sábado, outubro 22, 2011

Morre Mutassim Kadafi, Saif está ferido e Aysha está no hospital após duras notícias


O clã Kaddafi está desmoronando velozmente. Após a morte de Muammar Kaddafi, um vídeo inédito mostra o corpo do ditador após ter sido limpo e colocado sobre um colchão. Com as duras notícias chegando sucessivamente, Aysha Kaddafi, uma das mulheres mais cobiçadas da Líbia precisou ser atendida num hospital.

Snapshot de um video sem link divulgado pela Revolução Líbia hoje.
Por Saulo Valley -Rio de Janeiro, 22 de Outubro de 2011 - 07h42min.

"Este deve ser o destino de todos os políticos que praticam a corrupção, o roubo de recursos públicos, e principalmente o destino de todos os que praticam crimes contra a humanidade. Que este acontecimento histórico sirva de lição para Hugo Chávez, Fidel Castro, Ahmadinejad, Al-Assad e todos os outros que se inclinarem para o caminho da destruição da raça humana e do desrespeito pela vida alheia como um todo. Massacres de civis são inaceitáveis no jogo político" - Saulo Valley

A vingança líbia ainda tem muito o que trabalhar. Independente de quem será condenado, apesar de que o escritório dos direitos humanos das Nações Unidas informou que 45 organizações de direitos humanos exigiram a investigação pelo assassinato do ditador Muammar Kaddafi.

Particularmente, acredito que o popular que se sacrificou em uma Jihad contra a corrupção e contra o regime sangrento de kaddafi vai adorar assumir a responsabilidade pela morte do ditador. Ou seja, para quem se entregou numa ação suicida pelo fim do regime e ainda está vivo, ser condenado por matar o maior inimigo do povo, responsável por mais de 25 mil mortes de rebeldes, mulheres, crianças, idosos e trabalhadores usando-os como escudos humanos ou bombardeando-os para culpar a NATO... Será um ato de duplo heroísmo! Que Deus abençoe este ou todos os rebeldes líbios!

Família Kaddafi

Saif Al-Islam - Ontem, logo após o anúncio da morte de Kadafi, informações de que Saif Al-Islam estava fugindo para o Níger fizeram a caçada recomeçar. Ele acabou sendo ferido em uma troca de tiros com os rebeldes em Zliten. Agências dizem que a polícia internacional está apoiando a caçada aos filhos do ditador.
Há informações de que Saif Al-Slam esteja recebendo atendimento médico e esteja sob custódia do novo governo da Líbia.

Saif Al-Salam é o segundo membro da família Kaddafi mais odiado e procurado. O favorito e primogênito de 8 irmãos, ele atuava como chefe de inteligência por vezes, por outras atuava como porta-voz do regime de seu pai, apesar de nunca ter exercido qualquer cargo público, político ou militar.

Mutassim Kaddafi - corpo colocado na caminhonete.
Ele ameaçava, cedia entrevistas e anunciava estratégias para esmagar a toda a população de rebeldes líbios "como ratos", a exemplo de seu pai.

Mutassim Kaddafi - A informação da morte de Mutassim Kaddafi chegou hoje pela madrugada e foi divulgada pela "Nova Página na História da Líbia" no facebook.

A seguir um vídeo publicado mostra os últimos minutos de vida de Mutassim após ter sido ferido em troca de tiros.


Aysha Kaddafi
Aysha Kaddafi - Em uma postagem em sua homenagem no site "dailymotion" destaque para uma citação de uma declaração da musa líbia: "Aysha disse que prefere morrer que abandonar seu povo".  De acordo com agências, Aysha Kaddafi que está refugiada na Argélia desde Agosto, recebeu notícia da morte de seu pai e teria feito uma chamada telefônica para falar com ele, quando acabou tendo a confirmação por um rebelde que atendeu a chamada. Após a avalanche de notícias sobre prisões e mortes de seu pai e seus irmãos, ela teria passado mal e socorrida em um hospital próximo. Aysha era popularmente conhecida como "Embaixatriz da Paz" e a "Michelle Pfifer da Líbia".

De acordo com a Human Rigths Watch, segue a lista dos escritórios que exigiram a investigação da morte de Kaddafi:

1. Hillel Neuer, UN Watch, Switzerland
2. Yang Jianli, Initiatives for China, USA — Former prisoner of conscience, survivor of Tinanmen Square massacre
3. Amina Bouayach, Moroccan Organisation for Human Rights, Morocco 
4. María José Zamora Solórzano, Movimiento por Nicaragua (MpN), 
Nicaragua
5. Marcel Claude Kabongo, Good Govenance and Human Rights, DRC
6. Ulrich Delius, Society for Threatened Peoples, Germany
7. Bhawani Shanker Kusum, Gram Bharati Samiti (GBS), India
8. Jaime Vintimilla, CIDES, Ecuador
9. Sylvia G. Iriondo, M.A.R. Por Cuba, Mothers and Women against Repression, USA
10. Daniel Ozoukou, International Conference for Nonviolence and Democracy (CINOD), Cote d'Ivoire
11. Rajesh Tandon, Society for Participatory Research in Asia (PRIA), India
12. Yang Kuanxing, Yibao, USA
13. Obinna Egbuka, Youth Enhancement Organization, Nigeria
14. Francois Ullmann, Ingénieurs du Monde, France
15. Léonie de Picciotto, International Council of Jewish Women, Switzerland
16. Ted Brooks, Committee for Peace and Development Advocacy, Liberia
17. Valnora Edwin, Campaign for Good Governance, Sierra Leone
18. Sr Catherine Waters, Catholic International Education Office (OIEC), Belgium
19. Dickson Ntwiga, Solidarity House International, Kenya
20. Dieudonné Zognong, Fondation Humanus, Cameroon
21. Sajni M. Thadhani, Mulchand & Parpati Thadhani Foundation, USA
22. Anyakwee Nsirimovu, Institute of Human Rights and Humanitarian Law (IHRHL), Nigeria
23. Phil ya Nangoloh, NamRights, Namibia
24. Bose Iro-nsi, Women's Rights and Health Project (WRAHP), Nigeria
25. Arthur LAROK, Uganda National NGO Forum, Uganda
26. Klaus Netter, Bnai Brith International, Switzerland
27. Edward Ladu Terso, Multi Media Training Center, Sudan
28. Priscilla M Achakpa, Women Environmental Programme, Nigeria
29. Shomik Chaudhuri, Institute of International Social Development, India
30. Angel De Fana, Plantados Until Freedom and Democracy in Cuba, USA
31. Kim Nichols, African Services Committee, USA
32. C. Gautam, Nepal International Consumers Union, Nepal
33. Intigam Aliyev, Legal Education Society, Azerbaijan
34. Anne Shay, Presentation Congregation Lismore, Australia 
35. Lois J. Shapiro Canter, Women WorldWide, USA
36. Gabriel Mugaruka, Human Rights Defenders Solidarity, Uganda
37. Yael Danieli, International Society for Traumatic Stress Studies, USA 
38. Olanrewaju Suraju, Human and Environmental Development Agenda, Nigeria
39. Malcolm W. Joseph, Center for Media Studies and Peace Building (CEMESP), Liberia
40. Nzoyitazira Violette, Crisis Management Center, Burundi
41. Nyamiye Hermenegilde, Human Health Aid, Burundi
42. Heritiers de la Justice, DR Congo
43. Delly Mawazo Sesete, Research Center on Environment, Democracy, and Human Rights (CREDDHO), DR Congo
44. Abdurashid Abdulle Abiikar, Center for Youth and Democracy (CYD), Somalia
45. Raphael Wakenge Ngimbi, Initiative Congolaise pour la Justice et la Paix (ICJP), DR Congo

Artigo em Destaque

EDITORIAL - O Brasil é perfeito para quem não teme o trabalho honesto

Temos que combater os esforços da mídia paga, que visa fazer as pessoas amarem mais o mal que o bem. Se você concorda leia, comente e compa...

Leia também: