segunda-feira, junho 25, 2012

Líbia: Domingo violento em Kufra e o esforço para manter a estabilidade no pós-Gaddafi. Atualização

Na manhã de domingo grupos armados iniciaram tiroteio aleatório em diversas regiões do país, principalmente em Kufra. Milícias que utilizando armas de diversos calibres se espalharam pelos bairros matando pelo menos 35 pessoas, entre as vítimas mulheres e crianças.

Violentos ataques na região fronteiriça de Kufra, na Líbia -  Google Mapas
Por Saulo Valley para JIRABH (Jornalismo Internacional na Revolução Árabe do BlogHumans)
Rio de Janeiro, 25 de Junho de 2012 - 06h11 GMT-3
Atualização 26-06-2012 - 08h29

De acordo com a Revolução 17 de Fevereiro (que derrubou o ditador líbio Muammar Kaddafi), pelo menos 187 viaturas militares entraram em Misurata, na cidade de Mizdah, com a missão de restaurar a paz na região e proteger os civis.

Os confrontos entre tribos rivais na região de Kufra (Sudeste da Líbia) começaram ainda na madrugada de domingo e romperam a manhã com violência alarmante. Usando todos os tipos de armas, os grupos romperam com o cessar-fogo acordado pelo governo de transição e as tribos. Um pesado ataque ao quartel-general das forças do escudo foi relatado pelo "Movimento 17 de Fev". Logo após as tropas oficiais terem repelido o ataque, as milícias se espalharam pelos bairros aterrorizando a população.

Há relato de bombardeios tão violentos que teriam causado a morte das crianças que estavam abrigadas numa escola para se proteger do ataque aleatório e indiscriminado. De acordo com a fonte o hospital central de Kufra/Faraj Okoider era o principal objetivo do ataque das milícias. Pelo menos 4 criminosos foram mortos.

Resistência Verde

Novas fontes comprovam que na verdade as milícias que ocuparam Kufra são focos de resistência pró-Kadafi. Tropas militares abastecidas com armamento pesado, lança-foguetes sobre rodas em uma série de equipamentos ainda da era Kaddafi, que segundo fontes de países aliados, incluindo a Venezuela, dominaram a região para lutar pela retomada da Líbia. Ainda não se sabe se quem está no comando da Resistência Verde pertence à família Gaddafi. Assista o vídeo à seguir.



Últimos relatos da última meia-hora contam que um comboio da CNT que entrou em Kufra com a missão de interromper os ataques da Resistência Verde, foi parcialmente destruído em consequência de uma emboscada que inutilizou a maioria dos veículos utilizados pela atual força militar no controle da Líbia. De acordo com a fonte, os sobreviventes conseguiram escapar pelo deserto. Blogues e sites pró-Gaddafi falam de larga exploração do gás mostarda nos confrontos. A Resistência Verde acusa a CNT do uso de armas químicas na tentativa de intervir o confronto entre as tribos locais e as milícias pró-Gaddafi, enquanto o movimento 17 de Fevereiro alerta para o bombardeio indiscriminado das casas na região.

Divisões e subdivisões

Uma suposta divisão no CNT pode ser a causa da dissolução do governo provisório, levando em consideração que este não teve sucesso em desarmar as milícias que lutaram contra Muammar Kaddafi e que agora infernizam cidades como Benghazi e Misurata. Fontes líbias afirmam que há facções islamistas radicais que lutam para dividir a líbia em 3 regiões federalizadas. divisões estas que são atribuídas aos serviços de inteligência da Resistência Verde infiltrados no seio do CNT (Conselho Nacional de Transição).

Uma batata quente que ninguém está se esforçando para pegar. O líder Abdul Jalil era um dos favoritos para o governo da Líbia, mas rejeitou a indicação, por alegado receio das implicações que se seguiriam. O país sendo conduzido pela incerteza, milícias pró-CNT e pró-Resistência Verde se degladiam enquanto as forças armadas se mostram nulas e o governo de transição paralisado.

Vídeo: Milícias pró-CNT seguem para Kufra para impedir confronto entre tribos 24-06-2012.




Países compromissados com a ditadura Kaddafi têm comemorado a crise de instabilidade que tenta assolar a Líbia, enquanto que o primeiro-ministro Keib tem acusado o CNT de "atrapalhar o processo eleitoral".

Artigo em Destaque

EDITORIAL - O Brasil é perfeito para quem não teme o trabalho honesto

Temos que combater os esforços da mídia paga, que visa fazer as pessoas amarem mais o mal que o bem. Se você concorda leia, comente e compa...

Leia também: