Pular para o conteúdo principal

Translate this Page

A luta dos governos para silenciar as minorias e os Direitos Humanos

Na última década, os governos (incentivados pelo Direitos Humanos da ONU) criaram inúmeros meios para que as populações pobres tivessem poder de compra, além de acesso à tecnologia, internet e à informação. Mas esta realidade parece estar em pleno processo de reversão.


Direitos Humanos - Imagem de Domínio Público
Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 04 de Fevereiro de 2013 - 19:08 GMT-3
08 de Fevereiro de 2013 - 09:08

Na última década o "Google Search" e o "Wikipédia" foram responsáveis por tornar toda e qualquer informação acessível a bilhões de pessoas em todo o planeta. Esta facilidade de adquirir conhecimento foi tão bem vista pela ONU que decidiu criar incentivos para que os estados-membros investissem em acesso à internet e à informação como um todo.

O "Facebook"  surgiu no cenário como uma poderosas ferramenta social, que veio pra unir pessoas fisicamente distanciadas, mas conectadas por seus históricos de relacionamentos escolares e profissionais. Este recurso aproximou pessoas de todo o mundo e as interligou de modo diário e relativamente intermitente.

Daí o Twitter, se destacou como o meio mais veloz de se publicar uma notícia, uma informação em tempo real. Dados sobre acidentes com vítimas fatais, partes de discursos feito por autoridades e celebridades, quase que em tempo real... Tudo chega num piscar de olhos.

Mas foi através destas ferramentas que as minorias encontraram a oportunidade para expor o que realmente estava engasgado, ou atravessado em suas gargantas. A "Liberdade" passou a ser a palavra mais utilizada nestas ferramentas virtuais e a luta pelo fim da corrupção política começou. Isto incluía a retirada do poder, pessoas que se antes haviam se esforçado para conceder o "poder da informação e da comunicação" ao povo.

Logo estas autoridades se viram ameaçadas e a comprovação desta realidade se viu na explosão da "Primavera Árabe" e a tentativa da "Jasmine Chinesa". Povos sufocados pela ganância política e pelo abuso ou uso excessivo de poderio militar para reprimi-los. Usando as armas da informação, o povo partiu para a busca pela liberdade...

Enquanto a ONU se esforçava para dar mais "acesso" ao povo, ele mesmo se esforçava para ter de volta o seu direito de governar. Mas a revolta popular da Síria trouxe um novo rumo para o futuro da democratização da informação e da comunicação.  As tecnologias continuam sendo liberadas gradativamente, mas no tocante à comunicação, não há nada mais que não esteja novamente controlado.

Quando os governos (as ditaduras em especial) perceberam que enfrentavam a mais poderosa ameaça que já haviam visto, encomendaram a seus serviços de inteligência estudos que viessem a produzir meios de fechar os portais da libertação popular. O primeiro passo foi a ocupação dos cargos de liderança dos Direitos Humanos da ONU. Outro passo se deu no isolamento político da revolta síria. O terceiro passo se deu na volta da vigilância dos meios de comunicações telefônicas e internet. Para isto, recursos novos e poderosos precisaram ser criados. Softwares e máquinas de vigilância, bloqueio e filtragem de toda forma de fala e escrita online. De tudo o que se compartilha, quer seja textos, imagens, vídeos e áudio é retirado amostras que ajudam ao sistema a interpretar o conteúdo das mensagens.

O quarto passo foi forçar as empresas globais de internet a ceder dados sigilosos de seus usuários/clientes em troca do direito de operar fora de seus domicílios. No fim, não sobrou mais nada que não pudesse mais ser controlado.

Mensagens publicadas por Twitter, quando consideradas ameaçadoras para o sistema podem ser bloqueadas entes do usuário publicá-las, por meio de desculpas do tipo: "Você já disse isto antes" ou "O sistema está ocupado. Tente mais tarde".. Publicações em Blog podem ser bloqueadas e "camufladas" da audiência, ligações telefônicas e mensagens por SMS gravadas em servidores das polícias federais e até as pesquisas do Google Search são gravadas no histórico de cada usuário.

Uma das coisas mais bárbaras que pudemos assistir foi a criminalização do envio de ajuda humanitária para países que enfrentam guerras civis, revoltas populares e conflitos armados, cujas populações são diariamente massacradas inocentemente. Ajuda esta que a inteligência russa classificou como "Uma das mais arrasadoras armas da guerra moderna".

Voltamos à estaca zero. Da inclusão à exclusão. Voltamos aos velhos currais. É verdade que os pastos estão agora mais amplos, mas na prática, a realidade é a mesma de 20 anos atrás. A diferença é que por experimentar uma vez a liberdade, por menor que tenha sido a oportunidade, já tem muita gente vivendo como se estivesse sendo livre. Ignorando as cercas e os sentinelas ao seu redor.

O mundo é assim. Se adapta a qualquer realidade.

Postagens mais visitadas deste blog

A nova vida do Advogado Ércio Quaresma ex-defensor do Bruno Goleiro.

Ele subiu ao topo. Tornou-se um dos defensores mais admirados no cenário jurídico. Por um contrato milionário, foi defensor do Bruno, Goleiro do Flamengo, no caso do assassinato de sua namorada Elisa Samúdio, até que foi pego se drogando em uma cracolândia na região metropolitana de Belo Horizonte.


Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 25 de Novembro de 2011 - 07h26min.
O Dr. Ércio Quaresma foi professor de Direito na UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais). Durante mais de 20 anos de carreira, cometeu deslizes não muito comuns, em se tratando de pessoas do seu nível e de sua formação; Por outro lado foi realizou defesas espantosas, dignas de meste. Se especializou na defesa de acusados de crimes hediondos por assassinato em 1º Grau obtendo bons resultados quase sempre. Isto porque em alguns casos o criminoso era indefensável, digno de toda culpabilidade e nada mais lhe restaria a não ser a pena máxima.

Mesmo assim sua experiência na defesa de criminosos praticamente condenados foi ex…

Tecnologia: Conheça "Psiphon" cryptograma que fura bloqueios de acessos à internet contra ditaduras.

O Psiphon é o programa de código aberto desenvolvido para ser distribuído livremente para permitir que países, cujos governos censuram o uso da internet e monitoram ligações feitas com o Skype não consigam detectar a conexão.


Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 23 de Novembro de 2011 - 07h54min.

Tudo começou quando o Jornalista Ivan Watson da CNN recebeu uma ligação de um jovem ativista sírio de pseudo Musaab al Hussaini via Skype. Além de denunciar a situação no seu país em tempo real, ele descreveu o grau de libertação que o anti-tracker Psiphon lhe proporcionou:



A empresa
A Psiphon Inc. é uma empresa de software que decidiu investir num sistema que pudesse ser adaptado a diferentes situações no mundo. Ele pode ser adaptado de acordo com cada tecnologia de bloqueio e de vigilância utilizado pelos governos, regimes, ditaduras e reinos  no mundo, bastando que desenvolvedores estejam inclinados a utilizar seu código fonte como base da programação.
"Nós da Psiphon acreditamos que a Inter…

Nigéria: Menina de 13 anos escrava sexual de 550 homens.

Um alerta para os pais: A menina "A" tinha 13 anos quando sua tia pediu aos seus pais autorização para levá-la de Akuda, no estado de Akwa Ibom para outra cidade, sob a promessa de que receberia melhor tratamento e teria melhores condições de estudo..
Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 18 de Janeiro de 2012 - 10h17min.
Segundo a fonte nigeriana "PM News", a menina contou para a polícia que após seus pais terem autorizado a sua ida para o estado nigeriano de Lagos com sua tia, esta mesma a levou para um hotel. Lá  acriança contou que ganhou uma mini-saia, vestidos do tipo "tubo" e um quarto. De acordo com o testemunho da menina ainda, sua tia conhecida apenas como "vitória", teria ensinado como se comportar com os homens.
Até então a menina contou que não entendia o que estava acontecendo "até que começaram a chegar os homens". A fonte citando a menina disse que  ela percebeu que cada uma das outras meninas levavam seus "fregueses&qu…

Aliaa Magda ElMahdy nua é desejada, perseguida, processada, linchada e morta. Um símbolo?

Ela nem se considerava bonita, muito menos sexy. Decidiu se expor como forma de denunciar de modo marcante, o abuso sexual que as mulheres egípcias sofrem, espancamentos e indiscriminação, mas no campo da religião, Aliaa Magda é tida como um monstro.


Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 03 de Dezembro de 2011 - 06h50min.
 De adolescente a mulher. De ativista a símbolo sexual. Sua decisão de mostrar sua foto numa numa página de blog chocou o Egito, a comunidade islâmica e o mundo árabe. Adquiriu admiração de muitas mulheres que nunca tiveram coragem para fazer o mesmo, embora tivessem desejo. Seu blog atualmente registra mais de 4.400.000 visitantes embora a impacto inicial tenha passado, sua nudez lhe rendeu muita popularidade e muitos problemas. Aliaa saiu do "Blogger" para as ruas:


Nas ruas foi odiada. Foi linchada, ficando bastante machucada. Mais tarde os linchadores descobriram que haviam espancado a moça errada. Não era Aliaa. O ódio da comunidade islâmica lhe rendeu ameaç…

Brasil: país estarrecido com corrupção presidencial faz silêncio doloroso

Nos últimos 15 anos o povo brasileiro já viu de tudo que não queria ou não esperava ver acontecendo na administração pública. Hoje um silêncio profundo e ensurdecedor ecoa pelos ares, acompanhado de lágrimas secas desesperadas, engolidas pelo choque dos graves acontecimentos da crise moral-política que a nação vive hoje - Continue Lendo e compartilhe


Por Saulo Valley - O Observador do Mundo - Rio de Janeiro,  de Agosto de 2017

O barulho é ensurdecedor. As TVs ligadas em volumes mais elevados que o normal. Todos sintonizam seus aparelhos nos mesmos conteúdos. A reportagem vai derramando, como numa avalanche uma aterrorizante sequência de ondas de notícias trágicas e desesperadoras.

Os debates nas ruas terminaram. As opiniões já não importa. Antigos partidaristas agora não sabem mais o que defender, se direita ou esquerda. Todos estavam errados.. Dolorosa realidade vai formando uma nova onda de reações silenciosas e quase imperceptíveis. São pequenos espasmos pós-trauma. O país virou a…

Blue Whale 1 - O game da morte em nome da Baleia Azul

Blue Whale: O jogo da morte induz adolescentes ao suicídio via Redes Sociais e Skype já fez mais de 130 mortes entre Rússia e Europa, mas já tem adeptos no Brasil - Continue Lendo:


Por Saulo Valley - O Observador do Mundo - Rio de Janeiro, 09/04/2017

Poderia ser uma lenda urbana.. Mas o game "Blue Whale" (Baleia Azul) se tornou viral na Europa e na Rússia (desde 2014) deixando pais e as autoridades locais em completo alerta. O game que usa basicamente as redes sociais também promove encontros e eventos fora da web, reunindo suicidas depressivos adolescentes em espantosa e crescente comunidade.

Nos últimos 3 dias as agências internacionais começaram a alertar ao mundo sobre este jogo de auto-flagelação que culmina no suicídio. Os administradores do grupo exercem grandes pressões para garantir que o grupo seja unido, confiável e fiel aos propósitos malignos a que se propõe sem questionamentos.

Uma adolescente disse ao Saulo Valley Notícias que tem a informação de que quando o …