sexta-feira, novembro 18, 2011

Arábia Saudita reata relações comerciais com a Síria

Após dois dias de relações comerciais suspensas, em protesto contra ataques à embaixada saudita em Damasco, o reino resolve retornar as negociações com a Síria.

Porto de DAMMAM - Cortesia "Leep"
Por Saulo Valley -Rio de Janeiro, 18 de Novembro de 2011 - 08h29min.
Atualizado: 09h28min.

  No dia  12 de Novembro de 2011 manifestantes pró-Assad invadiram uma variedade de embaixadas causando prejuízos e assustando aos funcionários. O Marrocos tomou a decisão de chamar de volta seu embaixador, a exemplo do que aconteceu há cerca de 2 meses quando embaixadas ocidentais foram atacadas pelos mesmos manifestantes, resultando na saída do embaixador americano.

A Arábia Saudita reagiu de forma diferente. Mantendo as relações comerciais com a Síria em constante crescimento, chegando a crescer aumentar em 500% o fluxo de suas exportações de 2003 a 2010. Só em 2010, citando o site árabe "Aleqt", uma grande fonte de informações precisas, que por sua vez citou o Conselho Empresarial Arábia-Síria como dizendo que o volume de negociações entre os dois países chegou a 2,7 Bilhões de dólares.

Cortesia: "Waleed Alzuhair"
Por este motivo o reino decidiu não cortar as relações comerciais com a Síria por definitivo, retomando as comercializações suspensas há apenas 2 dias.  A Arábia Saudita justifica que o fato de um embaixador ser convocado de volta, não significa que todas as atividades de uma embaixada são suspensas. O "Aleqt" disse ainda que esta decisão veio depois que o reino saudita exigiu da Síria total responsabilidade pela segurança da embaixada, bem como dos interesses da embaixada saudita em solo sírio. A fonte disse ainda que as relações comerciais entre os dois países estão focados nos produtos alimentícios e no turismo.

França e Turquia

A ministros das relações Exteriores da Turquia e a França concordaram que as pressões sobre a Síria devem ser aumentadas à fim de cessar os ataques contra o povo sírio. De acordo com a "youm7" o ministro turco alerta para os riscos de uma guerra civil, destacando o avanço das forças rebeldes sobre as forças de segurança.  Já o ministro francês Allain Juppé, citado pelo "albayan" como dizendo que agora é "tarde demais para o regime sírio", tanto para controlar a revolta popular, quanto para se manter no poder. A fonte disse ainda ao perguntar sobre a possibilidade da Turquia realizar um "no-fly-zone" no entorno de suas fronteiras, disse que Juppé teria respondido que a Turquia provavelmente aguardará uma decisão internacional, destacando que apenas as Nações Unidas têm poder para impor embargos, mas ele ainda na ocasião, confirmou que a França e a Turquia estão acordadas para trabalhar em conjunto para buscar soluções para a crise na Síria.

Artigo em Destaque

EDITORIAL - O Brasil é perfeito para quem não teme o trabalho honesto

Temos que combater os esforços da mídia paga, que visa fazer as pessoas amarem mais o mal que o bem. Se você concorda leia, comente e compa...

Leia também: