segunda-feira, janeiro 21, 2013

A crise americana "diz respeito a cada um de nós!"

Os problemas que vêm se aprofundando nos Estados Unidos desde o início da crise mundial, são mesmo estruturais e estas crises provocam terríveis consequências no mundo. Mas enquanto Obama inaugura seu segundo mandato tentando achar o fio da meada americana, o mundo está aprendendo a viver e se estabilizar sem os EUA como sustentação.

A imagem de abertura do Site da Casa Branca na Inauração do novo
mandato de Barack Obama.
Por Saulo Valley - Rio de janeiro, 21 de Janeiro de 2013 - 13:09 GMT-3
Atualização: 15:18

O slogan do novo governo de Barack Obama é claro: "It's about all of us" (Isto diz respeito a todos nós) não é uma simples frase de efeito. É um chamamento. Um alerta para dias difíceis e talvez os mais desafiadores que o povo americano tenha outrora enfrentado.

O governo de Obama exorta que o povo americano arregace as mangas para vencer um inimigo comum. E ao meu ver como "Observador do Mundo" que não tem obrigação de agradar a políticos ou de ser falso com a realidade posta diante dos meus olhos, a crise é mais profunda e duradoura que parece. Ela não vem de uma momento de queda no mercado. Vem de anos e anos de erros sendo cometidos cegamente, e que ninguém pudesse enxergar que tipo de consequências trariam para a grandeza do povo americano, que nem se fala mas no aclamado "Sonho Americano".

Ao meu ver; aos poucos cada americano está abrindo mão de sonhar mais alto que qualquer pessoa no planeta, para sonhar ter as mesmas conquistas que todos almejam hoje. Emprego, moradia, um salário digno ou estável que pague as contas do mês e uma vida de paz, no convívio com a família e amigos.

Isto significa que o povo está se adaptando as novos tempos, e as sociedades que sonham com conquistas tão básicas assim, são em geral as mais pobres ou que estão em processo de empobrecimento. Um verdadeira golpe na autoestima do povo que mais viveu nos holofotes globais.


Obama: "Com paixão e dedicação, vamos atender a chamada de história e levar para um futuro incerto a preciosa luz da liberdade" Disse Obama no discurso de inauguração desta segunda 21/01. The White House @ whitehouse


A crise americana hoje exige uma série de frentes de luta, e a violência armada tem sido uma das que estão tirando a paz de todos. Mas se olharmos bem, não é novidade por lá. A verdade é que em tempos de luxúria e busca pelo velho "Sonho Americano" do consumismo impulsionado por poderosas campanhas de marketing nacionais, ninguém se importava se um louco surgia do nada e matava um monte de gente. Isto sempre foi visto como algo rotineiro.

Mas a situação em que você mais exige unidade de uma sociedade, como a atual crise de violência contra a mulher na Índia, é quando a coisa está fora de controle. Ninguém convida todo um país para se unir solidariamente num propósito que já não esteja sendo trágico. Há muitas pessoas que chegam a pensar que eu tenho aversão a americanos. Muito pelo contrário, tenho um imenso carinho e respeito. Que isto fique bem claro.

Mas tenho a clara certeza de que Deus me deu um dom especial de ver as coisas com elas realmente são, a despeito das grandes campanhas publicitárias pagas com dinheiro público para iludir ao próprio povo. Vejo que a crise americana é fruto de erros não só isto; verdadeiras barbeiragens políticas, cometidas por pessoas assentadas em fartas cadeiras de vaidade. Erros cegos cometidos por um time que ganhava invicto. O mesmo erro de sempre pensar que "Time que está ganhando... não perde".

Esta ilusória realidade levou uma nação poderosa à beira do abismo; e se numa força conjunta as pessoas que estão aceleradas não começarem, a se convencer de que precisam tirar o pé do acelerador... As grande massas que virão empurrarão as que já estão na beira... Abismo abaixo.

...E isto diz à respeito de todos nós! 

Tomando consciência de que a América ainda deverá gastar um bom tempo, talvez mais 4 ou 6 anos tentando sanar suas crises internas, o mundo tem tentado se equilibrar. É aprendendo a lidar com a ausência da influência, da moeda poderosa e da política agressiva americana, que o mundo vai cambaleando como um jovem pássaro aprendendo a voar. Enquanto isto, usando como exemplo aquele casal que fecha as portas de sua casa para resolver problemas de relacionamento à sós,  EUA vem se esquivando de se envolver em atividades exteriores, para se concentrar e realizar todo o fatídico e embaraçoso dever de casa. Sem o qual de pouco valerá se expor, no momento em que credibilidade e capacidade de auto-sustentação estão em fase de provação.

Cambaleando vamos, na tentativa (que não será vã) de alcançarmos a estabilidade e superamos nossas velhas crises, que nos mantinham na linda da pobreza ou na linha do desenvolvimento. É um teste para nossa jovem nação brasileira e para diversas outras jovens nações principalmente ocidentais. A verdade revela que pode acontecer de a América demorar tanto a se re-erguer que ao se abrir novamente para o mundo, acabe se tornando de certa forma dispensável. Então começará um novo processo de reconquista de espaço no mundo exterior.


"Obrigado, Deus te abençoe, e que Ele abençoe sempre estes Estados Unidos da América." - Presidente Obama # inaug2013 Disse Obama no discurso de inauguração desta segunda 21/01. The White House @ whitehouse

Artigo em Destaque

EDITORIAL - O Brasil é perfeito para quem não teme o trabalho honesto

Temos que combater os esforços da mídia paga, que visa fazer as pessoas amarem mais o mal que o bem. Se você concorda leia, comente e compa...

Leia também: