quinta-feira, dezembro 15, 2011

Síria: 9 meses e mortes de civis, confrontos e deserções só aumentam.

Em ligeiro crescimento, a violência na Síria não pára. Se a responsabilidade não é do presidente, então porque estas tropas lutam e matam em seu nome? Porque os tanques trazem cartazes e posters com sua foto? Porque gritam seu nome e obrigam as pessoas a beijar sua imagem?



Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 15 de Dezembro de 2011 - 16h28min.

Declarando-se "deus", Bashar Al-Assad enviou suas tropas pelo país, buscando arregimentar forçadamente adoradores e garantir seu altar no seio de Damasco. Seu exército saiu como um bando de loucos sem a menor emoção para destruir milhares de vidas, sem intervalo e sem voltar para casa durante os últimos 9 meses que se completam no dia de hoje. No dia 15 de Março de 2011, os primeiros estudantes foram presos e espancados pelo Serviço Secreto Sírio, queno encontrou a descrição "As pessoas querem derrubar o regime, é a sua vez Bashar!" no muro de uma escola no Escudo. Então Shabihas foram enviados para  depredarem a escola e sobre as descrições, escreveram frases de adoração a Bashar Al-Assad:


"Snapshot"
Se Al-Assad como presidente não tem nenhuma parcela de culpa, como personalidade pública deveria ter tido a dignidade de cessar o massacre realizado em seu nome. Mas ao invés disto, se calou e perseguiu e declarou guerra a todos os que se opunham às ações de seus soldados. Eles por si só executavam a todos que dizem "não" para Al-Assad. Nem mesmo as menores, mais frágeis e mais dóceis crianças escaparam.
Adolescentes inocentes, indefesos, meros estudantes do ensino secundário, transformados em inimigos mortais.

Mas eles não se renderam. Não se curvaram. Não beijaram a foto do presidente e foram cruelmente massacrados pelo batalhão do inferno, à serviço da pior das criaturas existentes.Até quando permanecerá?

O maior volume de deserções hoje:



Quanto tempo mais as autoridades internacionais vão conceder para que os soldados sírios, que estão agindo por conta própria, continuarão matando? Se o presidente não ordena os ataques, quem é que abastece os tanques, os blindados e compra toda a munição desperdiçada nas casas? Porque é que não impede que um batalhões inteiros saiam para as ruas para destruir cidades inteiras, vilas, aldeias e todo o patrimônio do país, inclusive oleodutos, casas e lojas comerciais, prédios governamentais, plantações, veículos, motos, hospitais e ambulâncias, ainda impede que socorro seja enviado nem mesmo dos países árabes vizinhos?


Video: Shabihas presos pelo Exército Livre em depoimento sobre seus crimes.

Ao invés de "Shabihas", no país deveriam ter policiais combatendo o crime, mas aonde se meteu a polícia que há 9 meses não prende nenhum bandido na Síria? Os "Shabihas" são uma numerosa tribo que apóia Al-Assad. Eles são desprovidos de caráter e não são especializados em segurança, apenas se deixam "alugar" para fazer qualquer serviço sujo, a exemplo da invasão do acampamento de refugiados sírios em Hatay, que resultou no estupro de 400 mulheres de todas as idades, deixando 250 delas gestantes destes monstros. Se vendem por qualquer dinheiro. Informações por fontes sírias que disseram que cada um deles recebiam em média 420 libras sírias por semana para espancar, torturar e matar o povo de sua própria vizinhança. Outras fontes sírias, disseram que muitos empresários foram perseguidos, torturados e até presos pela interrupção do envio de "contribuições" para os salários dos Shabihas e dos "Cbihh". Fomos informados que alguns conseguiram fugir do país.

*Continuem apoiando este trabalho. Hoje estamos denunciando a perseguição de povos árabes, amanhã poderemos estar aqui tentando salvar a sua vida. Obrigado.

Artigo em Destaque

EDITORIAL - O Brasil é perfeito para quem não teme o trabalho honesto

Temos que combater os esforços da mídia paga, que visa fazer as pessoas amarem mais o mal que o bem. Se você concorda leia, comente e compa...

Leia também: