quinta-feira, setembro 29, 2011

Síria: Estupro de Criança em Douma e Embaixada americana cercada por pró-Assad.

A violência síria não tem limites, muito menos explicação lógica. Uma série de acontecimentos impactantes eclodiram por todo o país, deixando o mundo abismado:


Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 29 de Setembro de 2011 - 17h58min. Atualização: 19h36min.

Embaixada Americana- A diplomacia síria ganhou um novo estágio. O atrito entre a América e o presidente Bashar Al-Assad ganhou mais um grau de acentuação, quando o Embaixador Robert Ford teve seu escritório invadido. Um grupo de pelo menos 100 manifestantes pró-Assad iniciaram um ataque utilizando pedras e tomates, informou o site árabe "alrai". A fonte, citando uma testemunha ocular que teria dito que o grupo cantava slogans contra os Estados Unidos. Apersar de terem atacado a comitiva do embaixador americano, ninguém ficou ferido. No lado de fora do prédio, os manifestantes permaneceram protestando e era cerca de 08:00 GMT.

No interior da Embaixada, o Embaixador Robert Ford iniciou uma reunião com um dos representantes da oposição síria, Hassan Abdel Azim. De acordo com a fonte, a reunião durou cerca de 2 horas.

Reconhecimento líbio - O governo de transição da Líbia deu o ponta-pé inicial para fortalecer os manifestantes que lutam pelo fim do massacre contra civis e o regime Assad, reconhecendo a Assembléia Nacional de Transição como representante legítima do povo Sírio. Segundo testemunhas e importantes ativistas, a notícia foi divulgada pela TV Líbya Free, nesta Quarta-feira.

Dissidentes matam 80 "Cbihh" - A batalha feroz que tem sido travada entre dissidentes e as forças pró-Assad em Homs e Rastan ganhou nova perspectiva, quando o Exército Livre anunciou que o Batalhão "Al Harmoush" no Canto do Monte em uma violenta batalha libertou pelo menos 26 estudantes que haviam sido presos depois que decidiram que só voltariam às aulas depois que Bashar Al-Assad deixasse o poder, informou o site "youm7" e ativistas em contato com o "Saulo Valley Blog". A agência Al-Arabiya ainda informou que a maioria dos soldados "Cbihh" mortos eram snipers. A campanha contra o massacre de civis iniciada pelos dissidentes se espalhou por Hama, Homs, Deir Al-Zour, Damasco, Aleppo, Latakia, Banyas, Idlib, Kameshli e outras regiões pouco conhecidas no ocidente.

18h43min: Há 6 minutos foi divulgada a informação de que um reforço de pelo menos 200 tanques pro-Assad entraram em Rastan nesta tarde de Quinta-feira.

20h34min: Caças estão bombardeando Rastan e soldados pró-regime estão prendendo civis e usando como escudo humano na luta contra dissidentes.

20h40min: Número de "Cbihh" atiradores pró-Assad sobe para 88, diz governo sírio.

Agências de notícias anunciam que pelo menos 17 civis morreram hoje e 10 dissidentes. Enquanto os sírios vão buscando retirar forças de onde não tem, eles continuam pedindo a ajuda da NATO, pelo menos para impedir que tanques e aeronaves sejam utilizadas contra a população. Ontem em Rastan caças sírios estavam quebrando a barreira do som em baixa altitude para atingir os manifestantes. Ainda Shabihas estavam violando túmulos para expor os corpos dos manifestantes.


Video gravado por um dos Shabihas mostra que eles estão violando os
túmulos dos manifestantes.


Criança Violentada

Ainda buscando provocar desesperadamente uma reação armada do povo sírio, as forças de segurança apelam para truques cada vez mais sujos. A notícia de que uma menina foi abusada sexualmente na cidade de Douma nesta Quinta, deixou os sírios cheios de ódio, ao mesmo tempo anunciaram que permanecerão firmes na promessa de manter a manifestação contra o regime em tom pacífico até o fim.

De acordo com familiares e amigos da adolescente, que cursava o ensino médio, ela foi seqüestrada e estuprada quando à caminho da escola. Os populares disseram que a jovem que não pode ter seu nome citado, foi encontrada nos pomares que rodeiam a cidade. Ativistas disseram que ela foi encontrada em estado crítico de saúde. Ela teve suas roupas rasgadas e estava à beira de um colapso. A população de Douma, que em grande parte pertence à família da adolescente, exige que o crime seja investigado.

OBS: O crime de estupro não é uma prática comum na síria. Por pior que seja o criminoso, ele jamais se utilizaria desta arma, considerada de nível mais baixo que um ser humanos poderia atingir. Por este motivo, todos concordam que os "Shabihas", que são os únicos estrangeiros por estas terras, e que haviam isolado aquela região no mesmo horário que o crime aconteceu, são os únicos suspeitos. Eles também são acusados de estuprarem cerca de 400 mulheres sírias no acampamento de refugiados em Hatay, na Turquia, próximo da época em que Angelina Jolie esteve por lá. Como resultado, 250 mulheres estão grávidas destes monstros.

Enquanto a violência sobe rapidamente de nível no país, multidões cada vez maiores saem às ruas para pedir o fim do regime de Al-Assad. Toda a Síria se encontra agora concentrada em retirar Assad do poder e julgá-lo por todos estes crimes, juntamente com todos os seus seguidores.

Situação Humanitária

Em Rastan a situação está insuportável. Falta água, comida, remédios e leite para as crianças. Não há como tratar dos feridos, nem como alimentá-los.

terça-feira, setembro 27, 2011

Mulheres árabes assumem importante papel na revolução como um todo.

As mulheres árabes estão em destaque nestes dias. Na síria são os alvos de ataques. Na Arábia Saudita, a primeira mulher acaba de ocupar uma posição importante no governo, e no Iêmen, centenas delas saíram às ruas nesta Segunda pelo fim do regime de Saleh.

"Women's line" foto cortesia: "Mona"
Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 27 de Setembro de 2011 - 19h17min.


As mulheres árabes sempre viveram sob pesado jugo, causado pelas religiões machistas e discriminadoras. De acordo com estes ensinamentos, humilhar e oprimir o sexo feminino é uma determinação de Deus. Mas quando o mundo árabe se viu em completo caos, as mulheres surgiram como importante e influente colaboradoras. O mais interessante nisto tudo é que elas não foram convidadas, nem se ofereceram. Foram inseridas naturalmente por natureza (ou quem sabe por provisão divina).

Se Deus condenava o sexo feminino e hoje elas se tornaram importantes aliadas do sexo masculino na busca pelo equilíbrio humano, então a revolução querido(a) leitor(a), provavelmente tenha começado no céu antes de chegar até ao Oriente Médio!

Desde o início deste ano, os manifestantes saem às ruas pelo fim do regime de Saleh, no Iêmen. Até agora já foram registradas mais de 450 mortes, reconhecidas oficialmente. Nesta Segunda-feira, as mulheres ienemitas saíram às ruas pedindo a queda do ditador. Opressor e cruel, Saleh é mais um daqueles que não abrem mão de sua mina de tesouro, que consiste em oprimir o povo, retirar todos os recursos de suas mãos e do Estado e guardá-los em seus próprios bolsos. Com o uso das forças de segurança e seu poder de fogo, ele pretende manter o povo sob controle e sua posição intocável.


Arábia Saudita

Mas os tempos mudaram e não há como rústicas ditaduras suportarem as exigências do mundo globalizado. Assim como no Iêmen, na Arábia Saudita, o Rei Mohammad Aziz Abdul se esforça para compreender a linguagem dos direitos humanos internacionais, permitindo à Sheik Elisa Ghanem de 40 anos, de ter sua vaga garantida no parlamento, após grande vitória nas eleições tendo sido a favorita dentre 85 concorrentes. De acordo como Site "tg1.rai", cerca de 46% dos eleitores eram do sexo feminino. Elisa Ghanem concorreu à uma vaga na nova formação do "NCF" Conselho Nacional Federal.

No lado posto da Lei, hoje tornou-se de conhecimento público que uma mulher saudita que vestiu a camisa da campanha "Women2Drive", que protesta pelo fim da proibição de que mulheres dirijam automóveis, foi presa em flagrante em seu veículo e condenada a 10 chibatadas. Jastaniah foi presa em Julho passado quando o movimento ganhou as páginas dos principais sites de notícias do mundo. Depois disto teve que responder a um processo em liberdade. Ontem foi anunciada a decisão judicial.  A  AFP informou que a Anystia Internacional emitiu uma declaração em protesto ao castigo de Jastaniah às 10 chibatadas, que por coincidência aconteceu um dia depois que foi anunciada a eleição da primeira mulher para o Conselho Nacional Federal em Jedah, o "Conselho Shura". Segundo a AFP, a Anistia Internacional disse que a concessão do direito ao voto nas eleições municipais, a concessão de uma vaga para uma mulher no Conselho, tornam-se demonstrações que se invalidam após a condenação de uma mulher que dirigiu um automóvel.


O mais curioso é que a não há lei convencional que proíba a mulher de dirigir, apenas um decreto religioso.

Video: Shabiha desertor, fala sobre o sequestro de mulheres na Síria: Legenda disponível.

Síria: Assad reescrevendo a constituição enquanto exército mata cerca de 17 por dia.

O governo sírio anunciou nesta Segunda, que o presidente Al-Assad está completamente dedicado às reformas na Síria. De acordo com Shaaban, assessora política do presidente sírio, ele está empregado em formar a comissão que reescreverá a nova constituição. Ontem 15 civis foram cruelmente assassinados pelo exército sírio. Há muitos relatos de sequestro de mulheres, estupro, mutilações e em Rastan o uso de bombas de gás venenoso.
Video: Promessa de reformas anunciadas há 5 meses.


Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 27 de Setembro de 2011 - 06h11min.

Mais de 40 representantes de países espalhados no mundo pediram a Assad que:

"Pare imediatamente com a violência contra civis e dê início às reforma exigidas pelo povo sírio".

Mas Al-Assad parece não ter ouvido em mais de 40 pronunciamentos de autoridades internacionais, a primeira parte do pedido. Ele se mostra concentrado nas "reformas" que parecem mais similares às reformas impetradas por Hittler, que pretendia formar uma nova civilização a partir da existente. Para isto achava necessário submeter o povo a inúmeros experimentos científicos, perseguições, extermínios, mutilações, privações e toda sorte de desgraça em massa!

As reformas não parecem ter alguma utilidade na Síria, enquanto que o castigo e a destruição do povo que se opõe ao regime de Bashar Al-Assad parace ter mais importância e urgência.

Para ser mais claro, desde que o presidente sírio anunciou que as reformas políticas estavam em andamento, apenas três realizações puderam ser notadas:

A suspensão teórica da Lei de Emergência que já vigorava há 48 anos. Esta suspensão simbólica não provocou nenhuma mudança significativa na Síria, uma vez que o exército continua sitiando as cidades, aldeias e bairros, impondo toque de recolher, proibindo a saída e entrada das cidades isoladas, bloqueio nas comunicações, energia elétrica e todos os outros recursos, que são essenciais para a subsistência de uma sociedade civil. O mesmo dia do anúncio da suspensão da Lei de Emergência, fechou com a morte de 22 manifestantes, por franco-atiradores instalados nos prédios governamentais. Na época o exército tinha sitiado a cidade de Daraa e semanas depois, quando se retirou, deixou 2 valas comuns cheias de corpos de pessoas de todas as idades, inclusive crianças.

A Lei dos Partidos e o "direito à oposição" deveria ser um passo importante, já que o país é regido há 48 anos apenas pelo Partido Ba'ath.Com o lançamento da nova lei deveria ser permitido a oposição, para que houvesse maior discussão sobre os variados assuntos de interesse do povo sírio, mas a lei criada no papel é uma coisa. Na prática, a oposição síria não passa de parentes do presidente, funcionários do governo, agentes do serviço secreto e um monte de pessoas que são pró-Assad. Estas pessoas não compartilham das manifestações nas ruas. Elas não têm a menor ligação com as lideranças da revolução popular contra o regime sírio e elas só fazem oposição ao povo da Síria e à garantia dos direitos humanos internacionais.

Testemunhas oculares informaram que ontem 2 professores da Universidade Ba'ath em Homs foram executados. Há um tímido e crescente número de membros do partido do governo que estão renunciando, e é claro, fugindo para não morrer. Há 4 meses 200 membros do partido anunciaram suas renúncias e muitos deles foram executados por Maher Assad, o irmão do presidente que controla com punhos de sangue as forças contra a revolução popular.


A nova lei de Mídia acrescentou vigilância e proibições onde já era vigiado e proibido. As agências internacionais continuam excluídas, a SANA é a única agência de notícias que pode se "expor", e ela só escreve as notícias enviadas pelo serviço secreto sírio depois de serem revisadas por Al-Assads. A "nova" lei não abre espaço para que agências de notícias locais filmem, ou fotografem os acontecimentos no país, e desde o início da revolução, os jornalistas profissionais e repórteres cidadãos estão tendo todos os seus equipamentos confiscados, estão sendo presos, torturados e executados. Há muitos exemplos, como o jornalista sírio, correspondente da Al-Arabyia, Zaid Mistou, o cartunista político Ali Farzat e o ativista político, famoso por suas entrevistas às agências oficiais internacionais, Mohammad Saleh.

Jane Corbin, uma importante e experiente repórter no Oriente Médio para a BBC, ganhou autorização da Síria para entrar no país. Cercada de mentiras, agentes de segurança e vigiada por dezenas de agentes da inteligência síria, ela pode andar alguns metros fora do hotel, entrevistar Shabihas se passando por manifestantes e voltar ilesa para casa. Esta era mais uma tentativa de mostrar para o mundo que tudo está "bem" e literalmente "sob controle".

Esta "nova lei de Mídia" não só procura encobrir os massacres de jornalistas locais mas também não protege as pessoas que cedem entrevistas a qualquer agência de notícia espalhada no mundo ou local. Tudo na Síria ainda tem que ser feito escondido. E há agentes secretos infiltrados em todos os ramos da sociedade.

Deixando toda esta utopia de lado, voltamos para o mundo real da Síria:




27-09-2011 - 07h36min

URGENTE: Homs: Rompimento de mais uma rebelião no exército e os sons de bombardeios, colunas de fumaça enchem os céus de Rastan e relato de batalhas ferozes muito entre os dissidentes e os militares-Asadi, informações de segurança e Cbihh auxiliando nos massacres em grande número de estames e gangues e a intervenção de helicópteros para evacuação. Em Bayada: uma enorme explosão foi ouvida na rua Zeer e um tiroteio muito, muito pesado. 

HOMS: Rastan: "a partir da periferia de Rastan não vi nada, além de nuvens de fumaça, apenas o bombardeio dos tanques". Violento tiroteio contínua. 

HULA: Todas as comunicações e corte de energia, área isolada, o exército reimplantado. 


MALP TER: incêndio muito pesado na sede da 26 brigada. (sinal de choque entre dissidentes e forças regulares) 


EL Waer: grandes explosões e artilharia pesada na área da floresta agora 


TALBISEH: Tiro em bloqueios.


TALBISEH & Rastan: comunicações ainda cortadas.


Video: Manifestação em Palmyra contra o absurdo bombardeio das escolas.

segunda-feira, setembro 26, 2011

ALERTA: Estupros e raptos de mulheres por toda a Síria.

Desde a semana passada, o regime sírio passou a matar menos e a atacar mais as mulheres e estudantes.
Um alarmante número de estupros e sequestros têm se repetido desde que a morte de Zaynab (19) foi divulgada para as autoridades internacionais.

Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 26 de Setembro de 2011 -15h26min.

Homs e Rastan estão sofrendo uma pesada campanha de punição gratuita desde o início desta Segunda-feira. A cidade de Rastan tem estado sob pesado ataque militar. Alerta para o uso de aeronaves e mais de 60 tanques em violento bombardeio às residências. prisões em massa e mais genocídio.

Em Homs o número de mulheres sequestradas e estupradas é alarmante. A maioria dos sequestros têm acontecido durante as manifestações. De acordo com testemunhas oculares, carros que a serviço do regime de Al-Assad passam pelas manifestações e seus ocupantes iniciam uma caçada às mulheres.

Hoje pela manhã uma tentativa de sequestro a mulheres manifestantes foi frustrada, quando passavam perto do prédio administrativo da empresa ABC.

Ainda em Homs uma grande batalha tem sido travada desde ontem à noite entre as forças pro-Assad e soldados dissidentes que têm desertado em grande número.  Por maio da página da revolução publicada em inglês, foi informado à pouco que a cidade de Homs esteve sob intenso bombardeio por tanquers durante toda a noite de3 Domingto para Segunda. Testemunhas oculares tem informado um violento combate entre as tropas leais a Assad e Dissidentes.

Em Homs a perseguição tornou-se voltada ainda mais para as famílias. Há muitos relatos de que numa única casa a incidência de várias mortes e desaparecimento de de pessoas de todas as idades, a exemplo da jovem Abeer Cherbotli, 25 e seus dois filhos, Haitham Atfeh, 5 anos e Mohammad Atfeh de 3 anos.


Que desapareceu segundo ativistas dos direitos humanos quando ia ao hospital em "Bab Al Sba" para buscar resultado de exames.

A batalha nas ruas se repete na internet, onde a Aljazeera arábica informou que sítes do governo sírio nas 7 maiores cidades da Síria foram atacados por hackers ativistas, os grupos de Hackers internacionais conhecidos como "Anonymous" e "Revolusec". De acordo com a agência, sites do ministérios dos transportes e ministério da Cultura foram alguns dos alvos da cyberwar.

Violentas campanhas de opressão militar, destacando todas as formas de crimes possíveis cometidos contra a população tem sido registradas nas principais cidades onde as maiores e mais violêntas ocorrências têm sido informadas em Homs, Rastan, Hama e Idleb, até o momento.

As organizações oficiais de Direitos Humanos da Síria tem pedido ajuda para que estes crimes sejam informados às autoridades internacionais.

BRAZIL: A corrupção política começa no voto obrigatório e nos partidos

Os partidos políticos no Brasil são muitos. E para que tantos partidos tenham seus espaços garantidos no governo, tudo pode acontecer. As cidades que mais sofrem com as máfias dos partidos são normalmente as adjacentes às grandes capitais. Muitos dos municípios brasileiros têm sido controlados por partidos armados, comandado por mafiosos e milicianos. A fabricação de políticos é uma prática comum. Para um país que quer enxugar a política, ao invés de iniciar atacando os políticos corruptos,  precisa parar imediatamente a fabricação de novos candidatos em esquemas fraudulentos.

Movimento Contra Corrupção - Cinelândia/RJ 20-09-11 - Foto Saulo Valley
Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 26 de Setembro de 2011 - 07h21.
Atualização: 21-06-2012 08h21 GMT-3

No Brasil nunca houve o tempo em que o voto fosse um direito constitucional. A idéia de um país democrático onde o voto é obrigatório é cruel e facilita a criação de fraudes. Esta regra não é mantida por acaso. O nível de corrupção política no Brasil é tão elevado, que se o voto não fosse obrigatório, simplesmente 100% da população de eleitores usaria a abstenção ao voto como forma de protesto, ao invés de eleger o Macaco Tião (chimpanzé que morava no zoológico da cidade) com 400 milhões de votos  e o palhaço Tiririca com mais de 1,3 milhões de votos. Um escândalo. Um espanto.

Decidir votar ou não votar: Este ato seria realmente um ato de democracia e em respeito aos direitos humanos internacionais. Esta corrupção apadrinhada pelo Governo Federal é antiga e todo mundo conhece.
É difícil, diante do voto obrigatório, escolher entre o candidato corrupto (que todo mundo sabe que é corrupto) e o candidato bandido (que todo mundo conhece suas atividades criminosas).

Movimento Contra Corrupção - 05-11-2011
Foto: Saulo Valley
O país que se diz democrático retira das mãos do povo brasileiro o único recurso que lhe permitiria protestar e atacar diretamente a corrupção política e partidária. Agora o Brasil exige o direito de demitir o político eleito que for julgado incompetente ou peça de esquemas fraudulentos.

CPI das pizzas

O povo brasileiro exige o direito de controlar seu próprio governo. Ele exige o direito de tomar decisões sem ter que esperar as conclusões obtidas em CPIs de fachada, que na maioria dos casos, são arquivadas em intervalos médios de 2 anos e ninguém é culpado. Muitas destas CPIs são verdadeiras minas de ouro. Elas aumentam os ganhos de muitos políticos que vivem para criar processos que julgam casos de corrupção real, entretanto são utilizadas para acalmar a mídia e a opinião pública (demonstrando que o processo está em andamento, mas sempre terminam em famosas "pizzas").

Muitos políticos acabam tornando-se especializados em CPIs de impunidades e a criação de novas CPIs aumentam inexplicavelmente os gastos públicos, além de permitir que políticos corruptos julguem seus próprios parceiros de corrupção, ainda servem de palanques políticos, onde seus membros são apresentados como "celebridades da justiça e da retidão política". Este privilégio tende a reduzir a desconfiança do eleitorado brasileiro para estas pessoas e de certa forma, acabam ganhando respeito e confiança popular.

Cultura do desinteresse popular

Em dias de eleições o que mais se ouve nas ruas é a frase:

"Corruptos todos são, mas vou votar no menos pior".

Movimento Contra Corrupção - Cinelândia/RJ 20-09-11 - Foto Saulo Valley

Mas o candidato "menos pior" sofre transformação quando ocupa seu cargo pretendido. E nos esquemas de estratégia política ele ingressa (obrigatóriamente) para o submundo da "máfia política e partidária".

Traçando uma linha tênue e infinitamente paralela entre a política e o crime organizado, a política nacional chegou ao ponto de deixar claro que:
"Qualquer pessoa, por melhor que pareça, e que se proponha a ingressar na vida política acaba se corrompendo, porque o sistema não permite que ele seja diferente, a não ser que queira ser morto".

Esta sentença descreve a realidade política brasileira em sua essência e até agora, sabe-se que nada do que foi escrito nestas linhas, vem se constituir numa novidade para o conhecimento do público. Analisando os problemas do Brasil na raíz, vemos claramente que este assunto é um dos mais evitados, por dois sérios motivos: "Auto-preservação" e por ser um "esforço inútil pensar no assunto".

O Brasil, que carrega o apelido triste de "O Gigante Adormecido", acaba de ser descoberto pelo mundo. Mas para que possa mostrar o seu verdadeiro potencial, precisa mesmo se libertar do grande volume de saqueadores que o cercam e o aprisionam. São ladrões sínicos. Vagabundos de terno e gravata, descritos como "colarinhos brancos" e que permeiam por toda a política nacional.

Na liderança das organizações partidárias, estrategistas astutos, velhas aves de rapina que manipulam resultados e fabricam seus monstrinhos para manter o país sob suas rédeas. Escravizado por seu próprios funcionários, o Brasil precisa trabalhar duro, de sol-a-sol para gerar constantemente novos meios de enriquecimento ilícito para esta classe nada "trabalhadora".

Explorando sempre novos esquemas e mercados, até mesmo as tragédias naturais como enchentes, deslizamentos de terra e epidemias, têm se constituído num grande filão, onde as fraudes sobrecarregam o sistema e retornam para as vítimas apenas o descaso que conduz  à morte e à total miséria.

Sentindo-se inatingíveis, ocupando o topo da cadeia alimentar da sociedade brasileira, os partidos e seus políticos são para o crescimento nacional, o que os comandos militares corruptos são para as polícias.

Engessado, o Brasil se esforça para corresponder ao aceno do mundo, enquanto com um dos pés, procura empurrar o lixo para debaixo do tapete, de forma que pareça imperceptível. Mas tudo nesta vida tem um limite. O limite do povo brasileiro é impressionantemente estendido. Não dá pra saber até onde se espalha, e seu estresse é fácilmente controlado com doses homeopáticas de entretenimento.

Manifestações contra corrupção em meio ao Rock'n Rio, são ignoradas sem muito esforço. Afinal desde sempre o entretenimento esteve em primeiro plano. Esta cultura tem sido ensinada pelos nossos governos para que o povo nunca venha a adquirir o hábito de protestar (bem ao estilo grego).

Pra ir mais longe, entre vasculhar as atividades dos gestores públicos e o entretenimento, o brasileiro sempre preferiu o entretenimento. Beber exageradas doses de álcool para, depois da ressaca, descobrir o que foi aprovado no Senado Federal. Então ele liga a TV para saber quem teve o esquema fraudulento mais bem-sucedido e quando entrará em vigor.

domingo, setembro 25, 2011

Assad fracassa na tentativa de provocar conflito religioso e étnico.

Cada vez mais unido e mais determinado a ver o fim da tirania no país, o povo sírio se consolidou. Se unificou e se fechou para qualquer proposta de sectarismo. Lições das tentativas passadas, principalmente os amargos fracassos da revolução de 1982 que resultou no massacre de mais de 30 mil manifestantes pelo ditador Hafez Assad, pai do atual presidente que busca usar as mesmas estratégias como seu fiel discípulo. O povo sírio tem se mostrado literalmente blindado contra as investidas particularmente relacionadas ao Hamas, Hezbolah, Iran e o partido Ba'ath.


Vídeo: Cristãos e muçulmanos se misturam num ato de total solidariedade e unidade pelo fim da opressão do regime sírio.


Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 25 de Setembro de 2011 - 10h17min.

As investidas do serviço secreto sírio, inclusive com suporte da agência de notícias estatal, a SANA na tentativa de disseminar sectarismo e guerra civil, esta última opção, como "plano B", não têm apresentado resultados positivos para Al-Assad.

Diga-se de passagem, antes de que a revolução síria saísse às ruas, todas as ações e reações de Al-assad já estavam previstas. Por isto mesmo é que as lições deixadas por Hafez Assad, não serviram só para o atual presidente, mas também para o povo, até como preparação psicológica e estratégica do que estava para vir, assim que a revolução fosse deflagrada.

Enquanto a mídia internacional relaciona a revolução síria às demais revoluções árabes, o povo sírio relaciona sua revolução aos mais de 40 insuportáveis anos debaixo da pressão brutal e avassaladora do governo Assad, que revela total controle de todas as bases do governo, inclusive da oposição política, que ocupa cargos de fachada, para que a comunidade internacional reconheça o regime Sírio como Estado. Mas na verdade é apenas uma força armada de ocupação, opressão militar e domínio sangrento.

As ações camufladas do regime Assad não são novas. Um país considerado dos mais fechados do mundo, tem a revolução como "ladrão" para deixar escapar um pouco da sujeira e da lama que transbordam há décadas de práticas desumanas, terrorismo, corrupção, genocídio, opressão militar contra civis e regras, cujas violações levam à morte, mas que podem ser violadas pelo próprio presidente ou pelas forças de seguranças a seu "bel prazer".

Quando falava sobre as estatísticas de mortos e desaparecidos na Síria, o site da ONG de direitos humanos "syrianrights.org" disse:

"Infelizmente depois de quarenta anos assistindo as piores formas de repressão e abusos, sem qualquer supervisão ou culpabilidade, e, talvez, a ocorrência dos crimes em Hama e Palmyra (presídio), e como eles, sem qualquer cobrança de responsabilidade, nem mesmo uma tentativa de apelar pela justiça para as vítimas destes massacres encorajou o regime no poder na Síria para continuar esta abordagem..."
Estas informações tem sido mantidas longe do conhecimento internacional através do monopólio das comunicações, que só funcionam para atender aos interesses do regime Assad. Agências como a SANA, só divulgam informações que lhes garantem proteção e benefícios.

O regime sírio ainda mantém absoluto controle sobre as ocorrências policiais, jurídicas, políticas, médicas e óbitos. Todas os relatórios são gerados a partir dos interesses do governo, sendo escritos literalmente pelo serviço secreto.

O "syrianrights.org" ainda explica que para que o número de mortos na revolução não chegasse a se igualar ao massacre de Qamishli em 2004 e na prisão de Sednaya em 2008, na casa dos 30 mil mártires, tornou a fuga, uma das formas mais viáveis de resistência e proteção popular, apesar de que os mais velhos são mais insistentes e são mais determinados a morrer em seu próprio lar do que estar vivo em terras estranhas. Na ocasião destes últimos massacres, cerca de 21 mil civis fugiram da Síria indo parar na Europa, afirmou a organização.

Outro dado importante a ser lembrado é que a revolução síria de 2011 que teve seu início oficial no dia 14 de Março de 2011 não aconteceu nesta data por acaso: O massacre de Qamishli se deu no dia 14 de Março de 2004.

Sectarismo

Nos dias atuais, os que resistem ainda precisam lidar com as tentativas de uma guerra sectária por parte da inteligência síria, que na verdade, teve grande sucesso nas últimas revoluções. Foi por este motivo que a tentativa de revolução no ano de 2 000 teve sem primeiro momento de forma pacífica, mas acabou caindo na cilada do "sectarismo", fazendo com que cada tribo ou religioso buscasse preservar sua posição no poder em posse de suas armas de fogo. Foi neste ano que Hafez Assad morreu, meses depois de ter executado todos os líderes do movimento popular pela revolução.

Então, na prática, o regime sírio precisou de muito menos esforço e investimento financeiro do que na atual revolução, afinal os rebeldes se matavam mutuamente.

Esta informação não foi trazida pela primavera árabe de 2011. Veio com a experiência. Com o volume de tentativas e perdas. Veio com o esforço de milhares de intelectuais, pensadores políticos e ativistas, para que a espessa parede de aço blindado que aprisiona o povo sírio e o mantém em completa escuridão e escravidão, que os mantém mergulhados numa piscina de sangue, possa finalmente ser derrubada.

A ajuda internacional tornou-se uma via importante para reforçar esta tentativa que furar o bloqueio sírio. Esta nova informação foi realmente adquirida a partir das revoluções mais recentes. Em suma, a revolução síria não se trata de um movimento da moda. Este é o motivo de estarmos aqui todos os dias mostrando a realidade da síria por de trás da diplomacia.

sábado, setembro 24, 2011

Turquia: Erdogan anuncia Embargo de Armas contra Síria.

O mundo está irritado com a falta de ação dos Conselhos. Eles falam, falam, avisam, alertam... E milhares de pessoas vão morrendo pelos meios mais cruéis que se pode ter notícias. Só nesta sexta-feira o Secretário-Geral da ONU Ban Ki-moon e os primeiros-ministros David Cameron e Tayyp Erdogan reconheceram que alertas e sanções não estão funcionando mais.

Erdogan and Cameron - Cortesia  "Number 10"
Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 24 de Setembro de 2011 - 08h14min.

À cada encontro entre diplomatas e o presidente Bashar Al-Assad, um novo pacote de mensagens distorcidas e contraditórias é publicado pela agência de notícias do governo sírio, a SANA.

Na última, Assad afirmou que "Venezuela estaria reafirmando seu apoio à Síria" e que o Iraque havia "desmentido a notícia de que havia pedido a Assad para demitir-se". Após o encontro com diplomatas russos, Assad divulgou que o país de Medvedev está em completo acordo com a "implementação de reformas" correntes na Síria, e que não aceita "intervenção estrangeira".

Diga-se de passagem, Mohammad Saleh(54) importante ativista que sempre dava entrevistas para os principais veículos de notícias do mundo, e encontrou-se com a delegação russa, na ocasião, está preso, incomunicável e até pode estar morto a estas alturas.

Após o encontro com a comitiva do IBAS, Assad disse que Antônio Patriota demonstrou apoio ao regime sírio na busca pelo "diálogo com a oposição (os funcionários do governo) e na implementação das reformas" após ter tido toda a explanação sobre a "realidade síria" contada pessoalmente pelo presidente Bashar Al-Assad.

Todas estas ações foram convertidas a favor de Al-Assad que continua ganhando mais tempo para matar, destruir, torturar, mutilar e trucidar. Ninguém faz mais do que falar.

Por esta razão o primeiro-ministro da Turquia Tayyp Erdogan, tendo em vista que Al-Assad está apoiando e recebendo apoio do grupo terrorista turco "PKK", e as mortes na síria ganharam um espantoso impulso, decidiu pelo "Embargo de Armas" contra a Síria. Isto veio logo após um atentado terrorista em terras turcas, mais precisamente em Ankara tendo deixado 3 mortos e 34 feridos na explosão de um carro-bomba.


Enquanto a comunidade internacional continua se omitindo, as forças militares e paramilitares a serviço de Al-Assad invadem as escolas, torturam, mutilam e matam as crianças e professores. Zombam da justiça e de todos os valores da sociedade síria pois estão protegidos pela impunidade patrocinada principalmente  pela Rússia e China.

Cameron por sua vez anunciou sanção que proíbe a importação de automóveis para a Síria. O detalhe é que não há combustível no país e que todos os veículos particulares que pertencem ao povo sírio são destruídos pelas forças de seguranças, inclusive sendo esmagados por tanques. Não sei em que aspecto esta sanção anunciada ontem, vai mudar a realidade dos massacres. Enquanto isto...

Em clima de completa descontração, sem nenhum peso na consciência estes homens se sentem intocáveis, sob a proteção de Bashar Al-Assad, que eles chamam de "deus".




"Parem de trocar seis por meia dúzia e façam alguma coisa!"

sexta-feira, setembro 23, 2011

Genebra: É fundamental que Síria seja levada ao TPI.

A morte da jovem Zaynab Al-Hosni foi um dos terríveis acontecimentos que chocaram as autoridades do escritório de Direitos Humanos em Genebra que enviaram um pedido ao Conselho de Segurança que leve o governo da Síria ao Tribunal Penal Internacional.


Vídeo: manifestantes conduziram o velório de Zaynab de 19 anos,
teve a cabeça e os membros amputados por ser irmã de um conhecido ativista.



Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 23 de Setembro de 2011 - 17h35min.

Casos como o de Zaynab e Mohammad Al-Saleh, têm se repetido diáriamente às dezenas. A escalada de violência do governo sírio contra a população e seus protetores (ativistas de direitos humanos e ativistas políticos) não tem limites. Embaraçado nos protocolos do Conselho de Segurança, o mundo fica assistindo ao extermínio da população síria sem saber o que fazer além de ficar dia e noite pedindo socorro.

Céticos e burocráticos, os líderes da comunidade internacional contam os mortos como quem conta "carneirinhos". Eles ainda não perceberam a gravidade da situação. Os sírios estão morrendo. Estão sendo executados por não aceitarem os crimes  que são cometidos pelo mesmo presidente que assinou o tratado condenando-os a fim de fazer parte do Conselho de Segurança das Nações Unidas.

Ainda com reflexos lentos e inseguros, os Direitos Humanos de Genebra pedem a investigação imediata dos crimes de Al-Assad no comando das ações do exército e das forças de segurança da Síria. De acordo com o relatório de imprensa publicado pelo site da ONU,  Ravina Shamdasani, porta-voz do Escritório do Alto Comissariado para os Direitos Humanos ( OHCHR ) teria declarado:
"Estamos extremamente alarmados com relatórios de andamento da repressão cada vez mais brutal por parte das autoridades sírias contra manifestantes na Síria".
Enquanto o mundo alarmado fica enviando pedidos de um lado para o outro nada acontece. Como ressaltou muito bem e em momento apropriado, o Secretário-Geral das Nações Unidas Ban Ki-moon,
temos que criar mecanismos mais efetivos. Que ultrapassem a esfera da conversação amistosa e protejam efetivamente os populares!

Diante dos mais recentes massacres no mundo árabe, os conselhos têm se mostrado completamente ineficientes devido aos comprometimentos políticos. O caso da Rússia e da China são alarmantes:

Eles fornecem armas e munições para a Síria continuar seu massacre diário e eles mesmos bloqueiam as ações do Conselho de Segurança! Num caso destes, seus votos deveriam ser nulos!

Países comprometidos com os países colocados em "xeque" não deveriam ter direito ao voto quando aquele tema está na pauta de votação, é um absurdo! Ninguém pode dizer que não há provas, todas as armas de guerra que aparecem nos vídeos onde os manifestantes são destruídos, são de fabricações russas, iranianas e chinesas e o pior, são remessas recentes!




Os tanques que bombardeiam as casas, mesquitas e manifestações, são todos russos confira!

Agora depois que matarem mais 400 pessoas numa única hora, é que o próximo alarme vai soar outra vez e aparecerá outra organização em desespero, mas infelizmente desde o mês de Abril é que o nome de Al-Assad tem sido solicitado para o Tribunal Penal Internacional, e mesmo que tenha sido julgado e condenado,  todo mundo sabe que nada teria mudado, porque o TPI não tem poder para entrar num país e prender o criminoso condenado, ele precisa se entregar ou ser entregue por alguma força "mágica ou milagrosa", então porque não mudar agora?

Porque não votar novas regras, porque estas fórmulas estão obsoletas e não atendem mais ao objetivo de "proteger os povos dos poderosos" que praticam "crimes de guerra", "crimes contra a humanidade" e "Crimes Contra os Direitos Humanos Internacionais". Enquanto isto Assad e sua corja fazem piadas da justiça e zombam de tudo o que é mais sagrado!


A impunidade precisa ter fim e tem que começar por Bashar Al-Assad!

Crise: 1 de cada 6 nova-iorquinos não consegue se sustentar.

A crise americana chegou ao seu limite mais profundo dos últimos 27 anos. A taxa de pobreza em Nova York chegou a 20,1% em 2010 de acordo com o site americano "nydailynews".

"Vou trabalhar por comida" O retrato da crise americana - Cortesia: "Aaron Brazell"
Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 23 de Setembro de 2011 - 16h05min.

O problema parece estar despontando agora, mas a crise americana não é nova. A agência Census Bereau exibe as estatísticas que assustam. De acordo com o relatório, 1 de cada 6 moradores de Nova Yorque não ganha o suficiente para pagar o aluguel, ou comprar comida. De acordo com o site, esta parcela da população representa 3 milhões dos 46,2 milhões de americanos que vivem na total pobreza.

O "nydailynews" citou Mark Levitan, o prefeito da cidade de Bloomberg como que dizendo:


"Não estamos aqui para colocar batom em um porco. Estes não são os números que queria ver", exclamou.
Ele ainda admitiu que a crise continua subindo, mesmo depois de avaliar se a automação das empresas não estariam contribuindo para o desemprego. Segundo a fonte ele ainda teria comentado que quando assumiu a prefeitura em 2002 haviam 1,49 milhões de nova-iorquinos vivendo na linha da pobreza. Hoje são pelo menos 1,6 milhões.

O site fala que grandes cidades como Chicago, Los Angeles e Dallas o nível de pobreza chega a 20%. Como não poderia ser diferente a maioria da população pobre está dividida em três etnias:
  • 15% são brancos
  • 28% hispânicos
  • 23% negros ( Esta última vive no limite da pobreza)

Ainda os lugares onde há maior concentração destas populações são mesmo no Bronx e no Brooklyn.


No geral a taxa de desemprego nacional é de 9% e o site ainda afirma que nos últimos 3 anos o desemprego tem atingido mais famílias.

Enquanto o mundo procura se equilibrar com tamanha crise, ainda há uma grande preocupação:

Países árabes podem provocar a fuga de mais de 35 milhões de cristãos nestes tempos de revolução e sectarismo. Para onde destinar toda esta gente desempregada e faminta?

Estatística Síria: 17 mortos em ataques a estudantes.

O círculo está se fechando. A Revolução Síria 2011 começou numa escola do ensino fundamental. As crianças aprenderam sobre as revoluções que estavam acontecendo nos países vizinhos, e descreveram suas percepções nos muros. Enquanto os estudantes entre 10 e 16 anos estavam sendo presos e torturados, parentes e ativistas foram às ruas pedir por suas liberdades. Iniciada a caçada contra os manifestantes, ataque às residências, perseguição aos ativistas e finalmente chegou a vez das escolas:

Video: Médicos e estudantes protestam contra as ações criminosas do regime. Mulheres caminham ao centro para serem protegidas da violência.


Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 23 de Setembro de 2011 - 07h42min.

Agora cada civil é um alvo primário. Todos os estudantes são presas fáceis. Assad invade as escolas para ensinar uma nova lição ao povo sírio. Não há direito a ser exigido, a não ser a perda dos poucos direitos que lhes sobraram. Não há lei nem força que os favoreça. Não há respaldo em suas exigências e suas necessidades não precisam ser supridas. Não há dever maior que submeter-se ao poder das armas de fogo das forças sírias e curvar-se diante da imagem do seu presidente Bashar Al-Assad. 


Diante de tão devastadora ameça os sírios resistem em pedir o fim desta tragédia nacional. Suas únicas possibilidades estão concentradas nas manifestações. Ainda milhares de pessoas morrerão até que alguém decida assumir que Bashar Al-Assad tem cometido "crime contra a humanidade". Não há mais o que falar. Todas as provas estão expostas em excesso. O Google e o Youtube agora está impedindo que as imagens sejam amplamente publicadas para evitar constrangimento da audiência. Isto é bom, mas sem elas, o mundo tem a impressão de que tudo voltou ao normal. Ninguém tem pressa em socorrer o povo sírio. Pra melhorar, as 20 mortes diárias agora estão beirando a média de 40 a 50. Ninguém se importa.


Não há mais argumentos a serem apresentados, e as forças do povo estão se esgotando. As agências de notícias não sabem mais quais termos usar para descrever tal tragédia, mas para os altos líderes mundiais, as provas nunca são suficientes e ainda há quem consiga barrar ajuda humanitária e militar para este povo. O povo sírio já nem está gravando mais as ocorrências. A maioria dos vídeos estão sendo gravados pelos próprios soldados do regime.  Isto é de uma inescrupulosa desumanidade! As organizações de direitos humanos lutam para provar as iniquidades cometidas contra o povo enquanto potências que lucram com a tragédia invalidam seus esforços. Existe teto mínimo de mortos para ser considerado um genocídio? Existe um número mínimo de civis torturados injustamente para ser caracterizado como "crime contra a humanidade"? Não existe serviço de inteligência internacional que num caso absurdo como este não possa ser enviado para apresentar os relatórios como sendo uma fonte oficial?

Retirar os estudantes das escolas não é crime contra os direitos humanos internacionais? Matar e torturar crianças recém-nascidas e adolescentes não é crime contra a "Infância e Juventude" e crime hediondo? Usar o exército para matar deliberadamente a população indefesa e sem acusação, a fim de proteger seu cargo político,  não é "crime de guerra" e "crime contra a humanidade"?  Não constitui ainda "abuso de poder", "uso excessivo de força", "Uso de cargo público para interesses pessoais"? Prender e torturar até a morte equipes médicas, invadir hospitais e atirar a esmo, destruir equipamentos médicos porque estavam salvando vidas não constitui nenhum tipo de crime?

Invadir, bombardear, saquear e destruir casas, motos, veículos, prédios públicos, lojas, templos e escolas não constitui "atentado contra o patrimônio nacional"? Falsificar relatório de civis mortos, cremar presos sem o conhecimento da família e da sociedade, tomar terras, incendiar plantações, matar criações, estuprar adolescentes, jovens e mulheres idosas, invadir, saquear acampamentos de refugiados, além de mata-los, que crimes constituem?

Usar as forças armadas e gangues de civis mercenários contratados e enviados para perseguir populares sírios que tentam cruzar as fronteiras vizinhas a fim de proteger suas vidas, indo até os países adjacentes violentando e executando seu próprio povo constitui algum tipo de crime?

Se estas e muitas outras ações diárias do exército sírio, das forças de seguranças, do serviço secreto ordenadas por Bashar Al-Assad não são crimes hediondos, então não existe justiça neste planeta.

Este é o exemplo que a humanidade dá para aqueles que cometem crimes na sociedade. Porque já ví pessoas matarem um único ser vivo e ficarem 16, 20, 30 anos na cadeia. O regime de Saddam Hussein não matou 10% de todos os mortos pelo Regime Assad e ele foi enforcado.

Impunidade para George Bush. Impunidade para Bashar Al-Assad. Impunidade para Kaddafi. Impunidade para Saleh. Não há impunidade para civis e pessoas que cometem pequenos crimes.

Até um assalto à banco é mais dígno de condenação que este extermínio brutal. Talvez porque o dinheiro seja mais importante que que a vida humana.

Solução

Se o mundo parar de se concentrar nas sanções e nos avisos, talvez pense melhor que atacar a síria não resolverá. Os crimes não são cometidos pelo estado e sim por um funcionário do governo e todos o obedecem. O mundo DEVE fazer Al-Assad PARAR AGORA!

Punição para seus colaboradores e fornecedores internacionais e locais. Enquanto a Rússia, a Índia  e a China fornecem toda sorte de suporte para Assad continuar matando, estes mesmos países gozam de completas mordomias internacionais, e até mesmo dentro do Conselho de Segurança das Nações Unidas.

Afinal, de que lado o Conselho de Segurança está?

quinta-feira, setembro 22, 2011

Síria: Mohamad Al-Saleh um importante ativista está preso pelo regime.

Toda a Síria está alarmada com a onda de prisões de ativistas. A verdade é que Assad está tentando parar as manifestações eliminando as lideranças. Mais de 50 ativistas já foram presos e mortos pelo Serviço Secreto, após duras torturas. Al-Saleh é um homem de 54 anos.

Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 22 de Setembro de 2011 - 20h52min.

Mohamad Al-Saleh foi preso político de 1988 a 2000. Foi  membro do Partido Trabalhista Sírio Comunista. Saleh é membro da Coordenação Nacional da Revolução Síria e  ativista político dedicado. Foi um proeminente preventor do sectarismo que o regime tentou implantar em Homs em Julho passado. Foi citado pelo site de direitos humanos "nowlebanon" por ter conhecido a comitiva russa em recente visita a Damasco, apresentando na oportunidade, a realidade nua e crua do povo sírio.

Ativistas internacionais disseram que Mohamad Al-Saleh conseguiu dar entrevistas para muitas emissoras de TVs usando seu nome verdadeiro, tendo a oportunidade de mostrar ao mundo um pouco do que o povo sírio vive atualmente. Por estes motivos, o importante líder foi preso e difícilmente retornará vivo.

Prisão

Sua prisão se deu na manhã de hoje numa emboscada. Aliás, Assad e seus capangas têm utilizado com frequência esta estratégia. Parecida com a que matou o Major General Abdel Fatar ex-líder militar da revolução líbia.

Saleh estava na região de Bilal quando recebeu uma chamada telefônica de um conhecido que o convidou para ir conhecer um suposto repórter da Aljazeera que queria encontrá-lo para uma entrevista. O contato marcou um encontro num local que quando Saleh chegou, foi surpreendido pelo Serviço Secreto e começaram a espancá-lo. De acordo com testemunhas, depois de ter apanhado muito foi posto dentro do carro da segurança e levado.

Video: Uma pequena amostra das atividades do exército sírio contra populares.


Outro sequestrado em Homs: Zainab Al Husni


Zainab Al Husni de 19 anos, teve cabeça, braços e pernas amputados pelas forças de segurança da síria. Seu rosto foi desfigurado e queimado, e todo o seu corpo apresentava perfurações e marcas de torturas e queimaduras graves.

Sequestro

Muhammad Al-Husni era seu irmão e era um dos ativistas mais famosos da região. Várias fontes contaram que as forças de segurança e os Shabihas haviam invaddido a casa de família do rapaz muitas vezes á sua procura.

Depois de um certo tempo seus familiares precisaram se mudar. Segundo as fontes eles alugaram uma casa no bairro de Al-Naziheen. Para a sua segurança Muhammad precisava continuar escondido.

Mas Homs foi novamente sitiada e sua família passava necessidade. Sem poder se expor, Muhammad decidiu enviar sua filha Zainab Al Husni de 19 anos para levar alimentos aos familiares que ficaram na cidade.

Além do perigo, todo o povo sírio sabe que é terminantemente proibido levar alimentos para famílias e regiões sitiadas, sendo o infrator castigado com a morte.

Exatamente na manhã de segunda-feira do mês de Ramadã (dia 02 de agosto) a moça foi seqüestrada.

Por causa da ocupação as comunicações estavam cortadas. Ativistas contaram que cinco dias depois do seqüestro de Zanaib é que a família recebeu um telefonema dizendo que Zainab poderia ser devolvida em troca de Muhammad.

Enquanto a família negociava o local da troca o telefone foi desligado. Mas no dia 13 de Setembro souberam da morte de Muhammad pelas forças de segurança e do serviço secreto. A família em completa comoção soube que o corpo de Mohammad estava no Hospital Militar de Homs.

Como eu já havia publicado antes, durante a tentativa de transferência do corpo de Mohammad do Hospital Militar, um funcionário se lembrou de que havia outra pessoa com o mesmo sobre-nome, então procurou-os.

Sem querer acreditar, acompanharam o funcionário que os levou até a geladeira e encontraram o corpo decepado, mutilado, barbarizado e irreconhecível da jovem moça.

Após o difícil reconhecimento do corpo, os familiares só tiveram permissão para receber sua o corpo de Zanaib após ter assinado um documento prometendo não gravar nenhum vídeo de seu corpo, e não organizar mais do que um discreto funeral.

Depois é só ficar em silêncio como se nada tivesse acontecido e pronto.


Vídeo: manifestantes conduziram o velório de Zaynab de 19 anos, morta brutalmente
pelos terroristas do governo sírio.


ALERTA: O número oficial de mortos na Síria é acima de 5300 civis .

Cerca de 60 pesquisadores de direitos humanos fizeram uma verificação criteriosa de uma lista de 3.004 nomes de pessoas informadas como mortas em pelo menos 127 localidades da Síria desde as primeiras mortes, no início dos protestos em Março até o dia 09 de Setembro. Havia um adicional de 2.356 nomes listados como mortos mas não-verificados de acordo com o relatório.

ONG Avaaz na busca pelos sírios desaparecidos
Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 22 de Setembro de 2011 - 14h59min.

De acordo com os protocolos internacionais, todas as mortes relacionadas tiveram as três informações exigidas para que sejam validadas pelas autoridades internacionais para o reconhecimento das mortes é que para cada morto haja reconhecimento por:

  1. Pelo menos por 1 membro da família
  2. Por amigos, vizinhos e líderes comunitários
  3. Funcionários ou membros de mesquitas.


As leis internacionais determinam que é obrigação do Estado que todos os casos de óbitos sejam:
  1. Prontamente registrados, 
  2. Corretamente identificados
  3. Publicamente reconhecidos.

Mas o governo sírio mantém um pacote de informações que representam quase 1/2 do número de mortos anunciados pela ONU, ao passo que o novo relatório representa o dobro do número de mártires anunciados pelo alto comissariado das Nações Unidas em 12 de Setembro 2011.

OBS: Um número grande de casos as vítimas são transladadas as vezes com vida e executadas em regiões onde não há como cumprir as exigências internacionais. Há os que são informados apenas como desaparecidos, sem falar nos presos que depois de mortos são cremados pelas próprias forças sírias.

O que é definitivo é que o número de mortos cujas informações alcançaram as exigências dos direitos humanos e internacionais é de 5.360. Mas de acordo com o site "irinnews" citando o diretor da Avaaz como dizendo:

"Sabíamos que os números oficiais estavam muito abaixo ", "Os 3.004 nomes foram verificados, ao mesmo tempo e sabemos que 2.356 pessoas adicionais estão definitivamente mortos, mas não temos sido capazes de verificar os seus nomes sob os nossos critérios rigorosos."

Enquanto todos os dias morre um número considerável de civis, o governo sírio só reconhece 1400 vítimas desde o início dos conflitos que ele descreve como "vítimas de gangues armadas". No vídeo a seguir, um Shabiha que desertou gravou seu depoimento que está legendado em inglês:


Outro vídeo importante é este que comprova a existência de membros do Hezbolah dentro das forças sírias.


Ainda há um número não-verificado de mortos que inclui 308 nomes de civis, 674 militares e outros 1374 nomes informados como mortos que nunca foram encontrados.

De acordo com o "irinnews", estes dados foram reunidos por 37 grupos de direitos humanos que lançaram a "Carta de Reconhecimento de Cada Vítima de Violência Armada" no dia 15 de Setembro  passado. A Carta foi apresentada oficialmente pela diretora-executiva adjunta do Centro de Direito Humanitário da Sérvia, Sandra Orlovic.

Fonte: Com base nas informações divulgadas pelo site "irinnews" que trata divulga as estatísticas e relatórios a serviço dos direitos humanos da ONU, desenvolvemos este texto para melhor compreensão da brutal realidade síria nos dias de hoje.

Google lança seu próprio Facebook, o Google+

Em função das revoluções árabes, o Facebook teve um crescimento de pelo menos 50% de usuários. Mas ninguém disse se esta estatística exclui os perfis "fakes" utilizados para driblar a inteligência árabe. De olho neste público dominante e crescente o Google lançou a versão "Facebook" para substituir os perfis de usuários criados recentemente. Em tese, quase não dá pra perceber que você não está no Facebook.

Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 22 de Setembro de 2011 - 09h05min.

Todos os botões e links que os usuários do Facebook já estão viciados, agora têm suas versões que estão disponíveis no perfil de usuários do Google.

Tem uma vantagem: Você consegue reunir toda a web em um só lugar.

Tem uma desvantagem: O grau de privacidade que o Facebook te oferece ... Esquece. O perfil do Google Plus reúne e expõe TODAS as suas atividades online.

Bom, você pode controlar como as informações aparecem, mas para ser sincero, toma um tempo. A não ser que você utilize só por diversão. Para isto deverá criar uma nova conta de e-mail com assuntos pouco privativos. 



Neste serviço o Google inseriu o "BUZZ", o "+1s", jogos e "círculos" de amizade. Alí, de uma forma mais apurada, você reúne uma enorme quantidade de amigos usuários do "G-mail" muito bem classificados. Além de usuários das demais ferramentas e serviços gratuitos já conhecidos dos googlemaníacos.

A vantagem é que o usuário do G-mail só precisa confirmar sua adesão e preencher seu perfil, evitando ter que criar nova conta. Alías, mais de 25 milhões de pessoas estão usando o G-mail, o que faz o Google Plus saltar das pranchetas e plataformas de desenvolvimento para ficar entre as lideranças das redes sociais com 30 dias de inaugurado.

A página principal (Home) é mesmo um Facebook. Ela dá a entender que em breve trará os mesmos jogos e aplicativos apresentados pelo Face.

Ainda não mergulhei fundo nesta tecnologia, então se você é googlemaníaco, não perca (google+) essa!

Aproveita e me adiciona aê! \0/  https://plus.google.com/108017136976942780048/posts

quarta-feira, setembro 21, 2011

Síria cerca mesquitas e escolas para impedir manifestações pacíficas.

O Brasil está de parabéns! O evento que começou a partir do Facebook, foi para as ruas pacíficamente reuniu quase 3.000 pessoas que protestaram contra a corrupção política. Na metade do evento os reforços policiais haviam sido dispensados. 
O povo brasileiro pede, justiça, cadeia e até morte para políticos corruptos.
Foto: Saulo Valley
Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 21 de Setembro de 2011 - 14h17min.
Atualização: 16h26min.


Enquanto que na síria, no primeiro momento que estudantes do intermediário escreveram no muro da escola contra corrupção e ditadura foram presos e torturados pelo Serviço Secreto. Desde então as forças e reforços têm sido multiplicados contra a população. Oficialmente mais de 2700 mortos até agora.


Soldados espancam manifestante. O vídeo termina antes de mostrar qual terá sido o seu fim...



A situação na Síria caiu num ciclo vicioso. O exército sitia uma cidade, as forças de segurança invadem com seus ônibus lotados de Shabihas, anuncia-se o toque de recolher, o serviço secreto invade as casas, confere as identidades e prende as pessoas que estão listadas. Confiscam seus valores, quebram seus móveis, espancam, torturaram e matam. Os tanques atiram contra as casas, as metralhadoras anti-aéreas fazem chover projetis sobre as residências, os snipers matam a todos os que ousam sair para as ruas e os presos são arrastados para os ginásios esportivos e escolas. Lá são torturados, humilhados e 80% deles são liberados (cheios de sequelas). Os outros 20% são torturados até a morte alí mesmo ou em prisões subterrâneas. Depois de deixar toda a cidade completamente esmagada, levantam acampamento e iniciam tudo de novo em outra cidade. Completado o ciclo, voltam outra vez na primeira cidade sitiada e repetem todo o processo. Não precisa dizer que de isolamento em isolamento, o número de populares é literalmente  cada vez menor... Uma minoria tem coragem para cruzar as fronteiras, já que as forças de segurança adotaram a prática de perseguí-los durante a fuga, numa caçada mortal e desumana.

Video: O professor Abdul Baset Hamza era diretor de uma escola síria 
(média violência).


Shabihas hiperlotam as entradas das escolas para impedir manifestação de estudantes como exemplo neste vídeo:



Força internacional

Esta mulher que aparece cantando no vídeo uma canção muito popular nas demonstrações sírias, comanda o apoio ao povo sírio na Alemanha, Áustria, Boêmia, Eslováquia e em Praga. Concordo que é difícil para um árabe puxar esta letra, muito mais difícil ainda para uma alemã:


Atitude Internacional

Estamos buscando uma solução melhor que aumentar as pressões políticas e comerciais. A economia síria está estagnada. A recessão já está instalada confortávelmente no país e veio para ficar lado-a-lado com a morte. As duas únicas companheiras do povo sírio. Enquanto Erdorgan e Obama discutem aumentar as pressões contra a Síria, deveriam pensar numa forma de pressionar Bashar Al-Assad e sua corja. Eles ainda estão muito protegidos por trás do Estado. Nenhuma destas ações violêntas têm sido comandadas nem executadas pelo Estado e sim pela família Assad e seus apoiadores, que têm interesses financeiros neste genocídio sem precedentes.

Uma declaração que parece ingênua pode ser uma estratégia para evitar que Assad enfrente julgamento futuramente: O artista Youssef Shaaban, que é amigo da família e acompanhou Assad desde quando era pequeno alegou no último dia 20 que Al-Assad tem um incurável transtorno mental. Segundo seu depoimento publicado pelo site árabe "Youm7" Assad teria passado toda a sua vida frequentando psiquiatra mas o seu médico particular disse que ele precisaria de acompanhamento médico por toda a sua vida.

Rio: Facebook reúne milhares de Cariocas no "Movimento Contra corrupção"

A Cinelândia lotou e milhares de pessoas estiveram presentes em apoio ao "Movimento Contra Corrupção" criado a partir do Facebook. Esta revolução contou com presenças de ilustres e anônimos, jovens e idosos, trabalhadores e desempregados.

Movimento Contra Corrupção contou com a presença de milhares
Foto: "Saulo Valley"
Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 21 de Setembro de 2011 - 06h26min.

Cris Maza, uma das organizadoras do "Movimento Contra Corrupção" disse que o dia 20 de Setembro foi escolhido aleatóriamente à partir do sentimento de que alguma coisa deveria ser feita. Como resultado, uma multidão aderiu à campanha em uma manifestação brilhantemente pacífica.

As forças policiais estiveram presentes mas não houve sequer necessidade de mais que 20 unidades. Um movimento tranquilo bem-humorado e lotado de pessoas magoadas com a justiça e a política nacional.

Importantes mensagens apresentadas pelos jovens.
Foto: "Saulo Valley"
A terceira idade se fez presente e se manteve lado-a-lado com os jovens, gritando, exigindo e apresentando suas idéias a partir de suas placas. Uma campanha impressionante contra a corrupção política. No carro de som, apenas os organizadores e pessoas sem vínculos políticos puderam utilizar o microfone.

Nenhum nome foi citado, ninguém foi promovido mas toda infra-estrutura política e executiva e judiciária nacional foi criticada.

Vontade de mudar de todos nós.
Foto: "Saulo Valley"
Entre vários temas, a população carioca foi pedir o fim do voto secreto dos parlamentares, da imunidade parlamentar e o fim do sigilo bancário para todos o candidatos políticos no país.

Grupos políticos e classes trabalhadoras, como os Bombeiros estiveram presentes e com muita educação e cumplicidade com o movimento popular e respeitosamente somaram seus clamores e suas mensagens por um Brasil que seja realmente mudado.

Bombeiros unidos com o povo na busca por justiça.
Foto: "Saulo Valley"
A Associação de Moradores do bairro Santa Tereza esteve presente pedindo a recuperação dos bondinhos. Uma importante e histórica atração turística na região, que teve suas atividades interrompidas depois do acidente que matou 5 pessoas e deixou outras 57 feridas e muitos passageiros presos entre as ferragens no dia 27 de Agosto de 2011. O problema principal que culminou na falta de manutenção dos bondinhos foi patrocinado pelo descaso das autoridades e desvio das verbas destinadas para os cuidados necessários. Aquelas famosas "obras e reformas de fachada" pra sobrar bastante dinheiro no bolso dos safados.

segunda-feira, setembro 19, 2011

Síria: 12 mortos nesta Segunda em caçada aos manifestantes.

O presidente sírio Bashar Al-Assad é um homem impetuoso, impiedoso e iníquo. Toda a sua fúria tem sido concentrada na população que tem sofrido barbaridades em se tratando de torturas e mortes lentas. Enquanto o socorro internacional não vem os manifestantes doam seu último fôlego de vida para gritar pelo fim deste regime de sangue.

Vídeo: manifestantes conduziram o velório de Zaynab de 19 anos, morta brutalmente pelos terroristas do governo sírio.


Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 19 de Setembro de 2011 - 21h50min.

Esta Segunda-feira teve um clamor especial. Os sírios apelidaram de: "Segunda-feira da Raiva por Zaynab", o que levou à morte mais 12 manifestantes.

Zaynab era uma jovem de 19 anos. Ela era irmã de um jovem ativista e ambos moravam com a família na cidade síria de Homs.

Ato de vingança

De acordo com um relatório da agência de notícias síria SNN, o serviço secreto estava monitorando a casa de uma família porque procurava um jovem que era ativista dos direitos humanos. Apesar de grande esforço, não conseguiu encontrar o rapaz nem obter nenhuma informação a respeito do seu paradeiro.


Testemunhas contaram hoje que no dia 26 de Julho deste ano um grupo de forças de segurança e Shabihas sequestraram a jovem menina (porque na síria até 20 anos são chamados de crianças) Zaynab Al Hosni de 19 anos na frente da porta de sua casa no bairro de Bab Siba.

Logo após as forças de segurança deixarem o local, a família começou a buscar informações para saber o paradeiro de Zaynab. Acidentalmente a família do ativista mártir Mohammad Al-Hosni estava fazendo um procedimento para a retirada do seu corpo do hospital militar. Neste momento, um funcionário do hospital informou que outra pessoa da família poderia estar alí, numa geladeira do necrotério do hospital.

Logo a família correu para o hospital militar no dia 15/9/2011 para identificar o corpo e infelizmente constataram que se tratava de Zaynab. 

Eles descobriram então que seu rosto estava completamente desfigurado e suas mãos e pés haviam sido amputados. O corpo de Zaynab havia sido deixado no hospital naquelas condições pelas forças de segurança de Homs. 

De acordo com fontes da Revolução Síria "a administração do hospital não aceitou a entregar o corpo para sua família até sábado 17 de Setembro de 2011. Seu funeral foi realizado em Abdul-Rahman Bin Aouf na mesquita de Bab Siba, onde ela foi enterrada. Os pais de Zaynab estão em estado de choque com a gravidade do crime" e os manifestantes de Homs juraram "avançar até a vitória e para processar esses criminosos."


Video gravado na sexta-feira (19-09) num pequeno protesto em Damasco lembrando Zaynab.

RIO: Cariocas usam Facebook na revolução contra corrupção - HOJE na Cinelândia 20-09-11 18:30hs

O carioca acordou para ver um novo dia nascendo. Um pequeno grupo de pessoas que decidiu dar o primeiro passo para dizer "basta" na corrupção política e financeira que impera no país desde sempre. Nesta Terça dia 20 de Setembro o Brasil vai parar para pedir o fim da corrupção!

Foto "Protesto contra a corrupção" - Cortesia: "Andre pereira"
Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 19 de Setembro de 2011 - 20h19min.

Mais de 33 mil pessoas já confirmaram suas presenças no encontro popular que acontecerá no fim do dia no Centro do Rio de Janeiro. Estas pessoas estão cansadas de tantos escândalos de corrupção. Só em Brasília, em dois meses 4 ministros já caíram, por envolvimento em operações financeiras sujas e golpes contra os cofres públicos. Um escândalo após o outro e milhares de reais desviados.

Enquanto isto o povo brasileiro continua sofrendo com obras de fachada, hospitais sem médicos, estudantes sem aula, médicos, professores e bombeiros sofrendo humilhações e acusações falsas, prisões arbitrárias e desprezo.

Dentre muitos assuntos que saltam para fora dos palácios governamentais o povo já sabe o que quer ver mudado a exemplo do internauta Luis Fernandes que se uniu ao"Movimento Todos Contra a Corrupção"  pedindo "Punição severa aos corruptos", o "fim do voto secreto", o "fim do voto privilegiado", o "fim da reeleição eterna de parlamentares", "10% do pib para a educação" e a "redução de impostos já"!




Agora o Brasil quer mudar e sabe que daqui pra frente tudo poderá ser mesmo diferente. Sabe que a "paz" poderá ter fim, porque estes homens poderosos ou que assumiram o poder enganando o povo agora muitos deles possuem imunidade parlamentar, porte de armas, comandam corporações militares ou possuem  guardas particulares e influência entre milicianos, policiais corruptos e traficantes. Sem falar que ditam leis e comprar políticos velhos, gordos e abastados.

Agora já podemos visualizar uma grande mudança de atitude no povo brasileiro. Ele que sempre se adaptou à cada nova opressão, dando sempre um jeitinho brasileiro, decidiu reagir. E quer saber mais?

O evento acontecerá um dia antes do dia em que a presidente Dilma será a primeira mulher da história a abrir a Assembléia Geral das Nações Unidas.

Certamente seu discurso será muito apreciado por seus 193 homólogos, já que o movimento que acontecerá neste dia 20 de Setembro só se compara à manifestação pelo impeachment do ex-presidente Collor de Melo. Uma grande mudança está para acontecer!

Outras regiões


Outro internauta Sérgio Jaber, que aderiu ao movimento declarou:

Pelos que morrem nas filas dos hospitais, pelas crianças que têm merenda roubada, pelos que morrem em estradas esburacadas, estarei amanhã às 17:00h na Cinelândia, exigindo: 
CRIME HEDIONDO PARA CORRUPTOS E CORRUPTORES !!!FIM DA IMUNIDADE PARLAMENTAR - FIM DO VOTO SECRETO !!!FIM DA ROUBALHEIRA DO DINHEIRO PÚBLICO !!!

Vou estar lá, você vai? 

Artigo em Destaque

Pra quem reclamar quando autoridades estão ligadas aos criminosos?

Quando você se vê atingido por uma autoridade usurpadora do teu próprio direito, a quem reclamar, quando você sabe que a autoridade máxima ...

Leia também: