síria , e está olhando para eles. Este uso atrairia resposta internacional forte."
A mesma percepção de Hague teve Obama quando declarou:

"Uso de Armas químicas deverá "Mudar o Jogo" na Síria, diz Obama - Revelou The New York Times.
De fato, EUA, França e Grã-Bretanha pediram o investigação internacional da Síria, pelo uso de Armas Químicas. 


 Uma autoridade do regime sírio foi citado como dizendo que a Síria não utilizou produtos químicos como o gás Sarin etc, usou simplesmente agrotóxicos...

   O ministro da Informação Om-ram Al-zu'bi, fez uma declaração na TV Síria acusando os insurgentes (rebeldes) pelo uso de foguetes com cargas químicas:


Para esta declaração, em seu primeiro dia de visita a Israel Obama respondeu:

"Estou profundamente cético de que foi a oposição (FSA) que usou armas químicas - Disse o site" "Haaretz"

Opinião - Em tempo: Presidente Dilma tem até o dia 26 de Março para decidir se atende ao pedido de socorro por Assad ou não. Brasil tem força pra entrar nessa guerra, ou na última hora vai dar ordem de prisão pra Bashar?

terça-feira, março 19, 2013

Kano: Guerra religiosa matou 25 cristãos - Atualização

Grupo Boko Haram (fundamentalista islâmico) é acusado de ter atacado ônibus que transportava cristãos no Norte do estado. Saiba mais detalhes.


Por Saulo Valley - O Observador do Mundo - Rio, 19 de Março de 2013 - 08:58 GMT-3
Atualização: 22 de Março de 2013 - 12:34

   Uma guerra histórica com ocorrências constantes na região do Delta. Conversas nas redes sociais entre pessoas dos dois lados, revelam a insatisfação por parte de membros do grupo Boko Haram por causa da presença abundante de cristãos no norte do estado de Kano. Isto vem em consequência da intolerância religiosa e a ansiedade de insurgentes islâmicos de ampliar a instalação de novas mesquitas na região, visando garantir maior influência política.

   Mussulmanos reclamam de terem sidos impedidos de construir mesquitas em algumas localidades do Norte do estado. De acordo com as investigações que realizamos, descobrimos que a explosão foi provocada como uma forma de assinatura da comunidade islâmica ligada ao grupo que acredita que sua missão é evangelizar em nome do Islam. Haram exige que o povo Igbo que é cristão, abandone a região norte do estado e se mude para o lado sul. Há também referências sobre a execução de líderes políticos em decorrência da revolução islâmica decretada pelo grupo, contra o governo desde 2001. Uma página de Facebook, de cristãos católicos, atribuiu ontem, ao grupo Boko Haram a destruição de 50 templos católicos, dos 52 prédios destruídos na região de Maiduguri, no estado de Borno.

Padre Ejike Mbaka chora pelos mortos
no atentado.
  Conversas nas redes sociais têm revelado que as tensões já provocam ataques a igrejas e mesquitas. Também revela que os protestantes e os católicos estão mais unidos e mais passivos no que parece ser uma declaração de uma tentativa de revolução islâmica, de acordo com as conversas entre diferentes militantes e aldeões.
   A tensão crescente entre os dois lados e tem se resumido na disputa por implantação de novos templos e a separação territorial entre as etnias, seguindo o exemplo do Sudão. De acordo com fontes confiáveis na região, a explosão aconteceu à partir de um ataque suicida que atingiu de cheio dois ônibus que transportavam cerca de 70 pessoas cada, disse um internauta local.

   Angústia nacional, o país se vê chocado com o atentado. Na televisão nigeriana, o reverendo católico Igbo Ejike Mbaka chorou enquanto pedia desesperadamente: "Meu povo, abandone o Norte. Deixe o Norte. Deixe este lugar. Deixe esta terra, ela não é para vocês. Volte pra casa, nossa terra precisa de vocês."

A cidade de Kano está deserta, em vista de como era a movimentação no local da explosão. Este cenário reflete o medo das pessoas de novos atentados, e a sociedade ainda se preocupa com a forte tendência de as pessoas evitarem os transportes coletivos, o que seria considerado um "colapso", dizem especialistas locais.


   A exemplo do Sudão, a guerra entre templos mussulmanos e cristãos começa nos alto-falantes. Diversos líderes religiosos africanos se utilizam dos alto-falantes para incitar seus fiéis da comunidade contra a religião concorrente, para impedir que ganhe mais fiéis. Por esta razão, muitos têm sido os ataques a templos e mesquitas, efetuados por fiéis "inflamados" por seus líderes.

Artigo relacionado: Nigéria: Bomba mata pelo menos 25 mas pode ter chegado a 60 e dezenas de feridos

Nigéria: Bomba mata pelo menos 25 cristãos mas pode ter chegado a 60 pessoas e dezenas de feridos

Kano - Google Map
   Atentado terrorista pode ter matado 60 pessoas, mas não há confirmação do número exato ainda. Por certo há 25 vítimas fatais da explosão que atingiu um ônibus de luxo lotado quando os passageiros embarcaram.


Por Saulo Valley - O Observador do Mundo - Rio, 19 de Março de 2013 - 00:13 GMT-3


   Uma bomba explodiu há poucas horas num estacionamento no bairro Sabongari, na cidade de Kano localizado no Sul do estado de Kano, no Norte da Nigéria. A explosão aconteceu no momento em que um ônibus de luxo lotado iria se deslocar. Mídias locais afirmam que havia pelo menos 200 passageiros no interior do ônibus na hora da explosão, mas como o atentado acabou de acontecer, não há muita certeza sobre as informações e o número de mortos tem variado de 25 a 60, porque as vítimas foram levadas para vários hospitais diferentes.

   A situação é de caos absoluto e as imagens são terríveis. Muitas das vítimas foram queimadas em consequência do ônibus ter se incendiado com a explosão. Não há confirmação ainda se a bomba estava instalada no ônibus ou num carro estacionado no momento que a condução passou. Com a explosão, vários carros foram danificados, e 3 ônibus foram incendiados e a fumaça podia ser vista de outros quarteirões.

ônibus em chamas após a retirada das vítimas da explosão - Fonte: "Naij"
   Apesar do local ter sido isolado pela polícia, autoridades militares ainda não têm informações precisas da tragédia nem dos responsáveis pelo atentado. Até o momento nenhum grupo terrorista assumiu a responsabilidade pela explosão. A suspeita tem recaído sobre o grupo islâmico Boko Haram e segundo as mídias locais, a maioria dos passageiros eram cristãos, que já deveriam ter se mudado para o sul do país, onde é o reduto dos não-mussulmanos.

   O site "Vanguard" disse que esta foi parte de uma sequência de explosões deflagradas em diversas regiões do estado de Kano. disse ainda que após a explosão, algumas pessoas deixaram o ônibus com as roupas em chamas.

   De acordo com "Naiji", o Presidente Jonathan condenou o ataque que classificou como "um incidente bárbaro".

segunda-feira, março 18, 2013

Russia vai implantar 70 navios e submarinos no Mar Mediterrâneo até 2020

A Marinha russa está anunciando o envio e pelo menos 5 navios de guerra para serem implantados permanentemente no Mar Mediterrâneo, inclusive navio de abastecimentos garantirão que as embarcações não voltarão para o cais, assim espera o Ministro Victor Chirkov.


"Neustrashimy" fragata russa presente no Mar Negro (public domain).

Por Saulo Valley - O Observador do Mundo - Rio, 18 de Março de 2013 - 10:53 GMT-3

   A defesa russa anunciou o plano de disseminar navios e submarinos por todo o Mar Mediterrâneo, não omitindo a ideia ou possibilidade de se estender em missões pelo Pacífico ou Índico.   Fragatas e cruzadores já estão sendo preparados para zarpar em direção ao oceano e ocuparão a posição central do grupo de embarcações que ainda seguirão para o mesmo destino.   A Marinha russa disse que este novo posto avançado estará sujeito ao comando do posto avançado instalado no Mar Negro, e o discurso do Ministro Chikov foi citado pela mídia russa, como tendo sido pronunciado na TV russa nas últimas horas. Em entrevista para a TV, a autoridade militar não escondeu também a possibilidade de implantação de postos avançados permanentes nos oceanos Pacífico e Índico.

Foto: Saulo Valley
   "RT News" lembrou que entre 1967 e 1992 pelo menos 50 embarcações russas estiveram operando no Mediterrâneo com objetivo de interceptar a marinha americana. A fonte ainda lembrou que a Rússia já está enviando navios militares no Mar Báltico sob ordens de combater a pirataria na região. Segundo "RT" uma embarcação do tipo rebocador e um navio-tanque se juntarão ao destroyer "Neustrashimy" e estão se deslocando para o continente africano visando proteger as embarcações civis. O "Neustrashimy" é considerado a mais moderna fragata russa.

Dispara a estatística de mortos na Síria; Delegação russa na Síria.

   Militantes do Hezbollah estão sendo recebidos na Síria com ódio redobrado e o número de mortos em confronto com a oposição a Bashar Al-Assad cresce todo o tempo. Uma estatística do acampamento de refugiados palestino na Síria, também revela que 851 palestinos foram mortos nos últimos 2 anos em consequência da violenta crise na Síria.


Fusão das duas bandeiras como menção da atuação em conjunto do partido Ba'ath com o Hezbollah na Síria
Por Saulo Valley - O Observador do Mundo - Rio, 18 de Março de 2013 - 06:43 GMT-3

   As trágicas estatísticas da síria parecem estar enlouquecendo, mas estão cada vez mais reais, com a chegada de milícias estrangeiras, o número de mortos só cresce ao ser somado com o número de sírios afetados por este conflito armado.

  • 851 palestinos foram mortos desde o início da revolução, disse a coordenação do acampamento palestino Yarmouk (aquele que vive sendo bombardeado pelo regime sírio).
  • 38 corpos que cruzaram secretamente a fronteira para o lado do Líbano.Inteligência do FSA disse ter grampeado rádio do comando do Hezbollah que reclamou da perda de 1 militante por hora na Síria, no dia em que foi confirmado a morte de mais 40 membros do Hezbollah em tentativa de assumir o controle de Homs.
  • 876 pessoas morreram na Síria na última semana, disse LCC (Coordenação de Locais da Síria), no fim da noite deste Domingo.
Enterro silencioso no Líbano

   O site noticioso "naharnet" disse que o comando do Hezbollah tentou ocultar as 38 mortes, pagando pelo silêncio dos familiares das vítimas, cujos corpos estavam em condições que dificultava a identificação, porque estavam, desfigurados e alguns queimados (porque muitos militantes do FSA são civis que aprenderam a fabricar utilizar armas caseiras explosivas e incendiárias para driblar a falta de estrutura militar).

Palestinos mortos na Síria

Números documentados pela "Coordenação do campo de refugiados de Yarmouk" que revela dados sobre palestinos mortos na Síria até 2012/12/31 e a identificação das áreas onde se localizavam:

  • Damasco: 422 Damasco: 179
  • Aleppo: 37
  • Idlib: 19
  • Dara: 93
  • Homs: 31
  • Lattakia: 19
  • Hama: 16
  • Quneitra: 27
  • Outras províncias: 8
Delegação russa

   A Agência oficial de notícias do governo (SANA) disse que uma delegação russa chegou neste domingo na Síria para um "encontro informal de ministérios" que visa discutir a crise no país. De acordo com a agência, a delegação russa concluiu que:

"A melhor solução para a crise na Síria pode ser obtida através do movimento político construtivo que visa a renovação da Síria, com a participação de todos os partidos políticos que representam todos os espectros da sociedade síria."

   O discurso é bonito, mas a delegação russa não sabe que não existem PARTIDOS POLÍTICOS  no governo sírio, apenas o partido de Saddam Hussein, o partido terrorista-socialista Ba'ath, que migrou do Iraque para a Síria e está no poder desde 1952, sendo atualmente o partido único no governo.

Exército Sírio Digital no HRW

   A versão digital do exército sírio criada em 2011, continua espalhando terror e desta vez vitimou um peixe grande. O HRW reclamou que o "Syrian Electronic Army" invadiu o site e o perfil de twitter oficial da mais respeitada organização de defesa dos Diretos Humanos.

Invasores escreveram:"O Exército Eletrônico Sírio está aqui", além de ordenarem que a ONG pare de publicar "mentiras".

O ataque por "Defacement" visa na verdade, minar a credibilidade do conteúdo. Gerar dúvidas à partir da falha na segurança do portal, uma vez que torna-se difícil assegurar que o conteúdo publicado está livre de manipulação, e recentemente tanto o site da HRW quanto o da Casa Branca (White House) têm divulgado certas matérias que podem ser consideradas estranhas e opostas à rotina dos seus editoriais. O que faz o leitor suspeitar de cada nova publicação futura.

Artigo em Destaque

EDITORIAL - O Brasil é perfeito para quem não teme o trabalho honesto

Temos que combater os esforços da mídia paga, que visa fazer as pessoas amarem mais o mal que o bem. Se você concorda leia, comente e compa...

Leia também: