sexta-feira, janeiro 04, 2013

Líderes do Sudão do Norte e Sudão do Sul se encontram nesta sexta na Etiópia em busca da paz comum.

Depois de seis anos de violentos combates pela independência da região Sul do Sudão, os dois lados foram conduzidos a um tratado de paz, mas muitas questões sensíveis ainda precisam ser tratadas, entre elas a demarcação e pacificação definitiva de sua fronteira comum.

photo by Albert Gonzalez Farran on Flickr (Fotopédia - Creative Commons)
Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 04 de Janeiro de 2013 - 06:16 GMT-3

O encontro entre o presidente Omar Al-Bashir do Sudão do Norte e o presidente Salva Kiir do Sudão do Sul se dará  nesta sexta, na Etiópia. Neste ato, estarão buscando redimir as diferenças sensíveis restantes que ainda estão pendentes, desde a secessão oficial em 09 de Julho de 2011.

Organizado pela organização africana AUHIP (Painel de Implementação de Alto Nível da União Africana) cujo presidente é o líder etíope Hailemariam Desalegn, que será o anfitrião do celebrado encontro.

A separação dos dos lados do Sudão foi bastante dramática e sanguinária. O conflito foi regado de desacordo religioso e com a secessão, muçulmanos de etnia árabe ficaram restritos ao lado Norte do Sudão e os cristãos de etnia africana para a parte Sul do Sudão.

Em 27 de Setembro de 2012 um novo acordo assinado pelas partes opositoras, foi mediado pela AUHIP e assistido pela ONU. Este novo tratado definia as demarcações de fronteira e a definição final de toda a extensão do "Estatuto de Abyei". Acordos ligados a cooperação fundamental, segurança fronteiriça e relações econômicas foram importantes para pacificar a violenta divisão. Mesmo assim resquícios de revolução ainda trouxeram confrontos ao longo da fronteira entre os dois lados do Sudão no último ano, o que tem tornado ainda mais necessário e urgente este encontro programado para esta sexta.

Ban Ki-moon

O Secretário Geral das Nações Unidas, Ban Ki-Moon celebrou nesta quinta-feira, por meio de um comunicado, o encontro que levará cada vez mais a paz para a tão sofrida região. Este evento é a continuidade de um processo que devolverá a vida a seus habitantes, depois de longos anos de mortandade e miséria, enquanto seus líderes disputavam a separação política e religiosa. Ban incentivou aos líderes a buscar a paz no Sudão e uma relação amistosa entre os dois governos e salientou que:

"A ONU está pronta para apoiar as partes na implementação de seus acordos e para ajudar na resolução de todas as disputas restantes".

Artigo em Destaque

EDITORIAL - O Brasil é perfeito para quem não teme o trabalho honesto

Temos que combater os esforços da mídia paga, que visa fazer as pessoas amarem mais o mal que o bem. Se você concorda leia, comente e compa...

Leia também: