segunda-feira, agosto 29, 2011

Al-Assad em ligeira queda aperta o cerco enquanto suas forças estão indo embora.

A opressão militar sobre o povo sírio vem sendo cada vez mais violenta. Mas a forma como este glorioso povo decidiu enfrentar esta terrível e inigualável ameaça, não tem comparação. 


Este momento é simplesmente mágico. É um marco do começo do fim da
era Al-Assad e o começo do início da democracia no mundo árabe.
Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 29 de Agosto de 2011 - 18h01min.
Atualizado as 19h00. 


A lição que a primavera síria está deixando para o mundo, é que a exemplo de Kadafi e Mubarak o uso da força bélica contra um povo que urge por seus direitos, estando coberto pela lei em toda sua plenitude, só serve para retardar o inevitável. Uma ferramenta de vingança e que eleva em milhares de vezes a gravidade dos crimes cometidos em tempos áureos de corrupção política.

Em síntese, a lista de penalidades a serem cobradas tornam-se um alto preço. Sem falar de religião, não haveria um fim melhor para todos os mártires e seu ex-líder se este caminho tivesse sido evitado?

Nenhum poder concedido a um ser-humano foi feito para ser eterno. Hoje o homem não domina mais o Jardim do Éden. Não controla a natureza nem os animais. Hoje o homem não controla os religiosos, não controla as riquezas e nem a gloria, a fama nem a formosura.

Não há poder ilimitado debaixo do céu, nem autoridade suprema sobre os seres vivos estando no mesmo plano. Só Deus é todo-poderoso para os fiéis e os infiéis. Para os que o adoram e os que o ignoram.




Não há dom eterno nem trono que não possa ser usurpado. Não há mais longevidade no poder político nem militar. Mas sempre haverá um povo. Suas demandas sempre serão mais fortes que uma monarquia ou autocracia. Como pode um povo ser privado de sua dignidade em detrimento de uma família? Mais poderosas são as necessidades de um povo do que o glamour de um clã.

Mais altissonantes serão seus brados por libertação que todos os decretos assinados contra ele.


Este é o segundo episódio da libertação dos escravos no mundo. Todo cárcere será derrubado e as forças de destruição serão revertidas. O mundo se incendiará e quando tudo terminar, se aquietará novamente.

Outra estátua de Al-Assad sendo derrubada (antes era mantida por força militar)
Advinhe em que parte a estaca foi colocada para empurrá-la ao chão?


Haverá finalmente paz para todos aqueles que lutam e amam a liberdade. Haverá um mundo novo onde ninguém mais será escravo político, comercial ou religioso. Todo poder concentrado será compartilhado e não haverá quem consiga reuni-lo outra vez.

Apenas unindo os povos, será possível reunir o poder.

Artigo em Destaque

EDITORIAL - O Brasil é perfeito para quem não teme o trabalho honesto

Temos que combater os esforços da mídia paga, que visa fazer as pessoas amarem mais o mal que o bem. Se você concorda leia, comente e compa...

Leia também: