terça-feira, maio 24, 2011

Arábia Saudita: Mulher é presa e acusada de incitar mulheres a dirigir carros

A revolução no mundo árabe ultrapassou os limites da política e da religião. Ontem foi denunciado que uma mulher Árabe chamada Sharif, de 32 anos foi presa quando dirigia um automóvel no leste da Arábia Saudita.


Imagem fonte: free-spiritblog
Por Saulo Valley - Rio de Janeiro, 24 de Maio de 2011 - 07h15min.

A polícia formalizou a acusação informando que Sharif era acusada de dirigir um automóvel em público, na cidade de Khobar.

Após ter sido notificada e advertida, foi liberada e horas depois foi presa novamente em sua casa, mas desta vez pela polícia judiciária. Quem denunciou foi o Advogado dela Adnam Al-Saleh em entrevista para a AFP por telefone.

Ele comentou que esteve na prisão para conversar com Sharif, que tinha sido acusada de dirigir em público e de incitar a opinião pública.

Enquanto a policia judiciária determinou que a moça ficasse por 5 dias detida para novas investigações, o site France24 informou que o seu advogado Dr Al-Saleh procurou o Monarca para pedir que agisse em favor da ré.

Fonte: Guardian
Unindo-se a ativistas de direitos humanos, o advogado programa uma manifestação pedindo que seja dado às mulheres o direito de dirigir automóveis.
Ele salientou que "Convidar as mulheres para a liderança não é um crime" a dizer, apontando para a falta de punição para o crime."
Ele esclareceu que na Arábia Saudita a prevenção da liderança das mulheres tem base na formação de "opinião" portanto que a palavra final sobre as mulheres terem o direito de dirigir depende exclusivamente do Rei.

Fonte: gulfnews
Em Dubai uma ativista organizou um grupo feminino chamado "Womens 2 Drive" lançou uma campanha incentivando as mulheres a dirigirem seus próprios carros numa manifestação pública marcada para o dia 17 de Junho, em desafio ao estigma social quanto as mulheres dirigindo no reino.

O grupo alerta que em Dubai não é contra-lei, mas o estigma faz as mulheres recuarem.

Em entrevista publicada pelo site árabe "GulfNews" a organizadora do movimento esclareceu:
"Toda mulher tem algo para fazer na cidade, ela vai apenas dirigir, fazer o seu negócio e voltar. Então, é tão simples como isto. As pessoas não podem chamá-lo de uma demonstração, nós não estamos indo contra a lei, nós não estamos indo contra ninguém, não estamos ainda a demonstrar, "Manal Al Sharif, uma das organizadoras disse para a notícia do golfo da Arábia Saudita."
Ela abordou o exemplo de mulheres que encontram dificuldade de irem pra faculdade. Nem mesmo há como pegar um transporte público!
"Conseqüentemente, as mulheres têm necessidade de contratar motoristas particulares, que chegam a custar  muito dinheiro para as mulheres.
 "Dois terços dos nossos salários vão para os condutores e mantemos um terço dos nossos salários para nós mesmas. Não há transporte público também. Você não pode andar na rua, você não pode dirigir seu próprio carro, não há transporte público , você tem que tomar um táxi ou ter um motorista particular ", disse ela.
Mana disse que as estatísticas oficiais mostram que há 2 milhões de mulheres forçadas a trabalhar e cerca de 750.000 motoristas particulares no reino.
O grupo criou uma identidade social media, com um evento Facebook desenho mais de 4.700 pessoas e uma conta do Twitter com mais de 2.300 seguidores (a partir de 18 de maio)." Fonte: Gulfnews
07h57 - Olhem a coincidência: A entrevista para a GulfNews por "Manal Al Sharif" no dia 18 e a prisão da mulher chamada apenas de "Sharif" por incentivar as mulheres a dirigir... Será que as duas são a mesma pessoa? Vamos descobrir!

São a mesma pessoa. Observe os detalhes agora:

Descobri que no site Guardian que foi na semana passada que Mana Al Sharif decidiu dirigir o carro de seu pai enquanto gravava o incrível acontecimento com uma câmera por duas horas, sendo acompanhada por seu pai.


Ela editou o vídeo e publicou em seu canal no youtube. No Domingo foi presa junto com seu irmão, mas acredita-se que ele tenha sido liberado.

Segundo uma publicação anterior do Guardian o vídeo que a esta altura não deve estar mais disponível teve mais de 500.000 acessos! Agora mesmo descobri que o canal dela no youtube foi deletado.

Segundo o Guardian ela aprendeu a dirigir nos Estados Unidos. A polêmica está centrada na proibição de homens e mulheres dividirem o mesmo espaço.

O mais estranho é que a partir do momento em que a mulher contrata um motorista particular ela divide o mesmo espaço com um homem que acaba se prevalecendo e tendo muitas clientes-amantes.

Artigo em Destaque

EDITORIAL - O Brasil é perfeito para quem não teme o trabalho honesto

Temos que combater os esforços da mídia paga, que visa fazer as pessoas amarem mais o mal que o bem. Se você concorda leia, comente e compa...

Leia também: