terça-feira, janeiro 10, 2012

Brasil: Crise deverá ser combatida com rejeição a produtos chineses

Em 10 anos a China pulou de país subdesenvolvido para 2ª maior potência econômica do planeta, superando o Japão. Esta súbita evolução com crescimento que chegou a ser registrado a 10% ao ano tem uma explicação nada agradável: A comercialização de milhares de produtos clonados à preços abaixo do mercado. Em outras palavras; Pirataria e concorrência desleal. Agora é que os países da América do Sul reconhecem que estão seguindo os mesmos passos da América do Norte, permitindo que bilhares de dólares em produtos piratas invadam o mercado nacional em troca da venda de algumas mercadorias para o reino de Hu Jintao...


Leite importado da China - Cortesia: "David Woo"
Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 10 de Janeiro de 2011 - 11h26min.

O mercado mundial vem sendo detonado pela concorrência desleal chinesa, e nem por isto o país do Dragão Bruce Lee é estável. Enfrentando uma violenta crise interna, a China está à alguns metros do precipício, devido à falta de infra-estrutura de seus negócios, leis e sociedade. Um governo que tenta manter sua credibilidade através do grande volume de negociações flutuantes, oferecendo mercadorias muito baratas, de baixa qualidade que só são produzidas por força da pirataria e da exploração da mão de obra escrava nacional.

Sem condições de sobreviver, os chineses estão à beira de uma explosão de loucura, vendo suas vidas sendo conduzidas a limites extremos por força da corrupção que gera pobreza, uma estratégia muito inversa ao que ensinou o lendário líder chinês Sun Tzu:

"Para um inimigo cercado, você deverá deixar um caminho para a saída; e não pressione com muito vigor um inimigo que está acuado e desesperado em um canto sem saída."
Este sábio general, que é considerado o maior mestre da estratégia conhecido na China, alertou para o erro pressionar pessoas por todos os lados. Sem saída esta opressão deverá fazer com que se voltem contra o sistema de forma desesperada, porque lutarão como quem não tem mais nada a perder e suas forças poderão ser multiplicadas por 10! A tendência da China no mercado internacional é a descrença. A perda de credibilidade no exterior está seguindo os passos da profunda perda de credibilidade no mercado interno. Investidores nacionais e estrangeiros relutam em aplicar recursos num país aonde as leis são incapazes de proteger seus interesses além de provocar interminável sentimentos de revolta da classe trabalhadora e a sociedade civil.

O site "infomoney" trouxe a discussão sobre o enfraquecimento da indústria brasileira, como consequência da disputa desleal contra os produtos industrializados e importados da China. Ele aponta esta "batalha" como a única maneira de recuperação da estabilidade do setor que vem demitindo funcionários aos milhares, tendo o índice de demissões crescido em 70% até Dezembro de 2011.

Baixa na produtividade, nas exportações e o mercado se vê sem saída, mas a saída pode ser mais simples.

Cortesia "Marc Amos"
Já que o Brasil importa produtos de baixa qualidade da China, porque não produz seus próprios produtos de segunda linha para consumidores de baixa-renda?

O Brasil perdeu a grande explosão do comércio de produtos de preço médio de R$ 1,99 para a China. Hoje em dia, quase 100% dos produtos destas lojas são chineses e o número de lojas de utilidades e futilidades continua crescendo. Enquanto isto ficamos apenas aplaudindo o "sucesso" do Oriente que "enriqueceu" as famílias assalariadas, dando a elas a oportunidade de adquirir produtos que antes nem de longe conseguiriam comprar. Assistimos a tomada das ruas 1º de Março (SP) e Uruguaiana (RJ), Alfândega (RJ) e os camelódromos em geral, por produtos estrangeiros.

A redução de impostos ou a criação de uma faixa de categoria de produtos que produzidos no Brasil tenham preços paralelos aos preços dos produtos chineses, feitos com matérias primas similares ajudariam muito a recuperação, até porque em tempo de crises, ninguém corre atrás de luxo. As pessoas se acostumam com a simplicidade em nome da sobrevivência.

Detalhe para os comestíveis chineses que cada vez mais estão sendo rejeitados pela ANVISA, por comprometer a saúde dos consumidores... brinquedos com matérias primas tóxicas e etc... tudo que não seria permitido produzir no Brasil, a gente importa da China. Diga-se de passagem a gripe aviária está à todo vapor por lá!

O escritor e blogueiro Paulo Roberto de Almeida indaga:

"Que tal atuar sobre as verdadeiras causas da falta de competitividade dos produtos locais, a tributação excessiva e outros elementos deletérios de nossa produtividade?" 
 Boa proposta! 

Artigo em Destaque

EDITORIAL - O Brasil é perfeito para quem não teme o trabalho honesto

Temos que combater os esforços da mídia paga, que visa fazer as pessoas amarem mais o mal que o bem. Se você concorda leia, comente e compa...

Leia também: