segunda-feira, agosto 22, 2011

Síria tem equipe de 67 H4ck3rz que já atacou Turquia, Israel e Grã-Bretanha

O país que segue em terrível batalha pela manutenção do regime do amado Al-Assad por um lado e pelo fim do opressor regime de Al-Assad por outro. Parece estar dividido. Sim. De um lado o governo sírio. De outro o povo sírio.




Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 22 de Agosto de 2011 - 18h42min.

Com a explosão da publicidade de suas atrocidades na web, Al-Assad investiu muito até que divulgou a "implementação de reformas" rumo à democracia. O governo da Síria criou então seu próprio exército virtual um grupo chamado: "Exército sírio-mail" (Syrian Army-mail) que atua em paralelo como grupo "Batalhão Eros".

O grupo formado por maioria jovem e busca informações da revolução e segue comentários de autoridades internacionais com a intenção de punir à cada um de acordo com suas demonstração contra Al-Assad.

Uma democracia que não permite oposição e que já tem crias que respondem à altura: 


"Vimos o ataque sírio de mídia eletrônica, e o feroz ataque ao nosso amado país Síria, decidimos responder violentamente"
 Este grupo assumiu a responsabilidade pelo ataque aos sites governamentais britânicos "Okehampton" e o site da "Câmara Municipal de Patchway" tendo destruído o banco de dados em resposta às advertências para interromper imediatamente o massacre de civis, que eles descreveram como uma "resposta à maneira racista que lidam com os assuntos internos da Síria". 


Além do site britânico, eles assumem ter atacado pelo menos 15 sites do governo da Turquia e o mais recente ataque, que foi do conhecimento da grande mídia, foi o ataque ao grupo Hacker "Anônimous" em resposta aos seus ataques ao site do Ministério da Defesa da Síria.

Em todos estes ataques aos sites governamentais, acredita-se que o objetivo ( com base no que foi apresentado pelo grupo) tenha sido o ataque ao banco de dados de clientes de newsletters.


No twitter, ainda atuam com vários perfis, dentre eles o "@syriansoldier1", @halamahfoud e o "@HassanFSY".

Suas atividades no Twitter consistem em confundir as informações divulgadas na mídia ou distorcer as informações que saem da Síria para o exterior. Eles também criam alertas de quando as manifestações acontecem, descrevendo detalhes e localização da rua onde elas acontecem. De qualquer forma eles trabalham na contra-mão da informação internacional e combatem a revolução síria.


Hoje, um vídeo que foi divulgado pela manhã como sendo um manifestante metralhado por forças de segurança, horas depois foi divulgado pelos sites da síria como sendo um civil que foi atacado por terroristas.
Assim eles buscam mudar as informações que são divulgadas, apagando a logo original que figura no vídeo e aplicando a logo da Síria sobre ela, como sendo uma denúncia feita por eles.


Eles apoiam os ataques a Israel e seguem a todas as principais fontes de notícias internacionais e sírias para em seguida rebatê-las até com xingamentos e ameaças violentas, além de distorcê-las. Esta atividade é descrita na meio hacker como "Defacements". Destroem ou desorganizam visualmente a tudo o que atacam.

Assim o regime sírio dá continuidade na web ao que realmente faz na vida real e tenta disfarçar com a embalagem franzina e a voz suave de Al-Assad.

Artigo em Destaque

EDITORIAL - O Brasil é perfeito para quem não teme o trabalho honesto

Temos que combater os esforços da mídia paga, que visa fazer as pessoas amarem mais o mal que o bem. Se você concorda leia, comente e compa...

Leia também: