Pular para o conteúdo principal

Translate this Page

Síria: Um regime sem Governo.

Acusado pela população síria de fazer promessas desde 2000 sem que nenhuma delas fossem cumpridas até o presente momento, o regime Al-Assad, liderado pela autocracia militar herdada da Hafez Assad, que também assumiu o poder com a promessa de dar uma vida nova para o povo sírio, mas não cumpriu, se viu sem liderança. Usou seu poderio militar para garantir obediência. Mas foi assim que descobriu que nunca exerceu influência sobre o povo da Síria.


cenas do filme "Syrie, le crépuscule des Assad
Por Saulo Valley -Rio de Janeiro, 02 de Dezembro de 2011 - 13h26min.

41 anos de regime militar defendido com agressividade, violência e intolerância. Assim o clã Al-Assad se manteve no controle do mundo à sua volta. Ao partidos de oposição, foi dado o poder de não interferir, não se opor e não opinar nas decisões do regime e do comando do partido terrorista Ba'ath.

Reduzidos a meros expectadores, a população se viu escravizada, explorada e oprimida. Enquanto o regime Assad desenvolvia elevados negócios no âmbito nacional e internacional em nome da família, o povo padecia sem direitos e sem dignidade.

Inúmeras tentativas de expressar suas necessidades foram reprimidas com a força das armas do exército e das forças de segurança, altamente treinadas para exercer a crueldade sem limites.

Ilhado, o povo sírio nunca pôde fazer mais do que produzir para enriquecer o regime. O serviço Secreto foi um instrumento de controle dos atos e dos passos de cada cidadão sírio, como animais marcados com GPS de propriedade do governo.

Tentativas de revolução armadas ou pacíficas sempre foram tratadas com força extrema. Massacres eram para servir de exemplo. Uma forma comum de garantir-se no poder e mostrar para a população quem é que detinha o poder.  Cansados de tentativas frustradas e ao mesmo tempo de ficar sob pesado jugo do regime, o povo decidiu se unir. Esta unidade não foi conquistada da noite para o dia.

Anos de tentativas que resultavam em novos massacres. Anos de tentativas de diálogo que resultavam em conflitos racistas ou religiosos. Muitas das vezes as duas coisas ao mesmo tempo. O que o povo sírio demorou foi a aprender que não importava qual grupo estaria no poder, importava que o regime não poderia permanecer escravizando a Síria.

cenas do filme "Syrie, le crépuscule des Assad
Demorou a descobrir que ao invés de um país, vivia num quartel. Que ao invés de um presidente tinha um general e que ao invés de um governo tinha um estado maior e em lugar de uma constituição, um regime interno. Regras que se quebradas puníveis com a morte, que para ter seu destino mudado o povo sírio aprendeu que precisaria is mais profundo, que a mais brutal violência que um regime pudesse chegar.

Apoiados na fé e na unidade, eles saíram em defesa uns dos outros. Foi assim que para cada manifestante preso, outros milhares saíam às ruas para pedir sua libertação. Uma guerra de inteligências e de determinação. A Revolução Síria nasceu da vontade de se fazer tudo perfeito. Da vontade de se manter irrepreensível e vencer o adversário justamente por não querer cometer erros. Sem mudar de posição, mesmo sabendo usar a força e o fogo das armas, o povo da Síria se manteve desarmada à espera de ser defendida por quem tem o direito de defender: O Exército.

Esta complexa organização, obediência e subordinação não podia ser encontrada na força e sim na solidariedade. No companheirismo e no mútuo sofrimento. No compartilhar dos sonhos e na fidelidade das palavras e ações. Estas qualidades não estavam no regime. Por isto, se viu distanciado do povo e só podia controlá-lo com a força, porque para o povo sírio não havia governo.

Privilegiado com os mais elevados cargos do país o regime se sustentou e fortaleceu sua própria família, enfraquecendo as outras, sem a menor compaixão. Mas quando o povo se levantou, habilidades de governar se faziam necessárias mas não existiam, apenas o poder de esmagar e destruir.

Mesmo debaixo de fogo cerrado, sendo obrigado a se despedir rapidamente de seus familiares e amigos, o povo que se manteve na retidão mostrou mais educado, organizado e preciso que o regime, e por estas razões o próprio povo sírio se tornou seu próprio governo. Ele criou suas próprias leis de convivência, sobrevivência, comunicação, partilha, solidariedade, respeitos ás religiões, diferenças raciais, status, formação e poder aquisitivo. Ele aprendeu a respeitar os direitos uns dos outros sem que houvesse alguém para puni-los. Disciplinados se organizaram todos os dias, sob o sol, a chuva e o pesado inverno, explosivos, bombardeios e tiros aleatórios, para rejeitar serem comandados por um regime militar.

Humilhado e desmascarado o regime e seu presidente se  recolheram e deixaram seus soldados soltos pelo mundo praticando todos os crimes que desejarem até que alguém ou alguma força assuma o controle e o governo da situação e preencha a lacuna que está aberta há 40 anos no país: Um Governo verdadeiramente à altura do maravilhoso povo sírio.




Postagens mais visitadas deste blog

A nova vida do Advogado Ércio Quaresma ex-defensor do Bruno Goleiro.

Ele subiu ao topo. Tornou-se um dos defensores mais admirados no cenário jurídico. Por um contrato milionário, foi defensor do Bruno, Goleiro do Flamengo, no caso do assassinato de sua namorada Elisa Samúdio, até que foi pego se drogando em uma cracolândia na região metropolitana de Belo Horizonte.


Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 25 de Novembro de 2011 - 07h26min.
O Dr. Ércio Quaresma foi professor de Direito na UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais). Durante mais de 20 anos de carreira, cometeu deslizes não muito comuns, em se tratando de pessoas do seu nível e de sua formação; Por outro lado foi realizou defesas espantosas, dignas de meste. Se especializou na defesa de acusados de crimes hediondos por assassinato em 1º Grau obtendo bons resultados quase sempre. Isto porque em alguns casos o criminoso era indefensável, digno de toda culpabilidade e nada mais lhe restaria a não ser a pena máxima.

Mesmo assim sua experiência na defesa de criminosos praticamente condenados foi ex…

Tecnologia: Conheça "Psiphon" cryptograma que fura bloqueios de acessos à internet contra ditaduras.

O Psiphon é o programa de código aberto desenvolvido para ser distribuído livremente para permitir que países, cujos governos censuram o uso da internet e monitoram ligações feitas com o Skype não consigam detectar a conexão.


Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 23 de Novembro de 2011 - 07h54min.

Tudo começou quando o Jornalista Ivan Watson da CNN recebeu uma ligação de um jovem ativista sírio de pseudo Musaab al Hussaini via Skype. Além de denunciar a situação no seu país em tempo real, ele descreveu o grau de libertação que o anti-tracker Psiphon lhe proporcionou:



A empresa
A Psiphon Inc. é uma empresa de software que decidiu investir num sistema que pudesse ser adaptado a diferentes situações no mundo. Ele pode ser adaptado de acordo com cada tecnologia de bloqueio e de vigilância utilizado pelos governos, regimes, ditaduras e reinos  no mundo, bastando que desenvolvedores estejam inclinados a utilizar seu código fonte como base da programação.
"Nós da Psiphon acreditamos que a Inter…

Nigéria: Menina de 13 anos escrava sexual de 550 homens.

Um alerta para os pais: A menina "A" tinha 13 anos quando sua tia pediu aos seus pais autorização para levá-la de Akuda, no estado de Akwa Ibom para outra cidade, sob a promessa de que receberia melhor tratamento e teria melhores condições de estudo..
Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 18 de Janeiro de 2012 - 10h17min.
Segundo a fonte nigeriana "PM News", a menina contou para a polícia que após seus pais terem autorizado a sua ida para o estado nigeriano de Lagos com sua tia, esta mesma a levou para um hotel. Lá  acriança contou que ganhou uma mini-saia, vestidos do tipo "tubo" e um quarto. De acordo com o testemunho da menina ainda, sua tia conhecida apenas como "vitória", teria ensinado como se comportar com os homens.
Até então a menina contou que não entendia o que estava acontecendo "até que começaram a chegar os homens". A fonte citando a menina disse que  ela percebeu que cada uma das outras meninas levavam seus "fregueses&qu…

Aliaa Magda ElMahdy nua é desejada, perseguida, processada, linchada e morta. Um símbolo?

Ela nem se considerava bonita, muito menos sexy. Decidiu se expor como forma de denunciar de modo marcante, o abuso sexual que as mulheres egípcias sofrem, espancamentos e indiscriminação, mas no campo da religião, Aliaa Magda é tida como um monstro.


Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 03 de Dezembro de 2011 - 06h50min.
 De adolescente a mulher. De ativista a símbolo sexual. Sua decisão de mostrar sua foto numa numa página de blog chocou o Egito, a comunidade islâmica e o mundo árabe. Adquiriu admiração de muitas mulheres que nunca tiveram coragem para fazer o mesmo, embora tivessem desejo. Seu blog atualmente registra mais de 4.400.000 visitantes embora a impacto inicial tenha passado, sua nudez lhe rendeu muita popularidade e muitos problemas. Aliaa saiu do "Blogger" para as ruas:


Nas ruas foi odiada. Foi linchada, ficando bastante machucada. Mais tarde os linchadores descobriram que haviam espancado a moça errada. Não era Aliaa. O ódio da comunidade islâmica lhe rendeu ameaç…

Blue Whale 1 - O game da morte em nome da Baleia Azul

Blue Whale: O jogo da morte induz adolescentes ao suicídio via Redes Sociais e Skype já fez mais de 130 mortes entre Rússia e Europa, mas já tem adeptos no Brasil - Continue Lendo:


Por Saulo Valley - O Observador do Mundo - Rio de Janeiro, 09/04/2017

Poderia ser uma lenda urbana.. Mas o game "Blue Whale" (Baleia Azul) se tornou viral na Europa e na Rússia (desde 2014) deixando pais e as autoridades locais em completo alerta. O game que usa basicamente as redes sociais também promove encontros e eventos fora da web, reunindo suicidas depressivos adolescentes em espantosa e crescente comunidade.

Nos últimos 3 dias as agências internacionais começaram a alertar ao mundo sobre este jogo de auto-flagelação que culmina no suicídio. Os administradores do grupo exercem grandes pressões para garantir que o grupo seja unido, confiável e fiel aos propósitos malignos a que se propõe sem questionamentos.

Uma adolescente disse ao Saulo Valley Notícias que tem a informação de que quando o …

Brasileiros e sírios levam arte às crianças refugiadas colorindo cenários de guerra

Uma iniciativa que merece muitos aplausos levou um grupo de jovens artistas de rua brasileiros, a se encontrar com artistas e ativistas de diversos países em conflito armado. Eles tentam transformar campos de refugiados em escola viva de pura arte em cenário de muitas cores! - Continue lendo:


Por Saulo Valley - O Observador do Mundo - Rio de aneiro 24 de Abril de 2017

"Magic Caravan" é um projeto social criado em 2013 e a ONG Al Caravan atua na Síria , Líbano, Turquia e Alemanha, ajudando a dar um futuro melhor para crianças e adolescentes sentenciadas a viver em campos de refugiados e campos de concentração ainda remanescentes na Alemanha.

Na Síria, o grupo ajuda crianças das regiões mais intensas do país, cujas áreas residenciais e rurais são constantemente bombardeadas pelo regime sírio, milícias islâmicas, Rússia e países ocidentais. Possui pequenos centros de educação em lugares considerados "redutos rebeldes" como Aleppo, Daara, Homs, Latakya, Damasco e Idlib…