quarta-feira, junho 05, 2013

Turquia em guerra sangrenta contra a religião - Conspiração Secularista?

As ruas da Turquia agora são de cor púrpura. Revolta e assassinatos ensandecidos e aleatórios tem levado o país ao completo caos. Uma revolução diferente da Primavera Árabe. Uma revolta em que secularistas são jihadistas contra muçulmanos e decretos religiosos.

O uso exagerado de gás de pimenta e gás lacrimogêneo foi o primeiro passo da polícia turca, na fomentação da violência. Mas quem são este policiais: Muçulmanos ou secularistas? Foto cortesia #ocuppygezi
Por Saulo Valley - O Observador do Mundo - Rio, 05 de Junho de 2013 - 06:16 GMT-3

   A Turquia vive hoje um estágio de guerra civil declarada. Já é chamada de "revolução" a onda de protestos que completou a sua primeira semana. O saldo de mortos já chega à primeira dezena, mais de 2000 manifestantes já foram detidos e nem todos foram liberados ainda. O número de feridos também está na casa dos milhares.

Milhares manifestantes prontos para enfrentar a violência policial turca em Istambul
Foto cortesia #ocuppygezi
Leis Islâmicas num país democrático?

   Os turcos se levantaram contra o governo no dia 01 de Junho, sob a reclamação de que embora o país tivesse exigido um sistema de governo secular, as leis impostas são claramente islâmicas, como a proibição ao consumo e distribuição de bebidas alcoólicas, o beijo de namorados em locais públicos e até mesmo andar de mãos dadas. Até o momento estas e outras leis tornam a Turquia num país democraticamente e moderadamente islâmico.

   O problema é que apesar das demandas secularistas do povo turco, muitas autoridades no poder são alegadamente muçulmanas. Entre elas, o primeiro ministro Tayip Erdogan, acusam os manifestantes.    Eles se mostram enfurecidos com as proibições exageradas e os inúmeros impedimentos à liberdade de expressão e à boa prática dos Direitos Humanos Individuais previstos internacionalmente, embora comuns ao Islã. Entre as principais aspirações do secularismo destacam-se as liberdades sexuais e religiosas, inclusive homossexualismo e ateísmo.

Guerra entre Secularistas e Sharia

   A Sharia é a implantação do islamismo e seu modo de vida. Este padrão de vida é muito praticado na  Turquia e a população chega a se dividir entre os que são seculares e os que são muçulmanos. Neste momento de crise nacional, seguindo a mesma linha do Egito e de Israel, o povo turco quer banir todos os vestígios de islamismo de sua legislação. Nas ruas o derramamento de sangue tende a ser maior, porque cada pessoa, acaba agindo por impulso e opção própria. É esta a razão que levou policiais e civis a iniciarem uma verdadeira caçada a manifestantes nas principais cidades turcas. O país desgovernado, onde os secularistas e os muçulmanos estão literalmente misturados e lutam entre si. Não se pode acusar o governo de todo pelas mortes correntes no país na questão do ato em si, mas o governo certamente é responsável pela segurança dos manifestantes e os responsáveis deveriam ser punidos desde a primeira morte, que já informamos nos artigos anteriores.

Oportunidade

   Não se pode ignorar o "chamado do Jihad". ele realmente acontece e neste momento confuso o ambiente é bastante favorável para que jihadistas de todo o Oriente Médio corram para a Turquia erguendo a bandeira do Islã a fim de garantir que o país torne-se um verdadeiro Estado Islâmico. Pronto: A batalha está iniciada!

Manifestante persegue viatura polícial com escavadeira
Foto cortesia #ocuppygezi

Nas ruas turcas / Front

   A batalha entre secularistas, e islâmicos tem uma forte participação de ambos os lados inseridos no governo e nas ruas. Na maioria dos países do Oriente Médio e Europeus, os grandes líderes militares têm (se não total) uma parcial queda para o Islã. Então os que estão armados em sua maioria, são os jihadistas e os militares. Temos visto muitos sheiks incentivando a revolução turca objetivando a derrubada de Erdogan do poder. Mas com sua saída do governo o país seria mais secular ou mais muçulmano?

   Com dissemos nesta terça, o comércio tem apoiado os manifestantes doando comida, água mineral,  remédios, cobertores etc. Mas com a crescente violência nas ruas dos grandes centros urbanos, a crise tem levado clínicas médicas privadas, farmácias e residências a serem convertidas em hospitais de campanha. É aí que a polícia entra:

Video: Em Ankara a polícia já está invadindo as clínicas médicas atrás de manifestantes feridos:



Batalha cybernética e represão digital

   A Turquia não está nada de bem com as redes sociais. Em seu discurso pela TV, na segunda, o Primeiro Ministro Tayip Erdogan disse que "as redes socias são um problema". Não demorou muito para que além dos bloqueios temporários de internet e celulares acontecessem, mas também a perseguição aos internautas. Com o bloqueio de mídia vigente, os manifestantes trocaram a TV pelo Twitter. Até esta terça pelo menos 25 pessoas foram confirmadas como presas por suas declarações via twitter. A fonte "PressTV" da Síria, disse que as pessoas que foram detidas pelo suposto uso do Twitter por incitarem internautas a sair pelas ruas do país pedindo a renúncia de Erdogan.

Artigo em Destaque

EDITORIAL - O Brasil é perfeito para quem não teme o trabalho honesto

Temos que combater os esforços da mídia paga, que visa fazer as pessoas amarem mais o mal que o bem. Se você concorda leia, comente e compa...

Leia também: