quarta-feira, maio 23, 2012

Síria: Troca 2 prisioneiros por tanque de guerra com FSA

O famoso "diálogo com a oposição síria" só está acontecendo agora, justamente 1 ano e 2 meses depois do anúncio. Mas este diálogo só tem servido para troca de reféns, ou a recuperação das máquinas de destruição que o regime acaba perdendo para o Exército Livre. Em queda livre, o sistema agora decidiu barganhar:


Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 23 de Maio de 2012 - 08:12 GMT-3
Atualização 19h26

Nesta quarta-feira uma comissão dos Observadores está agendada para visitar a prisão central. Momento muito esperado no seio da revolução popular síria, também pelos presos que estão preparando faixas e cartazes com seus pedidos e denúncias contra o sistema carcerário sírio.

A visita foi agendada depois que matérias publicadas por agências internacionais denunciaram, nesta segunda-feira, as prisões sírios como casas de torturas. Salameh Kaileh, um proeminente escritor palestino de 56 anos descreveu sua agonia numa das prisões do regime, desde que foi sequestrado pelo regime em 24 de Abril.

Em entrevista que cedeu no Domingo (20), o escritor célebre descreveu para o "News 24" (deportado para a Jordânia) exibia seus inúmeros hematomas e marcas profundas de torturas.

Mas o regime sírio não é mais o mesmo. Enfraquecido financeiramente e políticamente, tenta manter a meta de "ir até as últimas consequências" para castigar a oposição popular por minar o sistema. O site curdo de notícias "ciwanekurd" disse que o regime tem reconhecido a força do FSA (Exército Livre), aceitando a oferta de trocar prisioneiros, o que é interpretado pelos sírios como um grande sinal de fraqueza do sistema.

A fonte garantiu ainda que a troca foi muito bem sucedida, levando ainda em conta que o FSA antes havia se garantido de que o Tanque Pamzer estava tão avariado que não poderia ser reutilizado.

Atualização 19h26 - TV Aljazeera em entrevista com membros do FSA que contam como Observadores das Nações Unidas ajudaram na negociação da troca de reféns entre Exército Sírio e Exército Livre.


Ativistas de Homs informaram nesta terça (22) que; em preparação à chegada dos Observadores na prisão Central, as forças de segurança invadiram o complexo penitenciário. Os prisioneiros que se mantinham em greve de fome em protesto contra o sistema, foram espancados violentamente. A fonte revela que houve um número de mortes em consequência de seus ferimentos e debilidade física.

Tradicional encontro de cúpula militar termina em morte coletiva por
envenenamento alimentar em 19-05-2012. 
Envenenamento coletivo

Esta polêmica notícia tem percorrido a Síria deixando muitas perguntas no ar. Numa reunião de cúpula militar em Damasco que envolvia todos os membros da equipe de "Gestão de Crises". De acordo com o relatório, membros do grupo rebelde AL-Shahaba ligado ao FSA, teria se infiltrado e envenenado todos os membros do comando. O jantar aconteceu às 19:30 minutos (como de costume) e se encerraria às 22:00. A notícia foi primeiramente divulgada pela TV estatal síria no dia 19 de Maio deste ano.

De acordo com um e-mail re-enviado por membros do Exército Livre (FSA) para a "BlogHumans", todos os alimentos, inclusive as sobremesas estavam exageradamente envenenados. O e-mail informou que apenas 5 gotas do veneno seriam suficientes para matar um homem. Mas a operação planejada queria garantias de que ninguém sobreviveria, então foram adicionadas 15 doses do veneno na sopa, nos legumes cozidos e na carne fatiada. O serviço de inteligência disse ainda que foram adicionados 5 tipos diferentes de veneno completamente isentos de cor, odor ou paladar, acompanhados ainda com uma generosa quantidade de veneno em pó que foi adicionado à sopa.

Todos os 8 participantes foram encaminhados para o hospital Shami em Damasco mas não resistiram. Apenas um membro da cúpula de comando sobreviveu porque não compareceu ao encontro, por ter tido outro compromisso.

De acordo com a mensagem, o trabalho de inteligência realizado pelo rebeldes da região de Al-Shahaba, teria consumido 2 longos meses de planejamentos e investigações. O relatório disse ainda que a tomada de Damasco requer várias etapas a serem seguidas pela oposição. A primeira delas seria a eliminação das cúpulas de comando do regime, para enfraquecer o sistema.

A fonte disse ainda que o "agente infiltrado" observou se os alimentos estavam sendo consumidos pela cúpula e se retirou do prédio após 10 minutos. Com a ajuda da inteligência, foi retirado do país e está hoje sendo mantido em local não informado pelo Exército Livre.

Informações vasadas no Hospital Shami, afirmaram que no momento em que os "alvos" começaram a cair, toda as portas foram fechadas e a segurança redobrada e os telefones desligados. Houve uma grande agitação e o comando foi levado para a internação de emergência. O hospital foi cercado e outras fontes comentaram sobre um grande confronto que teria acontecido nos arredores do hospital. Toda a equipe médica teria sido revistada e seus telefones confiscados, esta foi a última informação antes que todas as formas de comunicação entre pessoas ligadas ao comando do regime sírio e as pessoas do FSA.

Saldo de vítimas da Terça-feira fornecido pelo CCLSy.

Terça-feira 22 de maio, 25 pessoas foram mortas pelo regime sírio, incluindo 9 membros da FSA em Hama: 11 | Homs: 5 | Daraa: três | Deir Ezzour: dois | Idleb: 2 | Aleppo: 1 | Arraqqah: 1 | Damasco e Damasco rural: 1

Artigo em Destaque

EDITORIAL - O Brasil é perfeito para quem não teme o trabalho honesto

Temos que combater os esforços da mídia paga, que visa fazer as pessoas amarem mais o mal que o bem. Se você concorda leia, comente e compa...

Leia também: