sábado, junho 30, 2012

Síria: Violenta explosão em batalhão de polícia em Damasco

BREAKING NEWS - Uma violenta explosão aconteceu nesta manhã no Batalhão de Polícia Militar em Damasco. Há indícios de rebelião no pavilhão e ainda não está claro se a explosão foi provocada por uma bomba ou um morteiro. Há que acredite numa operação do Exército Livre. A coluna negra de fumaça contrasta com o céu azul lípido. Ainda no subúrbio de Damasco os confrontos seguem com crescente violência.


A explosão foi sentida e ouvida à longas distâncias - "snapshot"
Por Saulo Valley para JIRABH (Jornalismo Internacional na Revolução Árabe do BlogHumans)
Rio de Janeiro, 30 de Junho de 2012 - 07h48 GMT-3 Atualização: 13h22

Remas Thaer chegou desacordada
no hospital de campanha em Homs. 
Bombardeios intermináveis já mataram vários. Uma menina de 11 anos morreu em Kafar no subúrbio de Damasco. A adolescentes Remas Thaer foi vítima de bombardeio em Homs e chegou ao hospital de campanha desacordada e entre a vida e a morte.
Na cidade de Aleppo um policial batedor registra com sua câmera as marcas do bombardeio num prédio ligado ao sistema financeiro. O vídeo foi enviado para o canal oficial da revolução pelo próprio policial, o que confirma que nem todos os militares que não desertaram estão militando pela causa "Asadi" (Al-Assad) como eles chamam.

Jamilla - O bombardeio de um edifício do sistema financeiro em
Aleppo 30/06/2012 
"Snapshot
Assista este impressionante video: há poucas horas um jovem militante estava tentando registrar o som dos tiros que assolam uma aldeia em Daara. Subitamente um morteiro cai numa casa bem atrás dele. Gritos de mulheres e choro são ouvidos em consequência do desespero das pessoas que estão dentro do imóvel atacado sem qualquer aviso. Nem mesmo qualquer movimentação militar rebelde.


Na sexta o número de mortos passou da casa dos 80. Quem confirma a informação é a CCLS (Coordenação de Locais da Síria).

13h22 - Voltando para Aleppo onde as forças rebeldes se digladiam ferozmente contra as forças governistas. Video mostra desde a saída de um pelotão até o momento em que se encontram com uma patrulha de Shabihas à serviço do regime sírio. A intermitente troca de tiros que resultou na morte de todos os integrantes pró-regime e a destruição do veículos militar que utilizavam. Armas e munições foram confiscadas pelo grupo. Cenas de violência e pessoas já mortas +18.

Continua....

sexta-feira, junho 29, 2012

Saulo Valley Notícias cresce em credibilidade e acessos - Estísticas

O Saulo Valley Notícias é um blog independente de informação e notícias relevantes. Carregado de responsabilidade, seriedade e profundidade nos variados temas que aborda. Utilizando a ferramenta "Urlpulso" tivemos a capacidade de apresentar os mais recentes avanços desta página que cresce entre os melhore blogs independentes de notícias do Brasil.


Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 29 de Junho de 2012 - 14h59 GMT-3

Com acesso médio de 900 leitores por dia e 41.000 acessos mensais, Saulo Valley Blog permanece com qualidade crescente e sempre mantendo seu compromisso com a ética do jornalismo, respeito às comunidades e total dedicação no cumprimento da missão de um jornalismo consciente. Por isto estas páginas ganham cada vez mais credibilidade e sua capacidade de informar tem se mostrado inesgotável.

Isto comprova a capacidade deste blog de gerir publicidade e promover empresas, produtos e serviços com resultados positivos e confiáveis.  Transparência e confiança é o que mais queremos alcançar em todo os nossos dias.




Fonte: http://urlpulso.com.br/www.saulovalley.blogspot.com

Damasco Sub: cerca de 80% dos mais de 500 mil habitantes fugiram

A situação na Síria está indo ao descontrole total. Pelo menos 5 aeronaves foram confirmadas em missões de bombardeios nos bairros do subúrbio de Damasco, obrigando cerca de 80% da população a fugir em busca de proteção. Mas forças pró-Assad continuam entrando nas casas, mutilando, torturando e mantando. Famílias inteiras têm sido relatadas como desaparecidas. Uma situação alarmante acontece agora!


Deir Al-Azour 8 dias sob pesado bombardeio - "snapshot"
Por Saulo Valley para JIRABH (Jornalismo Internacional na Revolução Árabe do BlogHumans)
Rio de Janeiro, 29 de Junho de 2012 - 13h46 GMT-3

Aviões bombardeando o subúrbio de Damasco há pelo menos 5 dias um número relatado de 10 aviões vistos em missões de bombardeios nos bairros, vilas e aldeias de Damasco. O número de 65 civis mortos só no dia de hoje tende a crescer muito até o anoitecer. Muitas crianças e mulheres estão sendo vitimizadas pelas forças de seguranças e as gangues de Shabbihas. Apesar do esforço dos populares para fugir ao holocausto, há um sufocante cerco militar que impede que as pessoas consigam escapar das prisões massivas e da mortandade que assola o país há 16 meses. CCLSy (Comité de Coordenação de Locais da Síria) confirma um pesado bombardeio com uso de morteiros e tiros aleatórios por armas de todos os calibres. Nos bairros do subúrbio da capital Zofa e Zamalkeh foram relatados violentos confrontos entre exército sírio regular e o exército rebelde FSA.

Deir Al-Azour continua sitiada e atacada em seu oitavo dia, resultando na morte de pelos menos 158 pessoas. Entre as vítimas, há mulheres, crianças e também médicos. As condições humanitárias em situação de calamidade com cerca de 2 mil feridos sendo atendidos nos hospitais de campanha cujos suprimentos não praticamente não existem. Crise na saúde ainda se agrava com a falta de médicos cirurgiões e bombardeios indiscriminados caindo incessantemente sobre as casas.

Em meio à crise, o General Mudd chefe da missão dos Observadores decidiu deixar a base da UNSMIS em ir para Genebra para discutir a situação dramática e devastadora do povo sírio. A agência síria Ugariti citou Mudd como dizendo:

"Eu estou indo para Genebra para participar com os companheiros ali reunidos, e que farão o seu melhor para encontrar uma solução pacífica para a crise na Síria."

quinta-feira, junho 28, 2012

Música: você apostaria na volta da Black Music brasileira?

O "movimento black" dominou o mercado brasileiro à partir dos anos 60 impulsionado pelo empolgante som de artistas americanos como James Brown. Como dizia João Nogueira, "não se ouvia músicas nacionais nas rádios". Alguns brasileiros top de linha como Tim Maia e Jair Rodrigues decidiram abraçar a causa americana, dando uma pitadinha de português. Em 1970 a Furacão 2000 realizou o primeiro baile funk no país, exatamente no Canecão, comandado pelo lendário Ademir Lemos. Na época "Jesus is Love" do The Commodors era a balada dançante mais tocada nos bailes (?). Porque ninguém sabia que a letra falava do amor de Jesus Cristo!


Ícone da indústria fonográfica, a fotografia imita a logo da RCA desde 1998
 - Cortesia " BeverlyPack"
Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 28 de Junho de 2012 - 11h35 GMT-3

Desta década em diante a música americana foi sofrendo mutações. Nos anos 80 o "Rap" americano foi inserido no Brasil com uma gigante injeção das multinacionais estrangeiras. Já no início dos anos 90 a mistura das letras em inglês com versões em português que não tinham qualquer ligação com o texto original.

Esta tendência dominou o funk da época. Paralelo a isto o "Charmy" dominava o Rio de Janeiro. Celebridades como Messiê (Mounsieur) Limá, Dj Corello e Dj Marlboro davam toques especiais de romantismo na segunda década da balada eletrônica que conquistou o público brasileiro. Esta tendência foi ainda mais fortalecida com a explosão de sucessos interpretados por Withney Houston, After 7, Gregory About, Michael Jackson, Luther Vandros entre outros. A versão brasileira foi despontando em paralelo com a adesão de Sandra de Sá ao estilo "Tim Maia" em músicas como "Bye Bye tristeza". Já na segunda metade da década de 90 o R&B voltou do túmulo com força nos EUA, depois de 20 anos apagado. Completamente remodelado, cheio de riffs e loopings completamente digitais, a tendência "babyface"não colou no Brasil e afastou o público brasileiro da influência afro-americana. Ao invés disto, o público preferiu o som estridente dos violões de aço e ganhou forças as músicas com apelo acústico.

Após a virada do milênio o público nacional abraçou com mais vontade ainda a música livre da influência da música eletrônica e até 2004 se manteve. As bandas de rock que faziam shows acústicos dominaram as paradas. Até musicas antigas voz e violão como "More Than Words" do Extreme estavam de volta.  Mas nesta era surgiu a nova black music. Complemente leve, com swings dos instrumentos eletro-acústicos e as baterias menos quadradas. Explosão se deu com a volta do domínio americano estrelado por Usher e Beyoncé. Esta nova tendência foi batizada de "HipHop" e dominou as cabeças com a coleção pirata de clipes americanos demos batizada como " HipHop Traxx".  Apesar de que o HipHop havia nascido à partir do Rap nos anos 90, no novo milênio abandonou quase que completamente as letras políticas e partiu para a exploração da luxúria e do romance caro! Movimento este que perdeu a força entre 2009 e 2010 em função da crise econômica mundial e deixou muita gente com saudade de uma "bateriazinha eletrônica"...


Bandas de rock no auge, muita distorção na veia, espaço aberto para novas experiências como o Dance (House) e o Kuduro. É, mas há quem aposte na volta da velha black music nacional, que ainda se chama pelo nome de "charme".



Na contra-mão das novas tendências, com a saída dos grandes investidores do ramo musical e a quase falência das gravadoras gigantes, a música de estilo conhecido por  "alternativo" despontou no evoluir da última década. Este novo-velho estilo chamava atenção por fugir aos padrões massificados e repetitivos da indústria mundial, trazendo sons antigos e estilos de figurinos e penteados que levavam de volta ao túnel do tempo entre os anos 30 e 60.

Nesta reciclada que o gosto musical mundial vem dando, advinha qual é a próxima tendência que surge na cadeia rítmica de todos os povos localizados nas grandes cidades urbanas? O soul. A black music quase na sua origem. Na verdade o "reage time" é o início de toda música afro-americana. E neste siclo que parece nunca se romper, como a órbita de um planeta, tende a trazer novidades, como o tempo e as suas 4 estações. Quando é que elas são iguais de um ano para o outro?

Aí vem a nova receita para o velho bolo: 

Paulinho Fanzine é um charmeiro-nato. De pela branca e cabelos compridos até parece um artista de uma banda de rock pesado. Ao julgar por seu estilo refinado de executar sua guitarra... todo mundo pode se enganar! Mas este sobre nome te lembra alguma coisa? "Uma história de amor não acaba assim..."

É. O grupo Fanzine. Um grupo de charme brasileiro que se dedicava a cantar letras românticas recheadas de técnicas de hiphop. Mistura pra lá, mistura pra cá e velhos amigos de pista se encontram:



Paulinho Fanzine, Ferrnandinho DJ e Gabriel Jaquim decidiram investir na retomada do charme que vem sobrevivendo ao tempo ainda sem casa. Lá embaixo do viaduto do bairro de Madureira, ao relento. Aberto a todos que desejam recordar aqueles momentos maravilhosos do romantismo, da paixão e do amor embalado e marcado por melódicas canções que tornavam um romance em memórias inesquecíveis!
O Chame Brasil agora conta com novos ingredientes. Tempero extra para se manter atualizado e atraente. Na volta desta nova versão. Artistas como "Paulão Dupléx" (Zorra Total), "Lucky" e "JK Rapper" dão as primeiras pinceladas em suas obras de arte que embalarão o mundo em canções apaixonadas e dançantes, para tornar um encontro ainda mais inesquecível. Com a nova tendência sendo impulsionada com a adesão absoluta do público carioca aos "flashbacks", o charme com certeza será o rítimo da próxima era.

Atualizações da Guerra: Fronteira turca/síria militarizada, petroleiros do Irã abastecem tanques sírio.

3 petroleiros iranianos foram vistos entrando no canal de Suez nesta quinta com destino à Síria. Segundo a fonte, eles abastecerão os novos tanques do exército que utilizam um diesel mais especial. Ativistas da "Syrian Revolution" acreditam que os navios estejam chegando no Banyas neste momento.


Por Saulo Valley para JIRABH (Jornalismo Internacional na Revolução Árabe do BlogHumans)
Rio de Janeiro, 28 de Junho de 2012 - 10h18 GMT-3

Enquanto a comunidade internacional se digladia sobre as questões da legalidade do socorro ao povo sírio, o regime do presidente Bashar Al-Assad imputa violenta pressão para exterminar com toda e qualquer oposição ao seu governo. Uma campanha militar sem precedentes contra civis, famílias de políticos de oposição, ativistas e desertores. Considerado o maior massacre da atualidade, a crise síria está longe do fim, sem intervenção internacional.

Nesta quarta um helicóptero foi fotografado por um ativista e quando a Revolução Síria foi analisar as imagens, descobriu que a aeronave era equipada com lançador de bombas. O Helicóptero sobrevoava a região de Daara. Enquanto isto cresce a mortandade infantil e feminina. Massacres intencionais com abuso de armas brancas por Shabihas.

Nesta quarta um novo massacre em Homs deixou 13 mortos, entre eles a maioria de mulheres e crianças


As vítimas eram quase todas da mesma família:

  • Ziad Ali Atribuição de 13 anos
  • Safa Ali  Atribuição de 22 anos foi morta com seus 3 filhos
  • Hana  Atribuição de 20 anos 
  • Ghada Ahmed foi morta com suas duas filhas
  • Muhammad Ali  Atribuição
  • Mohammed Abdullah
  • Abeer Mustafa  Atribuição de 6 anos
  • Sawsan Mustafa  Atribuição de 3 anos
Atualizando...

Project 1155.1 Udaloy-II class destroyer
07h39 - Guerra não-declarada

Avião turco RF-4E pode ter sido derrubado por uma canhoneira russa em águas sírias. Se a informação for confirmada, este será o terceiro ataque a aeronaves turcas em 2 semanas, sendo 2 delas destruídas. De acordo com o site "defencenet" a notícia teria vindo por um político turco que teria feito a declaração para o Canal turco TV8. A fonte citou o político como se referindo ao destroyer russo como um do tipo "Admiral Çapanenko" Udaloy II. Há suspeitas de que o avião militar turco teria se aproximado demasiadamente da embarcação russa. Apesar das informações, o Governo turco foi citado por não ter feito qualquer comentário à respeito.

O ativista Jamil Nasser, colaborador do BlogHumans disse que um ataque aéreo dos EUA está sendo esperado para as próximas horas contra o regime sírio. De acordo com  Nasser, os navios americanos estão sendo mobilizados no Golfo Pérsico.

Agências árabes informaram que sistemas de mísseis e tropas de infantaria foram enviadas para a fronteira turca com a Síria. O site de notícias "The Hindu" disse há pouco que armas anti-aéreas com capacidade de multiplos lançamentos foram instalados ao longo da fronteira turca com a Síria. Ainda foram gravados exercícios com mísseis no lado turco há 2 dias.



10h30

Na última hora fortes explosões foram sentidas na região suburbana de Damasco. há relatos de pelos menos 3 feridos.  A CCLSy (Coordenação de Locais da Síria) alerta para a invasão de forças de segurança e os temidos Shabihas na região de Assaly. De acordo com a fonte eles realizam operações de prisões massivas e ataques e saques de lojas. Helicópteros militares sobrevoam a região de Saqba, ainda no subúrbio da capital.

Atualizações de mortes

A Coordenação das comissões de Locais da Síria disse ainda que o número de mártires da revolução nesta quinta subiu para 65. Entre as vítimas do regime sírio 5 crianças, e 2 mulheres. 24 pessoas já morreram na região suburbana de Damasco. 17 pessoas foram mortas em Homs, 12 em Deir Al-Azour, 5 em Idlib, 4 em Daara 2 em Damasco e Hama.

quarta-feira, junho 27, 2012

São João de Meriti contra as drogas apresenta peça teatral no SESC.

"Um Crack da Pesada". Este é o título da dramática peça teatral que nesta terça emocionou cerca de duas centenas de pessoas que, acima de tudo se sentiram motivadas a ingressar na campanha contra o consumo do Crack neste Dia Internacional de Combate às Drogas.

Pedagogos da Arte na peça "Um Crack da Pesada" - Foto "Saulo Valley"
Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 27 de Junho de 2012 - 19h42 GMT-3

A apresentação se mostrou impecável. Cerca de 45 minutos de atuação foram suficientes para atrair a atenta platéia para o centro da discussão sobre o controle devastador que o crack imputa sobre seus usuários. A produção da peça estava na mão do grupo Pedagogos da Arte e a direção é de Tiago Gonçalves. No elenco atores que vestiram a camisa do projeto: Andreza Barros, Gleiton Araújo, Sheila Santos, Tiago Gonçalves e Willian Berto. Na sonoplastia Greice Kelly e Leandro Farias. O espetáculo contou com o apoio incondicional do SESC de São João de Meriti.

Campanha Municipal de Combate às Drogas

A campanha que faz parte do PROMAD (programa Municipal de Ações Integradas Contra as Drogas do Município de São João de Meriti) foi desenvolvida pela Secretaria de Direitos Humanos de São João de Meriti, visando atender aos usuários que buscam ajuda bem como suas famílias.


O evento que começou às 19:30 contou coma  presença do Deputado Federal Marcelo Matos (que representou seu irmão Prefeito Sandro Matos), Leila Regina secretária de Direitos Humanos e Alan Tebaldi secretário de Esporte e Lazer. Érica Glória Superintendente de Promoção e Defesa dos Direitos Humanos foi a mestre de cerimônias. Ainda esteve presente um oficial representando o 21º Batalhão PM de São João de Meriti.




De acordo com a superintendente Érica Glória, esta iniciativa conta com a colaboração de toda a sociedade civil, destacando a participação de vários organismos religiosos e órgãos do próprio governo. O secretário de Esporte e Lazer Alan Tebaldi  parabenizou o esforço e a integração de todos para ajudar no que foi denominado pelo Prefeito Sandro Matos, "enfrentamento", um "confronto" contra o poder devastador das drogas.


A Secretária de Direitos Humanos Leila Regina ainda destacou que o consumo de drogas em São João de Meriti já tem atingido a todas as faixas etárias, incluindo crianças e idosos, alertando para o surgimento de "cracolândias" no município.


Em confirmação ao que foi anunciado pela Secretaria de Direitos Humanos, o deputado Federal Marcelo Matos agradeceu o esforço de todos os envolvidos nesta luta contra as drogas e reiterou a criação de um centro de atendimento aos usuários de drogas e suas famílias no município. 


De acordo ainda com Secretaria de Imprensa da Prefeitura Municipal de São João de Meriti , o centro será construído num terreno em Vilar dos Teles com uma verba de cerca de R$ 500.000,00 em parceria com a Caixa Econômica Federal.


Fotos do evento por Saulo Valley

terça-feira, junho 26, 2012

Turquia envia resposta à intolerância síria após caça derrubado.

O caça turco foi derrubado por artilharia síria no dia 12 de Junho, o primeiro-ministro turco Tayyp Edorgan se mostrou irritado após ter afirmado que o caça fazia treinamentos e o piloto teria sobrevoado o lado sírio por um breve momento em função de uma falha humana. A reação síria provocou profundas mudanças na postura turca.

Erdogan discursa sobre fronteira com a Síria e as novas regras. "Snapshot"
Por Saulo Valley para JIRABH (Jornalismo Internacional na Revolução Árabe do BlogHumans)
Rio de Janeiro, 26 de Junho de 2012 - 09h50 GMT-3

A posição da Turquia tem sido aparentemente equilibrada em relação à Síria, que acredita na inocência do povo sírio e condena o massacre de civis por parte do regime vizinho. A turquia tem cedido parte do seu território para servir de base militar para o FSA (Free Syrian Army), que luta contra a ditadura de Bashar Al-Assad. Também tem mantido campos de refugiados para recepcionar o povo sírio que tenta fugir do genocídio corrente em seu paós de origem.

Por outro lado o regime sírio tem invadido o território turco desde Maio de 2011 para atacar os campos de refugiados, perseguir refugiados nas matas e florestas, além de tentar destruir as bases do FSA, o exército rebelde.


A agência russa RT News que é aliada à SANA agência estatal síria, disse que rebeldes estariam utilizando os campos de refugiados sírios na turquia como base de operações militares.

Agências internacionais presentes na região confirmam ataques militares armados contra refugiados e ainda prisões massivas nos campos na Turquia.


A tolerância turca para as invasões do exército sírio, as forças de segurança e milícias de Shabihas em suas terras não tem sido correspondida pela Síria, que ao menor sinal do caça turco, iniciou ataque a fim de derruba-lo. Cerca de uma semana depois, outro caça que estaria sobrevoando a região em missão de busca aos pilotos do caça derrubado teria sido novamente atacado pela artilharia síria. Quem denunciou foi o primeiro-ministro Tayyp Edorgan pela TV estatal.

A agência de notícias independente Ugarit da Síria não citou a fonte ao mencionar que o primeiro-ministro turco teria anunciado "novas regras" com relação a suas fronteiras. De acordo com a fonte Erdogan teria  declarado:

"As regras da intervenção das forças armadas turcas mudaram agora,"... " Qualquer componente militar vindo da Síria é uma ameaça e uma ameaça à segurança da fronteira turca será considerada como alvo de ação hostil e ataque covarde por parte do regime de Assad" informou Ugarit


A agência ainda disse que Erdogan reafirmou que o caça F-4 derrubado estava em missão de exercícios e que os 2 pilotos ainda permanecem em paradeiro desconhecido. A fonte disse ainda que o primeiro-ministro turco lembrou que fazia parte do Atlântico Norte para alertar à Síria sobre os riscos de atacar o vizinho turco.


Vídeo: contendo as declarações de Erdogan sobre a fronteira em inglês e turco.




Pilotos desertores


Por outro lado no dia de ontem foi informado que um total de pelo menos 6 pilotos da Força Aérea síria teriam escapado para a Jordânia, após ter sido confirmado que 3 pilotos haviam conseguido cruzar a fronteira para o lado da Jordânia e estariam em lugar seguro.

segunda-feira, junho 25, 2012

Líbia: Domingo violento em Kufra e o esforço para manter a estabilidade no pós-Gaddafi. Atualização

Na manhã de domingo grupos armados iniciaram tiroteio aleatório em diversas regiões do país, principalmente em Kufra. Milícias que utilizando armas de diversos calibres se espalharam pelos bairros matando pelo menos 35 pessoas, entre as vítimas mulheres e crianças.

Violentos ataques na região fronteiriça de Kufra, na Líbia -  Google Mapas
Por Saulo Valley para JIRABH (Jornalismo Internacional na Revolução Árabe do BlogHumans)
Rio de Janeiro, 25 de Junho de 2012 - 06h11 GMT-3
Atualização 26-06-2012 - 08h29

De acordo com a Revolução 17 de Fevereiro (que derrubou o ditador líbio Muammar Kaddafi), pelo menos 187 viaturas militares entraram em Misurata, na cidade de Mizdah, com a missão de restaurar a paz na região e proteger os civis.

Os confrontos entre tribos rivais na região de Kufra (Sudeste da Líbia) começaram ainda na madrugada de domingo e romperam a manhã com violência alarmante. Usando todos os tipos de armas, os grupos romperam com o cessar-fogo acordado pelo governo de transição e as tribos. Um pesado ataque ao quartel-general das forças do escudo foi relatado pelo "Movimento 17 de Fev". Logo após as tropas oficiais terem repelido o ataque, as milícias se espalharam pelos bairros aterrorizando a população.

Há relato de bombardeios tão violentos que teriam causado a morte das crianças que estavam abrigadas numa escola para se proteger do ataque aleatório e indiscriminado. De acordo com a fonte o hospital central de Kufra/Faraj Okoider era o principal objetivo do ataque das milícias. Pelo menos 4 criminosos foram mortos.

Resistência Verde

Novas fontes comprovam que na verdade as milícias que ocuparam Kufra são focos de resistência pró-Kadafi. Tropas militares abastecidas com armamento pesado, lança-foguetes sobre rodas em uma série de equipamentos ainda da era Kaddafi, que segundo fontes de países aliados, incluindo a Venezuela, dominaram a região para lutar pela retomada da Líbia. Ainda não se sabe se quem está no comando da Resistência Verde pertence à família Gaddafi. Assista o vídeo à seguir.



Últimos relatos da última meia-hora contam que um comboio da CNT que entrou em Kufra com a missão de interromper os ataques da Resistência Verde, foi parcialmente destruído em consequência de uma emboscada que inutilizou a maioria dos veículos utilizados pela atual força militar no controle da Líbia. De acordo com a fonte, os sobreviventes conseguiram escapar pelo deserto. Blogues e sites pró-Gaddafi falam de larga exploração do gás mostarda nos confrontos. A Resistência Verde acusa a CNT do uso de armas químicas na tentativa de intervir o confronto entre as tribos locais e as milícias pró-Gaddafi, enquanto o movimento 17 de Fevereiro alerta para o bombardeio indiscriminado das casas na região.

Divisões e subdivisões

Uma suposta divisão no CNT pode ser a causa da dissolução do governo provisório, levando em consideração que este não teve sucesso em desarmar as milícias que lutaram contra Muammar Kaddafi e que agora infernizam cidades como Benghazi e Misurata. Fontes líbias afirmam que há facções islamistas radicais que lutam para dividir a líbia em 3 regiões federalizadas. divisões estas que são atribuídas aos serviços de inteligência da Resistência Verde infiltrados no seio do CNT (Conselho Nacional de Transição).

Uma batata quente que ninguém está se esforçando para pegar. O líder Abdul Jalil era um dos favoritos para o governo da Líbia, mas rejeitou a indicação, por alegado receio das implicações que se seguiriam. O país sendo conduzido pela incerteza, milícias pró-CNT e pró-Resistência Verde se degladiam enquanto as forças armadas se mostram nulas e o governo de transição paralisado.

Vídeo: Milícias pró-CNT seguem para Kufra para impedir confronto entre tribos 24-06-2012.




Países compromissados com a ditadura Kaddafi têm comemorado a crise de instabilidade que tenta assolar a Líbia, enquanto que o primeiro-ministro Keib tem acusado o CNT de "atrapalhar o processo eleitoral".

quarta-feira, junho 20, 2012

Troca de acusações por crime de repressão entre estados embaraça Nações Unidas.

A Síria é o país com o maior  histórico de violência do mundo na atualidade. Nas Nações Unidas os arquivos da Síria estão em primeiro plano. Prioridade nas discussões, mas quando as sessões começam, não há um Estado-membro que possa atirar a pedra. A troca de acusações de crimes cometidos em seus próprios países, como Sri Lanka, Canadá, EUA, Irã, Turquia, China, Coréia do Norte, Cuba, Israel ... e tantos outros dentre os 47 membros do Grupo de Direitos Humanos das Nações Unidas, que a Síria... Ah sim: A síria...

كفرنبل المحتلة لافتات وصور 1-5-2012 / Placards and signs from Kafranbel, Idlib - Syria
Cortesia: "Freedom House"
Por Saulo Valley para JIRABH (Jornalismo Internacional na Revolução Árabe do BlogHumans).
Rio de Janeiro, 20 de Junho de 2012 - 06h53 GMT-3 Atualização: 09h48

Os massacres diários continuam desafiando a organização ou infraestrutura das Nações Unidas, que é composta por um imenso número de países que cometem crimes todos os dias. Esta "tolerância" pode-se dizer que é inevitável. Sem esta flexibilidade os presidentes sequer trocariam apertos de mãos. "O caminho da diplomacia" é cruel e frio. Uma lâmina gelada que traspassa as necessidades de urgência dos povos as vezes, para buscar o equilíbrio entre os países.

Mas como fazer para que as mãos lavadas de sangue da maioria dos estados-membros possam atribuir credibilidade às Nações Unidas e principalmente às Organizações de Direitos Humanos administradas pelos próprios governos que praticam crimes hediondos contra o seu próprio povo?

Manter os líderes mundiais numa relação cordial e respeitosa, impor limites às suas reações pode ser um caminho para o equilíbrio e a paz mundial, mas as Nações Unidas terá como fazer sobressair sua legitimidade diante desta tão grande cadeia de interesses e protecionismo?

O UNHRW (Observatório dos Direitos Humanos das Nações Unidas) comentou sobre as crises internas da ONU, no tocante aos direitos humanos, logo assim que terminou a sessão que discutiria os arquivos da Síria (mais uma vez) nesta Terça última.

Navi Pillay foi citada pelo HRW como a figura central da sessão, levantando acusações dos crimes contra os direitos humanos do Canadá, e um tenso discurso sobre a "grave preocupação" que causam os "ataques americanos com drones no Paquistão". Para este último tema, o alto comissariado para os Direitos Humanos das Nações Unidas pediu "investigação". Em meio aos recentes pronunciamentos dos EUA, Hillary Clinton e o candidato à reeleição Barack Obama, condenando crimes contra populares de todo mundo, o pedido de Navi Pilay causou excitação entre os principais rivais da América, que segundo o HRW citou em seu último relatório,  correram para usar estes argumentos em seus acalorados bate-boca com o país do Tio Sam e aliados.

Movimento Contra Corrupção - Cinelândia 2011 foto: Saulo Valley
O Canadá foi citado por reprimir manifestantes no Quebec destacando o termo "alarmante" empregado pela comissária Navi Pilay para as "ações de restringir a liberdade de reunião em diversas partes do mundo" relatou. Com ataques literalmente focados nos países ocidentais em regimes de democracia, Irã, China, Cuba, Sri Lanka, Síria, Coréia do Norte e Israel, correram para apontar estes crimes praticados por seus principais acusadores como forma de justificação para seus próprios crimes.

O HRW citou um pronunciamento da Coreia do Norte que rejeitou as acusações do Canadá, quanto a seus crimes, lembrando o relatório de Navi Pilay concluiu:

"faria bem se lidasse com seus próprios assuntos."

A discussão girou em torno da supressão aos protestos pacíficos em todo o mundo. Assunto este que gerou muitas acusações, polêmicas e a remarcação de outra seção para discutir ainda o mesmo tema.

O HRW disse que foi a única Organização de Direitos Humanos não-governamental que teve direito à palavra durante sessão desta terça-feira e considerou o relatório de Pilay como "censura desequilibrada", afirmando que o discurso da alta comissária teria se mostrado "golpes de propaganda para governantes repressores como Paquistão e Zimbabwe".

Após ver os representantes da Síria, Coréia do Norte e Cuba dentre outros Estados usando o discurso de Pilay para continuar cometendo seus próprios crimes, a sessão foi encerrada com mais uma resolução.

Assuntos da resolução desta terça 19-06-2012

A liberdade de uso da Internet foi levantada na nova resolução. Nova resolução cita ainda a Síria, Belarus e Cuba. A resolução cita textos da Carta Magna dos Direitos Humanos Internacionais sobre o livre direito de reunião, "independente da raça, cor, sexo, linguagem, religião, opinião política ou outra, nacionalidade ou origem social, propriedade, origem, nascimento ou outro tipo de status."

Cita ainda a resolução 60/251da Assembléia Geral realizada em 15 de Março de 2006 que lembra que o Conselho de Direitos Humanos é responsável por promover o "respeito universal e a proteção dos direitos  humanos e a fundamental liberdade de todos sem distinção..." destacando crimes de repressão à manifestações ligadas às orientações sexuais, condenando atos violentos e discriminatórios.

A resolução que foi aprovada em 14 de Julho de 2011 serviu como base para a atual discussão e teve a seguinte avaliação na época:

Os países que aprovaram a resolução foram 23: Argentina, Bélgica, Brasil, Chile, Cuba, Equador, França, Guatemala, Hungria, Japão, Ilhas Maurício, México, Noruega, Polônia, República da Coréia, Eslováquia, Espanha, Suíça, Tailândia, Ucrânia, Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte, Estados Unidos da América, Uruguai

Os países que votaram contra a resolução foram 19: Angola, Bahrein, Bangladesh, Camarões, Djibuti, Gabão, Gana, Jordânia, Malásia, Maldivas, Mauritânia, Nigéria, Paquistão, Qatar, República da Moldávia, Federação Russa, Arábia Saudita, Senegal e Uganda.

Os países que se abstiveram do voto foram 3: Burkina Faso, China e Zâmbia

Fonte: HRW/ONU.

segunda-feira, junho 18, 2012

Música: Conheça o som de Michael Kiwanuka, BBC Awards 2012

Michael Kiwanuka é um jovem de 24 anos que transpira sonhos e pesadelos. A profundidade de sua alma estampada em suas músicas como uma bóia lançada ao mar como última alternativa para a salvação. Refugiado em seu tenso mundo inspiracional, esta angustiante ansiedade estampada em suas melodias e letras, provocam excitação e reflexão. Calmaria vem com a sensação de que o ouvinte finalmente chegou ao encontro marcado há séculos consigo mesmo.


Michael Kiwanuka - "Snapshot"
Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 18 de Junho de 2012 - 11h04 GMT-3
Atualização: 13h16

Portador de uma voz melódica e firme, ao mesmo tempo estranha e familiar, Michael nasceu em 1988 na Uganda tendo crescido no Norte da Inglaterra. Encontrou em Jimi Hendrix, Bill Withers e Bob Dylan destaque dentre outras influências vindas de pelo menos uma dezena de artistas da velha soul music. Michael  cresceu se sentindo predestinado a ser guitarrista e tocar em algumas bandas em que se sentisse confortável.

Habituado a "cair na estrada", o jovem talento grava vídeos durante suas viagens acompanhado com apenas um(a) agente, que dirige, filma, fotografa e realiza um monte de tarefas paralelamente acumuladas. E esta aparente ou real solidão estampada em suas melodias, vem conquistando platéias cada vez maiores. Músicas cada vez mais focadas em suas próprias experiências de vida, ou em sua pré-disposição para experimentar a vida. Isto fica muito claro quando se assiste o vídeo intitulado "Lasan". Um som antigo que se mostra novo numa voz desconhecida que expressa sentimentos bastante conhecidos do público. "Hummm leave me alone" (deixe me só).


Ele pretendia ser apenas um músico que acompanhava artistas mas o destino lhe reservou outra atividade. Kiwanuka foi não só se inspirando nas antigas e lendárias técnicas de guitarra do soul, mas também  encontrou no canto, a força para se expressar melhor e expor seus sentimentos. Sua voz tem sido comparada com a voz do lendário Bill Withers. Influenciado por ele ou não, "MK" tem buscado aprender com a vida e com a música anterior ao seu tempo, para sobrepor as infinitas propostas musicas do seu próprio tempo. Competitividade que vem sendo esquecida à cada nova apresentação. Michael Kiwanuka tem realmente conquistado a atenção da mídia globalizada e hoje está aqui, figurando no Saulo Valley Notícias como um grande talento internacional que acaba de despontar na Europa. Aliás seu reconhecimento veio em 06 de Janeiro de 2012. O novato Michael Kiwanukadisputava com A$AP RockyAzealia BanksDot RottenDry The RiverFlux PavilionFrank OceanFriends, Jamie N Commons, Lianne La HavasNiki & The DoveRen HarvieuSkrillexSpector and StooShe um dos mais importantes prêmios musicas da Europa, o BBC Awards e venceu.

Aparente limitação nos vídeo gravados sozinho, quase sempre às margens das estradas por onde passa ou com o case do seu violão folk aberto no chão da calçada, como que pedindo umas moedas para um humilde artista de rua... engano. Michael é um músico versátil e já habituado com músicos de primeira linha. 


Ao vencer o BBC Award, o novato talentoso se mostrou maduro em suas técnicas apesar de possuir um rosto tão jovem, para acumular tanta vivência musical!  Esta realidade você pode verificar em "Whole Lotta Love" (Led Zeppelin), gravado numa jazz/rock/alternativo session no "Maida Vale studios" para a própria BBC britânica.


...Ou em uma apresentação ao-vivo logo após ter sido anunciado como vencedor do BBC Awards 2012 para a Rádio BBC, aonde se sentiu mesmo em casa, ou melhor na estrada. Em 2011 MK foi convidado para fazer a abertura de toda a turnê de ninguém mais que Adele, a artista mais destacada da atualidade em toda a Europa.
Um presente que abriu as portas para um novo mundo.


Michael foi recentemente contratado pela Polydor Records depois de ter passado pela Iterscope Records,  e do dia 12-15 de Junho 2012 esteve em apresentações impactantes em Nova York, mencionadas no THE New York Times e no VH1. Michael Miwanuka já tem seu próprio espaço no canal VEVO e é comentado como uma das maiores apostas da atualidade para se eternizar como grande talento da música alternativa/black mundial.

sexta-feira, junho 15, 2012

A re-inauguração do Imperator depois de 16 longos anos.

A casa de shows Imperator já foi uma das maiores referências em espetáculos da Zona Norte do Rio de Janeiro. Com passar dos anos se viu literalmente jogada às baratas. Eu tive a oportunidade de estar no palco com a Marron no final de 1994, quando a casa já não tinha forças para continuar em funcionamento.

O novo visual do Imperator convence. Vale a pena conferir. fotos Saulo Valley

Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 15 de Junho de 2012 - 09h53 GMT-3

No lançamanto do disco (ainda em vinil) "Brasil de Oliveira da Silva do Samba" da cantora Alcione (a Marrom) eu era backvocal ao lado das vocalistas Analimar e Áurea. No palco a Banda do Sol, formada por 15 músicos incríveis, destacando o maestro Celso Santana, Paulinho Trompete, músicos com quem me relacionei mais tempo.  A direção do espetáculo estava por conta do mestre em produções espetaculares Walter Lacet. Na platéia ainda pude ver o saudoso ator, escritor e poeta Mário Lago ainda o ator Carlos Vereza e o cantor Neguinho da Beija-flôr, entre outros.

Não me foge das lembranças as muitas broncas que Walter Lacet dirigia à equipe técnica, durante os ensaios. Ele reclamava da qualidade do equipamento e das condições da casa. Nesta época, Imperator já não era símbolo de novidade, nem de glamour ou de pompa. Era apenas uma tradicional casa de espetáculos da Zona Norte, jogada às traças!

Bramando por causa dos erros e defeitos que surgiam durante os ensaios, o mestre Walter Lacet questionava:
"Desse jeito no que esta casa vai se tornar, num bingo ou numa igreja universal? Isto está uma vergonha!"
 No fim das contas, a brava Alcione conseguiu realizar seu tão desejado espetáculo em curta temporada, partindo então para outras casas noturnas do Rio, do Brasil e do mundo. Nesta época optei por seguir carreira solo, após ter gravado meu próprio vinil.

Uma casa de espetáculos cinquentenária tranformada em shopping popular.
Finalmente recuperada ganhou novo impulso. Obrigado à Prefeitura do Rio.
Re-inauguração

Nesta terça 12 de Junho de 2012 a casa de espetáculo Imperator foi literalmente ressuscitada. Fundada em 1954 e fechada em 1995 por razões de abandono, a casa de shows mais importante da Zona Norte do Rio precisava de ser re-inventada, para a alegria do povão leopoldinense.

Com a nova estrutura, hoje a casa oferece teatro, sala de espetáculos e exposições, terraço e um restaurante. A infraestrutura moderna permite que hajam atrações em todos os pavimentos da nova instalação. Logo no primeiro andar é possível visualizar um bar, um café e um teatro com 607 lugares que pode ser transformado facilmente em arena para shows com capacidade para até 1500 pessoas.

Outra novidade muito atraente está no segundo andar, onde funcionarão 3 salas de cinema ainda em processo de licitação (2 delas com 120 lugares e outra com 168). A sala de exposições funciona no 3º andar e na cobertura batizado como "Espaço Rio de Janeiro" a área aberta onde se encontra agora um restaurante. Tudo muito lindo, muito glamouroso e diferente, dos velhos tempos de espetáculos na casa. O "Espaço Cultural João Nogueira" será inaugurado nesta sexta e sábado (15 e 16) com a presença de João Nougueira e a bateria da Portela no lançamento do esperado "Sambabook".

Estive na casa no dia 17 para acompanhar a areação do público, já que a agenda da casa indicava atividades gratuitas durante todo o dia, de 09 às 17. A programação foi fechada com uma honrosa homenagem ao Clube do Samba em um show que emocionou das crianças à terceira-idade.

Homenagem ao Clube do Samba e seus fundadores. João Nogueira entre eles.
Foto Saulo Valley
O site "tvprefeito" destacou que a casa foi reformada por 28 milhões pela Riourbe, que pertence à secretaria municipal de obras. O Centro Cultural João Nogueira fica na Rua Dias da Cruz, 167, Méier.

quinta-feira, junho 14, 2012

Os 11 níveis de crescimento da violência na Síria em 15 meses.

A secretária do governo americano Hillary Clinton revelou nesta terça que a Rússia vem convertendo frágeis helicópteros sírios em verdadeiras armas de guerra e reenviando-os para enfrentar a dissidência. Esta realidade tem causado maior desconforto na relação EUA, Síria e Rússia.  A revolução da revolução na síria tem elevado em muitas vezes o nível da violência contra civis. Um movimento que antes era de iniciativa popular mas que foi duramente reprimido pelo governo sírio, com uso de tanques, tropas do exército e milícias de Hbihh e Shabihas. 


Massivo protesto pacífico anti-ditadura Assad em 24 de Abril de 2011 em
Douma/ Damasco. Cortesia: "syriana2011"
Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 14 de Junho de 2012 - 20h26 GMT-3
Atualização: 15 de Junho de 2012 - 09h41
  1. No início, em 15 de Março de 2011 um grupo de 40 mulheres parou na frente do palácio do governo exibindo silenciosamente cartazes que pediam a liberdade de 15 adolescentes e presos políticos, acusados de "incitação contra o estado". Os manifestantes foram agredidos por forças de segurança e detidos. Dias depois mais de 300 manifestantes pediam a libertação dos detidos. Com o aumento da repressão e a perseguição armada, novos manifestantes foram aderindo aos protestos e declarar "jihad" contra as forças de segurança.
  2. Então as tropas da síria começaram a se rebelar em protesto contra o massacre de civis desarmados em manifestações. Por causa da lei de emergência e a lei marcial em vigor, que condenava rebelados à pena de morte, os que conseguiram escapar passaram a ser perseguidos e em consequência a lutar pela própria sobrevivência.
  3. Mas o aumento da violência se fez claro quando o governo sírio decidiu humilhar, torturar e matar muitos dissidentes e manifestantes como exemplo, de modo que provocasse medo na grande massa opositora.
  4. Só que esta decisão fez com que o exército de cerca de 25 mil rebeldes recém-formado decidisse por se organizar e buscar ajuda internacional, embora o poder esmagador dos mais de 250 mil fuzileiros sírios equipados ainda com artilharia, tanques, marinha e aeronáutica se mostrasse irredutível. Neste período, especialistas russos, iranianos e iraquianos foram percebidos na composição da cúpula de comando das operações de repressão e combate à insurgência.
  5. Com a morte de Kaddafi (no final da revolução da Líbia) os rebeldes e militares no poder se ofereceram para ajudar os rebeldes sírios e desde então lutadores independentes de todas as partes do mundo começaram a se apresentar ao denominado FSA (Free Syrian Army) "Exército Livre", a fim de derrubar o regime de Assad. Por outro lado o Iran, a Rússia e a China começaram a investir diretamente nas forças de ataque do regime sírio, que decidiu neste tempo matar a todos os que denominavam "ativistas".
  6. Foi neste período de 2011 que a crise síria ultrapassou os limites impostos pela inteligência síria e as informações passaram a chegar com clareza aos ouvidos e olhos da comunidade árabe. Neste momento a Liga Árabe se apresenta como pacificadora da crise à fim de proteger os civis. Irritado com o fato da oposição ter conseguido atrair a atenção internacional para os covardes massacres de civis manifestantes na síria, Al-Assad decidiu intensificar as mortes até que a própria população amaldiçoasse a´intervenção da Liga e desejasse a sua retirada do conflito.
  7. Recebendo ajuda de todos os cantos do mundo, os dois lados conseguiram dobrar suas tropas. O exército sírio passou a contar com pelo menos 500 mil soldados após uma grande campanha de recrutamento, distribuindo uniformes e armas de fogo para Hbihh e Shabihas além de civis voluntários e estrangeiros. O FSA com cerca de 50 mil fuzileiros passou a convidar jovens manifestantes para se alistar nas forças rebeldes. Então iniciando em Aleppo e Al-Rastan, começaram a surgir os "batalhões saladinos" que passaram a lutar em nome do FSA. 
  8. Com o crescimento da violência depois da tentativa de interferência da Liga Árabe, esta decidiu suspender a missão de pacificação para ver abrandar a fúria de Al-assad de sobre o seu povo. Mas o ciclo vicioso estava formado e o regime sírio não reduziu mais a violência, que provocou a interferência das Nações Unidas, com a bênção da Liga Árabe. Uma vez que conseguiu intimidar a Liga Árabe com o castigo coletivo, o regime decidiu repetir a estratégia e atacar o povo sírio além de isolar os Observadores da UNMIS (que afastados dos grandes conflitos "comem pelas beiradas" recolhendo provas que os confrontos deixam para trás). 
  9. O regime sírio alertou durante meses para que as mães não permitissem que seus filhos ingressassem nas fileiras rebeldes, mas a prova de que o discurso do presidente Bashar Al-Assad foi ignorado, está no número de massacres praticados contra as mães e seus filhos atualmente, citando como exemplo o massacre de Houla.
  10. O regime sírio entendeu que massacrar as famílias dos rebeldes os abateria moralmente além de impedir que houvessem novas adesões às fileiras da oposição. Foi neste raciocínio que os massacres de famílias em regiões consideradas "redutos da oposição" tornaram-se diários.
  11. Em meio ao desespero da humanidade, Forças políticas internacionais iniciaram campanhas para deter a violência na Síria. Como as Nações unidas não reconheciam o conflito na Síria como um problema internacional, países como EUA, Arábia Saudita, França e Inglaterra passaram a enviar armas leves para o lado rebelde. Em resposta, a Rússia tem preparado helicópteros de combate para inserir no conflito, em defesa do regime sírio, e proteger  seu maior referencial no Oriente Médio.
Com os Estados Unidos liderando uma força conjunta com a NATO para uma intervenção militar na Síria, espera-se desta vez que o povo seja realmente protegido, mas a revolução já não é a mesma. Agora já não se sabe quem irá literalmente governar o país, após a queda de Al-Assad e sua ditadura de violência e sangue. Se após a derrubada do ditador, o povo sírio for abandonado, a crise poderá ser ainda pior no país.

A violência síria foi permitida

Fugindo de um lado para o outro sem encontrar lugar para repousar a cabeça, o povo da síria praticamente se esqueceu da revolução política, enquanto tenta suportar a perseguição mortal e implacável. Eles gastaram todas as suas forças para enviar mensagens, provas em fotos, textos e vídeos que pediam socorro para o grande massacre que estava em andamento. As autoridades alegavam que as provas não eram confiáveis porque não foram enviadas por agências internacionais de notícias ou órgãos oficiais. Sempre diziam que as informações não podiam ser confirmadas em função da restrição de acesso de organizações internacionais e qualquer estrangeiro no país.

Pergunto: Então quando uma mãe sai de casa correndo, gritando e pedindo socorro, não pode ser ouvida pois seu pedido não foi feito por um órgão reconhecido internacionalmente?

Com o constante descaso da comunidade internacional, o presidente sírio foi testando sua liberdade para matar, aumentando gradativamente a violência, após perceber que à cada nova escalada as autoridades internacionais permaneciam inertes. Al-Assad explorou todas as vantagens do jogo político (no âmbito diplomático), o que acabou por lhe proporcionar uma espessa blindagem. As regras internacionais estão agora se mostrando obsoletas e a crise na Síria servirá de referência para outros ditadores irem ainda mais fundo na repressão de seus opositores, sempre em nome da "soberania e independência de seus Estados, para poderem resolver seus assuntos internos sem interferência estrangeira".

Países que se encontram na mesma situação da Síria, devem ser vistos de forma diferente, e precisam de acompanhamento de perto, pela comunidade internacional.  Não há como esperar um grande genocídio acontecer para então decidir o que fazer, os próprios números falam por si: Mais de 15. 426 civis mortos cruelmente, em mais de 80% por execução sumária!

As regras internacionais não previam que homens tão cruéis como Hafez Assad e seu filho bastardo Bashar Al-Assad tivessem a ousadia de desafiar o mundo, sob pretexto de provocar uma guerra em todo o Oriente Médio ou à nível mundial! Leis e tratados que precisam de revisão, pois já não protegem as populações, como previsto. Nesta quinta o escritor da página oficial da Revolução Síria desabafou:

"O povo sírio só tem duas escolhas: Ou se preparar para morrer, até vivemos na dignidade da glória ou a mendigar o perdão e poder viver por viver e morrer."

Armas caseiras vão ganhando espaço no Exército Livre, formado por dissidentes
e civis voluntários, que sem recursos lutam mais uma vez pela própria liberdade,
ou por um governo mais justo que distribua recursos de forma justa para todas as
famílias sírias. Chefe da UNSMIS: "Síria já vive Guerra Civil", disse ONU.

A violência na Síria já atingiu todos os níveis de crimes descritos como de alçada internacional pela Carta Magna da ONU: "Crimes contra humanidade, limpeza étnica e crimes de guerra". Esta realidade já vem sendo confirmada pelas Nações Unidas nesta quinta-feira, com os relatórios mais recentes enviados pela missão dos Observadores na Síria. Destacando aqui que a R2P (Comunidade Internacional) tem o "dever de proteger as populações por meio de prevenções aos genocídios", com base no tratado assinado em 2005. Este clamor tem sido levantado pelos conselheiros especiais da UNSMIS (Missão de paz das Nações Unidas na Síria) que urgem por uma iniciativa internacional para conter a onda de ataques direcionados propositalmente para as populações de civis.


Outra realidade é que desde o mês de Novembro de 2011 que os relatórios das Nações Unidas não passam dos 10 mil civis mortos, ao passo que a realidade no solo revela que em média 1000 pessoas morrem todos os meses no país.


Uma confissão (que no momento não tenho o link) de um dissidente da marinha síria, que no mês de Maio de 2011 o regime sírio prendeu um grande número de manifestantes e os levou ao cais. Lá não se sabe o número exato, um gigantesco número de pessoas mantidas em contêiners, e o que levou o jovem marinheiro a desertar e fugir para não ser morto pelo regime, foi o fato de que os contêiners foram lançados no mar por ordens do regime sírio!


A única forma de verificar esta acusação grave é enviando equipes de busca mais tarde.

quarta-feira, junho 13, 2012

Síria: Cidades sitiadas, bombardeadas e massacres repetitivos.

A aldeia de Al-Houla esta vivendo seu segundo massacre. Latakya, Al-Haffah, Al-Rastan, Hama, Homs, Aleppo, Idlib dentre outras regiões do país, experimentam agora novos massacres de mulheres e crianças ao estilo Houla, que na verdade inaugurou a nova e horripilante estratégia do regime sírio para neutralizar a oposição: "Exterminar toda a sua descendência."




Por Saulo Valley para JIRABH (Jornalismo Internacional na Revolução Árabe do BlogHumans)
Rio de Janeiro +20, 13 de Junho de 2012 - 08h02 GMT-3
Atualização:  09h47 GMT-3

 Foi nesta Segunda que o Secretário-Geral das Nações Unidas Ban Ki-moon pediu ao governo da Síria que permita aos observadores, o acesso à cidade de Al-Haffah. A ocupação militar de Al-Haffah tem despertado a preocupação e desespero da comunidade internacional, depois que o Massacre de Houla veio à publico no dia 25 de Maio deste ano, quando o regime sírio matou mais de 100 pessoas, sendo que pelo menos 50 crianças e 25 mulheres foram registradas pelos Observadores da UNMIS (Missão de Paz da Onu na Síria). Uma realidade ainda mais assustadora é que das 108 vítimas do Massacre de Houla, 88 delas foram mutiladas e degoladas por milícias de Shabihas usando armas brancas. Esta mesma estratégia síria tem se repetido todos os dias numa das cidades citadas acima. O regime sírio inaugurou a era da perseguição, tortura, abuso sexual e mutilação de todas as mulheres e crianças xiitas, bem como aos dissidentes.

A ONU denunciou abuso sexual de crianças menores, além de torturas e mutilações por parte das milícias pró-assad. Ainda nesta terça, as Nações Unidas reclamam contra a proibição de acesso dos Observadores à cidade de AL-Haffah.


Porta-voz da UNMISS Sausan Ghosheh, reportou nesta terça que os Observadores foram repetidamente repelidos por supostos populares que atacaram as viaturas oficias com pedras e barras de ferro, quando tentavam entrar na cidade de Al-Haffah. Os Observadores disseram que a multidão estava enfurecida e que ao deixar o local, as 3 viaturas foram alvejadas por armas de fogo, mas a origem não foi encontrada. O relatório informou que a comissão voltou para a base ilesa.

Na segunda-feira, os observadores da UNSMIS relataram combates pesados ​​em Rastan e Talbiseh, ao norte da cidade de Homs, com o uso de artilharia e morteiros bombardeio, bem como disparo de helicópteros, metralhadoras e armas menores. Disse a ONU.


Enquanto que Observadores em Homs denunciaram o uso de helicópteros militares em tiroteios, bombardeios e mortes foram registrados. Diversos crimes catalogados. Com o aumento da violência no país, governo e oposição têm procurado utilizar armas cada vez mais destruidoras. Ontem a ONU procurou diálogo com as partes para pedir que "limitem a capacidade de estragos de suas armas". Este tipo de convenção jamais funcionaria, uma vez que nem assinando tratados com a  Liga Árabe e as Nações Unidas, o regime sírio foi capaz de cumprir as regras pré-estabelecidas à partir de uma acordo entre as partes.

Pedir para o FSA (exército Livre) reduzir o equipamento sem a garantia de que a Síria estará fazendo o mesmo, é patrocinar um genocídio ainda maior, que só não tem acontecido por força da resistência rebelde..

Muitas famílias massacradas

Nesta segunda em Aleppo Ahmed Subhi Sarhan e seus 3 filhos (Saad, Feira e Wael) foram sumariamente executados por shabihas, na região de Hreytan (Haritan) - (As imagens são fortes +18).

Video: Bombardeio tem deixado muitos estragos em Haritan. As famílias fugiram.



 Esta mesma cidade tem sofrido bombardeios e ataques aéreos por helicópteros  e caças foram registrados em vídeo e fizemos um snapshot no momento exato do ataque por helicóptero:


Ataque por Helicóptero em Haritan - "Snapshot"


Resíduos de um míssil russo, em consequência de um ataque realizado por um caça, também foi registrado na cidade. 


Em Alaqbir, na Vila de Protetores de Marzaf, grupos de Hbihh invadiram pelo menos 18 casas na aldeia com a intenção de matar a qualquer pessoa que fosse encontrada, utilizando armas de fogo e armas brancas. Pelo menos 100 pessoas foram chacinadas e as casas foram incendiadas pela milícia. A fonte "MCSY" confirmou o massacre. A fonte informou que o regime sírio proibiu os Observadores de acessarem a região, mas que só autorizou a visita da UNMIS dois dias após o ocorrido.

"MCSY" disse ainda que o mesmo tipo de massacre foi realizado pelo regime no escudo, deixando cerca de 40 civis mortos, o que provocou uma grande onda de fuga de populares para o lado Jordaniano da fronteira (que tem sido denunciado por sua vez, por expulsar os refugiados sírios de suas terras). 

Outro massacre ocorreu ainda em Deir Al-Azour deixando 31 mortos e mais de 70 feridos. A fonte alertou que logo depois do Massacre de Houla, entre os dias 04 e 12 de Junho pelo menos 540 pessoas foram feitas vítimas de massacres na síria. Uma brutalidade sem fim!

Video: A intensidade dos bombardeios em Homs 09-06-2012


Artigo em Destaque

EDITORIAL - O Brasil é perfeito para quem não teme o trabalho honesto

Temos que combater os esforços da mídia paga, que visa fazer as pessoas amarem mais o mal que o bem. Se você concorda leia, comente e compa...

Leia também: