terça-feira, janeiro 22, 2013

China ameça se tornar pesadelo para Austrália se apoiar Japão e EUA

Fonte noticiosa afirma que autoridade chinesa teria alertado a Austrália a não apoiar o Japão e os Estados Unidos no caso de eclodir a guerra pelas ilhas.


Ilha Senkaku - Foto cortesia  "Al Jazeera English" (Creative Commons)
Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 22 de Janeiro de 2013 - 10:38 GMT-3

O site australiano de notícias "smh" disse nesta manhã de terça que o Coronel Liu Mingfu teria enviado uma mensagem para o governo australiano escolher entre seu parceiro comercial e seu parceiro militar, no caso de estartada a guerra no Mar da China Oriental, em função da disputa entre China e Japão pelas Ilhas "Senkaku (japão)" e "Diaoyu (China)".

A China, que é parceira comercial da Austrália teria avisado que "se fosse suficientemente provocado" estaria disposta a "lutar até a morte" apesar de ser "um país permanentemente pacífico". Segundo a fonte a mensagem de alerta teria usado o termo "pesadelo" para a Austrália no caso de apoiar a América e o Japão na disputa territorial.

A China e Japão são rivais desde se descobriram mutuamente. O japão sempre realizou missões na tentativa de invasão do território chinês, em busca de ampliar seu próprio espaço territorial que ainda se mantém reduzido à ilha atual. Conta a história que o famoso general chinês Genjiscan fracassou em invadir o Japão perto do ano 500 da era cristã, tendo perdido toda a sua gigantesca fragata numa colossal tempestade na costa japonesa. Disputas que acabaram migrando para a esfera mercadológica e há cerca de 20 anos a China percebeu que o poderio japonês no mercado global, tinha que ser conquistado e abriu suas portas comerciais para o Ocidente. A competição acabou favorecendo a China que no ano de 2011 ultrapassou o Japão que era até então a 2ª maior potência econômica do planeta.

Pra piorar a situação do Japão, em 2011 uma grave crise se abateu por aquelas bandas com o terrível terremoto de 8.4 seguido de um tsunami de 6 metros que varreu a sua costa leste. O trágico incidente deixou mais de 40 mil mortos e ainda ocasionou num complicado acidente nuclear, abalando as estruturas da Usina Nuclear de Fukushima, que provocou um sério vazamento de material radioativo.

A reconstrução da parte destruída do país tem levado o Japão encarar diversos desafios estruturais, e sua economia se encontra em estado bastante frágil. Esta crise profunda tem a crise mundial como pano de fundo, o que torna a competição com a China ainda mais difícil. Por outro lado, os Estados Unidos é aliado militar tanto do Japão quanto da Austrália e de acordo com os tratados assinados, tem o dever de protegê-los!

A China que acabou de se promover como país pacífico "permanentemente pacífico" tem elevado seu poder econômico na fabricação e venda acelerada de armas em todas as esferas, inclusive fornecendo logística militar para os Estados Unidos. Destaque para a ampliação da fabricação e distribuição de caças, mísseis, além de tecnologia aeroespacial.

É claro que a China tem poderosos aliados. Todos adversários declarados dos EUA. Então a situação pode ficar bastante crítica. A tensão crescente na questão das ilhas orientais tem distraído o mundo para a discussão Argente e Inglaterra sobre o controle das Ilhas Malvinas. É possível que o mundo vai iniciar um conflito generalizado por tão pequenas ilhas pouco habitadas? As ilhas são consideradas pontos estratégicos e representam a expansão das área de controle de cada país interessado na disputa.

Agências de notícias internacionais reportaram o envio de caças e drones de ambos os países para o espaço aéreo das ilhas desde o dia 19 deste mês.

Artigo em Destaque

EDITORIAL - O Brasil é perfeito para quem não teme o trabalho honesto

Temos que combater os esforços da mídia paga, que visa fazer as pessoas amarem mais o mal que o bem. Se você concorda leia, comente e compa...

Leia também: