Pular para o conteúdo principal

Translate this Page

Tempo de lamento sobre a Síria - Saulo Valley

Após 26 meses de violência, o povo sírio continua no mesmo impasse, nas mesmas incerteza, ainda submerso no mesmo mar de sangue. O que pode ser feito para mudar a situação do povo da Síria?


MANIFESTAÇÃO SILENCIOSA - Proibidos de se manifestar publicamente populares em desobediência ao regime saíam nas madrugadas para pedir o fim do genocídio ao qual estavam sendo submetidos diariamente. Uma dor jamais testemunhada pela humanidade globalizada. Infelizmente ninguém acreditava no grito silencioso deste povo.
 Por Saulo Valley - O Observador do Mundo - Rio, 16 de Maio de 2013 - 19:40 GMT-3

   Nós do Saulo Valley Notícias e nossos parceiros internacionais começamos a cobrir fielmente a crise síria em Abril de 2011. A revolução que havia iniciado oficialmente no dia 15 de Março, na verdade era reflexo de problemas aprofundados na vida dos sírios no decorrer das décadas anteriores. Um governo que regia seu povo com punho de ferro, lei de emergência nacional com 48 anos de idade, e muita, muita brutalidade. Um povo escravizado. Dominado para gerar receita para uns poucos membros do clã Assad, cujos plenos poderes estavam acima dos direitos de todo cidadão nascido dentro de suas fronteiras.

   De crianças detidas e torturadas pelo Serviço Secreto a jovens adolescentes estupradas diante de todos os familiares, que além de expectadores forçados, estavam na fila da humilhação, vergonha, tortura e mutilação nas mãos dos temidos monstros de nome "Shabihas".

Esta foto registrou a primeira vez que tropas rebeldes prenderam um grupamento de shabihas
   As primeiras manifestações silenciosas aconteceram no dia 15 de Março de 2011, quando um grupo de mães e ativistas políticos usaram seus cartazes para pedir (silenciosamente) a libertação das crianças e dos presos por consciência. Este gesto de amor levantou uma tão grande nuvem de ódio, que Bashar Al-Assad, enviou tropas armadas para castigar os humildes manifestantes com a força dos cassetetes. Arrastadas pelos cabelos ainda aos golpes dos coturnos, mulheres idôneas de todas as idades foram levadas à prisão, para testemunhar na própria pele, o que representavam aquelas manifestações aos olhos da ditadura.

   Eram cerca de 40 novos presos que acabaram atraindo mais 300 familiares e amigos para as praças, que em silêncio, apenas cantando louvores e orando, pediam a soltura de tantas pessoas inocentes, que com o passar de décadas, já chegavam à casa dos milhares. Milhares de presos políticos, oposicionistas, pensadores, escritores, jornalistas, advogados e pessoas leigas que ousaram reclamar algum prejuízo causado pela própria força dos abusos dos homens do governo sírio.

   Bashar Al-assad não era um homem comum. Sua fala mansa e seu semblante aparentemente tranquilo e ingênuo escondia as marca de uma formação rígida recebida de seu pai Hafez Assad. Apesar de ser o mais moço dos irmãos foi escolhido para ocupar o cargo que seu pai lhe deixara após sua morte em 2000. No primeiro momento a impressão que se tinha era que Assad não seria capaz de exercer um regime tão rígido quanto seu pai, que em 1982 ordenou o massacre de mais de 10.000 pessoas que foram consideradas rebeldes ao regime. Mas Assad não parecia ser tão malvado assim. Sua expressão pacata levou o mundo inteiro a endossar seus pronunciamentos amistosos.

Enquanto os cemitérios eram atacados por forças sírias, as praças se transformavam em cemitérios públicos. Para desmentir as denúncias, a agência de notícias do governo sírio criou esta matéria, alegando que "Os parques e Jardins de Damasco se converteram em lugares de reflexão e alegria..."
   Enquanto afirmava que a paz reinava no país, suas tropas e seus tanques invadiam as ruas de Daara e Homs com carta branca para exterminar os traidores do regime. Incluídas na lista da morte, os nomes de todas as pessoas ligadas direta ou indiretamente aos que pediam mais justiça, democracia e menos corrupção.

Tropas militares se multiplicavam nos bairros residenciais enquanto que o regime sírio
alegava que o exército estava nos quartéis.
   Assim, dias de busca por justiças e liberdades se converteram em dias de dor indescritível e permanente. Milhares de milhares esmagados dentro de suas casas demolidas por bombardeios, milhares de milhares carbonizados por armas incendiárias, milhares de milhares mutilados por facas e machetes, estuprados, metralhados, torturados, detidos indefinidamente, expulsos de suas casas, desempregados, famintos, isolados, caçados por ferozes assassinos mercenários.

Com a evolução da crise, os populares pediam a implantação de
uma "zona tampão" que nunca aconteceu.
   No lado político o país se viu numa ciranda, onde a mortandade se tornou uma moeda de troca. Injustiçados no terreno, a vista do satélite tornou o país num gigante tabuleiro de um jogo de estratégia em tempo real, com acirrada disputa entre Rússia e Estados Unidos. A quem será atribuída maior influência na região? ...E à quem será atribuída a responsabilidade pelas dezenas de milhares de mortes?
   Na prática, esta injustiça ainda promete se prolongar. À cada novo dia os problemas se aprofundam. As lideranças locais são tomadas de assalto por forças duvidosas e os interesses exploratórios da crise vão mudando, levando o povo a um futuro de dor ainda mais extrema e obscuras incertezas. Dúvidas sobre o fim da mortandade e da miséria imposta para pessoas comuns que um dia sonharam com uma Síria melhor, mais moderna e mais humana...

   Neste tempo de trevas obscuras, o fogo das armas parece querer provar o sentimento de solidariedade que moveu aqueles 300 manifestantes a pedir a libertação daquelas mães desesperados por seus filhos. O tempo de desobediência que expôs o regime mais fechado do mundo moderno, criando oportunidades para ferozes vizinhos que planejam colonizar suas terras. Colonialismo territorial ou cultural? Não mudará muito. O que mudou para sempre é que o povo sírio jamais será o mesmo e esta cicatriz ficará marcada em seus rostos para todo sempre; Porque sem liberdade, não há felicidade.

Atualizações - 21:23

   Informações enviadas pelo Observatório Sírio para os Direitos Humanos nesta sexta refletem esta realidade: 145 pessoas foram massacradas no Banias, num crime que descreveu como "Massacre Sectário". Ainda outras 30 pessoas foram mortas pelo regime sírio no bairro de Douma, na cidade de Damasco.

Postagens mais visitadas deste blog

A nova vida do Advogado Ércio Quaresma ex-defensor do Bruno Goleiro.

Ele subiu ao topo. Tornou-se um dos defensores mais admirados no cenário jurídico. Por um contrato milionário, foi defensor do Bruno, Goleiro do Flamengo, no caso do assassinato de sua namorada Elisa Samúdio, até que foi pego se drogando em uma cracolândia na região metropolitana de Belo Horizonte.


Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 25 de Novembro de 2011 - 07h26min.
O Dr. Ércio Quaresma foi professor de Direito na UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais). Durante mais de 20 anos de carreira, cometeu deslizes não muito comuns, em se tratando de pessoas do seu nível e de sua formação; Por outro lado foi realizou defesas espantosas, dignas de meste. Se especializou na defesa de acusados de crimes hediondos por assassinato em 1º Grau obtendo bons resultados quase sempre. Isto porque em alguns casos o criminoso era indefensável, digno de toda culpabilidade e nada mais lhe restaria a não ser a pena máxima.

Mesmo assim sua experiência na defesa de criminosos praticamente condenados foi ex…

Indonésia: Notícias de tremor de terra, inundações e deslizamentos leva mais temor a desabrigados - Alerta 3

Pelo menos 5 tremores com escala acima de 4.0 chegando a máxima de 6.1 na região de Kepulauan Barat Daya nas últimas horas. O tremores cujos epicentros estão no mar, notados a  318 Km  de distância da cidade de Dili, no Timor Leste. O último tremor foi de magnitude 6.1 registrado a 18,1 Km de profundidade na mesma região que também fica a 383 Km da cidade de Ambon na Indonésia. O alerta foi enviado pela agência americana de prevenção a desastres geológicos USGS na última meia-hora.

Por Saulo Valley - O Observador do Mundo - Rio de Janeiro, 03 de Fevereiro de 2014 - 23:04 GMT-3
Atualização: 04-02-2014 as 08:20

Atualização: 04-02-2014 as 08:20

O governo indonesiano anunciou a manutenção do estado de alerta no nível 3. Neste momento o Sinabung lança uma quantidade de fuligem em quantidade considerada "pequena" mas está caindo sobre diversas regiões ao redor. Numa tentativa de avaliar os estragos, equipes técnicas percorrem a zona proibida e relatam milhares de hectares de planta…

PERIGO: Chamadas com DDD 06565 continuam desde 2012 até hoje

CUIDADO: Estou recebendo chamadas desde ontem de dois números desconhecidos. Quando fui digitar no Google antes que eu terminasse apareceu a sugestão: "065 65 de onde é?", então segui o link e vi uma eternidade de usuários reclamando destas ligações:

Por Saulo Valley - O Observador do Mundo - 30 de Agosto de 2014 - 18:12 GMT-3



Link da pesquisa: https://www.google.com.br/webhp?sourceid=chrome-instant&ion=1&espv=2&es_th=1&ie=UTF-8#q=06565%20é%20de%20onde

Foi aí que me lembrei daquelas "promoções e sorteios de casas, carros etc... Este assunto em 2012 havia se tornado uma discussão nacional e as autoridades haviam prometido utilizar bloqueadores para impedir que as quadrilhas continuassem a aterrorizar usuários da telefonia móvel e fixa.  As chamadas costumam ser no meio da noite e alguns milhares de brasileiros afirmaram que as vezes ouve-se uma voz que é gravada e sugere um pacto satânico, além de pedir todos os dados pessoais da vítima. Vários rumores surgi…

Liga Árabe avisa a Assad que pare a "Máquina de Matar" e cumpra as reformas prometidas.

A Liga Árabe se reuniu nesta Terça no Cairo. O encontro contou com a presença do Primeiro-Ministro da Turquia Tayip Edorgan. A liga se mostrou espantada com a continuidade dos massacres mesmo após o encontro do Presidente Sírio Bashar Al-Assad com Nabil Arabi Secretário-geral da Liga Árabe no último Sábado dia 10-09-11.

Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 14 de Setembro de 2011 - 07h08min.
Atualização: 19h41min.
Cairo -  De acordo com o site de notícias da Turquia "haaretz.com" o Primeiro-ministro turco Tayyip Erdogan, em sua visita ao Cairo fez um pronunciamento quando buscava "definir a visão da Turquia sobre o atual Oriente Médio":
"Com o aumentar das mortes de civis na Síria, vemos que as reformas não se concretizaram e ele não fala honestamente. Não é possível acreditar nisso. E o povo sírio não acredita em Assad, eu também não acredito nele." Enquanto a Liga Árabe se esforça para chamar a atenção de Bashar Al-Assad para o fim da violência no país, ele i…

Nigéria: Menina de 13 anos escrava sexual de 550 homens.

Um alerta para os pais: A menina "A" tinha 13 anos quando sua tia pediu aos seus pais autorização para levá-la de Akuda, no estado de Akwa Ibom para outra cidade, sob a promessa de que receberia melhor tratamento e teria melhores condições de estudo..
Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 18 de Janeiro de 2012 - 10h17min.
Segundo a fonte nigeriana "PM News", a menina contou para a polícia que após seus pais terem autorizado a sua ida para o estado nigeriano de Lagos com sua tia, esta mesma a levou para um hotel. Lá  acriança contou que ganhou uma mini-saia, vestidos do tipo "tubo" e um quarto. De acordo com o testemunho da menina ainda, sua tia conhecida apenas como "vitória", teria ensinado como se comportar com os homens.
Até então a menina contou que não entendia o que estava acontecendo "até que começaram a chegar os homens". A fonte citando a menina disse que  ela percebeu que cada uma das outras meninas levavam seus "fregueses&qu…

Turquia: Angelina Jolie quer ver os refugiados da Síria.

O ministério de negócios estrangeiros da Turquia anunciou hoje ter recebido um pedido para que Angelina Jolie, na condição de embaixadora da boa vontade do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, tivesse acesso aos campos de refugiados sírios no país.

Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 15 de Junho de 2011 - 07h34min.
De acordo com o site ucraniano "independent", o pedido está sendo analisado. Até o momento pelo menos 8.500 sírios atravessaram a fronteira para a Turquia na tentativa de escapar ao embate entre as forças oficiais e as forças rebeldes do exército.
Desde a sexta-feira retrasada que uma rebelião entre os soldados foi criada para distrair as forças de segurança e permitir que a população de Vaga, nos arredores da Ponte Vaga pudessem cruzar a fronteira com a Turquia.
Em resposta, o governo da Síria intensificou os ataques nas proximidades das fronteiras do país com a Turquia e com o Iraque, na região de Deir Azour para onde enorme quantidade de reforç…