segunda-feira, maio 23, 2011

Síria: A revolução de muitos heróis e mártires - 23-05-11 Saulo Valley

Com a divulgação das sanções determinadas pela União Européia contra a Síria, podia-se esperar que os massacres cessassem, mas não foi o que ocorreu.


Muitos confrontos entre as forças de segurança e o povo desarmado ocorreram, com diversas atrocidades sendo praticadas ou vindo à tona durante o dia, infelizmente.


Inspirado nas outras revoluções árabes, a revolução síria tem se tornado
uma grande referência. Uma lição de vida, coragem e amor pelo país.
Certo dia um rebelde líbio me disse: "Não existe revolução sem armas.
A revolução americana, espanhola, brasileira, portuguesa, francesa...
todas foram armadas!" Eu respondi que o mundo havia mudado...
Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 23 de Maio de 2011 - 20h17min.

O homem que desafiou o regime.

Uma polêmica nacional que tem sido grande trunfo da revolução no momento e está sendo divulgada em todos os meios possíveis, é a história deste jovem na foto ao lado. Ahamd Biyasi que foi preso por forças de segurança e foi acusado de insurgência. O rapaz era construtor civil e naquele dia não iria protestar e sim trabalhar.

Segundo eu havia lido há um mês, ele estava sendo acusado de fazer parte de um grupo armado que havia matado 6 soldados do exército em confronto. (o que era mentira, por que os soldados mortos haviam sido executados pelas forças de segurança por se negarem a matar civis) A alegação justificaria a operação militar na região, que na época, já havia sido denunciada aos países ocidentais pelos manifestantes, que já pediam socorro.

Após sua prisão, um video mostrando forças de segurança e mercenários espancando e maltratando civis indefesos, enquanto lhes portavam armas, vazou para o youtube. Em primeiro plano, o rapaz que estava sendo espancado (o primeiro a se levantar) era o bravo Biyasi (Biasi), o mesmo da foto. Assista:


Após a divulgação do vídeo, autoridades internacionais e a própria imprensa pedia o fim dos ataques covardes aos civis mas o presidente Al-Assad pessoalmente comentou a respeito, descrevendo a gravação como uma farsa. Ele defendeu que o vídeo era uma montagem e que a cor dos uniformes não coincidiam com os uniformes das forças militares locais e que provavelmente tenha sido gravado no curdistão iraquiano em outra época, e não representava a verdade do que realmente acontecia no Banyas, negando QUALQUER OPERAÇÃO MILITAR NA REGIÃO, e confirmando que um pequeno confronto ocorreu no norte do Banyas, quando a polícia buscava proteger os civis dos ataques de grupos insurgentes, resultando na morte de soldados e guardas.


Pouco tempo depois, o rapaz foi libertado. Depois de ter sofrido muitos espancamentos e ter gravado a si mesmo em posse de um cartão de indentidade emitido pelo governo da síria e trajando a mesma roupa que usava quando apareceu no vídeo, ele voltou para comprovar que o vídeo não era montagem. Assista:


Mas depois da gravação deste vídeo que confrontava a declaração do presidente da república diretamente, Ahmad Biasi desapareceu. Dias mais tarde o Jornal Independente havia recebido uma denúncia de um ativista de direitos humanos que Ahmad Biasi havia sido preso e torturado até a morte no quartel general do Serviço Secreto Sírio, em Damasco, a mais terrível e temível dentre os 5 níveis de inteligência atuantes no país.

Dias depois Biasi aparece em um vídeo em que ele se mostra surpreso por ouvir dizer que havia morrido sob forte tortura. O vídeo exibido pela TV Estatal tinha a intenção de confundir o mundo. Daí então não se teve mais notícias de Biasi que foi eleito o maior de todos os mártires, porque por meio dele, as palavras proferidas pelo próprio Assad foram desmentidas e o mundo pode ver que o vídeo assustador era real.
O local onde ele aparece exibindo o cartão de identidade é o mesmo local onde foram relizadas as torturas do primeiro vídeo. Ele fez tudo isto para provar que não se tratava do Curdistão Iraquiano e que era um cidadão sírio.

Esta história aconteceu no início do mês. Recebi o primeiro vídeo na semana passada mas não fiz mais do que olhar rapidamente sem me prender ao conteúdo.

Hoje muitas páginas de facebook foram criadas em sua homenagem, e a sua foto, tornou-se a face humana da coragem e da revolução síria. Mas uma delas é a mais especial: É a página dedicada a mostrar todos os mártires que entregaram-se incondicionalmente e sem oferecer a menor resistência pela liberdade de seu país.

Nesta página ainda os criadores procuram por informações que levem ao paradeiro de Biasi ou ao local onde seu corpo possa estar, para que tenha direito a um funeral dígno.

22h21min Video gravado em Hama no dia 20 de Maio (sexta) mostra a ignorância que prova que não há reconciliação possível entre o atual regime e o povo sírio.


Na próxima postagem, as novidades das organizações árabes contra o regime de Assad aguarde só mais um pouco...

Artigo em Destaque

EDITORIAL - O Brasil é perfeito para quem não teme o trabalho honesto

Temos que combater os esforços da mídia paga, que visa fazer as pessoas amarem mais o mal que o bem. Se você concorda leia, comente e compa...

Leia também: