sábado, dezembro 03, 2011

Aliaa Magda ElMahdy nua é desejada, perseguida, processada, linchada e morta. Um símbolo?

Ela nem se considerava bonita, muito menos sexy. Decidiu se expor como forma de denunciar de modo marcante, o abuso sexual que as mulheres egípcias sofrem, espancamentos e indiscriminação, mas no campo da religião, Aliaa Magda é tida como um monstro.


No dia 02 de Abril Aliaa El Mahdy esteve em Estocolmo para
 protestar contra o massacre de civis na Síria.
Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 03 de Dezembro de 2011 - 06h50min.

 De adolescente a mulher. De ativista a símbolo sexual. Sua decisão de mostrar sua foto numa numa página de blog chocou o Egito, a comunidade islâmica e o mundo árabe. Adquiriu admiração de muitas mulheres que nunca tiveram coragem para fazer o mesmo, embora tivessem desejo. Seu blog atualmente registra mais de 4.400.000 visitantes embora a impacto inicial tenha passado, sua nudez lhe rendeu muita popularidade e muitos problemas. Aliaa saiu do "Blogger" para as ruas:

Foto de Aliaa reproduzida em muro no Cairo

Nas ruas foi odiada. Foi linchada, ficando bastante machucada. Mais tarde os linchadores descobriram que haviam espancado a moça errada. Não era Aliaa. O ódio da comunidade islâmica lhe rendeu ameaças de morte intermináveis. 
Linchada por engano? Também foi morta... Por engano? Uma mulher encontrada morta dentro de um carro foi apontada como Aliaa Magda ElMahdy. De acordo com vários sites de notícias do Oriente Médio mas citando apenas o "alwatannews" que disse que até o presente momento não foi possível confirmar se a jovem morta é realmente Aliaa ElMahdy.

Um inquérito foi aberto pelo ministério público que decidiu "apurar" a sua exposição na internet. Enquanto isto a jovem luta contra a militarização do governo de seu país, buscando os mesmos direitos humanos que os demais países árabes que decidiram pela primavera árabe, denunciando a corrupção embutida no novo governo e nas muitas investidas da Irmandade Muçulmana disfarçadas em "primavera árabe".

Por este motivo Aalia tornou-se uma mistura de sonho de consumo e pesadelo político, em campanha pela defesa das mulheres, pelo direito ao amor e à expressão pública deste amor, bem como a igualdade entre os homens e as mulheres árabes. Tornou-se imitada não só por mulheres árabes, mas por muitas mulheres européias que decidiram tirar a roupa em seu badalado nome, mas na verdade são pequenos meteoritos que grudam na cauda do cometa em busca de projeção.

Aliaa é única. Passa longe dos padrões de beleza europeus e é determinada, forte e como escrevi no primeiro artigo sobre ela, no mesmo dia que o blog foi publicado, sua atitude nuca mais será esquecida.


Você também pode ler: 
 Aaliah Magda Elmahdy: Anjo ou Demônio?
Aalia Magda Elmahdy publica foto nua menstruada sobre bandeira do ISIS terror iraquiano

A Valorização da Mulher

Quanto maior a perseguição, maior será a valorização de uma atitude tão simples que no mundo ocidental há mulheres nuas na web como se fossem lixo. A maior preocupação no entanto é com a desvalorização da mulher. Apesar do esforço de uma jovem árabe em busca de liberdade para si e para outras como ela, a busca pela liberdade deve ter limites. Encontrei um vídeo na internet sobre uma festa onde numa pista de danças os casais procuravam fazer uma espécie de dança sensual meio que inédita. No fim, só faltou o rapaz pisar na cabeça da sua parceira que saiu comemorando ser tratada como um lixo humano. 

  • Em suma vale a pena dizer que todas as ações de um ser humano precisam de propósito e de equilíbrio. Com a liberdade conquistada, precisamos ter  a nossa própria censura instalada na consciência.
O vídeo não tem cenas eróticas. Peço desculpa à comunidade islâmica pela exibição, mas o mundo precisa encontrar um limite, algumas coisas precisam ser expostas como alerta.

Artigo em Destaque

EDITORIAL - O Brasil é perfeito para quem não teme o trabalho honesto

Temos que combater os esforços da mídia paga, que visa fazer as pessoas amarem mais o mal que o bem. Se você concorda leia, comente e compa...

Leia também: