quarta-feira, agosto 17, 2011

Síria: ONGs de Direitos Humanos se unem para pedir ajuda a ONU - Carta Aberta.

Carta Aberta ao Conselho de Direitos Humanos da ONU/ Presidente Laura Dupuy Lasserre:


por Ahmad Joma na quarta-feira, 17 agosto, 2011 às 15:24

Carta Aberta ao Conselho de Direitos Humanos da ONU Presidente Laura Dupuy Lasserre:
Recurso ONG urgente pelo fim do "Massacre do Ramadan na Síria".

Pedido de Direitos Humanos da ONU sessão de emergência do Conselho
Criar Relator Especial e Conduta Audiências Públicas

Caro Senhor Presidente,

Nós, uma coalizão internacional de organizações não-governamentais e de direitos humanos, exortar aos Direitos Humanos da ONU para acabar com o seu silêncio sobre as atrocidades, conhecidas como o "Massacre de Ramadan", agora sendo cometidos pelo regime sírio contra seu próprio povo.

O que é inadmissível para o mundo do alto de direitos humanos do corpo, que se comprometeu, sob a Resolução 60/251 da AGNU, para evitar violações de direitos humanos e responder prontamente aos direitos humanos emergências para continuar a fazer vista grossa ao massacre patrocinado pelo Estado de civis.

Na semana passada, o regime do presidente Bashar al-Assad foi impiedosamente tirado a vida de 200 homens inocentes, mulheres e crianças em Hama, e dezenas de outros em Deir al-Zour.

Estamos profundamente preocupados que o Conselho não tenha tomado uma ação imediata e eficaz para proteger as vítimas da Síria 's assassinatos em massa escalada. Lamentamos que o conselho permitiu meses de derramamento de sangue, enquanto mais de 400 foram mortos, antes de realizada uma única reunião, em abril. Embora a Síria acabou por ser condenado nessa reunião, não houve nenhuma ação de acompanhamento significativo para as vítimas.

Pedimos, portanto, no conselho urgentemente de usar todas as medidas ao seu alcance para acabar com o derramamento de sangue. Entre outros, recomendamos:

1. O conselho deve exercer as suas responsabilidades nos termos da Resolução 60/251 e imediatamente convocar uma Sessão Especial de Emergência para transformar uma spotlight global sobre os massacres da Síria em Hama, Deir al-Zour e em outros lugares.

2. O conselho deve condenar veementemente a Síria por suas violações graves e sistemáticas da Declaração Universal dos Direitos Humanos, incluindo o direito à vida.

3. Dada a impossibilidade de apuramento dos factos do Alto Comissariado missão para entrar na Síria, o conselho deve solicitar a missão de realizar audiências públicas no escritório das Nações Unidas em Genebra, com testemunho, ao vivo na televisão por parte das vítimas dos massacres da Síria, alguns dos quais escaparam aos países vizinhos. A pressão global gerado por essas audiências constituiria uma oportunidade de ouro para o conselho de fazer uma contribuição concreta e efetiva para acabar com os assassinatos.

4. O Conselho deve ajudar a remediar a lacuna de proteção através da nomeação de um Relator Especial sobre a grave situação dos direitos humanos na Síria. Este investigador independente, agindo como um mecanismo de alerta precoce para a comunidade internacional, deve reportar tanto ao Conselho e à Assembléia Geral, entregando relatórios iniciais para as sessões futuras setembro de ambos os corpos. A monitorização deve durar até a Síria 's repressivo regime do Partido Baath é substituído por um governo democrático que respeite os direitos humanos básicos.

5. O conselho deve tomar medidas para segurar a liderança política e militar da Síria pessoalmente responsáveis ​​pelos crimes contra a humanidade.

Solicitamos respeitosamente que este apelo ONG conjunta circule entre os 47 estados membro do conselho, bem como entre todos os estados observador e outras partes interessadas. Obrigado por sua consideração.

Atenciosamente,

  1. Hillel Neuer C., diretor executivo da Organização das Nações Unidas Watch, Suíça
  2. Ali Al Ahmed, O Instituto do Golfo
  3. Art Kaufman, diretor sênior de Movimento Mundial pela Democracia
  4. Don Kraus, CEO da Citizens for Global Solutions
  5. Afton Beutler, Organização Mundial para as Mulheres, Suíça
  6. Shomik Chaudhuri, Institute of International Social Development, na Índia
  7. Amina Bouayach, Presidente, marroquina Human Rights Organization (OMDH)
  8. Nguyên Lê Nhan Quyen, Liga vietnamitas para os Direitos Humanos, Suíça
  9. Anki Flores, Anti-Racismo Serviço de Informação, Suíça
  10. Duy Hoang, Viet Tan, Vietnam
  11. Jean Stoner, Irmãs de Notre Dame de Namur, EUA
  12. Sr Marlette Preto, Associação Internacional de Apresentação, Austrália
  13. Tashi Albertini, presidente da Associazione Tibet Ticino, Suíça
  14. Judea Pearl, O Daniel Pearl Foundation, EUA
  15. Dickson M. David Ntwiga, Solidariedade International House, no Quênia
  16. Gibreil IM Hamid, Darfur Paz e Desenvolvimento Centro, Suíça
  17. Jacqueline Kasha, Liberdade e Roam Uganda e Minorias Sexuais do Uganda
  18. Siaka Coulibaly, Secretário Executivo da Rede de Organizações da Sociedade Civil para o Desenvolvimento (RESOCIDE), Burkina Faso
  19. François Ullmann, Presidente, Ingénieurs du Monde, na França
  20. Héritiers de la Justice, Service des Eglises Protestantes pour les Droits de l'Homme et la Paix, República Democrática do Congo
  21. Achut Prasad Gautam, Secretário, Nepal Internacional Consumers Union
  22. Phil ya Nangoloh, Diretor Executivo, NamRights, Windhoek, Namíbia
  23. Ulrich Delius, Sociedade para Povos Ameaçados, Alemanha
  24. Maiga Djingarey, humains Femmes et Droits (Mulheres e Direitos Humanos), Mali
  25. Olanrewaju Suraju, Agenda de Desenvolvimento Humano e Ambiental, Lagos, Nigéria
  26. Stephen Ouma Bwire, Secretário-Geral Uganda Sindicato dos Jornalistas
  27. E Carlos. Tinoco, Consorcio desarrollo y Justicia, Caracas, Venezuela
  28. Karel Nowak, Secretário Geral, Associação Internacional para a Defesa da Liberdade Religiosa, na Suíça
  29. Keyvan Rafiee, Presidente, atividades de direitos humanos no Irã
  30. Bernard Schalscha, secrétaire général, França Syrie Démocratie
  31. Dolkar Gyaltag, Organização da Mulher tibetana na Suíça
  32. Dr. Yael Danieli, Sociedade Internacional para Estudos de Estresse Traumático, EUA
  33. Jeff King, International Christian Concern, EUA
  34. Alain Jakubowicz, Presidente, LICRA
  35. Seng Xiong, Fundo Internacional para o Desenvolvimento Hmong
  36. Nazanin Afshin-Jam, Stop Executions Criança, Canadá
  37. Myrna Lachenal, World Federation for Mental Health, Suíça e Filipinas
  38. Naomi Ichihara Røkkum, Vice-Presidente, Federação Internacional da Juventude Liberal
  39. Tae-Jin Kim, Free the Gulag NK, Coreia do Sul
  40. Ratna Osman, diretor-executivo, Irmãs do Islã
  41. Yang Jianli, Iniciativas para a China, EUA
  42. Daniel Feng, Fundação para a China no século 21
  43. Yang Kuaxing, Yibao
  44. Christina Fu, New Hope Foundation
O texto foi copiado na íntegra em atendimento ao pedido direto feito pela Organização Nacional para os Direitos Humanos na Síria.

Artigo em Destaque

EDITORIAL - O Brasil é perfeito para quem não teme o trabalho honesto

Temos que combater os esforços da mídia paga, que visa fazer as pessoas amarem mais o mal que o bem. Se você concorda leia, comente e compa...

Leia também: