terça-feira, dezembro 18, 2012

ONU/HRW: Antisemita Richard Falk é oficialmente demitido do staff.

Por fim o desfecho do escândalo internacional que revelou segredos da vida pessoal do Alto Comissario das Nações Unidas para os Assuntos em Gaza Richard Falk.

Por Saulo Valley e com suporte da HRW - Rio de Janeiro, 18 de Dezembro de 2012 - 20:23 GMT-3

Richard Falk era membro ligado ao escritório da Secretaria Geral das Nações Unidas e ainda coordenador dos Direitos Humanos da HRW para crimes cometidos  por Israel em Gaza.

O HRW publicou uma nova comunicação assinada por seu diretor Hillel C. Neuer, confirmando a demissão definitiva de Richard Falk, após os assuntos que o levaram à ser demitido ter se tornado"viral" em toda a internet. Comentado em quase todos os idiomas e em quase todo o mundo, o agente dos Direitos Humanos da ONU, é tido como uma espécie de "garoto propaganda do Hamas", bem como da "Teoria da Conspiração", como foi divulgado na publicação anterior.

Condenado pela alta cúpula da Secretaria Geral da ONU, inclusive por Ban Ki-moon, Richard Falk foi demitido em função de suas declarações públicas e ofensivas ao princípio e moral dos Direitos Humanos Internacionais, com tendências ao radicalismo e acusações pesadas contra estados membros importantes, como os Estados Unidos. Tudo isto de forma publica e voluntária. Uma espécie de surto prolongado, mas na verdade como foi citado na publicação de anterior, as atitudes, os hábito e os lugares que o alto comissário da ONU tornava seu modo de vida, o colocaram na posição oposta às regras gerais das Nações Unidas e do estatuto interno do HRW. Típico do meio que ele frequentava, sua atitude demonstrou um certo tipo de Jihad ideológica, onde arriscou tudo para dizer o que pensa e sente à respeito do mundo em que vivia, citando aqui o "truthjihad" que é um grupo anti-semita no qual Richard Falk foi visto frequentemente.

Em sua página pessoal, Falk admitiu que iria "pedir demissão, mas supostamente por causa de suas ligações dentro da ONU, que era contrária à política do HRW."


Depois de tantas acusações e condenações por membros poderosos da ONU, como o primeiro ministro britânico David Cameron, Suzan Rice, Navi Pilay e o próprio Secretário Geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, Richard recebeu do Diretor Geral Kenneth Roth da HRW e seu Diretor Executivo Hillel Neuer a carta de demissão, pelo bem da credibilidade dos Direitos Humanos.

Agora resta saber se após estas sequências de escândalos, se a ONU vai continuar oferecendo cargos importantes para membros em situação irregular com o TPI, com o Direito Internacional e com a sociedade global. Apesar de apoiar a criação do Estado Palestino, lógicamente é importante ressaltar que a Palestina precisa cumprir com suas obrigações mediante as exigências já impostas pelas Nações Unidas, à fim de que o mais novo Estado neste planeta, não seja iniciado ainda prematuro pelo caminho do desrespeito
às leis internacionais e a compra de posições e privilégios, como vem reclamando a HRW.

*Particularmemte, este espaço eu este autor não faz nenhum tipo de oposição jornalística ou pessoal ao Hamas e ao povo palestino, muito menos a Israel e ao povo judeu, que aprendi a amar desde a infância porque sou de formação cristã.

É claro que como "Observador do Mundo", meu dever assumido comigo mesmo é de trazer os bastidores da vida política internacional para uma melhor avaliação do rumo de toda humanidade a fim de buscarmos o bem comum, e não o bem de alguns, que se mantém no topo da pirâmide global.

Este espaço, que já é um instrumento de interesse mundial, devido a sua elevada audiência e sua crescente credibilidade, deseja que o ex-oficial Richard Falk se encontre consigo mesmo e se isto já é uma realidade, que ele se sinta à vontade para ser feliz dentro de seu próprio meio. Contando sempre com as nossas orações para que seja agraciado com a paz de Deus todo-poderoso em seu coração.

Artigo em Destaque

EDITORIAL - O Brasil é perfeito para quem não teme o trabalho honesto

Temos que combater os esforços da mídia paga, que visa fazer as pessoas amarem mais o mal que o bem. Se você concorda leia, comente e compa...

Leia também: