domingo, março 10, 2013

Azerbaijão: Exército deixa 100 recrutas mortos em treinamentos - Atualização

De acordo com estatísticas fornecidas por líderes das manifestações do dia 12 de Janeiro e 10 de Março, pelo menos 100 recrutas morrem anualmente nos quartéis do país, longe de qualquer atividade de combate real. Longe de saber as razões das mortes de seus filhos, pais e mães vão unidos às autoridades em busca de respostas e...


Baku protests 10 Mar - Photo by Mehman Huseynov
Por Saulo Valley - O Observador do Mundo - Rio de Janeiro, 10 de Março de 2013 - 22:03 GMT-3

   De acordo com o site "rferl" 3 recrutas morreram no decorrer de duas semanas, citando entre eles o recruta Elman Aliyev que morreu no dia 06 de Março numa manobra que era realizada na região montanhosa à Noroeste do país. A fonte disse ainda, que antes do jovem Elman falecer, um outro recruta teria se suicidado, enquanto o primeiro das três vítimas teria morrido ao pisar numa mina terrestre. Apesar dos protestos, o silêncio das autoridades competentes, tem sido a causa de tão grande revolta popular, e o fato de o governo apenas responder com o envio de forças de repressão à manifestações pacíficas.

Uma outra vítima foi ainda citada: O recruta Ceyhun Qubadov teria morrido e as autoridades militares alegaram "ataque cardíaco", mas ao ter acesso ao corpo do soldado, seus familiares fotografaram e confirmaram as marcas de maus tratos estampadas em seu jovem corpo físico. Vários ativistas que tiveram acesso aos documentos e provas do abuso de autoridade e do desprezo do comando militar para com os familiares das vítimas, iniciaram uma campanha para alertar ao mundo sobre a matança irresponsável de soldados recrutas nas fileiras do exército azerbaijão. Para silenciar a mídia, o Exército instaurou a abertura de um inquérito militar para apurar as causas da mortandade dos novatos.

   Foi então que no dia 12 de Janeiro, uma grande manifestação foi organizada, uma multidão sem precedentes, mas durou pouco. Logo as forças de segurança isolaram os manifestantes centrais da população transeunte e iniciou a campanha de detenções, especialmente dos líderes, ativistas e pais exaltados dos jovens mortos. 29 manifestantes foram multados por "perturbar a ordem pública" No dia 7 de Março, policiais e serviços de inteligência iniciaram uma campanha de prisões preventivas de 3 jovens: Shahin Novruzlu, Bakhtiyar Guliyev e Mammed Azizov, logo após ter sido anunciado a morte do terceiro recruta da semana. No dia 09 outros 5 jovens militantes receberam mandados de prisão preventiva: Ebulfez Gurbanli, Nihad Huseyn, Jamil Hajiyev, Samir Asadli e Punhan Imamli.

Clique na imagem para ampliar.
   Neste domingo dia 10 de Março, mais uma frustração. O ativista político e um dos líderes do movimento Mehman Zamaddinov foi preso.  Na tentativa de sufocar rapidamente a manifestação, as prisões se deram logo no início, quando os jovens começaram os primeiros brados na  capital Baku. Policiais à paisana misturados na multidão estudavam o comportamento dos manifestantes para detectar os mais agitados. Os líderes do movimento. "Erkin Gadirli, um dos líderes políticos do Movimento Democrático Unido foi preso hoje" disse um ativista pelo twitter, por volta das 10:00 da manhã. O Jornalista e fotógrafo da BBC, Onnik Krikorian disse que pelo menos 60 ativistas haviam sido presos nesta manhã de domingo, mas no decorrer da agitação foram contados mais de 250, segundo testemunhas oculares.

   O site "azerbaijantldr" revelou que 37 ativistas foram presos e da lista que forneceu, 13 foram libertados (released) neste domingo mesmo. Seus nomes estão na imagem ao lado.

   De acordo com a fonte, Ainda 2 ativistas estão desaparecidos: Ilkin Rustemzade e Azad Gənclik. Outros 3 estão feridos: TBD, Khadija Ismayilova e Nijat Masimov.

   Durante a repressão
   As balas de borracha cortaram os jatos de água dos carros-pipa e empurravam os manifestantes para uma área mais afastada dos pedestres. Usando uma grande estratégia, as forças de segurança conseguiram separar a multidão de curiosos da multidão de manifestantes, e logo depois, foram retirando os ativistas e os líderes e conduzindo para dentro do ônibus oficial. Pais exaltados que portavam retratos de seus filhos mortos nas mãos do exército, foram arrastados, presos e policiais ainda tomaram os retratos de suas mãos.



Referêcia: 

rferl.org - http://www.rferl.org/content/azerbaijan-army-death/24920878.html

Artigo em Destaque

EDITORIAL - O Brasil é perfeito para quem não teme o trabalho honesto

Temos que combater os esforços da mídia paga, que visa fazer as pessoas amarem mais o mal que o bem. Se você concorda leia, comente e compa...

Leia também: