sexta-feira, dezembro 02, 2011

Síria: EUA e Espanha chamam os seus de volta; Porta G.W. Bush na Síria.

Os acontecimentos finais do regime de Bashar Al-Assad são gritantes. Os casos de violência em surpreendente nível de crueldade,  o crescimento do Exército Livre como símbolo da libertação síria e as relações internacionais hoje.

O povo sírio quer uma Zona Tampão - Sexta 02/12/2011
Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 02 de Novembro de 2011 - 06h54min.
Atualização: 21h48min.

Um perfil de twitter criado em nome do regime sírio para publicar atualizações favoráveis (nem sempre) a Al-Assad disse hoje que a Espanha convocou todo o seu povo de volta da Síria. A mesma fonte anunciou que a Síria retirou-se da UPM (União para o Mediterrâneo) em protesto contra as sanções econômicas da União Européia.

Citando a mesma fonte "News.About.Syria" que disse que nesta sexta seriam realizados comícios com funerais simbólicos contra a Liga Árabe e a queima de bandeiras israelenses.

"Entre haspas" - É engraçado como as pessoas criam suas próprias ilusões e as tomam como verdades. O país em chamas, bombardeios e tiroteio e mortes por todos os lados e uma pessoa diz:

"Dia muito normal em # Síria like everday, multidões de pessoas compram, os alunos da escola pela manhã, todas as lojas abertas" - disse "News.About.Syria".
Alguém  pergunta: "Qualquer produto?" "News.About.Syria" responde: "Com abundância... venha fazer compras!" - Três pessoas curtiram.

A página mencionou ainda que os EUA lançaram novas sanções. Desta vez incluíram o Tio de Bashar Al-Assad "Muhammad Makhlouf" também "OWS Aslan" membro do exército sírio, além de ter sancionado o Estabelecimento Militar de Habitação e o Banco Imobiliário.

Passando da fonte informal para a fonte oficial, a SANA, (agência de notícias estatal síria) disse que a Síria suspendeu o "Acordo de livre Comércio" com a Turquia em respostas às novas sanções anunciadas. A fonte afirma ainda que o regime sírio estuda novas medidas.

Praticamente os únicos órgãos que estão funcionando na Síria são o Exército, a Inteligência e Relações Exteriores. Em confirmação ao anunciado pela página de Facebook citada acima, a SANA disse que a Síria decidiu suspender sua adesão temporariamente à UpM (União para o Mediterrâneo) até que a União Européia derrube os últimos procedimentos anunciados contra a Síria.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Síria afirmou que ao invés de expulsar o país da União Européia, "deveria ajudar a buscar soluções para a República Árabe da Síria".

Por outro lado todas as propostas apresentadas, desde o início do conflito, por todas as organizações e países árabes ou ocidentais, inclusive europeus, foram rejeitadas ou mesmo ficaram sem respostas até hoje.


As principais das soluções apresentadas seriam a retirada do exército das ruas e a reabertura do acesso à mídia internacional, a permissão das instituições de Ajuda Humanitária, Direitos Humanos e os observadores.


Internacional


A União Européia nesta Quinta-feira reajustou as sanções contra a Síria, aumentando a pressão contra 12 outros membros do governo sírio e 11 empresas. Citando a "alittihad" que disse que a pressão aumentou  sobre o petróleo, o gás e o financeiro, incluindo o congelamento de bens e proibição de acesso a vistos. Citando "fontes" o site disse que o "objetivo é cortar todas as formas de financiamento para o regime".

No entanto a SANA anunciou nesta sexta que o vice primeiro-ministro russo Sergei Ivanov avisou que nada  impede a Rússia de continuar a exportar armas para a Síria. Segundo disse em uma entrevista coletiva em Moscou na quinta, que

"A Rússia irá trabalhar com todos o dinheiro e provisões proibidas pelas regras e convenções", afirmando que "não há nenhuma ameaça quanto a entrega de armas da Rússia para a Síria." Disse a SANA.

Snapshot do vídeo: ليبيا على استعداد لدعم الثورة في سوريا عسكريا
No lado vizinho, a Líbia continua se mantendo à disposição para ajudar a dar fim ao regime de massacres da família Al-Assad. Após a declaração oficial da porta-voz das Nações Unidas Navi Pillay que disse que o número de mortes na Síria chegou oficialmente a 4.000 e que o país vive um estado de guerra civil, milhares de lutadores que combateram na derrubada do regime de Muammar Kaddafi se dispuseram a marchar até Damasco contra o exército sírio e as brutais forças de segurança ao lado do Exército Livre.

No dia 18 de Outubro, um dia após a cerimônia oficial de posse do Governo de Transição da Líbia, o presidente interino Abdel Galil Mustafa, declarou que a Líbia estava "pronta para ajudar ao povo da irmã Síria" por todos os meios, incluindo militar. Dias depois, a Líbia foi recebida de volta no Conselho de Segurança das Nações Unidas, o que marcou definitivamente o fim da era Kaddafi.

Um vídeo gravado há 3 semanas feito pelos rebeldes sírios envia um pedido de socorro do Exército Livre para os lutadores ex-Rebeldes da Líbia.
Atualização: 21h48min.


Video: Porta-aviões George W. Bush que estava no Mediterrâneo em suposta observação do Irã foi desviado para a Síria. Este momento é quando ele passa pelo canal do Panamá . Ativistas disseram que os Estados Unidos aconselharam a todos os americanos que deixem a Síria.


Aldeias e vilas

Percebendo o grande número de dissidentes nos grandes centros urbanos, o assassinos do exército e das forças de segurança migraram para as vilas e aldeias sírias. Atualmente não uma aldeia que não esteja sendo bombardeada, saqueada, sitiada, destruída e oprimida. O exército Livre tem tido dificuldade para se deslocar para todas estas regiões em socorro do povo, devido à dificuldade de transporte. Geralmente marcham de 15 a 20 quilômetros até chegarem em uma aldeia para combater com os inimigos.

Video: "Operações" do exército sírio: fuzilar aldeias e matar civis indefesos.


Exército Livre

Por volta de 01:30 da manhã o Exército Livre conseguiu chegar na Aldeia de Kastoun no Vale de Kauston. O ataque-surpresa provocou muitas perdas nas fileiras das forças de segurança, que conseguiram acalmar a região. Dali seguiram para a "Vila Batimétricos" que foram em socorro das tropas de dissidentes do Batalhão Abu Khaled e todos voltaram da missão bem.

Protestos

Pesados bombardeios por todas as aldeias e e agora em Homs, mas a população encara o perigo e sai nas ruas pedindo uma "Zona Tampão" e a execussão de Bahsar Al-Assad. De acordo com o ativista Nana Sanja  que disse que Homs está mais uma vez sitiada pelas forças de Assad.

Video: É assim que Al-assad implementa reformas na síria e se aborrece contra sanções.
Video gravado em Maio 2011.


Artigo em Destaque

EDITORIAL - O Brasil é perfeito para quem não teme o trabalho honesto

Temos que combater os esforços da mídia paga, que visa fazer as pessoas amarem mais o mal que o bem. Se você concorda leia, comente e compa...

Leia também: