sexta-feira, setembro 23, 2011

Estatística Síria: 17 mortos em ataques a estudantes.

O círculo está se fechando. A Revolução Síria 2011 começou numa escola do ensino fundamental. As crianças aprenderam sobre as revoluções que estavam acontecendo nos países vizinhos, e descreveram suas percepções nos muros. Enquanto os estudantes entre 10 e 16 anos estavam sendo presos e torturados, parentes e ativistas foram às ruas pedir por suas liberdades. Iniciada a caçada contra os manifestantes, ataque às residências, perseguição aos ativistas e finalmente chegou a vez das escolas:

Video: Médicos e estudantes protestam contra as ações criminosas do regime. Mulheres caminham ao centro para serem protegidas da violência.


Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 23 de Setembro de 2011 - 07h42min.

Agora cada civil é um alvo primário. Todos os estudantes são presas fáceis. Assad invade as escolas para ensinar uma nova lição ao povo sírio. Não há direito a ser exigido, a não ser a perda dos poucos direitos que lhes sobraram. Não há lei nem força que os favoreça. Não há respaldo em suas exigências e suas necessidades não precisam ser supridas. Não há dever maior que submeter-se ao poder das armas de fogo das forças sírias e curvar-se diante da imagem do seu presidente Bashar Al-Assad. 


Diante de tão devastadora ameça os sírios resistem em pedir o fim desta tragédia nacional. Suas únicas possibilidades estão concentradas nas manifestações. Ainda milhares de pessoas morrerão até que alguém decida assumir que Bashar Al-Assad tem cometido "crime contra a humanidade". Não há mais o que falar. Todas as provas estão expostas em excesso. O Google e o Youtube agora está impedindo que as imagens sejam amplamente publicadas para evitar constrangimento da audiência. Isto é bom, mas sem elas, o mundo tem a impressão de que tudo voltou ao normal. Ninguém tem pressa em socorrer o povo sírio. Pra melhorar, as 20 mortes diárias agora estão beirando a média de 40 a 50. Ninguém se importa.


Não há mais argumentos a serem apresentados, e as forças do povo estão se esgotando. As agências de notícias não sabem mais quais termos usar para descrever tal tragédia, mas para os altos líderes mundiais, as provas nunca são suficientes e ainda há quem consiga barrar ajuda humanitária e militar para este povo. O povo sírio já nem está gravando mais as ocorrências. A maioria dos vídeos estão sendo gravados pelos próprios soldados do regime.  Isto é de uma inescrupulosa desumanidade! As organizações de direitos humanos lutam para provar as iniquidades cometidas contra o povo enquanto potências que lucram com a tragédia invalidam seus esforços. Existe teto mínimo de mortos para ser considerado um genocídio? Existe um número mínimo de civis torturados injustamente para ser caracterizado como "crime contra a humanidade"? Não existe serviço de inteligência internacional que num caso absurdo como este não possa ser enviado para apresentar os relatórios como sendo uma fonte oficial?

Retirar os estudantes das escolas não é crime contra os direitos humanos internacionais? Matar e torturar crianças recém-nascidas e adolescentes não é crime contra a "Infância e Juventude" e crime hediondo? Usar o exército para matar deliberadamente a população indefesa e sem acusação, a fim de proteger seu cargo político,  não é "crime de guerra" e "crime contra a humanidade"?  Não constitui ainda "abuso de poder", "uso excessivo de força", "Uso de cargo público para interesses pessoais"? Prender e torturar até a morte equipes médicas, invadir hospitais e atirar a esmo, destruir equipamentos médicos porque estavam salvando vidas não constitui nenhum tipo de crime?

Invadir, bombardear, saquear e destruir casas, motos, veículos, prédios públicos, lojas, templos e escolas não constitui "atentado contra o patrimônio nacional"? Falsificar relatório de civis mortos, cremar presos sem o conhecimento da família e da sociedade, tomar terras, incendiar plantações, matar criações, estuprar adolescentes, jovens e mulheres idosas, invadir, saquear acampamentos de refugiados, além de mata-los, que crimes constituem?

Usar as forças armadas e gangues de civis mercenários contratados e enviados para perseguir populares sírios que tentam cruzar as fronteiras vizinhas a fim de proteger suas vidas, indo até os países adjacentes violentando e executando seu próprio povo constitui algum tipo de crime?

Se estas e muitas outras ações diárias do exército sírio, das forças de seguranças, do serviço secreto ordenadas por Bashar Al-Assad não são crimes hediondos, então não existe justiça neste planeta.

Este é o exemplo que a humanidade dá para aqueles que cometem crimes na sociedade. Porque já ví pessoas matarem um único ser vivo e ficarem 16, 20, 30 anos na cadeia. O regime de Saddam Hussein não matou 10% de todos os mortos pelo Regime Assad e ele foi enforcado.

Impunidade para George Bush. Impunidade para Bashar Al-Assad. Impunidade para Kaddafi. Impunidade para Saleh. Não há impunidade para civis e pessoas que cometem pequenos crimes.

Até um assalto à banco é mais dígno de condenação que este extermínio brutal. Talvez porque o dinheiro seja mais importante que que a vida humana.

Solução

Se o mundo parar de se concentrar nas sanções e nos avisos, talvez pense melhor que atacar a síria não resolverá. Os crimes não são cometidos pelo estado e sim por um funcionário do governo e todos o obedecem. O mundo DEVE fazer Al-Assad PARAR AGORA!

Punição para seus colaboradores e fornecedores internacionais e locais. Enquanto a Rússia, a Índia  e a China fornecem toda sorte de suporte para Assad continuar matando, estes mesmos países gozam de completas mordomias internacionais, e até mesmo dentro do Conselho de Segurança das Nações Unidas.

Afinal, de que lado o Conselho de Segurança está?

Artigo em Destaque

EDITORIAL - O Brasil é perfeito para quem não teme o trabalho honesto

Temos que combater os esforços da mídia paga, que visa fazer as pessoas amarem mais o mal que o bem. Se você concorda leia, comente e compa...

Leia também: