Pular para o conteúdo principal

Translate this Page

Religião: Você ainda acredita no inferno?

   A era da sociedade globalizada trouxe mudanças dramaticamente ruins ou mudanças importantemente favoráveis para todos. Algumas mudanças podem ser consideradas positivas enquanto outras tão negativas quanto o fim do mundo. A religião, a fé e a forma como as pessoas enxergam Deus, o Diabo, o Céu e o Inferno também mudou?


 Autor Anónimo_-_Inferno_(ca._1520) Domínio Público
 Por Saulo Valley - O Observador do Mundo - Rio, 11 de Abril de 2013 - 05:14 GMT-3

   Eu não sei qual a sua religião. Também não sei qual a sua crença no tocante à "vida após a vida". Mas a verdade é que para quase todos os nossos dedicados leitores queridos, as expectativas mudaram. O que causou esta mudança, já parou para pensar?

   A religião é mais antiga que as grandes sociedades. Ela nasceu junto com o homem. Mas o homem antigo não sabia absolutamente nada sobre Deus. Ele era tão inseguro que perguntava para tudo o que encontrava no caminho: "Você é Deus?"    Por esta razão o homem começou a adorar o "objeto" que mais parecia dar respostas. Se olhar para o alto e pedir um milagre lhe trazia resultados, então Deus estava no céu. Este o adorava nos céus. Se olhar para um broto de carvalho e fazer suas preces lhe trazia bons resultados, Deus seria chamado "Odin, o deus do Carvalho" e assim vai. Ignorante ou não a verdade é que cada um seguia individualmente com a sua fé. Os chefes de família ensinavam suas crenças para seus filhos, através de histórias que haviam experimentados em verdade.

   Mas nas grandes coletividades, em muitas aldeias, colônias e até mesmo cidades antigas, havia maiores destaques para a religião e homens eram escolhidos (por Deus ou pelos homens) para conduzir o povo para a felicidade espiritual. Mas não era só isto: Os líderes destes grupos precisavam da religião para manter a comunidade controlada. Muitas eram as necessidades de impor o respeito ou o medo para que as pessoas não saíssem enlouquecidas cometendo todo o tipo de loucura, e quebrassem todas as regras que por ventura fossem essenciais para a subsistência da coletividade.

   Então, tão importante quanto a religião em si, o "Inferno" ganhou destaque para afugentar os demônios da loucura, que assolam os seres humanos até o dia de hoje. Pela força do medo os povos foram conduzidos por milênios, para o caminho da educação, da justiça e do respeito mútuo. É claro que com isto muitos falsos profetas surgiram, porque descobriram que a manipulação do medo trazia poder e riquezas. Mas a verdade é que as sociedades antigas eram muito ignorantes até poucos 50 anos atrás.

   Nos últimos 50 anos os governos ligados à ONU ou influenciados por ela e ativistas, iniciaram um processo de distribuir educação científica, formação religiosa nas escolas, e intercâmbio de culturas internacionais. Estes passos aliados aos avanços tecnológicos e científicos em todo mundo trouxeram maior esclarecimento sobre a vida e a morte, mas não responderam a qualquer dúvida sobre a vida do outro lado.

   Com a virada do milênio as expectativas sobre o fim do mundo perderam grande massa de adeptos e trouxe o secularismo prático para a vida de grande parcela da população mundial. Desde a virada de 1999 é que gradativamente estas pessoas deixaram de  acreditar no fim do mundo, e esta libertação do medo da vida "pós morten", deverá ser a raiz de muitas crises insanas coletivas. Por que o ser humano não pode viver sem medo (pelo menos até agora está provado ser assim). É por isto que as cadeias estão cada vez mais lotadas: As pessoas que praticam crimes perderam o medo da vida atrás das grades. Até porque para se chegar lá, há muitos pontos frágeis de fuga, como a compra de policiais ou mesmo da  justiça. Mesmo condenado, o preso ainda hoje consegue comprar mordomias. Tem sido um negócio lucrativo para muitas autoridades que são mercadores prisionais.  Ah! e para muitos que lá vivem, o inferno é isto. A privação física de seus direitos sociais.

                                                               Gustave_Dore_Inferno32 - Domínio Público

   Já houve tempo que as pessoas temiam ir para a cadeia tanto quanto ir para o inferno. Mas... e o inferno, existe ou não? A maior pergunta no entanto deve ser: Você acredita no inferno ou não?

   É claro que para tudo que é bom, há algo oposto. Se há luz, há trevas... Se há céu, há inferno. Não há como acreditarmos no inferno sem acreditarmos no céu. Porque o que não é noite é dia, e o que não é inferno, é céu.
   Hoje em dia não há mais aquela coisa de medo e pressão religiosa. Até mesmo as religiões reduziram mais de 80% nas investidas neste tema. Muitos até se calaram, quando se fala em escatologia (estudo das profecias e do fim dos tempos).  Mas o interessante nesta conversa é que se o mundo não acabar, mesmo assim, as pessoas continuarão nascendo e morrendo. E após a vida, o que tem lá?
 
   Já imaginou como seria se todas as pessoas do mundo tivessem a certeza que depois da vida humana nada mais existiria? Já pensou que muitas pessoas se tornariam máquinas de destruição e descontrole?
Já pensou que nossas insanidades iriam ganhar um upgrade jamais alcançado e mataríamos uns aos outros, ou mesmo nos suicidaríamos à cada nova enfermidade crônica ou à cada perda da pessoa amada, perda de movimentos físicos, ou até mesmo com a chegada da velhice?
   Fatalmente as pessoas teriam infinitas dificuldades para viver em sociedade e qualquer que fossem as regras seriam desrespeitadas, já que sem esperança de uma vida melhor, cada um viveria por si e se arriscaria ao limite para fazer sua própria vontade sempre.

   Se você consegue visualizar uma sociedade inteira que não acredita na vida após a morte, entende que este seria um grande inferno. Porque os hospícios e os hospitais não caberiam mais tantas pessoas desesperadas...

   Então pela manutenção da vida e do planeta. Eu prefiro acreditar. Mesmo que é por vontade própria, e não por medo que eu não abro mão de crer em Deus.

Postagens mais visitadas deste blog

A nova vida do Advogado Ércio Quaresma ex-defensor do Bruno Goleiro.

Ele subiu ao topo. Tornou-se um dos defensores mais admirados no cenário jurídico. Por um contrato milionário, foi defensor do Bruno, Goleiro do Flamengo, no caso do assassinato de sua namorada Elisa Samúdio, até que foi pego se drogando em uma cracolândia na região metropolitana de Belo Horizonte.


Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 25 de Novembro de 2011 - 07h26min.
O Dr. Ércio Quaresma foi professor de Direito na UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais). Durante mais de 20 anos de carreira, cometeu deslizes não muito comuns, em se tratando de pessoas do seu nível e de sua formação; Por outro lado foi realizou defesas espantosas, dignas de meste. Se especializou na defesa de acusados de crimes hediondos por assassinato em 1º Grau obtendo bons resultados quase sempre. Isto porque em alguns casos o criminoso era indefensável, digno de toda culpabilidade e nada mais lhe restaria a não ser a pena máxima.

Mesmo assim sua experiência na defesa de criminosos praticamente condenados foi ex…

Aliaa Magda ElMahdy nua é desejada, perseguida, processada, linchada e morta. Um símbolo?

Ela nem se considerava bonita, muito menos sexy. Decidiu se expor como forma de denunciar de modo marcante, o abuso sexual que as mulheres egípcias sofrem, espancamentos e indiscriminação, mas no campo da religião, Aliaa Magda é tida como um monstro.


Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 03 de Dezembro de 2011 - 06h50min.
 De adolescente a mulher. De ativista a símbolo sexual. Sua decisão de mostrar sua foto numa numa página de blog chocou o Egito, a comunidade islâmica e o mundo árabe. Adquiriu admiração de muitas mulheres que nunca tiveram coragem para fazer o mesmo, embora tivessem desejo. Seu blog atualmente registra mais de 4.400.000 visitantes embora a impacto inicial tenha passado, sua nudez lhe rendeu muita popularidade e muitos problemas. Aliaa saiu do "Blogger" para as ruas:


Nas ruas foi odiada. Foi linchada, ficando bastante machucada. Mais tarde os linchadores descobriram que haviam espancado a moça errada. Não era Aliaa. O ódio da comunidade islâmica lhe rendeu ameaç…

Sahar Tabar jamais fez 50 cirurgias acabem com a Fake News - O Observador do Mundo

A jovem iraniana Sahar Tabar vem sendo ridicularizada por internautas do mundo inteiro desde que um site publicou que a "mulher iraniana teria feito 50 cirurgias pra se parecer com Angelina Jolie" mas seu rosto teria ficado deformado. Seria isto mesmo? Saiba a verdade a seguir:

Por Saulo Valley - O Observador do Mundo - 03 Dezembro de 2017

Sahar Tabar é uma jovem iraniana comum, que aos 19 anos vive numa ditadura islâmica radical, em que as mulheres são vistas pela maioria dos homens como apenas objeto sexual, maldição, lixo ou objeto de muitas punições e castigos em todas as áreas. Mulheres jovens bonitas nestes lugares não são apenas assediadas ou violentadas, são escravizadas e forçadas a ficar em silêncio já que não há lei que permita que ousem abrir suas bocas diante das autoridades. Muitas destas jovens são abusadas sexualmente pelos pais, pelos irmãos, vizinhos, colegas de escola, professores, colegas de trabalho e patrões, policiais e políticos. São vítimas de um siste…

A implantação e queda do comunismo socialista e o "Decálogo de Lenin"

O "Decálogo de Lenin" é um resumo do pensamento da implantação do comunismo de modo mais "social". Escrito por um brasileiro de Sorocaba, a obra, por incrível que pareça descreve exatamente a tragédia que o Brasil vive hoje sob a luz do Partido dos Trabalhadores - CONTINUE LENDO:

A "Revolução Bolivariana" era ainda um sonho de Chávez de unificar toda a América Latina sob seu comando. Ele pretendia instalar um regime comunista duro, com maior apelo social mas que culminava no empobrecimento de todas as camadas abaixo dele, e o enriquecimento exclusivo do Estado militarizado e de seus líderes.   Para isto Chávez contava com militantes de esquerda em todo o território latino, e depois do fracasso dos anos 60, finalmente nas últimas duas décadas, conseguiu colocar seus "agentes laranja" no poder em diversos países, entre eles Brasil e Argentina.

Quando o Brasil aderiu ao "Comunismo Socialista", por meio da comemorada ascensão de Luis Ináci…

Rodoviária Novo Rio - Assaltos, insegurança, medo, abandono e caos nas vias de acesso

   A Rodoviária Novo Rio, na cidade do Rio de Janeiro é muito bem policiada, graças a Deus. Mas as vias que levam até ela sofreram mudanças radicais com as últimas obras na região. Um completo abandono absurdo fora do prédio. Veja os pontos mais perigosos:


Atualização: 14/05/2015 - 19:30 GMT-3
   Pra começar a segurança é zero, fora do âmbito da Rodoviária e quem vai viajar de ônibus precisa assumir os riscos. Assaltantes emboscados esperam 24 horas por suas presas que passam com suas bolsas e malas e são abordadas sucessivamente sem que sejam incomodados. A engenharia de trânsito é péssima e a maioria dos pontos de ônibus foram colocados a quase 1 quilômetro de distância da rodoviária e quem depende destas conduções para retornar pra casa, é obrigado a percorrer esta distância arrastando malas, caixas e bolsas, enquanto que os ladrões vão correndo atrás de suas vítimas como leões atacando uma manada de zebras.

   A alternativa forçada pela situação só privilegia os taxistas que fazem …

Tecnologia: Conheça "Psiphon" cryptograma que fura bloqueios de acessos à internet contra ditaduras.

O Psiphon é o programa de código aberto desenvolvido para ser distribuído livremente para permitir que países, cujos governos censuram o uso da internet e monitoram ligações feitas com o Skype não consigam detectar a conexão.


Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 23 de Novembro de 2011 - 07h54min.

Tudo começou quando o Jornalista Ivan Watson da CNN recebeu uma ligação de um jovem ativista sírio de pseudo Musaab al Hussaini via Skype. Além de denunciar a situação no seu país em tempo real, ele descreveu o grau de libertação que o anti-tracker Psiphon lhe proporcionou:



A empresa
A Psiphon Inc. é uma empresa de software que decidiu investir num sistema que pudesse ser adaptado a diferentes situações no mundo. Ele pode ser adaptado de acordo com cada tecnologia de bloqueio e de vigilância utilizado pelos governos, regimes, ditaduras e reinos  no mundo, bastando que desenvolvedores estejam inclinados a utilizar seu código fonte como base da programação.
"Nós da Psiphon acreditamos que a Inter…