quinta-feira, janeiro 24, 2013

Crise: 100 russos deixam a Síria mas ainda restam 25 Mil

Uma agência de notícias revelou que pelo menos 80 russos cruzaram a fronteira da Síria com o Líbano, para embarcar em 2 aviões militares russos, que deverão retirar pelo menos 150 pessoas do coração da crise.


Cidade de Aleppo destruída pelo conflito - (The city of Aleppo has been ruined by the civil war.) Foto:  FreedomHouse (creative Commons)

Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 24 de Janeiro de 2013 - 05:34 GMT-3

A crise síria tem feito muitas vítimas e tem deixado muitos milhares de desabrigados. Nem mesmo as famílias russas escapam aos efeitos arrasadores do conflito. Com a batalha pela retirada de Bashar Al-Assad e o Partido Ba'ath do poder, toda e qualquer comunidade tem sofrido na pele o preço de viver dentro de um país dominado pelo ódio e pelo caos.

Libaneses, curdos, iraquianos, líbios, russos, turcos, judeus, europeus, palestinos... sem falar nos profissionais de mídia que parte de todo o mundo em busca de um furo de notícia e encontram a morte nas ruas sírias, transformadas em praças de guerra.

De acordo com o "Guardian", o ministério das relações exteriores da Rússia teria justificado que estas famílias que estão retornando para casa, são as que estão em grande parte, "desabrigadas". A fonte citou a agência russa "Interfax" que publicou uma citação ao ministro russo das Relações Exteriores como dizendo que "Não há meios de uma evacuação russa". Por outro lado a Agência russa "Interfax" publicou um vídeo intitulado: "Os Russos Estão Deixando a Síria". A reportagem diz que:

"O primeiro avião EMERCOM com  russos exportados da Síria através do Líbano, chegou de Beirute para Moscou. O "Yak-42" pousou em "Domodedovo" as 05:07, horário de Moscou. No aeroporto foram colocadas equipes de ajuda psicológica."


Смотрите оригинал материала наhttp://www.interfax.ru/video.asp?id=683



Há muitos oposicionistas de assad comemorando este momento, que dá a uma sugestão de que a Rússia estaria retirando seu apoio ao regime sírio, depois de perder as esperanças de pacificar o conflito; mas por outro lado, enquanto um pequeno grupo de famílias russas deixa o país, poderosos navios de guerra russo aproximam-se cada vez mais da costa síria. Sem contar os gigantescos exercícios marítimos que a Rússia vem realizando desde Dezembro de 2012.

Hospital Dar Al-Shifa (parcialmente destruido foi bombardeado por um avião sírio).
Foto FreedomHouse (creative Commons)
A mesma fonte noticiosa russa publicou ainda outra matéria intitulada: "Navios de Guerra Russos se Deslocam Para a Costa Síria". Também de acordo com o "Guardian", a maioria das famílias russas na síria são formadas por russos (as) casados com sírios(as) e naturalizados(as). Lembrando que desde os 3 primeiros meses da Revolução Síria, tem sido denunciado pelos rebeldes a presença de agentes da Guarda Revolucionária Russa integrando o serviço de inteligência do regime, no propósito de aniquilar a oposição a Assad.

Em declaração à mídia na última terça-feira, Mikhail Bogdanov vice-ministro russo das relações estrangeiras teria concluído que:

"No início, o prognóstico era de dois a três meses, e agora que já se passaram dois anos. A situação pode se desenvolver de diversas maneiras. Acho que pode ter um caráter prolongado", disse ele ao Guardian.

O plano de fazer os russos cruzarem primeiro a fronteira síria para embarcar em aviões russos, veio em consequência dos últimos avisos do grupo rebelde para-militar "Al-nusra" que ameaçou derrubar qualquer aeronave militar ou civil que sobrevoar a região do Aeroporto Internacional de Aleppo. Para evitar a fuga da cúpula do regime, os aeroportos foram inseridos no conflito armado, por prevenção.

Artigo em Destaque

EDITORIAL - O Brasil é perfeito para quem não teme o trabalho honesto

Temos que combater os esforços da mídia paga, que visa fazer as pessoas amarem mais o mal que o bem. Se você concorda leia, comente e compa...

Leia também: