segunda-feira, dezembro 05, 2011

Síria bloqueia estradas de acesso à Turquia - Atualizações

A Síria está se preparando para a intervenção. Está se armando e construindo bases e trincheiras. Criando ferramentas que gerem confusão de informação ao inimigo e sitiando ainda mais as cidades.


Video: Obra de destruição e interdição do acesso da estrada para Turquia na região de Aleppo.

Por Saulo Valley, Rio de Janeiro, 05 de Dezembro de 2011 - 08h49min.

Empurrados para a guerra pela falta de opção depois de 9 meses morrendo enquanto pedem ajuda internacional, a população síria está se cansando de se entregar para o sacrifício como ovelhas mudas no matadouro. Enquanto isto as autoridades internacionais continuam estendendo as negociações e os prazos,  para Al-Assad, que procura ganhar tempo para que seu novo sistema de defesa anti-mísseis e sistema de bloqueio de internet e vigilância de comunicações fiquem prontos.

Enquanto novas estruturas de capitalização são erguidas com a ajuda do Irã, que se promove como mestre em sobreviver debaixo de sanções em 23 anos de larga experiência.

Menina desolada com o sequestro de seu pai se seu avô pelas forças sírias.
Enquanto os Conselhos Internacionais nada fazem, e não criam nenhuma ação que seja imediata, a crise na Síria vai ganhando profundidade e novos rumos. Parte das cidades já não acreditam mais na ajuda internacional, e irritadas, sofrendo chuvas de balas dos bombardeios do exército sírio, famílias inteiras presas, crianças, jovens e adultos do sexo feminino sofrendo estupro diáriamente, estupros em massa e fuzilamento de pedestres. Estradas internacionais interditadas e uso de aeronaves para metralhar os manifestantes. Uma crise de completa ineficiência do sistema e de suas leis e procedimentos que não se adequam aos interesses de proteção de populações indefesas.

Desesperados, os jovens estão tendo vendo a formação de exércitos de civis como única alternativa para proteger seus familiares. Podem acabar aceitando alianças com grupos religiosos e terroristas ou com qualquer outra coisa que lhes ofereçam a oportunidade de dar fim a esta tragédia nacional. A ajuda internacional já está atrasada 2 meses e a população não está conseguindo suportar mais. Agora não é mais uma questão de ética ou de moral, o que acontecer na Síria daqui para frente será por culpa dos embaraços políticos e dos conflitos de interesses dos países. Como disse o Embaixador de Teerã em Beirute Qazanfar Roknabadi:

"Nós, como país, temos experimentado todas as fases há 23 anos e chegamos à conclusão de que esses métodos de sanções são vencidos e não afetarão a qualquer país do mundo."
Enquanto a Liga Árabe, a União Européia, o Conselho do Golfo e outros países estudam novas sanções, como o povo sírio fará? Estudará uma nova maneira de ser alvejado todos os dias com tiros de .50 na cabeça? Até onde durará esta persistência nas sanções?

Lembrando que em 1982, o massacre sírio em que Hafez Assad matou cerca de 45 mil manifestantes nas cidades de Homs e Hama, ele foi apenas, advertido, sancionado e seu nome foi indicado para o TPI. Mesmo assim, se manteve no poder depois que matou 100% das pessoas que queriam o fim do seu regime. Morreu em 2000 por alegada enfermidade ou suicídio... O detalhe que estas informações já estão na mente de Al-Assad e ele é testemunha ocular de que sanções e alertas diplomáticos não passam de "engana-trouxa".

Realidade síria hoje:

Uma ativista me enviou uma resposta a respeito deste assunto há alguns minutos:

"A revolução não está dividida.Apenas existem diferentes grupos se unindo para lutar contra as forças de segurança locais. O objetivo é um só: Derrubar o regime de Assad. O problema é geográfico. A província está dividida em cidades e aldeias. Todos eles estão isolados. As estradas de acesso foram bloqueadas apenas para evitar que os revolucionários possam se unir e lutar contra os soldados sírios. É por isso que matam os burros e queimam as motos e bicicletas. As aldeias são totalmente nas mãos do segurança. Muitas das vezes o número de soldados excede o número de habitantes (entre os quais há muitas crianças). Cada pequena cidade tenta criar grupos de combate e defesa. Hama e Homs, como muitas cidades (incluindo a província) são focos de protesto para que o regime se concentra com mais forças. Infelizmente, pensamos em um faroeste. Temos estradas e estradas que não estão em condições diferentes da cidade. Além disso, nós não nos identificamos com a gente para a dependência de grupos religiosos. O mundo árabe é uma bagunça para nós, porque os árabes não são homogêneos."
Video: Estrada interditada em Aleppo pelos manifestantes para atrasar os tanques sírios.


Qual será a solução imediata para que este problema seja resolvido? Acham que mais sanções ajudariam a resolver o problema? A crise está para além das sanções. Precisamos de algo mais sólido!


Assistam este vídeo e me respondam: Como sobreviver em situações como esta, enquanto se aguarda as sanções afetarem ao regime que recebe ajuda estrangeira sem segredo?


Artigo em Destaque

Julian Assange periga ser extraditado para os EUA

O fantasma da extradição de Julian Assange volta a assombrar e podemos dizer que processar e condenar o fundador da Ong Wikileaks pelo cr...

Leia também: