sexta-feira, janeiro 18, 2013

Síria: Atiradores pró-assad matam jornalista da Aljazeera - 18-01-2013

Em uma missão jornalística à serviço da Aljazeera, o Repórter Mohamed Massalmet "Al-Horani" de 33 anos foi alvejado atravessando uma rua em Daara. O segundo profissional morto na Síria em 24 horas.

O Repórter sírio Mohamed Al-Horani de 33 anos havia sido ativista
antes de ingressar na Aljazeera.
Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 18 de Janeiro de 2013 - 19:06 GMT-3
Atualização - 20 de Janeiro às 06:54

O fato aconteceu nesta Sexta na cidade de Al-Busra Harir, na provícia de Daara - Esta é uma prática comum na Síria. Este blog já publicou vídeos de pessoas que acabaram tornando isso um "jogo perigoso"; a travessia das ruas controladas por franco-atiradores. O objetivo é cruzar a rua sem ser alvejado pelo sniper. Quando os jovens e até adolescentes chegam do outro lado, eles voltam para desafiar o atirador novamente.

Com uma pontaria cada vez mais aguçada, não há com desafiar um sniper sem ter o mínimo de experiência e força muscular para a arrancada. Mas no caso da morte do jornalista, não se tratava de um jogo. Eles estavam se dirigindo para um determinado local, onde estariam realizando a reportagem, mas precisariam passar por áreas controladas por tropas do regime sírio.


Para continuar a matéria, o jornalista free-lancer Mohamed Al-Horani de 33 anos, precisaria cruzar a rua a partir de uma esquina. Ele estava acompanhado de militantes rebeldes, que entrevistava durante a caminhada. O primeiro da fila se prepara e corre. Atravessa a rua com sucesso e aguarda pelo jornalista.


Mas sua passagem desperta os atiradores que se movem e se posicionam na expectativa de alcançar o rebelde que acabara de cruzar a rua, e possivelmente aguardar a passagem de mais algum que estivesse com ele. Ao cruzar a rua, Al-Horani acaba ficando inseguro e o vídeo mostra que ele perde impulso no meio do caminho. Apenas dois passos depois da imagem acima.


E infelizmente ao alcançar o outro lado, o atirador já estava posicionado e conseguiu alcançá-lo assim que reduziu a velocidade, por considerar ter concluído o objetivo. Foi neste momento que recebeu uma saraivada de tiros por uma AK47 facilmente identificável pelo som. E após ter caído, o atirador continuou a disparar.


Um rebelde do lado de cá da rua atirou na direção do sniper e este se protegeu. Com isso o rebelde que já havia cruzado a rua antes dele, foi ao seu socorro. Ele estava ferido com 3 tiros. O vídeo foi considerado ofensivo pela comunidade do Google. Por esta razão se faz desnecessário exibi-lo.

No chão, perto de sua cabeça ainda pode se ver o microfone que portava. Sua única arma. Infelizmente, o jornalista vestia um tom de roupa muito próximo dos uniformes usados pelos rebeldes.
Uma fatalidade. A Aljazeera publicou uma pequena nota, mantendo sua postura com relação a revolta contra o regime sírio:

"A perseguição de seus jornalistas colaboradores e equipes não vai mudar o método editorial e diretrizes adotadas pela rede, desde que foi lançado há 16 anos por publicar a verdade" - Disse um porta-voz da Al Jazeera Media Network.

Em suas lembranças, a ativista e fotógrafa @EmaSuleiman comentou:

"Muhamad Massalmet me contou a história do mártir "Ali Massalmet" e ele o segue hoje para o céu!

Após tentar socorrer o Jornalista Muhammad, o lutador rebelde
 Muhammad foi morto em combate também no dia seguinte.
 

"História dos mártires da liberdade começou com a história do mártir Ali Massalmet, e é um dos primeiros a lançar os gritos de liberdade em Daraa - "قصة من قصص شهداء الحرية ابتدأ بقصة الشهيد علي مسالمه، و هو من أول من اطلق صرخات الحرية في درعا في " 

Artigo em Destaque

EDITORIAL - O Brasil é perfeito para quem não teme o trabalho honesto

Temos que combater os esforços da mídia paga, que visa fazer as pessoas amarem mais o mal que o bem. Se você concorda leia, comente e compa...

Leia também: